Pastor Marco Feliciano declarou que vai gastar R$ 3,5 milhões em sua campanha para reeleição

43

Na última semana foram divulgadas pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de São Paulo as previsões de gastos em campanhas eleitorais informadas pelos candidatos das eleições nacionais de outubro. O deputado pastor Marco Feliciano declarou à justiça eleitoral que deve gastar R$ 3,5 milhões em sua campanha para reeleição.

Feliciano tentará a reeleição ao Congresso Nacional, e sua verba declarada irá resultar em um gasto mensal em torno de R$ 1,1 milhão por mês durante o período de campanha eleitoral. Apesar de ter informado qual o gasto previsto, o pastor não informou qual a fonte de tais recursos financeiros.

Marco Feliciano dobrou seu patrimônio durante mandato

Segundo o site Epístola Cristã, Marco Feliciano declarou também à Justiça Eleitoral que seu patrimônio atual é de R$ 1,3 milhão. O valor do patrimônio do pastor dobrou desde o início de seu primeiro mandato em 2010, quando declarou o valor de R$ 634 mil.

Entre os bens de maior valor declarados pelo pastor estão aplicações no Banco do Brasil no valor de R$ 334 mil, além de carros Dodge Journey e Ford Fusion.


Em busca de um novo mandato, Feliciano ganhou destaque durante seu período no Congresso Nacional ao travar uma batalha com Jean Willys (PSOL) na comissão de direitos humanos da Câmara dos Deputados. A previsão dos especialistas é o ele figure entre os mais votados nessa eleição.


43 COMENTÁRIOS

  1. Não voto no Pastor Feliciano porque moro aqui onde o vento faz a curva, se morace no estado dele com certeza daria meu voto a ele somente para velo derrotar aqule mafistofelis com nome de carro veio, qua qua qua banana troxa

  2. Ola PASTOR MARCOS FELICIANO!!…A PAZ DO SENHOR JESUS!…….ESTAVA EU, EM CASA QUE MORO DE ALUGUEL, SEMPRE ORANDO AO SENHOR!… E SENTI FORTEMENTE EM MANDAR UMA MENSAGEM PARA VOCÊ.

    EU PRECISO MUITO REALIZAR MEU GRANDE SONHO, DE TER MINHA LINDA CASINHA,,MAS INFELIZMENTE NAUM TENHO CONDIÇÕES FINANCEIRA EM TER,…SEMPRE ME ESFORÇO MAS AS COISAS NA VIDA SÃO DIFICEIS,,
    SE VOCE QUIZER E SENTIR NO CORAÇÃO DE ME DAR UM PEQUENO APOIO, MEU DEUS FICARIA MUITO MARAVILHADA POIS IREI CONSIDERAR ISSO COMO UM MILAGRE DO SENHOR,,USANDO UM ANJO PARA ME AJUDAR A REALIZAR ESSE SONHO DE CONSTRUIR MINHA CASA!!……

    ,ME AJUDE POR FAVOR!!!!….VOU DEICHAR PARA QUE VOCE SE COMPADEÇA COM UMA QUANTIA FAVORAVEL A UMA PEQUENA CASINHA DE 60M².

    MEU NUMERO DA CONTA!!….. BANCO – CAIXA ECONOMICA
    AGENCIA: 0409 OP.001 —CONTACORRENTE: 20519-4
    PATRICIA LEANDRO FERREIRA.

    AGUARDO RESPOSTAS.
    PAZ DO SENHOR!
    OBRIGADA!..

  3. STARDUST TE DESAFIO EM PUBLICO PARA QUE PROVES O QUE É IGREJA E COMO ELA DEVE PERMANECER, AQUI POSTO O QUE ELA É PARA MIM, depois poste o que é igreja para ti, para que todos vejam tua vergonha anti-Cristo.
    O mundo religioso tem seu mais novo personagem: o evangélico não praticante. A informação aparece nos resultados das últimas pesquisas realizadas pelo Centro de Estatísticas Religiosas e Investigações Sociais (Ceris) e pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgadas pela reportagem O novo retrato da fé no brasil

    Os evangélicos não praticantes são definidos como “os fiéis que creem mas não pertencem a nenhuma denominação”, sendo cada vez maior o número de pessoas que “nascem em berço evangélico – e, como muitos católicos, não praticam sua fé”. Os dados revelam que “os evangélicos de origem que não mantém vínculos com a crença saltaram, em seis anos, de 0,7% para 2,9%. Em números absolutos, são mais de 4 milhões de pessoas nessa condição”.

