Emocionado, Obama canta hino cristão em funeral de pastor morto por atirador racista; Assista

6

O presidente Barack Obama, em um discurso no funeral do pastor Clementa Pinckney, em Charleston, Carolina do Sul, interpretou um trecho do hino cristão “Amazing Grace” e emocionou a plateia.

Obama foi a Charleston prestar sua última homenagem ao pastor e às demais vítimas do atirador racista Dylann Roof, que matou nove pessoas que participavam de um grupo de estudos na Igreja Metodista Episcopal Africana Emanuel.

Durante sua fala – que mais se pareceu uma pregação sobre a graça de Deus -, Obama destacou a história de vida de Pinckney e seus anos de trabalho como ministro do Evangelho e político – o pastor era senador estadual da Carolina do Sul -, além de lembrar das profundas feridas históricas causadas pela escravidão nos Estados Unidos.

Obama não somente emocionou os presentes, como demonstrou estar emocionado juntamente com eles e entoou o hino cristão após, ao longo de seu discurso, dizer que o ódio de Roof contra os negros serviu, na verdade, para revelar a graça redentora de Deus oferecida a ele pelos familiares das vítimas, que o perdoaram.


Assista ao momento em que o presidente Barack Obama canta “Amazing Grace”:

Assine o Canal

Abaixo, assista ao discurso de Obama na íntegra, com a tradução da transcrição publicada pelo Huffington Post:

Assine o Canal

Dando todo o louvor e honra a Deus.

A Bíblia nos chama à esperança, para perseverar, e ter fé nas coisas que não podem ser vistas.

“Eles ainda estavam a viver pela fé quando morreram”, a Escritura nos diz. “Eles não receberam o que lhes foi prometido; eles apenas viram e congratularam-se à distância, admitindo que eram estrangeiros e peregrinos na Terra”.

Estamos aqui hoje para lembrar um homem de Deus que viveu pela fé. Um homem que acreditava em coisas que não se podem ver. Um homem que acreditava que havia dias melhores por vir. Um homem de serviço, que perseverou, sabendo muito bem que ele não receberia todas aquelas coisas que lhe foram prometidas, porque ele acreditava que seus esforços iriam entregar uma vida melhor para aqueles que seguiram.

Para Jennifer, sua amada esposa; Eliana e Malana, suas filhas maravilhosas; à família – à “Mãe Emmanuel” [igreja] e ao povo de Charleston, o povo da Carolina do Sul.

Eu não posso dizer que tive a sorte de conhecer o Reverendo Pinckney muito bem. Mas eu tive o prazer de conhece-lo aqui na Carolina do Sul, tempos atrás, quando nós dois éramos um pouco mais jovens. Quando eu não tinha cabelos visivelmente grisalhos (risos). A primeira coisa que notei foi a sua graça, seu sorriso, seu barítono [voz / canto] reconfortante, seu senso de humor – todas as qualidades que o ajudaram a levar tão facilmente um pesado fardo de expectativas.

Seus amigos comentaram esta semana que, quando Clementa Pinckney entrava numa sala, era como se o futuro chegasse; que, mesmo já desde muito jovem, todos sabiam que ele era especial, ungido. Ele era da descendência de uma longa fila de fiéis – uma família de pregadores que espalham a palavra de Deus, uma família de manifestantes que semeou mudar para expandir os direitos de voto e desagregar o Sul. Clementa ouviu sua instrução e ele não abandonou seu ensino.

Ele esteve no púlpito por 13 anos e foi pastor por 18 anos, funcionário público por 23. Ele não exibiu qualquer sinal de arrogância da juventude, nem inseguranças da juventude; em vez disso, ele deu um exemplo digno de sua posição, sábio além de seus anos, em seu discurso, em sua conduta, no seu amor, sua fé e pureza.

Como senador, ele representou uma faixa extensa do “Lowcountry”, um lugar que tem sido um dos mais negligenciados na América. Um lugar ainda assolado pela pobreza e escolas inadequadas; um lugar onde as crianças ainda passam fome e doentes estão sem tratamento. Um lugar que precisava de alguém como Clem [Rev. Clementa].

