Oposição tem primeira vitória pelo afastamento de Dilma, mas STF suspende impeachment

57

O primeiro embate entre oposição e governo no rito do impeachment foi vencido pelo grupo de parlamentares que querem a saída da presidente Dilma Rousseff. A eleição dos nomes que farão parte da Comissão Especial que analisa se o processo deve ou não tramitar na Câmara mostrou que o governo tem menos apoio do que se imaginava entre os deputados.

A eleição da Comissão foi tumultuada, com a apresentação de uma chapa alternativa à indicada pelos líderes dos partidos. O que motivou o surgimento dessa chapa foi a estratégia do líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ) em indicar apenas nomes que fossem aliados da presidente Dilma.

Como o PMDB tem direito a oito indicações, esse perfil dos deputados escolhidos por Picciani poderia inviabilizar o processo, pois a tramitação poderia ser barrada na Comissão a partir de uma maioria simples dentro de um total de 65 votos. O partido, que está dividido entre aliados de Dilma e opositores, resolveu que o melhor seria indicar oito nomes de oposicionistas na chapa alternativa.

Essa segunda chapa permitiu, inclusive, que o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), opositor, conseguisse incluir seu nome entre os integrantes, coisa que não seria possível na chapa indicada pelo líder de seu partido, que é aliado de Dilma.


Quando a votação começou, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), decidiu que a eleição das chapas seria feita de forma secreta, com cada um dos parlamentares tendo a oportunidade de votar conforme sua consciência, ficando livre de retaliações dos partidos caso não seguissem as indicações.

Houve tumulto, com deputados trocando empurrões e palavrões. O deputado Zeca do PT (MS) era um dos mais exaltados, e foi flagrado orientando os colegas a “quebrarem” as urnas eletrônicas. Segundo o jornal O Globo, a sugestão foi aceita ao menos por um dos deputados, Afonso Florence (PT-BA), que jogou computadores usados para votação no chão. De um total de 14 urnas, apenas três ficaram em funcionamento até que responsáveis pela informática da Casa reativassem os equipamentos danificados.

Ao final da votação, 272 deputados votaram na chapa alternativa, contra 199 a favor da chapa que tinha maioria pró-governo.

Segundo analistas, a quantidade de votos a favor de Dilma acendeu um alerta no Palácio do Planalto: “Quem se esforçar muito pode tentar fazer uma leitura positiva da derrota da chapa governista para a Comissão do Impeachment, agora há pouco, no plenário da Câmara: mesmo sob sombra covarde do voto secreto, Dilma Rousseff tem 199 votos a favor dela. Este foi o número dos que votaram na chapa governista, o que indica uma provável posição contrária ao impeachment. Para barrar o impeachment, são necessários 172. O problema é: 27 votos, no balcão de negócios do PMDB, se negocia em um dia”, ponderou o jornalista Guilherme Amado, de O Globo.

Comemoração

“Tão logo foi anunciada a vitória da oposição na votação, pela Câmara, da formação da comissão que analisará o pedido de impeachment de Dilma Rousseff, o telefone não parou de tocar na Vice-Presidência. Michel Temer passou a receber efusivos parabéns de deputados pela polêmica carta enviada a Dilma, e vazada para a imprensa”, informou a jornalista Vera Magalhães, da revista Veja.

No plenário, os deputados pediam a Cunha que encerrasse a sessão, para que a comemoração da primeira vitória na batalha pelo impeachment de Dilma fosse realizada no Palácio do Jaburu, residência oficial de Temer.

Suspensão

Contrariada com a decisão de Cunha de definir como secreta a votação das chapas, a direção do PC do B, que é da base aliada a Dilma, recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF), pedindo a anulação da votação.

O ministro Luiz Edson Fachin, indicado por Dilma, decidiu que o processo de impeachment deveria ser suspenso até a próxima quarta-feira, 16 de dezembro, quando o plenário do STF poderá julgar a Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF), movida pelo PC do B contra a decisão de Cunha de instaurar o processo de impeachment contra Dilma.

“Fachin marcou para o dia 16, próxima quarta-feira, a discussão em plenário de uma cautelar na ação, que questiona pontos da lei do impeachment à luz da Constituição. O STF ainda não deve se debruçar sobre o mérito, apenas sobre o cabimento de uma decisão cautelar. Esta é a principal ação contra o impeachment”, informou Vera Magalhães.

Como a ação pede a avaliação da legalidade do rito escolhido por Cunha para o processo, Fachin entendeu que seria melhor suspender todos os trâmites até essa data, para evitar que ações tenham que ser anuladas. No entanto, a decisão de Fachin não anula os trâmites ocorridos até agora, o que mantém a vitória da oposição na eleição da chapa alternativa.


57 COMENTÁRIOS

  1. Atualizando a notícia: o ministro Edson Fachim, da Suprema Corte, suspendeu as manobras de Cunha deixando claro que a mais alta Corte de Justiça não aceitará violações constitucionais.

    Nesse momento o procurador-geral da República prepara, para qualquer momento, o pedido de afastamento do homem que esta ameaçando incendiar o país com suas manobras e golpismos.

    • A Dima possui 6 delações premiadas contrárias a ela fora que está sendo investigada pelo TSE também. O TCU julgou a mesma afirmando que houve pedaladas no exercício anterior, fora que o Procurador do TCU disse que ela em 2015 permaneceu praticando pedalas. O Congresso irá julgar a decisão do TCU, fazendo com que ela responda ao crime previsto em lei.

      • RAFAEL

        Já leu o livro (ou viu o filme) Harry Potter e a Ordem da Fênix?
        Porque a Dilma é a cara da Dolores Umbridge, a vilã da história.
        Baixinha, gorda, cara de sapo, mentirosa e hipócrita.
        Será que são irmãs gêmeas separadas no nascimento?

      • Em resposta ao pedante RAFAEL:

        “Por que o impeachment é um golpe paraguaio

        Esqueçam as motivações de Eduardo Cunha.

        Suponham, por um instante, que ele tenha agido com a mais nobre das intenções, ao dar o sinal verde para um processo de impeachment contra presidente Dilma Rousseff.