    As pesquisas apenas confirmaram uma tendência há muito identificada, a saber, o crescente número de pessoas que buscam espiritualidade sem religião, e deseja a experiência da fé sem a necessidade de submissão às instituições religiosas. É o fenômeno da fé privatizada, em que cada um escolhe livremente o que crer, retirando ingredientes das prateleiras disponíveis no mercado religioso.

    O novo cenário faz surgir perguntas que exigem respostas urgentes: Para que serve a igreja? Qual a função da comunidade cristã na sociedade e na experiência pessoal de peregrinação espiritual?

    A experiência dos cristãos no primeiro século, no dia seguinte ao Pentecostes, narrada no livro dos Atos dos Apóstolos [2.42-47; 4.32-35], serve de referência para a relevância da vivência em comunidade.

    Para que serve a igreja? A igreja serve para manter viva a memória da pessoa e obra de nosso senhor Jesus Cristo: “Eles se dedicavam ao ensino dos apóstolos”. Em tempos chamados pós modernos, quando as crenças são desvalorizadas e as verdades se tornam subjetivas e particulares, é importante saber não apenas em quem se crê, e os cristãos compreendem a fé como confiar em uma pessoa, Jesus Cristo, mas também saber o que se crê, e por isso os cristãos chamam de fé também um conjunto de crenças e afirmações a respeito do Deus em quem crêem–confiam. O Evangelho é uma boa notícia, e os cristãos devem saber qual é essa notícia. A igreja é a comunidade que preserva a memória de Jesus, sua pessoa e obra.

    Para que serve a igreja? A igreja serve para manter viva a esperança que se fundamenta na abertura para o mistério divino: “Todos estavam cheios de temor, e muitas maravilhas e sinais eram feitos pelos apóstolos […] com grande poder os apóstolos continuavam a testemunhar da ressurreição do Senhor Jesus”.

    Em tempos de banalização do sagrado, as pessoas perdem a noção do que Rudolf Otto chama “mysterium tremendum”, isto é, já não têm na alma o temor que coloca o homem de joelhos diante da manifestação do divino e nem mesmo esperam que tal aconteça. A igreja é a comunidade que preserva a expectativa de que o céu se abra, de que o favor divino se derrame sobre a terra.

    Enquanto o mundo vai se tornando cada vez mais frio e fechado, condenado às estreitas possibilidades da racionalidade e dos limites do poder humano, a igreja fala do milagre como possibilidade real e os cristãos se dedicam às orações.

    Para que serve a igreja? A igreja serve para manter viva a oferta do amor de Deus em resposta à solidão humana: “Eles se dedicavam à comunhão, ao partir do pão […] Todos os que criam mantinham se unidos e tinham tudo em comum. Vendendo suas propriedades e bens, distribuíam a cada um conforme a sua necessidade […] Da multidão dos que creram, uma era a mente e um o coração. Ninguém considerava unicamente sua coisa alguma que possuísse, mas compartilhavam tudo o que tinham.

    Não havia pessoas necessitadas entre eles, pois os que possuíam terras ou casas as vendiam, traziam o dinheiro da venda e o colocavam aos pés dos apóstolos, que o distribuíam segundo a necessidade de cada um”. Em tempos de individualismo, egoísmo, segregação, e competição darwinista, a igreja é a comunidade da fraternidade, da partilha, da solidariedade e da generosidade. A igreja é a comunidade da aceitação, do perdão e da reconciliação. É na igreja que se concretiza a oração de Jesus a respeito de Deus e os homens: “que sejam um”.

    Para que serve a igreja? A igreja serve para manter vivos os sinais do reino de Deus na história: “grandiosa graça estava sobre todos eles”. Conforme Jung Mo Sung, “a igreja é o povo de Deus a serviço do testemunho da presença do Reino de Deus”, que se completa com a afirmação de Ariovaldo Ramos: “a igreja deve viver o que prega para poder pregar o que vive”. A igreja é a comunidade em que o anúncio da presença do Reino de Deus entre os homens é seguido do convite desafio: “Vem e vê”, pois o Evangelho de Jesus Cristo não é apenas uma mensagem em que se deve crer, mas principalmente um novo tempo em que se deve viver.

