Senador Magno Malta diz que há conspiração de ativistas pró-maconha para legalizar a droga; Assista

45

O senador Magno Malta (PR) denunciou o que chamou de conspiração para legalizar a maconha no país. As declarações foram feitas durante uma entrevista coletiva no dia 13 de outubro, após uma audiência pública no Senado para debater o assunto.

Magno Malta disse que estava formando a Frente Parlamentar Mista Contra a Legalização das Drogas, integrada por parlamentares de diversos partidos e confissões religiosas que são contra a descriminalização da maconha.

“Eu tenho 36 anos da minha vida enxugando lágrimas de mães de viciados e continuarei lutando contra este mal”, disse o senador Magno Malta.

Malta anunciou ainda que acionará a Polícia Federal para avaliar um vídeo a que ele teve acesso onde os favoráveis à legalização da droga traçam uma estratégia para conseguir seu objetivo. O plano seria usar a legalização do uso medicinal de derivados da maconha – ainda em discussão – para deixar implícito a liberação do uso “recreativo” da droga.


“Vou encaminhar denúncia ao procurador geral, ao ministro da Justiça. Vou encaminhar aos presidentes de assembleias legislativas, pra ver a ‘coisa inofensiva’ daqueles que aparecem nos debates com cara de pessoas que estão militando por alguma coisa só por interesse para seu uso pessoal e a sua ‘recreação’, em detrimento do que pensa uma nação, do que pensa a maioria. Esse vídeo precisa ser visto por todo mundo”, esbravejou Malta.

Para o senador é desnecessário aprovar uma lei para descriminalizar o uso medicinal da maconha: “Tem 15, 20 famílias com problemas [de saúde] e que acham que esse medicamento resolve. É fácil. Anvisa, Ministério da Saúde. Uma portaria do ministro já credencia as ‘15’ famílias [para adquirir o canabidiol]”, argumentou o senador.

Rossana Brasil, coordenadora de Políticas Contra as Drogas da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Ceará, afirmou que o debate no Senado está favorecendo os que defendem a descriminalização da maconha: “Está tendencioso sim ao projeto de legalizar a maconha. E o que é que isso vai causar? Mais problemas para as crianças, para as famílias”, pontuou.

Assista:

Assine o Canal

45 COMENTÁRIOS

    • STARDUST
      Como ves já estas condenado
      Foi para a liberdade que Cristo nos libertou. Portanto, permaneçam firmes e não se deixem submeter novamente a um jugo de escravidão.
      Ouçam bem o que eu, Paulo, lhes digo: Caso se deixem circuncidar, Cristo de nada lhes servirá.
      De novo declaro a todo homem que se deixa circuncidar que está obrigado a cumprir toda a lei.
      Vocês, que procuram ser justificados pela lei, separaram-se de Cristo; caíram da graça.
      Pois é mediante o Espírito que nós aguardamos pela fé a justiça que é a nossa esperança.
      Porque em Cristo Jesus nem circuncisão nem incircuncisão têm efeito algum, mas sim a fé que atua pelo amor.
      Vocês corriam bem. Quem os impediu de continuar obedecendo à verdade?
      Tal persuasão não provém daquele que os chama.
      “Um pouco de fermento leveda toda a massa”.
      Estou convencido no Senhor de que vocês não pensarão de nenhum outro modo. Aquele que os perturba, seja quem for, sofrerá a condenação.

      Gálatas 5:1-10

      • “Vocês, que procuram ser justificados pela lei, separaram-se de Cristo; caíram da graça.
        Pois é mediante o Espírito que nós aguardamos pela fé a justiça que é a nossa esperança.”

        Fica então a pergunta:

        Por que as igrejas adotam sistemas de sacerdócio do padrão levítico. Outras justificam o batismo de recém-nascidos pelo fato que meninos judeus de 8 dias foram circuncidados. Muitas exigem o dízimo. Algumas ainda guardam o sábado e observam regras alimentícias da antiga aliança. Todas essas práticas e doutrinas faziam parte da lei dada ao povo de Israel, mas nenhuma delas faz parte da nova aliança dada por Jesus.

        Fico impressionado como as pessoas lêem o que é claro nas escrituras mas não entendem, pois, a cegueira do sistema turva a visão.

        • De quais sistemas vc. fala? desconheço qual padrão levitico? e diga porque vc. diz que o dízimo é da lei, se é bem anterior a lei? tuas questões , demonstra apenas que vc é revoltado.

          • A única referencia antes da lei foi a de Abraão e ele deu o dízimo de forma voluntária e mediante a ao despojo de um evento específico e somente isto. E não é dificil de perceber ao lermos Hebreus Cap. 7 que esse episódio ocorreu apenas para chancelar o sacerdócio de Cristo que era da tribo de Judá e não de Levi.

            A instituição do dizimo como mandamento se deu na lei, em Leviticos você pode confirmar isto.