        Em vez de sentimentos primitivos, como vingança ou retaliação, Cunha seria movido pelo nobre propósito de defender a Lei de Responsabilidade Fiscal.

        Assim, a presidente Dilma, eleita com 54 milhões de votos, seria derrubada do cargo porque cometeu um crime terrível: “pedaladas fiscais” em 2015.

        Até porque as chamadas “pedaladas de 2014”, condenadas pelo Tribunal de Contas da União, numa decisão, diga-se de passagem, que ainda não foi referendada pelo Congresso, não poderiam justificar um impeachment, uma vez que a Constituição brasileira estabelece que um presidente não pode ser afastado por fato anterior ao seu atual mandato – argumento, aliás, sempre usado pelo próprio Cunha.

        Por isso mesmo, o pedido de impeachment aceito pelo presidente da Câmara foi aquele que recebeu um adendo: o parecer de um técnico do TCU, chamado Júlio Marcelo de Oliveira, que apontou a continuidade das pedaladas em 2015.

        Sem essa muleta, o pedido de oposição, assinado por Hélio Bicudo, Miguel Reale Júnior e Janaína Pachoal, não ficaria de pé.

        Vamos avaliar, agora, qual é a situação das contas públicas em 2015. Ontem, por ampla maioria, o Congresso Nacional aprovou a nova meta fiscal, o que elimina qualquer possibilidade de que “pedaladas” tenham sido cometidas neste ano.

        Mas ainda que alguns defendam que a presidente Dilma assinou decretos de execução orçamentária antes da aprovação do parlamento – o que, aliás, foi feito por todos os presidentes na história da República – é preciso avaliar qual é a situação jurídica do parecer técnico do TCU.

        Em primeiro lugar, ele não foi avaliado nem pelo próprio Tribunal, que ainda não se debruçou sobre as contas de 2015. Contas que, assim como as de 2014, também não foram chanceladas pelo Congresso.

        Portanto, mesmo num país como o Brasil, que hoje encena seu teatro do absurdo, seria surreal imaginar que um parecer técnico do TCU, que não foi julgado internamente nem apreciado pelo Congresso, possa suplantar 54 milhões de votos.

        Isso significa que, sem crime de responsabilidade, por mais forçada que fosse a tese das pedaladas, qualquer tentativa de impedir um governo legitimamente eleito não merece outra palavra, a não ser golpe.

        A menos que a sociedade comece a aceitar a tese de que crimes existem antes de serem julgados.”

        Autor: Leonardo Attuch
        Fonte: site brasil247

        • Moro afirma que o site Brasil247 foi financiado com dinheiro de propinas a pedido do PT

          Moro confirmou o que o próprio presidente do PT já havia falado a algum tempo em entrevista ao Roda Viva (REVEJA)

          Em um dos despachos proferidos nesta segunda (3), o Juiz Sergio Moro, que julga as maracutais profundas do maior escândalo de corrupção que esse país ja viu, afirmou que dinheiro sujo das propinas do Petrolão, foi usado, a pedido do PT, para pagar cerca de 120 mil reais entre setembro e outubro passado (período eleitoral).

          Os repasses teriam sido feitos por uma empresa dedicada a lavagem de dinheiro e repasse de propinas chamada Jamp, de propriedade do lobista Milton Pascowitch

          “…DIFÍCIL VISLUMBRAR QUAL SERIA O INTERESSE DE EMPRESA DA ESPÉCIE EM ANUNCIAR PUBLICIDADE OU PATROCINAR MATÉRIAS EM JORNAL DIGITAL” [BRASIL247]”

          A conclusão é reforçada por um depoimento do próprio Pascowitch. Ele disse aos investigadores da Lava Jato ter repassado dinheiro do petrolão para financiar o site Brasil 247 e, assim, assegurar o apoio da página ao PT.

    • O TCU(E não o Eduardo Cunha) negou há pouco o recurso apresentado pelo governo Dilma Rousseff no caso das chamadas pedaladas fiscais.

      Como disse o Estadão, “a Corte consolidou o entendimento de que o governo cometeu uma infração grave à Lei de Responsabilidade Fiscal”.

      E isso ocorreu, mais uma vez, por unanimidade.

      Impeachment.

      • RAFAEL

        Que história é essa de TCU?
        Ao contrário desses gays de plantão no G+, o meu não recebe visitas…

        HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA HA

        Entendeu a piada?
        TE CU
        Os mesmos que são filiados ao OCUS DEI…
        Não é você não, são eles…

    • Cara, vai ser hipócrita assim no inferno!
      Os elogios a Lula, Dilma e STF são apenas porque estes são favoráveis aos gays.
      Não é pela competência.

  2. Se perguntarmos a um evangélico o que é uma pessoa que responde a processo por evasão de divisas, peculato, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha ele certamente diria: “um ímpio!”.

    Ora, mas esse ímpio é justamente um parlamentar evangélico! Aí esta o exemplo dos fariseus!

    • Responder a algo não necessariamente significa que ele será condenado. O Fernando Pimentel, Governador do PT em Minas, tem cinco processos judiciais nas costas. O Jean Wyllys, ano atrás, foi processado pelos ex-alunos dele por humilhação na sala de aula.

  3. A vitória pífia da oposição não durou, pois prevaleceu a verdade. Entenda sobre o que a Suprema Corte decidirá com a decisão do ministro Luiz Edson Fachin ao suspender o trâmite do golpe:

    “No fim da noite de terça-feira 8, o ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Edson Fachin suspendeu o trâmite do processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff. A decisão indica que o Supremo está preparado para exercer um papel de mediador na tentativa de remover a petista do Palácio do Planalto um anos após sua reeleição. Nas perguntas e respostas abaixo, entenda o que se passa.

    O STF suspendeu o processo de impeachment. O que isso significa?

    A decisão paralisa os trâmites do processo contra Dilma, mas não o anula. A suspensão vale até a quarta-feira 16, quando o Plenário do STF, com todos os ministros, se reúne para discutir as regras do impeachment.

    Por que o ministro Fachin suspendeu o processo?