Sua posição no partido minoritário significava que as chances de ganhar mais recursos para seus eleitores eram um anseio frequente. Seus apelos para uma maior equidade eram demasiadas vezes ignorados, os votos expressos foram às vezes dele somente. Mas ele nunca desistiu. Ele se manteve fiel às suas convicções. Ele não iria se desanimar. Após um dia inteiro no capitólio, ele entrou em seu carro e dirigiu para a igreja, buscando conseguir o sustento de sua família, de seu ministério, da comunidade que amava e precisava dele. Lá, ele iria fortalecer a sua fé e imaginar o que poderia ser.

Reverendo Pinckney encarnou uma política que não era nem média, nem pequena. Ele conduziu-se em silêncio, gentil e diligentemente. Ele incentivou o progresso, sem pressionar com suas idéias apenas, mas pela procura de suas ideias, em parceria com você para fazer as coisas acontecerem. Ele estava cheio de empatia e simpatia, capaz de andar, usando os sapatos de outra pessoa e ver através de seus olhos. Não admira que um de seus colegas de Senado lembrou o senador Pinckney como “o mais suave dos 46 entre nós – o melhor dos 46 entre nós”.

Clem foi muitas vezes questionado sobre ter escolhido ser um pastor e um funcionário público. Mas as pessoas que perguntaram isso provavelmente não sabiam a história da igreja AME. Como os nossos irmãos e irmãs na igreja AME sabem, nós não fazemos essas distinções. “A nossa vocação”, Clem disse uma vez, “não é apenas dentro das paredes da congregação, mas … na vida e na comunidade em que reside nossa congregação”.

Ele incorporou a ideia de que nossa fé cristã exige atos e não apenas palavras; que a “doce hora da oração” realmente dura toda a semana e que colocar nossa fé em ação é mais do que a salvação individual, é sobre a nossa salvação coletiva; que para alimentar os famintos e vestir os nus e abrigar os sem-teto não é apenas uma chamada para caridade isoladamente, mas o imperativo de uma sociedade justa.

Que homem bom! Às vezes eu acho que é a melhor coisa a esperar quando você é elogiado – depois de todas as palavras e recitações e currículos que são lidos, apenas dizer que alguém era um bom homem.

Você não tem que ser de alta estação para ser um bom homem. Pregador por 13 anos, pastor por 18, Servidor público por 23. Que vida Clementa Pinckney viveu! Que exemplo que ele estabeleceu! Que modelo para a sua fé! E então perdê-lo aos 41 anos – morto em seu santuário com oito maravilhosos membros do seu rebanho, cada um em diferentes fases da vida, mas unidos pelo compromisso comum com Deus.

Cynthia Hurd. Susie Jackson. Ethel Lance. Doutor DePayne Middleton. Tywanza Sanders. Daniel L. Simmons. Sharonda Coleman-Singleton. Myra Thompson. Boas pessoas. Pessoas decentes. Tementes a Deus. Pessoas tão cheias de vida e tão cheios de bondade. Pessoas que conduziram a corrida de suas vidas, que perseveraram. Pessoas de grande fé.

Para as famílias das vítimas, a nação compartilha desta dor. O corte gera uma dor muito mais profunda, porque aconteceu em uma igreja. A igreja é e sempre foi o centro da vida afro-americana, um lugar para chamar de nosso em um mundo frequentemente hostil, um santuário de tantas dificuldades.

Ao longo de séculos, igrejas negras serviram como ‘portos hush’, onde os escravos pudessem adorar em segurança; casas de louvor, onde seus descendentes livres poderiam se reunir e gritar “aleluia”; paradas de descanso para o cansado ao longo da estrada de ferro subterrânea; abrigos para os soldados do Movimento dos Direitos Civis. Elas têm sido, e continuam a ser, centros comunitários, onde organizamos ações para o emprego e justiça; locais de bolsas de estudos; lugares onde as crianças são amadas, alimentadas e mantidas fora do caminho do mal, conscientizadas que elas são lindas e inteligentes e ensinadas que elas são importantes. É o que acontece na Igreja.