            Logo, o dízimo como praticado nos dias de hoje é sim algo relacionado à lei, a única diferença é que ele nunca foi em dinheiro mas os cães gulosos assim o transformaram para enriquecerem.

          • A O MENOS EXISTE ESTA REFERENCIA
            Pois não vemos deus pedindo para ele Abraão dízimar mas o fez
            Também não vimos deus pedir para Jacó votar mas ele fez
            Também não vemos deus pedindo para Abel e caim ofertarem e eles fazem
            Só o que não vejo é ordem alguma do senhor para não fazer, ao contrário ele diz faça esta mas não esqueça daquelas.
            Vc. pratica a desconstrução da verdade ou seja a mentira, não fala aquilo que está na bíblia.

          • “E é evidente que pela lei ninguém será justificado diante de Deus, porque o justo viverá pela fé.
            Ora, a lei não é da fé; mas o homem, que fizer estas coisas, por elas viverá. Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro; Para que a bênção de Abraão chegasse aos gentios por Jesus Cristo, e para que pela fé nós recebamos a promessa do Espírito.” – Gálatas 3:11-14

            Se você quer viver pela lei, você quem o sabe, nega a graça e prestará conta de não tê-la guardado:

            “Porque qualquer que guardar toda a lei, e tropeçar em um só ponto, tornou-se culpado de todos.” – Tiago 2:10

      • José Carvalho lamento em ter de te dizer que tudo que Cristo disse Paulo desdisse. Logo fica a pergunta: Teria sido Paulo mesmo o autor daquelas barbaridades. Sim o caso é sério, pois por causa do que ali está escrito muitos crentes andam em trevas pensando que estão na luz.
        EX: Paulo escreveu aos coríntios: “Comei de tudo quanto se vende no açougue, sem perguntar nada, por causa da consciência”? (I Coríntios 10:25).

        Esquecendo-se que Cristo coloca o pródigo no pior local em que poderia estar. ” o chiqueiro”.
        Cristo expulsa do endemoniado gadareno uma legião que migra para os porcos. Pois cristo sabia que o animal fedido contamina ainda hoje o sacerdócio.
        E finalmente G.W gastou 15 anos de sua vida adulterando o evangelho. Foi um belo trabalho de legitimo maçom filho do diabo.

      • elder lima

        Drogas tem o seguinte aspecto:

        1- te deixam fora de seu raciocinio lógico
        2- fazem vc dar tudo o que tem
        3- te levam a ruina

        Eu não tenho essas 3 caracteristicas, mas muitas denominações da religião evangélica tem sim essas 3 caracteristicas.

          • ELDER LIMA
            Muito bem encaixado estas três caracteristicas do star.
            Não raciocina por ele mesmo ( ouve vozes que mandam ele fazer isto )
            Fazem dar tudo o que tem e no caso dele ( ignomia e adulteração da palavra de deus )
            te levam a ruina ( sim é só comprovar pelos seus seguidores,( Edson souza vivia pedindo esmolas, Mary quebrou sua locadora, ele vive as custas da mamãe e da vovó que as mantém a custa de sua melhor amiga e guia de casa de macumba e muitos feitiços )
            sim stardust é uma droga.

      • uai sior quer dizer qui a doutrina stardustiana e uma droga? kkkkkkkkkkkkkkk, como diz um ateu meu amigo puts grila, caramba e caranbita eu bem desconfiava desta droga de doutrina stardustiana sior cururuis credo

  1. Nas palavras do candidato Eduardo Jorge do PV, a legalização da maconha poderia ser uma estratégia para quebrar o poder do tráfico. Não que eu fume, alias eu nem posso com cigarro comum. No entanto, temos que ser realistas. Enquanto não descobrirmos um meio de cortar as finanças do tráfico de drogas, esta guerra urbana nas nossas cidades, não irá terminar.

    Então o que fazer?

    Legalizar a maconha, seria uma opção. Prefiro que os usuários comprei aqui no asfalto, do que lá em cima no morro. Pq assim, o dinheiro deste mercado não vai para as mãos de vagabundos que vão financiar a guerra urbana contra o estado e seus cidadãos. Claro que, podemos ver outras ideias e deixo aqui o espaço em aberto, para quem tiver qualquer ideia que possa atingir o tráfico onde ele menos espera e onde seria mais danoso para ele. NO BOLSO.

    Me pergunto se é possível rastrear o dinheiro do tráfico e com isso, confisca-lo. Se sim, poderia ser uma outra alternativa para quebrar o poder dos vagabundos.

      • Como eu disse antes, quem tiver ideias para prejudicar as finanças do tráfico, fique livre para posta-las aqui.

        Proibir e deixar clientes e mais clientes colocando grana nas mãos de vagabundos, tb não está funcionando. E ai? O que fazer?

        • Slash

          Na minha modesta opinião, TOLERANCIA ZERO COM TRAFICANTES!!
          Tem que condenar a campos de trabalhos forçados por no mínimo 20 anos, sem redução de pena, e muito menos direito a liberdade condicional!