    O ministro alegou que era preciso parar o trâmite para evitar que decisões fossem consumadas e, depois, invalidadas pelo Supremo por serem inconstitucionais.

    Quem entrou com essa ação no STF? Qual era a alegação?

    A ação foi proposta pelo PCdoB, um dos mais fiéis aliados do PT e do governo Dilma. O partido alega que a Lei do Impeachment, promulgada em 1950, possui incompatibilidades com a Constituição de 1988. A lei deveria ter sido atualizada pelo Congresso desde a redemocratização, mas isso jamais ocorreu.

    Agora, o STF precisa discutir quais dispositivos da lei de 1950 são válidos conforme a Constituição e quais foram revogados por ela. Da mesma maneira, o STF precisa decidir como devem ser interpretados os artigos remanescentes para se adequarem ao que dispõe a Constituição.

    E quais são as incompatibilidades entre a Lei do Impeachment e a Constituição?

    A mais clara e importante divergência se dá sobre o momento do afastamento do presidente da República. A Lei do Impeachment determina que isso deve ocorrer após decisão da Câmara, mas a Constituição prevê que isso só ocorra após a instauração do processo pelo Senado.

    Há divergências também sobre o papel da Câmara (se acusadora ou responsável por autorizar a acusação), sobre o momento de defesa do presidente e a respeito dos trâmites para a formação da Comissão Especial do Impeachment na Câmara.

    Em que se baseou a decisão de Fachin?

    A decisão se baseou na votação secreta promovida pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para eleger a Comissão Especial do Impeachment. Como notou Fachin em sua decisão, o voto secreto não encontra amparo na Constituição ou na legislação brasileira e no Regimento Interno da Câmara dos D e p u t a d o s.

    Por que Cunha realizou a votação secreta?

    O voto secreto foi uma manobra realizada por Cunha e por partidos da oposição. A intenção era possibilitar que deputados governistas pudessem votar contra o governo sem sofrerem represálias. A estratégia deu certo, e a oposição e o grupo de Cunha conseguiram eleger, por 272 votos a 199, a chapa de oposição para a Comissão Especial do Impeachment, da qual fazem parte apenas d e p u t a d o s favoráveis ao impeachment.

    Com que base Cunha realizou a votação secreta?

    Alegando que o artigo 188 do Regimento Interno da Câmara determina voto secreto nesses casos, uma leitura com a qual o ministro Fachin não concordou. Antes da votação, a d e p u t a d a Jandira Feghalli (PCdoB-RJ) apresentou questão de ordem para questionar o voto secreto, mas Cunha se recusou a ouvi-la. Aí começou o show de horrores da terça-feira 7, com microfones cortados, urnas eletrônicas quebradas e deputados se engalfinhando no Plenário.

    Essa votação continua valendo?

    Por enquanto, sim. O STF pode decidir, entretanto, que ela não deve ser válida.

    E o que ela significa?

    A votação representa um resultado preocupante para o governo. Para evitar que o processo de impeachment avance, Dilma precisa de 172 garantidos. Os 199 obtidos dão a ela, portanto, uma margem bastante reduzida, que pode minguar com o agravamento da crise e o aparente desembarque do governo do vice-presidente, Michel Temer (PMDB). Um fator que pesa a favor do governo é que os 199 votos foram conseguidos em votação secreta, na qual d e p u t a d o s estavam livres para trair o governo, o que pode não se repetir em uma eventual votação aberta.”

    Fonte: site cartacapital

  4. A vitória pífia da oposição não durou, pois prevaleceu a verdade. Entenda sobre o que a Suprema Corte decidirá com a decisão do ministro Luiz Edson Fachin ao suspender o trâmite do golpe:

    “No fim da noite de terça-feira 8, o ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Edson Fachin suspendeu o trâmite do processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff. A decisão indica que o Supremo está preparado para exercer um papel de mediador na tentativa de remover a petista do Palácio do Planalto um anos após sua reeleição. Nas perguntas e respostas abaixo, entenda o que se passa.

    O STF suspendeu o processo de impeachment. O que isso significa?

    A decisão paralisa os trâmites do processo contra Dilma, mas não o anula. A suspensão vale até a quarta-feira 16, quando o Plenário do STF, com todos os ministros, se reúne para discutir as regras do impeachment.

    Por que o ministro Fachin suspendeu o processo?

    O ministro alegou que era preciso parar o trâmite para evitar que decisões fossem consumadas e, depois, invalidadas pelo Supremo por serem inconstitucionais.

    Quem entrou com essa ação no STF? Qual era a alegação?

    A ação foi proposta pelo PCdoB, um dos mais fiéis aliados do PT e do governo Dilma. O partido alega que a Lei do Impeachment, promulgada em 1950, possui incompatibilidades com a Constituição de 1988. A lei deveria ter sido atualizada pelo Congresso desde a redemocratização, mas isso jamais ocorreu.

    Agora, o STF precisa discutir quais dispositivos da lei de 1950 são válidos conforme a Constituição e quais foram revogados por ela. Da mesma maneira, o STF precisa decidir como devem ser interpretados os artigos remanescentes para se adequarem ao que dispõe a Constituição.

    E quais são as incompatibilidades entre a Lei do Impeachment e a Constituição?

    A mais clara e importante divergência se dá sobre o momento do afastamento do presidente da República. A Lei do Impeachment determina que isso deve ocorrer após decisão da Câmara, mas a Constituição prevê que isso só ocorra após a instauração do processo pelo Senado.

    Há divergências também sobre o papel da Câmara (se acusadora ou responsável por autorizar a acusação), sobre o momento de defesa do presidente e a respeito dos trâmites para a formação da Comissão Especial do Impeachment na Câmara.

    Em que se baseou a decisão de Fachin?

    A decisão se baseou na votação secreta promovida pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para eleger a Comissão Especial do Impeachment. Como notou Fachin em sua decisão, o voto secreto não encontra amparo na Constituição ou na legislação brasileira e no Regimento Interno da Câmara dos D e p u t a d o s.

    Por que Cunha realizou a votação secreta?