    Para que serve a igreja? A igreja serve para manter viva a esperança da ressurreição: “Com grande poder os apóstolos continuavam a testemunhar da ressurreição do Senhor Jesus”. Quando o lacre romano do túmulo de Jesus foi rompido no domingo da ressurreição, a vida afirmou sua vitória sobre os agentes promotores e mantenedores da morte, sobre os processos de morte, que serão enfrentados pela esperança de que um dia a própria morte, último inimigo, cairá de joelhos diante do Senhor da vida.

    A igreja é a comunidade dos que se rebelam contra a morte em todos os lugares e todas as dimensões, e contra ela lutam com todas as forças que recebem do doador da vida.

    A igreja é a comunidade dos que já não vivem com medo da morte (Hebreus 2.14), dos que anunciam e vivem dimensões da vida, e dos que profetizam a ressurreição até o dia quando, aos pés do Cristo de Deus, celebrarão a vitória daquele que no Apocalipse diz: “Não tenham medo. Eu tenho as chaves da morte e do inferno”, pois “Eu sou o Alfa e o Ômega, o primeiro e o último. Sou aquele que vive. Estive morto mas agora estou vivo para todo o sempre!”. Amém.

    • O problema é que a religião evangélica em sua maioria de denominações incurtiu nos seus adeptos que o dízimo da lei de moisés apesar de ser apenas para os judeus e ser dado em alimentos, deve ainda ser observado, e que agora é em dinheiro e serve para manter os templos físicos dessa religião.

      Mas graças a Deus estamos derrubando mais este tabu…sim, tabu, porque no meio evangélico muitos pastores sabem que o dízimo não tem lugar na nova aliança onde vivemos, mas por medo de serem expulsos desse sistema religioso, se calam.

      Eu já ouvi pastor que sabe que o dízimo é ensinado e exigido de forma totalmente antibíblica nos templos evangélicos, mas aos que sabem dessa mentira ele “justifica” dizendo:

      “Sim, eu sei que o dízimo é da lei, e que não seguimos a lei (de moisés), mas se a gente não pedir dízimo mesmo sabendo que não é mandamento, o povo não contribui e as contas (da denominação) não fecham…”

      Só que o que os pastores que usam essa alegação não sabem, (ou mais provavelmente não creem nisso) é que quando a mensagem é pelo Espírito Santo, as pessoas contribuem com liberalidade e amor ao evangelho, e o próprio Espírito Santo toca no coração das pessoas para que elas deem as ofertas generosas que sustentarão tanto o pastor (caso ele não trabalhe secularmente e seja dedicado somente ao ministério), como as despesas do templo.

      Mas será que eles tem essa fé???

      A maioria prefere dar o “jeitinho” e distorcer o real significado biblico do dízimo, e forçar o povo a dar 10% de sua renda usando o texto de malaquias 3:10, que se referia somente aos judeus, esses sim com o mandamento de dizimar.

      A verdade mesmo, é que a maioria dos pastores não tem fé… quando uma pessoa não recebe a cura, eles culpam a própria pessoa dizendo que ela não recebeu a benção porque não teve fé…

      (então queria saber como em atos 20:9-10 , Êutico caiu do terceiro andar e morreu, e após Paulo abraça-lo ele ressuscitar… como pode Êutico estando morto ter fé para ressuscitar…)

      “Dízimo, a maior mentira da religião evangélica!”

          • Talvez porque meu nome é josé, e vc. perturbado me chame de clamando, até entendo o cara era bom, te deu muita surra, e vc. cada vez que apanha comece a trocar meu nome pelo dele, seria saudades, na verdade a bactéria admirava o DR. CLAMANDO foi amor a primeira vista, ou ao primeiro embate, tenha calma, aquiete teu coração, derrepente o sr. cavallera deixe voltar, ai vc mata a saudades, só tem uma coisa eu José Carvalho vou continuar por aqui te batendo também. :)

          • SIM BACTÉRIA CONHEÇO TODAS AS MALANDRAGENS ME PARECE QUE O PESSOAL DA IURD APRESENTOU AQUI PAPAI DAS SAFADEZAS E MAMÃE DAS MALANDRAGENS, ENTÃO SIM TE CONHEÇO BEM, AGORA QUEM CONHECE MESMO É O DR. CLAMANDO ELE TE DESMASCAROU LEGAL DURANTE ANOS, TUAS MALANDRAGENS DE VARIOS NICK FAKES ENTÃO, É POR ISTO QUE PESQUISANDO NOS LIVROS DO CLAMANDO QUE VC. É TÃO PREVISIVEL.