        • “Como eu disse antes, quem tiver ideias para prejudicar as finanças do tráfico, fique livre para posta-las aqui.”

          Esse é o problema, o tráfico só mudará de nome e continuará arrecadando, não legalizarão as drogas, legalizarão os traficantes.

          • Quem aqui falou sobre drogas? O que eu vi sendo citado é sobre a maconha, uma planta utilizada há mais de 6 mil anos para os mais diversos fins. Correto?

            E sejamos sinceros é como dizer que nos anos 20, quando proibiram o álcool nos EUA, quando ele fosse liberado teria gente vendendo ilegalmente na rua e etc… Percebeu? Ninguém consegue continuar a ser traficante quando existem lojas e lugares específicos para o consumo.

            Mas talvez, o nosso amigo que apoia a proibição goste mesmo de dar dinheiro para os traficantes, que em contrapartida, suporta as mais perigosas organizações do crime e etc. O crime destas pessoas é ser alienado, escolher não tolerar algo tão simples como uma planta, e dedicar bilhões a que nos mata.

    • Slash,

      A argumentação é bonita e até coerente, porém, existem outros interesses na legalização.

      Se você pesquisar o Foro de São Paulo, não sei se já ouviu falar, trata-se de uma organização criada por Lula e Fidel Castro em 1995 com o propósito de unir todas as forças revolucionárias da América Latina, sejam elas ONGs, Partidos Políticos, Sindicatos, e pasme, as FARC e outras organizações criminosas também fazem parte da organização, como partidos políticos brasileiros temos o PT e o PSB.

      Isto não é boato nem teoria da conspiração, isto conta em Atas publicas disponíveis na internet. Eles desejam que a esquerda venha a tomar o poder de toda a América Latina.

      Existe já um projeto de transformar as FARC em um Partido Político, mas para isto, eles precisam estar na legalidade, a partir do momento que a maconha for legalizada as FARC saem da ilegalidade e passam a ser uma instituição legal com CNPJ podendo operar tranquilamente.

      O sistema das drogas não mudará, o que vai mudar será somente a nomenclatura, as organizações e pessoas continuarão atuando, só passarão da ilegalidade para a legalidade.

      No frigir dos ovos, estaremos só chancelando e dando aval e autorização para que o que aí está continue sem prejuízos a eles no que tange as leis penais.

      Outro ponto é que o mercado paralelo continuará existindo, isso é fato, mesmo hoje com o tabaco e o àlcool totalmente legalizado a muito tempo temos o mercado paralelo ainda que em pouca escala.

      Sobre a Holanda em relação à leagalização da maconha e da prostituição:

      “A região do De Wallen afundou num tal processo de degradação e criminalidade que o governo municipal tomou a decisão de colocar um basta.”

      “Os cafés já não podem vender bebidas alcoólicas nem cogumelos alucinógenos, e uma lei que tramita no Parlamento pretende proibi-los de funcionar a menos de 200 metros das escolas.”

      “Nos primeiros três anos de legalização da prostituição, aumentou em 260% o tráfico de mulheres no país.”

      “O problema é que Amsterdã, com seus cafés, atrai ‘turistas da droga’ dispostos a consumir de tudo, não apenas maconha. Isso fez proliferar o narcotráfico nas ruas do bairro boêmio. O preço da cocaína, da heroína e do ecstasy na capital holandesa está entre os mais baixos da Europa”, afirma a matéria de Veja.”

      ” Pesquisas revelam que 67% da população holandesa é, agora, a favor de medidas mais rígidas. E ainda tem gente que defende que o Brasil deve legalizar a maconha, o aborto, a prostituição etc, citando a Holanda e outros países como exemplo de “modernidade”.

      Não caiamos nessa, e meu comentário não tem nada a ver com minha profissão de fé religiosa, obviamente sou contra as drogas em função disto, porém, analisando friamente o caso sem influencia midiática daqueles que tem interesse nisso posso afirmar que é um belo jogo de cena para um projeto de grandes proporções que só irá piorar e muito a vida das pessoas.

      • Sobre as FARC se tornar um partido político, é a mesma coisa do HAMAS e da Assembleia de Deus(aqui no Brasil). Ou seja, não é uma coisa boa e representa um perigo enorme para a sociedade. Me desculpe a sinceridade, mas eu reprovo a conduta hitlerista da Assembleia de Deus na nossa política. A insistência em jogar outros segmentos, fora da sociedade e do estado. E não me venha dizer que os políticos evangélicos da Assembleia de Deus não fazem isso pq eles fazem isso SIM.

        “Outro ponto é que o mercado paralelo continuará existindo, isso é fato, mesmo hoje com o tabaco e o àlcool totalmente legalizado a muito tempo temos o mercado paralelo ainda que em pouca escala.”