    O voto secreto foi uma manobra realizada por Cunha e por partidos da oposição. A intenção era possibilitar que d e p u t a d o s governistas pudessem votar contra o governo sem sofrerem represálias. A estratégia deu certo, e a oposição e o grupo de Cunha conseguiram eleger, por 272 votos a 199, a chapa de oposição para a Comissão Especial do Impeachment, da qual fazem parte apenas d e p u t a d o s favoráveis ao impeachment.

    Com que base Cunha realizou a votação secreta?

    Alegando que o artigo 188 do Regimento Interno da Câmara determina voto secreto nesses casos, uma leitura com a qual o ministro Fachin não concordou. Antes da votação, a d e p u t a d a Jandira Feghalli (PCdoB-RJ) apresentou questão de ordem para questionar o voto secreto, mas Cunha se recusou a ouvi-la. Aí começou o show de horrores da terça-feira 7, com microfones cortados, urnas eletrônicas quebradas e d e p u t a d o s se engalfinhando no Plenário.

    Essa votação continua valendo?

    Por enquanto, sim. O STF pode decidir, entretanto, que ela não deve ser válida.

    E o que ela significa?

    A votação representa um resultado preocupante para o governo. Para evitar que o processo de impeachment avance, Dilma precisa de 172 garantidos. Os 199 obtidos dão a ela, portanto, uma margem bastante reduzida, que pode minguar com o agravamento da crise e o aparente desembarque do governo do vice-presidente, Michel Temer (PMDB). Um fator que pesa a favor do governo é que os 199 votos foram conseguidos em votação secreta, na qual d e p u t a d o s estavam livres para trair o governo, o que pode não se repetir em uma eventual votação aberta.”

    Fonte: site cartacapital

    • Vale ressaltar que o Carta Capital, financiado com verbas estatais para defender o governo, não citou nem um artigo da Constituição para endossar esse argumento. O que o Fachin fez, foi algo totalmente sem fundamento jurídico que obviamente vai cair sobre o Plenário.

      • Ora, mas se você se acha que conhece melhor a Constituição que o ministro da Suprema Corte, então há algo errado em que você não seja um dos ministros.

        A propósito, pedante, já acendeu seu incenso para o evangélico Eduardo Cunha?

        • Sou Advogado, o que me faz conhecer menos do que ele? E o mesmo Ministro tempos atrás estava fazendo campanha política para a Dilma, o que em sí já demonstra total imparcialidade. O que ele pode ter acertado na decisão, foi apenas sobre a questão do voto ter sido secreto. Mas mesmo sendo aberto, a oposição teria maioria.

    • 1-o questionamento do PCdoB sobre a formação da chapa avulsa é uma rematada bobagem. O Artigo 8º do Regimento Interno da Câmara permite candidaturas avulsas até para o comando da Casa. Por que não permitiria para uma comissão? E, nesse caso, não há dispositivo constitucional nenhum que garanta ao menos um bom debate.
      2-A ADPF do PCdoB traz apenas uma questão procedente. Aponta que a Lei 1.079 estabelece que o presidente se afaste assim que a denúncia contra ele for aceita por dois terços da Câmara — e é verdade: está no parágrafo 5º do Artigo 23 da lei. Mas a Constituição afirma no Inciso II do Parágrafo 1º do Artigo 86 que o mandatário tem de ser afastado depois de instaurado o processo no Senado.
      3-Quando a Constituição quer voto secreto, ela especifica. Em alguns casos, ela é omissa a respeito e se entende que pode ou não ser voto fechado, cabendo, em princípio, ao Parlamento decidir. Mas há sempre a possibilidade de a Corte entender que, sendo omissa a Carta, deva prevalecer o princípio da publicidade. É o que está na raiz da decisão de Fachin para suspender temporariamente o rito. No entanto existe o artigo 188 do Regimento da Câmara que fala sobre ser em caráter fechado.

      • Para seu governo, pedante, o ministro Fachin já suspendeu o trâmite do golpe.

        Agora, se você se acha que conhece melhor a Constituição que o ministro da Suprema Corte, então há algo errado em que você não seja um dos ministros.

        A propósito, já acendeu hoje seu incenso para o evangélico Eduardo Cunha?

        • Sandro

          Te refutei e em nenhum momento você mostrou quais seriam os erros dos meus argumentos. Você só sabe usar de falácias Ad Hominem e ficar postando noticiais de sites financiados com verbas estatais para falar apenas bem do governo. Quantos pães com mortadela você recebe do nosso dinheiro obviamente para ficar defendendo a Dilma?

  5. Os evangélicos, que deveriam estar preocupados em erradicar de seu meio os acãs ladrões do erário – isso sem falar dos ladrões que mercantilizam a Palavra -, dos quais o maioral será julgado no STF por evasão de divisas, peculato, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha, hoje se colocam a favor de um golpe contra a autoridade máxima do país em flagrante desobediência a ordem de Paulo no sentido de orar pelas autoridades e cooperar pela paz.

    Enquanto a CNBB já se manifestou contra o golpe, os evangélicos – muitos dos quais corruptos e ladrões respondendo a processos no STF – vão se alinhando com os golpistas e revelando quem verdadeiramente são. Mas esperar o que de uma religião que não titubeou em apoiar até mesmo o monstro Adolf Hitler?

    Raça de víboras, foi até bom ter acontecido tudo isso para que a nação e o mundo percebesse o quanto esses fundamentalistas dominionistas são um perigo para a democracia, as liberdades civis, individuais, de culto, consciência e expressão. São fariseus sórdidos, hipócritas e cínicos!

    • Desde quando Impeachment é golpe? O Collor então sofreu golpe? Se ele sofreu, os petistas são golpistas pois apoiaram. Lembrando que o STF absolveu o Collor. Quem elogiou o Hitler na revista playboy foi o Lula meu caro, fora que o PT disse que com os terroristas, cabia o diálogo. Quem apoia ditaduras é o partido do qual você é militante. Fora que o PT é de esquerda como o próprio Hitler foi pois fez parte de um partido socialista.

      • RAFAEL

        Com esses caras é assim: quando a atitude é contra eles, é golpe.
        Os caras fazem o festival de corruPTos e nós devemos ficar quietos, pois os ladrões são “autoridades”.
        E foi bem lembrado, o PT ajudou a defenestrar Collor.
        E o Molusco e o Collor que ele chamava de “corrupto” hoje são amigos.