Isso é o que a Igreja negra significa. Nosso coração batendo. O lugar onde a nossa dignidade como pessoas é inviolável. Quando não há melhor exemplo desta tradição da “Mãe Emmanuel”, uma igreja construída pelos negros que buscam a liberdade, queimada até o chão, porque seu fundador tentou acabar com a escravidão, só para se levantar novamente, uma fênix a partir dessas cinzas.

Quando ainda havia leis que proibiam reuniões da igreja negras, os cultos aconteciam aqui de qualquer maneira, em desafio às leis injustas. Quando houve um movimento justo para desmantelar Jim Crow, Dr. Martin Luther King Jr. pregou em seu púlpito e marchas começaram a partir de seus passos. Um lugar sagrado, esta igreja. Não apenas para os negros e não apenas para os cristãos, mas para cada americano que se preocupa com o desenvolvimento constante dos direitos humanos e da dignidade humana neste país; uma pedra fundamental para a liberdade e a justiça para todos. Isso é o que a Igreja significa.

Não sabemos se o assassino do Reverendo Pinckney e dos outros oito sabia de tudo isso história. Mas ele certamente sentiu o significado de seu ato violento. Foi um ato que contou com uma longa história de bombas, fogo e tiros disparados contra igrejas, não aleatório, mas como um meio de controle, uma maneira de aterrorizar e oprimir. Um ato que ele imaginava que iria incitar o medo e a recriminação; violência e desconfiança. Um ato que ele presume que aprofundaria as divisões que remontam ao pecado original da nossa nação.

Oh, mas Deus trabalha de formas misteriosas. Deus tem ideias diferentes.

Ele não sabia que ele estava sendo usado por Deus. Cego pelo ódio, o suposto assassino não podia ver a graça que circundava o reverendo Pinckney e aquele grupo de estudo bíblico – a luz do amor que brilhava enquanto eles abriram as portas da igreja e convidaram um desconhecido para se juntar em seu círculo de oração. O suposto assassino nunca poderia ter antecipado a forma como as famílias dos mortos iria responder, quando o viram no tribunal – em meio à tristeza indescritível, com palavras de perdão. Ele não podia imaginar isso.

O suposto assassino não poderia imaginar como a cidade de Charleston, no âmbito da boa e sábia liderança do prefeito Riley – junto ao Estado da Carolina do Sul e os Estados Unidos da América iriam responder – não apenas com repulsa, seu ato de maldade, mas com generosidade de coração grande e, o mais importante, com uma introspecção pensativa e autoexame que tão raramente vejo na vida pública.

Cego pelo ódio, ele não conseguiu compreender o que o reverendo Pinckney conhecia tão bem o poder da graça de Deus.

Esta semana inteira, eu estive refletindo sobre essa ideia da graça. A graça das famílias que perderam seus entes queridos. A graça sobre a qual o reverendo Pinckney iria pregar em seus sermões. A graça descrita em um dos meus hinos favoritos – o que todos nós sabemos: “Sublime graça, quão doce o som que salvou um miserável como eu. Eu estava perdido, mas agora fui encontrado; era cego, mas agora vejo”.

De acordo com a tradição cristã, a graça não é merecida. Não é algo que nós merecemos. Pelo contrário, a graça é o favor gratuito e benevolente de Deus – como manifestado na salvação dos pecadores e a concessão de bênçãos. Graça.

Como uma nação, fora desta terrível tragédia, Deus nos visitou com graça, porque Ele nos permitiu ver onde nós estávamos cegos. Ele nos deu a chance, onde estávamos perdidos, para encontrar o melhor de nós. Não poderíamos ter ganho isso, esta graça, com o nosso rancor, complacência, miopia e medo um do outro -, mas temos todos estas mesmas coisas. Ele nos deu de qualquer maneira. Ele está mais uma vez nos dando a graça. Mas cabe-nos agora fazer mais do mesmo, para recebe-la com gratidão, e para nos mostrarmos dignos deste presente.