        Se em menor escala significa menos dinheiro para o tráfico, eu vejo isso como benéfico. Como já disse antes, não posso fumar, logo eu não estou defendendo causa própria. Apenas afirmo que só resolveremos o problema da criminalidade nas cidades, quando encontrarmos uma forma de atingir o tráfico de drogas no bolso. Seja legalizando ou não, a maconha. Apenas o combate armado, como é hoje, não está funcionando. Pois a maquina que alimenta toda essa criminalidade, segue intacta.

        • Slash,

          “Me desculpe a sinceridade, mas eu reprovo a conduta hitlerista da Assembleia de Deus na nossa política. A insistência em jogar outros segmentos, fora da sociedade e do estado.”

          Não precisa se desculpar, pois, eu concordo.

  2. No ano de 2000 mandei cartas ao congresso, embaixadas, inclusive ao presidente da época, Fernando Henrique.

    Sugestão, o estado fornecer, porém permanecer sendo crime.

    Disse em minha, até por ter perdido dois irmãos pra a droga, que as políticas mundiais tinha falhado.

    Sugeri o que hoje foi feito pelo Uruguai, mas nada de comércio, apenas cadastrar, fornecer e monitorar os usuários, pois são pessoas enfermas.

    O fornecimento ao usuário haveria de ser em unidades composta por multiprofissionais antes do uso, e depois de longas conversas de instrução e orientação.

    As unidades de apoio haverão de mantidas pelos recursos provenientes da suspensão de pena dos que cometeram o delito da tráfico, falava eu à época, lembrando que hoje o país possui 120.000 pessoas pagando pena.

    Uma pena que o Senador ache que todos que falam de drogas, estejam querendo legalizá-las, quando a verdade é outra, a falência mundial no combate, daí se buscar alternativas.

    Os jovens são cooptados nas escolas, crianças de 12/14 como foram meus irmãos.

    Assim que o mundo repense a política, que não é legalizando, mas fornecendo aos já usuários, modo de acabar com o tráfico, migrando a corja de tais bandidos para outro tipo de crime, mas não o que destrói a família na sua raiz.

    O Estado proteja o enfermo(usuário).

      • Stardust,

        Tanto foi bem sucedida a mensagem enviada, que Fernando Henrique passou a proclamar essa tese a torto e a direito, logo após deixar o governo, sendo seguido depois por Bil Clinton, o ex presidente do México, da Colômbia, e agora o do Uruguai que materializou a sugestão dada.

        Ou seja, fez igual ao que eu havia sugerido há 14 anos, todavia pretendendo Mogica a venda aos usuários, tendo eu enviado email à embaixada enfatizando que não, sim a distribuição gratuita aos enfermos(usuários).

        Prova do que fiz, ao se aproximar do ex presidente do Brasil citado acima, pergunte se recebeu carta de um tal de Mateus Fernandes, em 2000?

        A mesma missiva enviei aos presidentes dos tribunais de justiça do Brasil e às assembleias legislativas, além, como disse, a dez embaixadas de países mais avançados, digamos, nos direitos individuais.

    • Pode ser tb.

      Ou mesmo permitir que a maconha seja plantada para uso PARTICULAR. Ou seja, vender seria proibido. Imagino quantos não plantariam sua erva, deixando de comprar dos traficantes. Ou então o governo se dispor a plantar a maconha para os usuários, mediante a um valor pequeno e acessível. Para depois, como vc mesmo deu a ideia, fornece-la aos usuários, tirando-os das mãos dos traficantes.

      O objetivo tem que ser um só, atingir os traficantes no BOLSO. Sem os milhões do comércio das drogas, esse poder paralelo não dura muito.

      • Slash.

        Na verdade não é apenas atingir os traficantes, mas para que a gente possa viver, meu caro.

        Tudo hoje está vinculado diretamente e indiretamente às drogas.

        Crianças sendo usadas para carregar drogas, vender e consumir.

        Menor de idade roubando para sustentar o vício.

        Civis e militares mortos ou envolvidos, inclusive alguns sem querer se vêem obrigados a participar senão morre.

        Campanhas e candidatos mantidos pelo tráfico.

        Sistema de Saúde sobrecarregado de dependentes, de acidentados, dos que sofreram atentados.

        Das mães, pais, familiares e dos próprios usuários chorando e sofrendo as consequências do uso e da morte dos seus.

        Escolas sem segurança, professores intimidados, turismo sem crescimento na faixa ideal, violência, insegurança, descrença, o mundo perdido até mesmo para os que conseguem dotar a vida de segurança privada, com cercas, vigilãncias 24 h,

        Mundo torto, mundo idiota.

    • Levi,

      é uma irresponsabilidade falar em despenalização e liberação de uso de drogas quando o estado mal fornece o mínimo em segurança, saúde e demais serviços essenciais.

      Acho que temos assuntos mais pertinentes para discutirmos. Precisamos consolidar o básico para dar um outro passo que seria o uso medicinal e verificar as suas consequências.