        E apesar do Sandro sempre reclamar do bordão “não toque no ungido” repetido pelos evangélicos, foi isso que ele fez hoje, pedindo que não mexam com a “autoridade máxima do país”, pelo jeito a DILAMA é a ungida dele, com certeza foi ungida com óleo de peroba.
        E ainda pôs Paulo e -acredite!- Adolph Hitler na história.

        Numa outra notícia, um tal de Frei Betto, em vez de cuidar de sua paróquia, soltou a pérola de comparar Lula com Jesus!!!!!!!
        WTF?
        Será que eu li isso mesmo?
        Olha aonde chega a megalomania desse cara, o amigo do polvo!
        Putz, comparar Lula a Jesus?

        Sandro em outra oportunidade disse que “o Brasil é VERMELHO”!!!!
        E não gostou de ser chamado de comunista…
        Falei que com gays até é possível diálogo, mas com comunistas jamais…
        Em 1964 os militares fizeram sua parte impedindo um golpe comunista que estava sendo tramado, que faria o Brasil ficar igual à Coréia do Morte, Cuba, Venezuela, China…

        Na verdade esse cara elogia Lula, Dilma e o STF porque esses já manifestaram seu apoio à causa dos homossexuais, como o casamento gay que o STF aprovou.
        Se a decisão do STF fosse contrária, ele estaria gritando “homofobia!!!”.
        Não é porque Lula e Dilma sejam bons presidentes, nem que o STF seja o “guardião da constituição”, mas por serem favoráveis aos gays, mesmo quando estes, a pretexto de garantir direitos deles, tentam avançar sobre os nossos.
        Ou seja, casuísmo puríssimo e claro como água.

      • Rafael,

        eu nem precisava me dar ao trabalho de responder sua pergunta, mas em respeito aos demais leitores o farei. Você, como todo falacioso, tentar confundir as coisas, os conceitos, pois, de fato, “impeachment”, mesmo, não é golpe, mas o que esta em curso em Brasília, sob o disfarce de impeachment, é pura e simplesmente golpe, e disso já deram testemunho dezenas dos mais abalizados juristas. Ao pretender estabelecer comparação entre o impedimento de Collor e o que hoje se dá em Brasília, você demonstra seu total desconhecimento não só da questão jurídica e constitucional envolvida, mas da própria história, a história que você desconhece por não saber do papel que as igrejas evangélicas tiveram ao apoiar Adolf Hitler e do fato de que o “socialista” que consta do nome do então partido de Hitler nada tinha a ver com o socialismo de Marx, falo com conhecimento dos fatos. Eu cursei uma faculdade de história, mas você demonstra claramente desconhecer história moderna e contemporânea.

        Segue um texto para você começar a entender por que se trata de golpe.

        “Esqueçam as motivações de Eduardo Cunha.

        Suponham, por um instante, que ele tenha agido com a mais nobre das intenções, ao dar o sinal verde para um processo de impeachment contra presidente Dilma Rousseff.

        Em vez de sentimentos primitivos, como vingança ou retaliação, Cunha seria movido pelo nobre propósito de defender a Lei de Responsabilidade Fiscal.

        Assim, a presidente Dilma, eleita com 54 milhões de votos, seria derrubada do cargo porque cometeu um crime terrível: “pedaladas fiscais” em 2015.

        Até porque as chamadas “pedaladas de 2014”, condenadas pelo Tribunal de Contas da União, numa decisão, diga-se de passagem, que ainda não foi referendada pelo Congresso, não poderiam justificar um impeachment, uma vez que a Constituição brasileira estabelece que um presidente não pode ser afastado por fato anterior ao seu atual mandato – argumento, aliás, sempre usado pelo próprio Cunha.

        Por isso mesmo, o pedido de impeachment aceito pelo presidente da Câmara foi aquele que recebeu um adendo: o parecer de um técnico do TCU, chamado Júlio Marcelo de Oliveira, que apontou a continuidade das pedaladas em 2015.

        Sem essa muleta, o pedido de oposição, assinado por Hélio Bicudo, Miguel Reale Júnior e Janaína Pachoal, não ficaria de pé.

        Vamos avaliar, agora, qual é a situação das contas públicas em 2015. Ontem, por ampla maioria, o Congresso Nacional aprovou a nova meta fiscal, o que elimina qualquer possibilidade de que “pedaladas” tenham sido cometidas neste ano.

        Mas ainda que alguns defendam que a presidente Dilma assinou decretos de execução orçamentária antes da aprovação do parlamento – o que, aliás, foi feito por todos os presidentes na história da República – é preciso avaliar qual é a situação jurídica do parecer técnico do TCU.

        Em primeiro lugar, ele não foi avaliado nem pelo próprio Tribunal, que ainda não se debruçou sobre as contas de 2015. Contas que, assim como as de 2014, também não foram chanceladas pelo Congresso.

        Portanto, mesmo num país como o Brasil, que hoje encena seu teatro do absurdo, seria surreal imaginar que um parecer técnico do TCU, que não foi julgado internamente nem apreciado pelo Congresso, possa suplantar 54 milhões de votos.

        Isso significa que, sem crime de responsabilidade, por mais forçada que fosse a tese das pedaladas, qualquer tentativa de impedir um governo legitimamente eleito não merece outra palavra, a não ser golpe.

        A menos que a sociedade comece a aceitar a tese de que crimes existem antes de serem julgados.”

        Fonte: site brasil247

        • Sandro

          Sou Advogado e conheço pedido feito pelos renomados juristas e não pelo Eduardo Cunha. Antes de ficar postando texto de um site financiado com o nosso dinheiro para apenas falar bem do Governo, traga argumentos que verdadeiramente possam contestar o pedido feito pelo Hélio Bicudo, Miguel Reale e Ivan Martins. O pedido tem 3.700 páginas, faça um favor para quem lê aqui e nos mostre quais os erros jurídicos do pedido.