  4. josecarvalho disse: 19 de julho de 2014 ás 12:05 pm
    NÃO RESPONDEU, MAS UMA VEZ FUGIU, O GRANDE SABIO QUE CAMINHA A PASSOS LARGOS PARA O LAGO DE FOGO, PERDEU AS ESTRIBEIRAS MENTE MUDA DE ASSUNTO, E NÃO DIZ COMO DEVERIA FUNCIONAR, OU COMO ELE VE A IGREJA DE JESUS. É APENAS UM DOIDO.
    A doutrina do dízimo é inaceitável para aqueles que ainda não tiveram uma experiência pessoal com Jesus Cristo. Isto porque não foram ainda marcados pela consciência da causa de Deus nem pela prioridade do Seu Reino.
    No Novo Testamento a palavra DÍZIMO aparece 9 vezes e ligadas a duas situações:

    1) Mt 23.23 = Partindo dos lábios de Jesus em relação aos fariseus. Jesus aqui reafirma a necessidade do dízimo, ao mesmo tempo que denuncia sua prática como demonstração de piedade exterior (Lc 18.12) – “Jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho.” Também Jesus denuncia a prática do dízimo como substituição de valores do Reino tais quais: justiça, misericórdia e fé (Lc 11.42).

    2) Hb 7. 1-10 = Eis as lições desse texto: a) O Pai da fé deu dízimo de tudo – v. 2; b) O pai da fé deu o dízimo do melhor – v. 4; c) A entrega dos dízimos se deu não por pressão da lei, uma vez que o povo israelita ainda não existia e, portanto, muito menos a lei judaica – v. 6; d) Hebreus nos faz perceber e reconhecer a superioridade do valor do dízimo que é dado a Cristo (imortal) em relação ao dado aos sacerdotes (mortais) – v. 8; e) O autor destaca que os que administram os dízimos também devem ser dizimistas – v. 9.
    Ser ou não ser dizimista é uma questão de acreditarmos na causa que abraçamos, na “pérola que encontramos.”
    Hoje muitos crentes não são fiéis a Deus na entrega dos dízimos. Para justificar esta atitude criam vários justificativas e desculpas. Se dependessem deles a igreja fecharia as portas. Não existiria templos, nem pastores, nem missionários, nem bíblias distribuídas, nem assistência social.
    Eis as justificativas clássicas dos não-dizimistas:

    I. JUSTIFICATIVA TEOLÓGICA
    Ah, eu não sou dizimista, porque DÍZIMO é da lei. E eu não estou debaixo da lei, mas sim da graça.
    Sim! O dízimo é da lei, é antes da lei e é depois da lei. Ele foi sancionado por Cristo. Se é a graça que domina a nossa vida, porque ficamos sempre aquém da lei? Será que a graça não nos motiva a ir além da lei?
    Veja: a lei dizia: Não matarás = EU PORÉM VOS DIGO AQUELE QUE ODIAR É RÉU DE JUÍZO
    a lei dizia: Não adulterarás = EU PORÉM VOS DIGO QUALQUER QUE OLHAR COM INTENÇÃO IMPURA…
    a lei dizia: Olho por olho, dente por dente = EU PORÉM VOS DIGO: SE ALGUÉM TE FERIR A FACE DIREITA, DÁ-LHE TAMBÉM A ESQUERDA.
    A graça vai além da lei: porque só nesta questão do dízimo, ela ficaria aquém da lei? Esta, portanto, é uma justificativa infundada.
    Mt 23.23 = justiça, misericórdia e fé também são da lei. Se você está desobrigado em relação ao dízimo por ser da lei, então você também está em relação a estas virtudes.

    II. JUSTIFICATIVA SENTIMENTAL
    Muitos dizem: A bíblia diz em II Co 9.7 “Cada um contribua segundo tiver proposto no coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama a quem dá com alegria” = espontânea e com alegria.
    Só que este texto não fala de dízimo e sim de oferta. Dízimo é dívida. Não pagar dízimo é roubar de Deus.
    Perguntamos também: O que estará acontecendo em nosso coração que não permite que não tenhamos alegria em dizimar? Em sustentar a Causa que abraçamos e defendemos?