      • E enquanto isso, seremos obrigados a viver nessa guerra urbana? Tenho certeza que muitos já estão cansados disso e querem medidas mais efetivas. Se eu falo em atingir as finanças, é pq sou contra a ideia de promover genocídios nas comunidades pobres, com a desculpa de combater o trafico.

      • Mauro,

        Leia o que escrevi.

        Nunca falei em despenalizar o uso, sim acolher o usuário para tratamento, pois é este mais vítima que qualquer um, todavia, face o vício, eis que tendo que matar e roubar para se apoderar do que o corrói, meu caro.

        Eu digo que os cadastre, procedendo exame minuciosos de sangue e demais que a ciência dispuser, e uma vez constatado ser usuário, fornecer de forma gratuita sob condições, quais? Receber dose do entorpecente que faz uso numa estrutura, mas todas as vezes ouvir antes palestras demonstradoras do mal que causam as drogas.

        Drogas somente seriam toleradas aos que demonstrassem a dependência, sendo penalizados os que comerciem e façam uso extra as estruturas médicas nesse fim.

        Vejo que você não conseguiu me conhecer, apesar dos nossos embates aqui, meu caro.

        A droga somente é inseminada no seio social em face de possuir valor econômico, mas se o estado quebrar essa poderosa espinha do mal, que se traduz e bem com o narcotráfico, os drogados de hoje em 15 estarão curados sob o poder da palavra de psicólogos, médicos, religiosos, parentes e medicamentos. Só a conscientização liberta, mas como conscientizar se os jovens não confessam o seu uso, resultado da nossa intolerância, e quando os pais passam a ter certeza, eis ser tarde, pois iniciam dentro das escolas, aos 14/15, confundindo o diagnóstico com a conhecida fase da “aborrecência”, mas em verdade são as drogas mesmo.

        Faça um levantamento pra confirmar que nossos filhos, irmãos e parentes são cooptados dentro das escolas ou no entorno delas, na idade acima, ou seja, crime hediondo, onde vários se juntam(quadrilha) para entorpecer crianças(lucro).

        Sai governos e entram governos, mas nenhum resolvem.

        No Brasil a gente dá corda aos nossos menores via o Estatuto do menor, depois de crescido damos o golpe de misericórdia, morte ou cadeia, em síntese, não endurecemos a lei para o menor, deixamos ele praticar os crimes, depois de alçar a maioridade, portanto já viciados no crime, mandamos para as cadeias ou cemitério.

        Meu caro, olhe o que ocorre no dia a dia da nossa sociedade, onde nada é tentado, nada se procura fazer, mas os discursos estão sempre prontos:são vítimas da pobreza, dando a entender que marginalidade é inerente a pobre. Por favor, aqui é o pais dos acomodados, dos de braços cruzados, dos satisfeitos com a miséria alheia.

      • Mauro,

        Leia o que escrevi.

        Nunca falei em despenalizar o uso, sim acolher o usuário para tratamento, pois é este mais vítima que qualquer um, todavia, face o seu vício, eis que tem que matar e roubar, para se apoderar do que o corrói, meu caro, as drogas.

        Eu digo que os cadastre, dai proceda exames minuciosos de sangue e demais que a ciência dispuser. Uma vez constatado ser usuário, forneçamos a ele de forma gratuita, mas sob condições. Quais? Receber doses de entorpecentes que o seu organismo suplica, mas desde que cadastrado e seguindo as regras estabelecidas em estruturas médicas, onde se exige dos mesmos antes de consumo, participar de palestras demonstradoras do mal causados pelas as drogas.

        Em síntese, as drogas somente seriam toleradas aos que demonstrassem a dependência, portando sendo penalizados os que comerciem, bem como os que façam uso delas extra as estruturas médicas acima citadas.

        Vejo que você não conseguiu me conhecer, apesar dos nossos embates aqui, meu caro.

        A droga somente é inseminada no seio social em face de possuir valor econômico, mas se o estado quebrar essa poderosa espinha do mal (que se traduz e bem com o narcotráfico), os usuários de hoje em 15 anos estarão curados, tudo por conta do poder da palavra conscientizadora de psicólogos, médicos, religiosos, parentes, e de medicamentos.

        Só a conscientização liberta, mas como conscientizar se os jovens tendem na sua maioria a não confessarem o seu uso? Este é o resultado da nossa intolerância, pois quando os pais passam a ter certeza, eis ser tarde, visto que iniciam dentro das escolas aos 14/15 anos, confundindo, pois, o diagnóstico com a conhecida fase da “aborrecência”, quando em em verdade são as drogas mesmo.

        Faça um levantamento pra confirmar, sim confirmar que nossos filhos, irmãos e parentes são cooptados dentro das escolas ou no entorno delas, na idade acima, Crime hediondo, onde vários se juntam(quadrilha) para entorpecer crianças(lucro).

        Saem governos e entram governos, mas nenhum resolve.