  6. Mais Médicos, Mais Propina

    Brasil 09.12.15 14:31
    O criador e coordenador do programa Mais Médicos, Mozart Sales, foi acusado pela PF de embolsar propina da ORCRIM que roubou a Hemobras.

    Chefe de gabinete de Alexandre Padilha, Mozart Sales assumiu o ministério da Saúde depois da queda de Arthur Chioro.

    Trata-se do 14° ou 15° ministro de Dilma Rousseff investigado pela PF (O Antagonista, momentaneamente, perdeu a conta).

    • Que leitura rasa, superficial, própria dos que têm visão curta e confundem a exceção com a regra, a parte com o todo. O programa mais médicos beneficia milhões de brasileiros!

  7. Todos estão preocupados porque os corruptos estão sendo julgados pelos corruptos mas mesmo assim esse governo vai se dar mal porque fizeram algo pior do que roubar,criaram leis que despertaram a ira de Deus ao promover e tentar obrigar o povo a honrar o homosexualismo ,que diante de Deus é totalmente abominável e é Ele que está no controle de tudo e Ele não se deixa corromper nem enganar e pode usar até os corruptos para punir os corruptos .
    Eduardo cunha, que dizem que é evangélico ,se torna assim mais culpado ,pois quem conhece a vontade de Deus e não obedece é mais culpado do que os que não conhecem, e quero dizer ainda que as próprias igrejas sustentam a corrupção quando se tornam também corruptas ,pois Jesus deu o exemplo ao expulsar os que compravam e vendias no templo.

  8. É simplesmente patético ver um crente totalmente sem argumentos quando confrontado com o fato de que o evangélico Cunha só acolheu o pedido de golpe em razão dos petistas declararem que votariam contra ele no Conselho de Ética, sendo que o Brasil inteiro sabe que ele ficou o tempo todo chantageando o governo e a oposição para ver quem o apoiaria na tentativa de tentar salvar seu mandato. Parece que os evangélicos não levam a sério as palavras de Jesus contra a hipocrisia, o cinismo, a mentira, a falsidade e o conluio com as obras das trevas. Vão se converter, fariseus!

    • Segundo os deputados André Moura e outros, quem iniciou a chantagem foi a Dila por meio do Wagner, Deixa de ser militante petista e traga algo de um veículo de mídia se ser do governo.

  9. “OAB pode ir ao STF contra manobras de Cunha

    A palavra da OAB sempre foi relevante nos processos políticos brasileiros. Até aqui a entidade se manteve distante da guerra do impeachment, adiando um posicionamento. Isso começou a mudar nesta manhã, com a emissão de uma nota oficial pelo presidente da entidade, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, condenando as manobras do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, para obstruir a deliberação do Conselho de Ética sobre o processo de sua cassação. A nota afirma que a OAB está pronta para ir ao STF com uma ação para garantir o funcionamento adequado do Conselho de Ética, caso isso seja necessário.

    Especificamente sobre o impeachment da presidente Dilma, a Ordem diz estar reunindo mais elementos para um posicionamento, mas no Brasil até os papagaios sabem que o impeachment de Dilma é um caso conexo com o processo de cassação de Cunha. Não tivesse o PT decidido votar pelo prosseguimento de seu processo, ele não teria acolhido o pedido de impeachment.”

    Fonte: site brasil247

    A nota da OAB

    “Os processos nos Conselhos de Ética da Câmara e do Senado devem ser concluídos com agilidade. Atitudes como a substituição do relator do processo contra o d e p u t a d o Eduardo Cunha em nada contribuem para o esclarecimento das suspeitas que recaem contra ele. A OAB está pronta para ir ao STF com uma ação para garantir o funcionamento adequado do Conselho de Ética, caso isso seja necessário. O Colégio de Presidentes das seccionais da Ordem dos Advogados já se manifestou no sentido de que há motivos para o mandato de Eduardo Cunha ser cassado, respeitado o devido processo legal e a ampla defesa. Prezamos pelo bom funcionamento das instituições”.

    Fonte: site brasil247

    • 05/08/2015 às 16:14 \ Direto ao Ponto
      A devassa do porão de um site 171 vai antecipar a dedetização da esgotosfera

      Está pronta para sair do forno da Câmara uma CPI dos Crimes da Internet, proposta pelo deputado Sibá Machado, líder da bancada do PT. Como essa raridade da fauna amazônica ainda não foi devassada pela ciência, ignora-se o que pretendia o parlamentar do Acre ao disparar o tiro no pé: comandada pela maioria antigovernista, a comissão não poupará a máquina montada pelo governo para insultar adversários, louvar incompetentes e absolver criminosos.

      A rajada da Lava Jato que inundou o porão do site Brasil 247 (podem chamar de 171 que ele atende) acabou antecipando a dedetização da esgotosfera, um amontoado de cortiços infestados de ex-jornalistas que prosperam como comerciantes de textos e “eventos”. Apresentam-se como “blogueiros progressistas”. São apenas canalhas. E os mais notórios, constata o comentário de 1 minuto para o site de VEJA, encaixam-se no perfil do meliante capturado pela Polícia Federal.

      Todos foram editores de economia ou diretores de publicações especializadas em assuntos econômicos. Todos perderam a pouca vergonha para ganhar muito dinheiro. Todos se tornaram esquerdistas desde criancinha assim que o lulopetismo chegou ao poder. Todos são financiados por empresas estatais. Todos enriqueceram com “seminários” patrocinados pela Petrobras e pela Caixa Econômica Federal. Por tudo isso e muito mais, todos merecem cadeia.

