Muçulmanos podem tomar o comando político de Nazaré, cidade onde Jesus passou a infância

1

A cidade de Nazaré, em Israel, apontada pela Bíblia como o local em que Jesus passou sua infância, sofre atualmente com a crescente rivalidade entre cristãos e muçulmanos e se prepara para a eleição que vem sendo considerada como a mais tensa nos últimos 20 anos.

Atualmente a cidade é comandada pelo cristão Ramiz Jaraiysi, que tenta se reeleger para o quinto mandato consecutivo para o cargo de prefeito. Porém, na eleição que acontece na próxima quinta feira, Jaraiysi enfrentará pela primeira vez a oposição de uma candidata muçulmana, a polêmica deputada Haneen Zoabi, membro do partido nacionalista árabe Balad.

– Religião não costuma ter papel na política de nossa cidade. Mas realmente nessas eleições há grupos fundamentalistas que estão usando a religião para alcançar objetivos políticos – afirma Jaraiysi.

Nazaré é hoje a maior cidade árabe de Israel, sendo que de seus 81 mil habitantes 70% são muçulmanos. Situação bem diferente da vivida há cem anos quando era uma cidade majoritariamente cristã (75%). A inversão dessa proporção se deu nas últimas décadas devido à gradual evasão de cristãos do Oriente Médio e de uma maior taxa de natalidade nas famílias muçulmanas.


Essa tensão religiosa veio à tona nessa eleição, que vai indicar o próximo prefeito da cidade. Entre os cinco candidatos, três são cristãos e dois muçulmanos. Um deles, Abu Ahmad Tawfiq, do Movimento Islâmico, concorre por uma legenda abertamente fundamentalista. Porém, segundo o jornal O Globo, a parlamentar Haneen Zoabi, 44 anos, é que tem reais condições de ameaçar o posto do atual prefeito.

Conhecida por sua postura radicalmente crítica ao governo de Israel, Zoabi tem ampla aceitação entre os árabes-israelenses e tem como um dos principais pontos de sua plataforma de governo a afirmação que de, se eleita, vai lutar pelos direitos de Nazaré com passeatas e protestos em frente ao Parlamento.

– Nazaré e o conflito com os palestinos estão intimamente ligados. A cidade é o coração dos palestinos que moram em Israel. Perdemos nosso país em 1948 e estamos sendo judaizados. Vivemos num país racista, que dá menos oportunidades aos árabes. O atual prefeito está acomodado demais diante do establishment judaico – alega Zoabi, que diz ainda que Israel tem interesse em manter a tensão entre cristãos e muçulmanos em Nazaré, em uma suposta estratégia do “dividir para conquistar”.

Por Dan Martins, para o Gospel+


1 COMENTÁRIO

  1. E coitados dos nazarenos se os muçuloucos tomar o poder ai a coisa vai ficar feia pois perseguição com certeza vira a tona conforme os mesmo já são acostumados e fazer, pois são completamente intolerantes com os outros povos que não profeçao as suas crenças, pois eles nos tem como profanos, se bem que tem varias denominaçãoes que se dizem evangélicos no mundo que também perseguem os verdadeiros crentes, afora os espiritas e católicos e ateus e agnósticos que também nos perseguem, os crentes verdadeiros são os povos mais perseguidos no mundo, somos perseguidos por todos os não crentes de sobre a face da terra,

  2. É triste ver que questões religiosas ainda interferem na política em pleno século XXI. Muçulmanos e cristãos deveriam conviver harmonicamente, exercendo sua religiosidade harmonicamente, trabalhando para o bem do seu país harmonicamente. Mas o que acontece é a intolerância de ambos os lados. No Brasil o islamismo não é influente, mas o espiritismo é bem difundido e sofre muita discriminação dos cristãos. E não me venha um bando de evangélico dizer que são perseguidos no Egito, Irã, sei lá mais aonde, pra justificar a dita “cristofobia” que eles sofrem. Isso está totalmente fora do contexto brasileiro.

DEIXE UMA RESPOSTA