        No Brasil a gente dá corda aos nossos menores via o Estatuto do Menor, depois de crescido damos o golpe de misericórdia: morte ou cadeia. Em síntese, não endurecemos a lei para o menor, deixamos ele praticar os crimes, depois de alçar a maioridade, portanto já viciados na prática delituosa, mandamos para as cadeias ou cemitério. Belo povo nós somos.

        Meu caro, olhe o que ocorre no dia a dia da nossa sociedade.Nada é tentado, nada se procura fazer, mas os discursos estão sempre prontos: os menores são vítimas da pobreza, casamentos desfeitos, falta de religiosidade, dando a entender que marginalidade é inerente a pobre.

        Por favor, aqui é o pais dos acomodados, dos de braços cruzados, dos satisfeitos com a miséria alheia.

  3. A guerra às drogas nunca deu certo em quase 1 século de existência. E quem sofre nessa guerra não somos nós, mas sim as pessoas pobres e negras que convivem diariamente com a violência nas periferias. A legalização é uma proposta menos violenta para um “problema” que sempre existiu na sociedade. Jesus é relatado na bíblia usando vinho e óleos santos. Não podemos deixar como estar

  4. olha os barbados com veu e grinalda, José Claudio!!

    Quando digo que essas abominações merecem ser presos eu que estou errado….

    gente NOJENTAAAAA (ou evoluida.. como o zezinho diz…)

  5. O PT fundou em 1990 o FSP, juntamente com Fidel Castro, para expandir a ditadura socialista pela America latina. Na época era secreto, e ele negava veementemente. Hoje já existem videos na internet dele falando no evento se jactando deste feito. Certa vez, (também tem vídeo) hugo chaves declarou que conheceu um dos líderes das farc nestas reuniões do Lula.
    A ditadura em Cuba, é padrão para o PT. Fidel governa duramente há mais de 50 anos, ao implantarem segundo livros históricos contabiliza que perseguiram e mataram 100 MIL pessoas, por crimes como religião, homossexualismo, e ideologia contrária ao governo.
    Também como o regime mãe, criaram campos de concentração para estes ‘criminosos’.
    Hoje o povo ainda é prisioneiro, não pode sair do país. Muitas pessoas morreram no mar tentando fugir em balsas improvisadas.
    Esta ditadura arruinou o País, que é uma miséria. O PT está mandando o dinheiro do Brasil pra lá. Como estes não conseguiram sucesso na luta armada, usaram outras estratégias criadas como por exemplo o Gramscismo aqui no Brasil.

    O povo é iludido com populismo, porém quando derrubarem todas as formas do povo se unir contra um governo, implantarem a tão sonhada censura, controle total de armas, controle da mídia, entre outras, o regime irá endurecer aqui, principalmente para quem se diz cristão.
    Pois para Gramci o maior mal é a família e o cristianismo.
    Dentro desta concepção, as ações dentro da sociedade são estimuladas ou coibidas, conforme o prisma, se for para destruição dos valores familiares, será apoiado pelos adeptos da ideologia. Como o povo incauto, não sabe identificar estas ideologias por trás dos panos, simplesmente acredita nos argumentos populistas, imediatistas, assistencialismo barato, onde utilizam dos impostos pagos a benefício das ideologias partidárias, para aprovar todo tipo de lei, que venha para destruir a família, os valores familiares e impor uma nova ordem na sociedade.

  6. Eu fiz uma estratégia que agradará o Magno malta. Eu peguei AIDS antecipadamente e propositadamente pra caso a maconha fosse liberada pra fins medicinais eu seria uns dos primeiros a tê-la. Tá bom pra você, Magno Malta ?

  7. As pessoas precisam se informar mais. No Uruguai, por exemplo, morte por tráfico ZERADA, POR CONTA DA REGULAMENTAÇÃO DA MACONHA. Gostem vocês ou não, aceitem vocês ou não, é um fato. Sem contar que a legalização da maconha no Brasil pode gerar um superávit econômico de R$ 5 bi, elevando nossa economia e afastando o PIB do 0%, além de gerar empregos diretos…

    Mas é assim, é preciso haver uma educação que mostre que menores de idade não poderão acessar a esse produto, como é no Colorado, na Califórnia, na China (na China não há uma lei que proiba, e a erva lá é muito bem vista) e no Uruguai.

    Prezados, querem ser contra a legalização? Vocês têm todo o direito, mas é aquilo, façam tal qual eu fiz. Comecei a fumar maconha aos 24 anos. Dos 18 aos 24 eu estudei botânica (autodidata), e pesquisei muita essa planta. E eu era evangélico, e se voltar pra igreja, continuarei sendo A FAVOR DA REGULAMENTAÇÃO. ESTUDEM, PESQUISEM e se INFORMEM-SE, antes de dizer se são contra ou a favor. Abraços a todos.