  10. É estarrecedor, até mesmo surreal o que esta acontecendo no Brasil, um país tornado refém por um “evangélico” – “nosso irmão”, nas palavras de Silas Malafaia. Antes de imiscuir-se na política, praticar o vil comércio do Evangelho no sórdido balcão da mercantilização da Palavra de Deus e adotar uma postura de intolerância e perseguição aos homossexuais, a igreja evangélica era uma instituição que gozava de respeito no Brasil, pois seus membros eram, via de regra, associados com simplicidade, honestidade, sinceridade, amor ao próximo e pureza de fé. Todo esse conceito virou pó depois que os vendilhões do Evangelho – apoiados por líderes evangélicos que sempre agiram como cães de guarda que querem ladrar – começaram a eleger candidatos corruptos que foram saquear a nação, produzir “apóstolos”, “missionários”, “pastores” e outros líderes que passaram a saquear a membresia através da venda do Evangelho e das graças e dons de Deus, e, ainda, perseguir, através de intolerância e incitação a violência, os homoafetivos em luta pelo reconhecimento de seus direitos civis. Não é sem razão que Eduardo Cunha representa hoje uma igreja evangélica caída, apostatada; uma igreja que uniu-se ao mundo e converteu-se a Mamon – uma igreja que se tornou babilônia e morada de toda ave imunda e aborrecível, com diz no livro de Apocalipse. O texto abaixo é um alerta não somente ao país, mas aos próprios evangélicos.

    “Ou o Brasil acaba com Eduardo Cunha ou Eduardo Cunha acaba com o Brasil.

    É inacreditável, é intolerável, é ultrajante para todos os brasileiros o que ele vem fazendo para rebaixar o país ao nível de uma republiqueta.

    O depoimento hoje do ex-relator da Comissão de Ética que pode – enfim – determinar sua cassação, Fausto Pinatto, é estarrecedor. Mas não surpreendente, dado que não é o primeiro nessa direção.

    Pinatto disse que teve medo de morrer.

    “Fui abordado em aeroporto, o meu motorista foi abordado, recebi alguns recados em aeroporto de pessoas desconhecidas. Sofri todo tipo de pressão que você pode imaginar”, disse em entrevista à imprensa. “Falaram para pensar na minha família, que eu tinha filho pequeno, filha pequena, irmão pequeno.”

    Pinato afirmou fez um boletim de ocorrência confidencial na Secretaria de Segurança de São Paulo. A família, disse, passou a se locomover num carro blindado. Um policial militar foi destacado para dormir em sua casa para protegê-lo e à família.

    Isso tem um nome: terrorismo.

    Depoimentos de delatores da Lava Jato contaram a mesma história. Nos vídeos das delações, era visível o pavor deles ao falar em Eduardo Cunha. As ameaças sempre incluíam as famílias.

    E com tudo isso, e mais as provas acachapantes despachadas pelos suíços para as autoridades brasileiras, Eduardo Cunha continua de mãos livres para cometer suas barbaridades.

    É evidente que ele deu um jeito de se livrar de Pinatto, que a esta altura deve estar dando graças a Deus por não mais comandar um processo que poderia e deveria dar na cassação de Eduardo Cunha.

    Já são mais de dois meses em que todo o Brasil sabe o que fez e do que é capaz o presidente da Câmara dos D e p u t a d o s, o terceiro cargo na hierarquia nacional.

    E nada.

    Ele está obstruindo os trabalhos da Comissão de Ética à frente de 200 milhões de brasileiros para escapar dos crimes que cometeu.

    E nada.

    Janot, Moro, o ministro da Justiça – ninguém é capaz de dar um basta? Você tem aí o confronto do esperto, Cunha, contra os tolos, os tíbios, os fracos, como os listados acima. Cunha tem, a seu favor, a mão amiga e cúmplice de políticos despudorados como Aécio, Serra, FHC e outros tantos da oposição.

    Quem perde, nisso tudo, é a sociedade.

    Um jornalista expressou hoje no Facebook o que é um sentimento amplamente espalhado hoje pelo país.

    Ele propôs que Eduardo Cunha ficasse com tudo – a começar pelo dinheiro que roubou dos brasileiros, e continuando pelo cargo. “Mas devolva o Brasil”, acrescentou o jornalista.

    Cunha sequestrou o Brasil. Transformou o país numa versão de Chicago dos anos de Al Capone.

    Ninguém mais poderá alegar surpresa se algum opositor seu aparecer morto. Ameaças, se não são fortemente reprimidas, terminam em realidade, num momento ou em outro.

    Quem ameaça uma família, e duas, e três, é porque pode sim dar o passo seguinte.

    Eduardo Cunha tem que sofrer uma punição exemplar – e para ontem – por tudo de mal que vem fazendo ao país.

    Tem que ser cassado e preso já. E tem que ser exposto em praça pública para que a sociedade saiba o que acontece com quem desce aos abismos morais a que ele rebaixou a si próprio – e ao Brasil.

    É como se o Brasil estivesse acorrentado aos pés de Eduardo Cunha.

    E então repito.

    Ou o Brasil acaba com Eduardo Cunha ou Eduardo Cunha acaba com o Brasil.”

    Kiko Nogueira (site brasil247)

      • Site Brasil 247 é um site financiado por verbas estatais, logo não há nada de imparcial escrito nesse site que recebe do nosso dinheiro para falar apenas bem do governo.

        • Falácia detectada – ad hominem.

          Ataque os argumentos, não a pessoa (no caso, o responsável pelo site).

          Como você não tem argumentos para contestar os fatos que o site divulga, parte para a estratégia da falácia, da desqualificação do site porque supõe verdadeira a delação de um criminoso e quer se adiantar ao futuro veredito contra o responsável contra o site. Espere a conclusão do processo, advogado.

          • Ademais, não mude de assunto, pois o tema é o vendilhão do Evangelho, não o site. Você deveria focar seus argumentos na defesa do Malafaia, já que parece que o defende. Porém, acho difícil defender o indefensável.

          • Sandro

            Lógico que eu uso falácias contra o site. O mesmo também se utiliza contra o pedido de impeachment, me mostre o site mostrando quais seriam os erros do pedido? Não tem nada no site que mostre isso, logo o site que se utiliza de falácias ad hominem, e você por reproduzi-lo, faz a mesma coisa.