Por muito tempo, nós estávamos cegos para a dor que a bandeira confederada agitou em muitos dos nossos cidadãos (Aplauso). É verdade, uma bandeira não causou esses assassinatos. Mas como as pessoas de todas as esferas da vida, republicanos e democratas, agora reconhecem – incluindo o governador Haley, cuja eloquência recente sobre o assunto é digna de louvor -, como todos nós temos que entender que a bandeira sempre representou mais do que o orgulho ancestral, apenas. Para muitos, mais que preto e branco, a bandeira era um lembrete da opressão sistêmica e subjugo racial. Vemos isso agora.

Remover a bandeira do Capitólio deste Estado não seria um ato de correção política; não seria um insulto ao valor de soldados confederados. Seria simplesmente um reconhecimento de que a causa pela qual lutaram – a causa da escravidão – estava errado – a imposição de Jim Crow após a Guerra Civil, a resistência aos direitos civis a todos os povos estava errado. Seria um passo em uma contabilidade honesta da história da América; um bálsamo modesto, mas significativo para tantas feridas não cicatrizadas. Seria uma expressão das incríveis mudanças que mudaram este Estado e este país para melhor, por causa do trabalho de tantas pessoas de boa vontade, as pessoas de todas as raças, que se esforçam para formar uma união mais perfeita. Ao retirar esta bandeira, nós expressamos a graça de Deus.

Mas eu não acho que Deus quer parar por aí. Por muito tempo, nós estivemos cegos para o caminho do passado. Injustiças continuam a moldar o presente. Talvez nós vejamos isso agora. Talvez esta tragédia nos leve a fazer algumas perguntas difíceis sobre como podemos permitir que tantos de nossos filhos venham a definhar na pobreza, ou frequentem escolas em ruínas, ou cresçam sem perspectivas de um emprego ou de uma carreira.

Talvez Ele nos leve a examinar o que estamos fazendo para causar levar alguns dos nossos filhos a odiar. Talvez Ele amoleça os nossos corações para com aqueles jovens homens perdidos, dezenas e dezenas de milhares apanhados no sistema de justiça criminal e nos leve a ter certeza de que esse sistema não está infectado com um viés; que abracemos mudanças na forma como nós treinamos e equipar nossa polícia para que os laços de confiança entre as autoridades policiais e as comunidades que eles servem nos deixem mais seguros e protegidos.

Talvez agora percebamos a maneira como o preconceito racial pode nos infectar, mesmo quando nós não percebemos isso, de modo que nós estamos nos protegendo, não apenas de insultos raciais, mas também estamos nos protegendo do impulso sutil para chamar o Johnny de volta para uma entrevista de emprego, mas não o Jamal. Assim que buscamos nossos corações, quando consideramos leis para dificultar que alguns dos nossos concidadãos venham a votar. Ao reconhecer nossa humanidade comum, tratando cada criança como igual importância, independentemente da cor da sua pele ou da estação em que nasceram e fazer o que é necessário para tornar real oportunidade para todos os americanos – ao fazer isso, expressamos a graça de Deus.

Por muito tempo, nós estivemos cegos para o caos único que a violência armada inflige sobre esta nação. Esporadicamente, os nossos olhos estão abertos: Quando oito de nossos irmãos e irmãs são feridos no porão da igreja, 12 em uma sala de cinema, 26 em uma escola primária. Mas eu espero que nós também vejamos as 30 vidas preciosas interrompidas pela violência armada a cada dia neste país; as mais incontáveis cujas vidas são mudadas para sempre – os sobreviventes aleijados, as crianças traumatizadas e com medo a cada dia, enquanto caminham para a escola, o marido que nunca vai sentir o toque quente de sua esposa, as comunidades inteiras cuja dor transborda toda vez que elas têm que prestar atenção ao que lhes aconteceu em algum outro lugar.

A grande maioria dos norte-americanos – a maioria dos proprietários de armas – quer fazer algo sobre isso. Vemos isso agora (Aplausos). E eu estou convencido de que, reconhecendo a dor e a perda de outros, assim como nós respeitamos as tradições e modos de vida que compõem este querido país – fazendo a escolha moral de mudar, nós expressamos a graça de Deus.

Nós não conquistamos graça. Somos todos pecadores. Nós não merecemos isso. Mas Deus dá-nos de qualquer maneira. E nós escolhemos a forma de recebe-la. É nossa decisão honra-Lo.