  8. Você é a favor do casamento entre evangélicos?
    (1) Não, eles podem influenciar os meus filhos a serem evangélicos.
    (2) Não, eu amo os evangélicos mas não concordo com sua práticas.
    (3) Sim, desde que não possam adotar ou reproduzir.
    (4) Eu amo os evangélicos, mas não concordo com suas praticas porque elas não são naturais. Na natureza, não vemos animais evangelicos, somente o homem.
    (5) Sim, desde que não seja comigo.
    (6) Não, evangelismo é uma escolha.
    (7) A Ciência é bem clara, só existe cromossomo macho e fêmea, não existe cromossomo evangélico.
    (8) Sim, Evangélicos também são seres humanos…

  9. Artigo

    Maconha, a erva, de pronto, me evoca duas expressões populares:

    1) A grama do vizinho é sempre mais verde

    Defensores da legalização do consumo e venda baseiam-se em exemplos e experiências de outros países, embora não raras vezes eles fecham os olhos para o fato de que o ícone legalize queridinho dos maconheiros, a Holanda, hoje se arrepende de seu progressismo. Fato igualmente não desprezível é a diferença cultural entre nós e eles. Você pode achar que a grama do vizinho é mais bonita, mas é porque provavelmente ele dispõe de mais recursos para tratá-la. Talvez você sequer devesse tentar ter um gramado por enquanto…

    2) Se mudar a cor da grama, o burro morre de fome

    Percebo que há advogados da cannabis avançando na argumentação, defendendo supostos benefícios terapêuticos. Além de ser um viés controverso (dada, por exemplo, a existência de drogas psiquiátricas já longamente desenvolvidas), evidentemente não é a alegação principal que sustenta o movimento pela legalização. A juventude que ora se encanta com os “arautos do tapinha” quer mesmo é desafiar o sistema e salvaguardar seu prazer mas, claro, comprarão qualquer bagulho barulho que lhes ajude a confrontar os conservadores. Grande parte dos ideais da juventude – talvez em todas as gerações – são formados por bandeiras bovinamente defendidas, sem perspectiva, muitas vezes sem respaldo familiar, ou seja, sem a aprovação dos pais e portanto desligados da própria educação e tradição que receberam.

    De dentro dessa nuvem escura, têm dificuldade de enxergar as implicações de uma tal medida irresponsável. Analiso alguns argumentos da discussão:

    I) A ilegalidade da venda propicia a corrupção, pelo contrabando

    Não é porque existe corrupção que deixa abertas as fronteiras para o tráfico que legalizar vai acabar esse foco de corrupção. Ter fronteiras vazadas, para contrabando de drogas, armas e quaisquer outros produtos é um problema em si, que deve ser combatido independentemente de que objetos passem ilegalmente.

    II) Legalizar a venda geraria recursos para serem investidos em saúde, educação, etc

    “Legalizar e usar impostos em educação” não é factível. Primeiro porque aumentando o uso, aumenta o abuso e com isso a demanda por tratamentos (sejam contra a dependência sejam colaterais, de outros aspectos da saúde) logo, esses impostos teriam de ir pra saúde – e não educação -, mas em caráter de socorro e não de investimento. Segundo que o Brasil precisa de uso racional e honesto da arrecadação que já faz, não estamos carentes de mais impostos, ou seja, de mais dinheiro público captado.

    III) Com a venda e o consumo liberados, a compra nas favelas vai ser reduzida e com isso a guerra do tráfico também

    Quanto à “guerra das drogas”, “aviõezinhos do tráfico” e demais efeitos sociais do tráfico, digo que o problema não acabaria com um esgotamento da demanda pela droga comprada dos traficantes.

    Qual é a relação de causa e efeito traçada entre legalizar a venda de drogas e a redução dos conflitos nas favelas?

    Legalizar a venda NÃO tem porque provocar a queda da procura pelos usuários que hoje compram com traficantes nem reduzir a violência. Alguns motivos para a minha afirmação:

    A) com regulamentação e taxação pelo governo, os preços dos produtos “legais” seriam sempre mais elevados que dos traficantes, até porque estes não estão sujeitos a agências reguladoras, custos legais de logística, etc, e brasileiro adora pechinchar e comprar de “camelôs”;
    B) se o rendimento dos traficantes caísse (do que eu duvido), eles mudariam de “produto”, aumentando a atividade dos roubos “no asfalto”, por exemplo. Mas cumpre lembrar que restariam – se legalizada a maconha – as outras drogas, como o crack;
    C) bandidos se confrotam por disputa de território, mas eles não apenas comercializam drogas.

    Aqui no estado do RJ tivemos a comprovação da hipótese afirmada em B. Após os primeiros meses de implantação das famosas UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) na capital, que provocaram a migração dos bandidos para outros municípios, registrou-se o aumento da criminalidade nessas localidades. De acordo com dados do Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro, nos meses de junho e julho de 2012, houve 160 apreensões de drogas em Niterói. No mesmo período do ano de 2013 foram 256, um aumento de 62,5%. Em agosto de 2012, aconteceram 28 homicídios, enquanto no mesmo período do ano de 2013 60 foram registrados, um aumento de mais de 100%.

    atribunarj.com.br/noticia.php?id=11586&titulo=UPP%20EM%20NITER%D3I,%20POR%20QUE%20N%C3O?)