          • Engraçado que o tema do artigo é sobre a oposição de ter ganho com base na chapa 2 contra a chapa 1 do governo. A pergunta é: O que isso tem a ver com o Silas Malafaia? Você fala que eu deveria aguardar que a sentença para ver se o site Brasil 247 seria condenado, mas eu volto a pergunta para você: O Eduardo Cunha foi condenado ou ainda é investigado? Se ele é apenas investigado, por que você o coloca como ladrão? Você vê que seu argumento pode ser usado contra você? E outra, quem é você para em vários tópicos na notícia ai sim do Silas Malafaia, quando contesta o Conic, ficar falando que ele seria ladrão? Quais as provas que você possui que que se enriquece de forma ilícita? Há algum processo contra ele em cima disso? Me mostre o numero do processo que eu averíguo aqui. Ou seja, você comete calúnia (que é crime) afirmando que o pastor rouba e outras coisas, sem ao menos ter provas leias. Além de tendencioso, você comete calúnias o que é crime.

          • Sandro

            Vamos lá:

            1-Desde que a presidente Dilma chegou ao poder, os gastos com publicidade só aumentaram. Apenas no ano passado, a presidente gastou R$ 210 milhões com campanhas em nome da Presidência da República: um valor mais alto do que o gasto com publicidade com campanhas do Ministério da Saúde.
            2-Só entre 2010 e 2013, o Conversa Afiada já recebeu R$ 2,48 milhões – apenas a título de comparação, no mesmo período, o site da Veja, com uma audiência incomparavelmente maior, recebeu R$ 559 mil.

            Tomando como base uma tabela de acessos divulgada pelo UOL há dois anos, é possível perceber como os gastos não são proporcionais. Naquele ano, o blog de PHA teve 4 milhões de visualizações mensais e recebeu R$ 628,8 mil em publicidade do governo. Ao mesmo tempo, o site da Folha de São Paulo, que tem 127 milhões de visualizações, recebeu pouco mais de R$ 780 mil.
            3-Petrobras, BB e Caixa lideram gastos de publicidade para mídia alternativa
            De 2010 a 2013, as três estatais gastaram R$ 17 milhões com publicações de audiência limitada
            As 3 empresas estatais do governo federal que lideram os gastos publicitários da administração indireta também são responsáveis por um volume respeitável de publicidade digital em veículos de audiência limitada na internet.
            Petrobras, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal gastaram, de 2010 a 2013, a soma de R$ 17 milhões publicando anúncios em meios de comunicação como “Opera Mundi , “Dinheiro Vivo”, “Conversa Afiada” e “Carta Maior”.

  11. Se um dia comentários idiotas, imbecilizantes, patéticos e alienantes forem considerados crime, a Vanessa, a Mariana (a tal “princesa”), o Luciano, entre outras celebridades, pegarão perpétua. :D

      • Os textos que reproduzo aqui têm suas fontes devidamente citadas, e o fato do site ser investigado – e independentemente do resultado – não anula os fatos que os autores que escrevem nele dizem, como o fato de Judas haver traído Jesus, e Pedro o negado, não invalida as palavras proferidas pelos demais discípulos. Nada se provou contra o site.

        • Sandro

          A partir do momento que você posta notícias que nem ao menos fundamentam ou fazem críticas ao pedido, mas sim ao Presidente da Câmara( que não criou o pedido), sim você é tendencioso. Se site x fala que é golpe o pedido y por que o Presidente na Câmara está também sendo investigado, o que o pedido y tem a ver? As pessoas que fizeram o pedido y estão sendo investigados? Por que o site X que é financiado com o nosso dinheiro para ficar apenas falando bem do governo, ao invés de ficar criticando o Eduardo Cunha, não mostra os erros do pedido y?

  12. “O PT era o rei do impeachment”

    Brasil 10.12.15 15:00
    Geraldo Alckmin foi questionado hoje em Brasília sobre o impeachment de Dilma Rousseff.

    “Impeachment não é golpe. Aliás, o PT era o rei do impeachment porque ele entrou com pedido de impeachment contra o Collor, contra o Itamar Franco e contra o Fernando Henrique. Só não entrou contra o Lula porque era do PT”, disse à TV Globo.

    • É claro, impeachment não é golpe; golpe é o que estão a fazer em Brasília através do falso fundamento das “pedaladas fiscais”. Rafael, não seja desonesto intelectual, não se avilte.

      • Foi o TCU, “O TRIBUNAL DE CONTAS”, diga-se de passagem, que identificou as “pedaladas” e ofereceu oportunidade de defesa ao Planalto que provasse o contrário, coisa que até nessa quarta-feira(9), o AGU não conseguiu realizar, pois mais uma vez os membros do TCU recusaram de forma “UNÂNIME” os argumentos apresentados na defesa do Governo. Sendo assim, o dito “falso fundamento das pedaladas” só é falso para quem possui interesses escusos, tal qual demonstrados pelos “petralhas” na gestão da Petrobrás e do país.

      • Sandro

        Agora o TCU virou uma instituição do PSDB? KKKKKKKK. E eu que sou o desonesto intelectual. Estou aguardando você ter peito de me mostrar quais os argumentos improcedentes do pedido de 3.700 páginas feitas não pela oposição- vale lembrar que o Hélio Bicudo, autor do pedido, foi um dos fundadores do PT- e sim por juristas renomados. E não me venha com sites investigados pela lava-jato que ficam colocando como argumentos, que o Eduardo Cunha foi o culpado… Volte aqui quando tiver coragem de mostrar os erros jurídicos do pedido, caso contrário você é o desonesto.

  13. Maika (Esposa de Delcidio) diz que Dilma recebeu dinheiro sujo da Odebrecht

    Brasil 11.12.15 06:43
    A Odebrecht pagou a campanha de Dilma com dinheiro roubado da Petrobras.

    Segundo Merval Pereira, Maika conhece todos os detalhes da conversa entre Delcídio Amaral e Dilma Rousseff no dia da prisão de Marcelo Odebrecht:

    “Delcídio, de acordo com o relato de sua mulher, teria lembrado à presidente o papel importante que a Odebrecht teve no financiamento da campanha presidencial, tendo inclusive pagado ao marqueteiro João Santana com dinheiro de uma subsidiária em Angola.

    Ao que Dilma teria reagido: ‘Isso é problema do Lula. Ele que resolva’.

    Delcídio então retrucou, segundo a versão de Maika:

    ‘Não senhora, a campanha era sua, é sua a responsabilidade’”.

DEIXE UMA RESPOSTA