    III. JUSTIFICATIVA FINANCEIRA
    “O que eu ganho não sobra ou mal dá para o meu sustento.
    1) O dízimo não é sobra = Dízimo é primícias. “Honra ao Senhor com as primícias da tua renda.” Deus não é Deus de sobras, de restos. Ele exige o primeiro e o melhor.
    2) Contribua conforme a tua renda para que a tua renda não seja conforme a tua contribuição = Deus é fiel. Ele jamais fez uma exigência que não pudéssemos cumprir. Ele disse que abriria as janelas dos céus e nos daria bênçãos sem medidas se fôssemos fiéis. Ele nos ordenou a fazer prova Dele nesta área. Ele promete abrir as janelas do céu! Ele promete repreender o devorador por nossa causa.
    3) Se não formos fiéis, Deus não deixa sobrar = Ageu diz que o infiel recebe salário e o coloca num saco furado. Vaza tudo. Foge entre os dedos. Quando somos infiéis fechamos as janelas dos céu com as nossas próprias mãos e espalhamos o devorador sobre os nossos próprios bens.

    IV. JUSTIFICATIVA ASSISTENCIAL
    “Prefiro dar meu dízimo aos pobres. Prefiro eu mesmo administrar meu dízimo.
    “ A Bíblia não nos autoriza a administrar por nossa conta os dízimos que são do Senhor. O dízimo não é nosso. Ele não nos pertence. Não temos o direito nem a permissão nem para retê-lo nem para administrá-lo.
    A ordem é: TRAZEI TODOS OS DÍZIMOS À CASA DO TESOURO PARA QUE HAJA MANTIMENTO NA MINHA CASA. A casa do Tesouro é a congregação onde assistimos e somos alimentados.
    Mas será que damos realmente os “nossos” dízimos aos pobres? Com que regularidade? Será uma boa atitude fazer caridade com a parte que não nos pertence?

    V. JUSTIFICATIVA POLÍTICA
    “Eu não entrego mais os meus dízimos, porque eles não estão sendo bem administrados.”
    Não cabe a nós determinar e administrar do nosso jeito o dízimo do Senhor que entregamos. Se os dízimos não estão sendo bem administrados, os administradores darão conta a Deus. Não cabe a nós julgá-los mas sim Deus é quem julga. Cabe a nós sermos fiéis.
    Não será também que esta atitude seja aquela do menino briguento, dono da bola, que a coloca debaixo do braço sempre que as coisas não ocorrem do seu jeito?
    Deus mandou que eu trouxesse os dízimos, mas não me nomeou fiscal do dízimo.

    VI. JUSTIFICATIVA MÍOPE
    “A igreja é rica e não precisa do meu dízimo.”
    Temos conhecimento das necessidades da igreja? Temos visão das possibilidades de investimento em prol do avanço da obra? Estamos com essa visão míope, estrábica, amarrando o avanço da obra de Deus, limitando a expansão do Evangelho?
    AINDA, não entregamos o dízimo para a igreja. O dízimo não é da igreja. É DO SENHOR. Entregamo-lo ao Deus que é dono de todo ouro e de toda prata. Ele é rico. Ele não precisa de nada, mas exige fidelidade. Essa desculpa é a máscara da infidelidade.

    VII. JUSTIFICATIVA CONTÁBIL
    “Não tenho salário fixo e não sei o quanto ganho.”
    Será que admitimos que somos maus administradores dos nossos recursos? Como sabemos se o nosso dinheiro dará para cobrir as despesas de casa no final do mês?
    Não sabendo o valor exato do salário, será que o nosso dízimo é maior ou menor do que a estimativa? Porque ficamos sempre aquém da estimativa? Será auto-proteção? Será desinteresse?

    VIII. JUSTIFICATIVA ECLESIOLÓGICA
    “Não sou membro da igreja”
    Acreditamos mesmo que os nossos deveres de cristãos iniciam-se com o Batismo e a Profissão de Fé ou com a inclusão do nosso nome num rol de membros?
    Não será incoerência defendermos que os privilégios começam quando aceitamos a Cristo: (o perdão, a vida eterna) e os deveres só depois que nos tornamos membros da igreja? Somos menos responsáveis pelo crescimento do Reino de Deus só porque não somos membros da igreja?