Nenhum de nós pode ou deve esperar uma transformação nas relações raciais da noite para o dia. Toda vez que algo assim acontece, alguém diz que temos de ter uma conversa sobre racismo. Falamos muito sobre as raças. Não há nenhum atalho. E nós não precisamos mais falar (Aplausos). Nenhum de nós deve acreditar que um punhado de medidas de segurança sobre armas impedirá todas as tragédias. Não vai. Pessoas de boa vontade continuarão a debater os méritos de várias políticas, como a nossa democracia requer – A América é este grande e barulhento lugar. E há pessoas boas em ambos os lados desses debates. Qualquer que sejam as soluções que encontrarmos, estas serão necessariamente incompletas.

Mas seria uma traição a tudo que o reverendo Pinckney representava, creio eu, se nós nos permitíssemos escorregar em um silêncio confortável novamente. Uma vez que os elogios foram entregues, uma vez que as câmeras de TV seguem em frente, para voltar a suas atividades de costume – isso é o que nós fazemos tão frequentemente para evitar verdades desconfortáveis sobre o preconceito que ainda contamina a nossa sociedade. Para contentar com gestos simbólicos sem seguir com o trabalho árduo de mudança mais duradoura – é assim que perdemos o nosso caminho novamente.

Seria uma refutação do perdão expresso por essas famílias se nós simplesmente escorregássemos em velhos hábitos, sendo que ‘aqueles que discordam de nós não estão apenas errados, mas são ruins’; onde nós gritamos, em vez de ouvir; onde fazemos “barricadas” atrás de noções preconcebidas ou um cinismo bem praticado.

O Reverendo Pinckney disse certa vez: “Em todo o Sul, temos um profundo apreço pela história – que nem sempre teve uma profunda apreciação da história de cada um”. O que é verdade no Sul é verdadeiro para a América. Clem entendeu que a justiça nasce do reconhecimento de nós mesmos no outro. Que minha liberdade depende de você ser livre também. Que a história não pode ser uma espada para justificar a injustiça, ou um escudo contra o progresso, mas deve ser um manual para saber como evitar a repetição dos erros do passado – como quebrar o ciclo. A estrada em direção a um mundo melhor. Ele sabia que o caminho da graça envolve uma mente aberta -, mas, mais importante, um coração aberto.

Isso foi o que eu senti esta semana – um coração aberto. Isso, mais do que qualquer política ou análise particular, é o que é chamamos agora, eu acho – o que um amigo meu, o escritor Marilyn Robinson, chama de “aquele reservatório de bondade e de outro tipo, de que somos capazes para fazer um ao outro na causa normal das coisas”.

Esse reservatório de bondade. Se nós podemos entender que é a graça, tudo é possível. Se nós podemos agir com graça, tudo pode mudar. Graça maravilhosa. Graça maravilhosa.

“Maravilhosa graça. Como é doce o som que salvou um miserável como eu; Uma vez eu estava perdido, mas agora fui encontrado; eu era cego, mas agora vejo”.

Clementa Pinckney encontrou a graça.

Cynthia Hurd encontrou a graça.

Susie Jackson encontrou que a graça.

Lance Ethel encontrou que a graça.

Doutro DePayne Middleton encontrou a graça.

Tywanza Sanders encontrou a graça.

Sr. Daniel L. Simmons encontrou a graça.

Sharonda Coleman-Singleton encontrou a graça.

Myra Thompson encontrou a graça.

Através do exemplo de suas vidas, eles agora passaram para nós. Que possamos encontrar-nos dignos do dom precioso e extraordinário, enquanto nossas vidas suportarem. Que a graça agora os levem para casa. Que Deus continue a derramar Sua graça sobre os Estados Unidos da América.


6 COMENTÁRIOS

  1. Onde estão, agora, os crentes teóricos da conspiração que, assim como o delirante católico medieval Olavo de Carvalho, creem que Obama é muçulmano e marxista?

  2. Este homem serve a Deus e o diabo , não sabe a quem serve , mas é ele que vai prestar contas pra Deus … Meu querido céu ou inferno , se ele se arrepender é céu se não só lamento é pra o inferno que este indivíduo vai .

DEIXE UMA RESPOSTA