    Relatos dessa percepção são fáceis de encontrar na forma de reportagens sobre o assunto.

    (Fonte: G1)

    O poder do tráfico vai além da venda de drogas, passa pelo poder que as armas proporcionam, domínio de território (e seus habitantes), falta de educação cidadã, etc. Em suma: não é a venda da drogas o que fascina crianças e jovens.

    Maconheiros defendem ainda que não há mal algum em se plantar a erva para consumo próprio e que isso tornaria desnecessário comprar das mãos de traficantes. É uma falácia: o Estado não pode arcar com o risco de usuários como esse tornarem-se novos fornecedores. Aliás, admitir justificando que alguém que não pode plantar compra de traficantes é praticamente uma confissão de coadunar com o crime.

    IV) A tendência da sociedade é modernizar-se e tornar-se mais liberal, despindo-se de preconceitos e conservadorismos atrasados

    Cumpre combater a mentalidade de que toda mudança é um avanço. Nem tudo que a sociedade chega a pensar ser uma questão de liberdade corresponde a um anseio justo, benéfico e uma evolução positiva. A abolição da escravatura, por exemplo, atendeu um clamor pela liberdade e pela dignidade humana. Por outro lado, o que alardeia-se hoje como “direitos reprodutivos”, “liberdade sobre o próprio corpo”, nada tem de promotor da dignidade – muito pelo contrário -tampouco, numa análise ponderada e abrangente representa um avanço social. Outrossim, drogas como a maconha, longe de serem um mero artigo comercializável (e seria plenamente dispensável como tal), são indissociáveis do seu efeito, como diria minha mãe, bio-psico-social.

    Tomo outro exemplo de expressão da juventude, outro exemplo de costume marginal que ainda é um crime: a pichação. É o artigo 65 da Lei 9605/98. É inegável que existem grafiteiros, homens e mulheres com veia artística e bom gosto que podem ser considerados profissionais dessa vertente de arte. Mas não é por causa das belas peças que eles podem produzir dentro da legalidade, com permissão de alguém ou no mínimo sem ferir direitos alheios (comparo com as instrumentalizadas pesquisas psiquiátricas e farmacológicas empregando a cannabis) que a nossa sociedade passou ou passará a tolerar depredação de propriedade privada ou de monumentos, a título de modernização do consenso cultural (análogo aos “cultivadores para o consumo próprio” ou consumidores de uma “maconha de farmácia”).

    OANDARILHO01

  10. Liberar a maconha jamais acabará com a violência. Pois continuará havendo assaltos e homicidios para que se possa apoderar do pertence alheio e adquirir agora nos postos legalizados. Negativo. Como pai não posso em hipótese alguma concordar e cruzar os braços para que isso aconteça. O combate a violência deve ser o resultado de avanços e conquistas sociais , bem como o combate aos traficantes e as bandas podres das policias que conhecem e sabem onde ocorre o trafico. Mas se calam por receberem algum.

  11. Stardust é nisso que dá tu abrir tua vida para esses cretinos.
    tem uma ai que quer saber o nome de meu pastor. Ele quer fazer fofoquinha.
    E o outro detectei que é enfermo de TDAH , receitei á ele ritalina, para quando ler a bíblia , entender.

  12. Por estratégia vamos doar aos drogados suas drogas, pois já viciados.

    Assim fazendo acabamos com o tráfico, por não ter a quem mais vender, e com os usuários, pois em quinze anos haveremos de fazer, pela palavra, suas cabeças, portanto abandonarem o vício como está ocorrendo com o cigarro em que as pessoas abandonam cada vez mais.

    Pai algum sugere camisinha às filhas para elas se darem ao sexo, sim o fazem para não piorarem a situação, qual seja a de ter sexo fora do casamento e ainda engravidar.

    Deus pra nos dar a vida deu seu filho à morte. É o mesmo conceito.

    Aí, indaga-se, Deus é a favor da morte, uma vez que o seu plano de redenção continha a morte de seu filho? Claro que não.

    O diabo impôs a nós todos as drogas, vamos fazer como Deus, ou seja, com sabedoria e a repelir do mundo.

    Nada de legalizar, sim de acolher fornecer e tratar, pois 99,99 dos usuários são reféns aos 14/15 anos, crianças portanto. Assim procedendo acaba o tráfico no dia seguinte em face de uma lei da economia, qual seja, ausência de demanda, uma vez sem demanda, inexiste dinheiro, a grande mola propulsora desse negócio, a razão deles matarem uns aos outros, a vida boa deles a custo do sangue dos nossos filhos. A ganância que mata e destrói o próprio consumidor de seus produtos.

DEIXE UMA RESPOSTA