    CONCLUSÃO
    É hora de abandonarmos nossas evasivas. É hora de darmos um basta às nossas desculpas infundadas. É hora de pararmos de tentar enganar a nós mesmos e convencer a Deus com as nossas justificativas.
    É hora de sermos fiéis ao Deus fiel. É hora de sabermos que tudo é de Deus: nossa casa, nosso carro, nossas roupas, nossas jóias, nossos bens, nossa vida, nossa saúde, nossa família. TUDO É DELE. Somos apenas mordomos, administradores. Mordomos e não donos. Deus quer de nós obediência e não desculpas. Fidelidade e não evasivas.
    Que atitude vamos tomar? Nosso coração está onde está o nosso tesouro. Se buscarmos em primeiro lugar o Reino de Deus, não vamos ter problemas com o dízimo. Amém.

      • Pois é e a diferença entre josé carvalho e bactéria stardust
        josé carvalho responde igreja moral bons costumes bíblia sagrada JEOVÁ é deus e JESUS CRISTO salvador.
        stradust bactéria responde Valdemiro e a sua maior mentira dos crentes nova era o tridízimo que faz estremecer o inferno de alegria

          • Talvez porque meu nome é josé, e vc. perturbado me chame de clamando, até entendo o cara era bom, te deu muita surra, e vc. cada vez que apanha comece a trocar meu nome pelo dele, seria saudades, na verdade a bactéria admirava o DR. CLAMANDO foi amor a primeira vista, ou ao primeiro embate, tenha calma, aquiete teu coração, derrepente o sr. cavallera deixe voltar, ai vc mata a saudades, só tem uma coisa eu José Carvalho vou continuar por aqui te batendo também. :)

  5. BOM DIA BACTÉRIA, TO INDO TRABALHAR COISA QUE VC. NÃO FAZ, POIS COMO BOA PARASITA VIVE DE FAVOR, MAIS DEIXO AI UM ENTRETENIMENTO PARA VC, E SUAS ENTIDADES QUE ACOMPANHAM, SE DIVIRTAM.

  6. meu voto e seu pastor marco porque o vc foi o único que teve a coragem de lutar contra os gays teve uma grande perseguição e não cedeu conte com migo paz do senhor.

  7. Tenho minhas criticas em relação ao Feliciano mas passar de um patrimônio de 600mil e dobrá-lo em 4 anos de mandato com o salário de Deputado é porque ele não sabe administrar seu dinheiro ou mentiu no que declarou, era pra ter muito mais do que isso.

    Em resumo, sou contra pastor politico, discordo de muitas de suas ideias e formas de expressá-las e não duvido de que seja corrupto, mas não posso chamá-lo de ladrão em função dessa alegação.

  8. SR. Autoridade me ajude por favor estou desmpregado mande para o seu irmão em CRISTO JESUS 10.000,00 para eu começar um projeto de DEUS que DEUS te abençoe e Vossa Exelencia é mais do que vençedor DEUS te colocara aonde a Autoridade quer chegar no topo graça e paz é o que o teu admirador do Maranhão te desja FELICIDADES

  9. josecarvalho, tá bom. Vou votar nos divorciados que compõem a bancada evangélica no Congresso Nacional, no cara que espancava a ex-esposa, no mentiroso que pede cartão com a senha e nos candidatos apontados pelo marketeiro político Silas Malafaia. Todos esses defendem a família. Só o estudo liberta.

    .

      • o argumento usado pelos crentelhos pra convencer que os candidatos evangélicos são bons, é sempre compara-los com os candidatos do PT

        como se isso fosse alguma vantagem . . . .
        é tudo ladrão,
        só que o seu candidato, alem de ladrão , ainda espanca a própria esposa

        não voto no PT, mas tbm não voto em politico evangélico
        é tudo LIXO

  10. Gostaria que me respondessem uma pergunta, como os politicos enriquessem tão facil no Brasil, até os evangelicos, pois se matematica e ciencia exata, o salario de deputados não da para bancar uma eleição milionaria dessas, Pastor eu preciso de apenas 2% desse valor para comprar dois lotes e construir uma igreja, o Sr. não que me ajudar. Eu agradeceria por uma benção dessas.

DEIXE UMA RESPOSTA