Papa Francisco encontra-se com pastor e pede perdão por perseguição de católicos a evangélicos

76

O papa Francisco visitou nesta segunda-feira, 28 de julho, um pastor na cidade de Caserta, no sul da Itália. A visita já é vista como histórica, pois foi a primeira vez que um pontífice católico sai do Vaticano para se encontrar com um sacerdote protestante.

O encontro entre Francisco e Giovanni Traettino, pastor da Igreja Evangélica da Conciliação aconteceu durante um evento com a presença de 350 fiéis protestantes de todo o mundo.

Conhecido por seu discurso de unidade entre cristãos, Francisco pediu perdão aos evangélicos por conta da perseguição feita contra eles por muitos católicos: “Entre as pessoas que perseguiram os pentecostais também houve católicos. Eu sou o pastor dos católicos e peço perdão por aqueles irmãos e irmãs católicos que não compreenderam e foram tentados pelo diabo”, afirmou o papa.

Francisco disse ainda que a pluralidade no meio cristão é fruto do Espírito Santo, e que é preciso dar espaço para que através da reconciliação, os seguidores de Cristo voltem a ser um só: “O Espírito Santo cria diversidade na Igreja. A diversidade é bela, mas o próprio Espírito Santo também cria unidade, para que a Igreja esteja unida na diversidade – para usar uma palavra bonita – uma diversidade reconciliadora”, discursou.


Em sua conclusão, Francisco pediu que os cristãos sejam mais solidários, ajudando os mais fracos e necessitados, além de sugerir que se busque uma vida ao lado de Deus: “Não compreendo um cristão que está quieto, o cristão deve caminhar. Há cristãos que caminham ao lado de Jesus, mas em alguns momentos não caminham na presença de Jesus. Isto é porque são cristãos que confundem caminhar com andar, são errantes”, finalizou.

Ao final, Francisco dirigiu-se à casa do pastor Traettino, onde tiveram uma conversa privada. Depois, o papa visitou o templo da igreja evangélica na cidade e cumprimentou os fiéis e curiosos que estavam à porta antes de entrar. Lá dentro, segundo o G1, reuniu-se novamente com o pastor, longe das câmeras.


76 COMENTÁRIOS

    • Stardust,

      Vendo o que você escreveu, lembrei do ladão que fez critica a Cristo.

      Meu caro, você parece fel.

      Um momento belo desse, em que o ser humano se aproxima da plenitude, em que uma desgraça da humanidade é destacada com irmandade(confissão seguida de perdão). mas você enfatiza e traz à tona fatos atuais que sequer se compara com o ocorrido no passado/presente;

      Mas vamos fazer esforços para que possamos nos fazer mais gente e menos estilo urubu, meu caro.

      O líder dessa igreja criticada por você, num momento de importância para a igreja que ele ajudou construir mandou convite a muitos líderes religiosos, prova de que quer compartilhar algo com alguém, e mais que isso, estar ao lado de outrem, reunido, lado a lado.

      Sei que você e outros vão dizer que é para os povos se ajoelharem a ele, fazer culto ao templo dele, sei que haverá de vir essas conotações, mas não haja como se fosse esse povo como um guerreador, um aniquilador, meu caro, as coisas merecem ter e dada a devida proporção.

      Devamos dar glória pelo fato da pessoa que se encontra sentada no cargo de igreja que sempre foi contra os protestantes dizer ao mundo que se sente constrangido em vista da incompreensão dos seus pares, que perseguiram os evangélicos, que maltrataram os evangélicos, que quer que nos unamos como um todo e em todos os lugares para a grande luta em prol do necessitado, do carente, do precisado, do irmão abandonado, tudo numa ação sistemática contra as forças do mal.

      Que Deus seja louvado, que os céus recebam nossas gratidões, pois os verdadeiros homens de boa vontade dão sinais sim de que há sim a possibilidade de um só rebanho, mesmo que sejam momentanemente em átrios diferentes, mas todos construindo um futuro com Deus da paz. Somos irmãos, embora ainda com cores e bandeiras diferentes. O amor dever prevalecer, o amor como exemplo, o milênio da paz.

    • STARDUST

      Conheço católicos que tem uma conduta mais limpa que muitos “crentes” por aí, na família de minha esposa tem muitos. Do mesmo jeito que conheço membros da IURD que, realmente procuram andar conforme a palavra de Deus, sem se importar com críticas de pessoas que aparentemente não fazem nada pela obra de Deus, e enchem o saco de quem tenta fazer alguma coisa.

      Acho que não preciso citar nomes, não é?

      Mas quem somos nós pra julgar alguém?
      Não seria melhor cuidarmos do nosso próprio quintal, e deixar que DEUS julgue a todos?

  1. E Jesus disse^. Dificilmente , um rico herdarar o reino dos ceus, esse lideres estao comprometidos, corrompidos, pelo o poder das riquezas, eh dificl, diria imossivel, esses homens abrir mao das riquezas em favor dos pobres , como Jesus propoe no seu evangelho !! Mateus 19,16

      • Clamando pelos dizímos e pelos tridízimos,você não conhece JESUS e nunca
        conhecerá,pois,sua mente está cauterizada e vulgarizada de tanto usar o santo
        nome de JESUS em vão.Você tem,sim.Só informações,mas no seu coração ele
        nunca entrou e nem entrará.Todo fanáticoé igual a você e morre sem se converter.
        Que Jesus tenha misericórdia de tua alma que se ACHA exaltada,selecionada,honrada,louvada,purificada….Eu disse ACHA.Coitado de você,
        lixo humano,alma ardida,incardida,perdida,arrasada,confundida,aturdida…..Xó
        satanás.

    • É isso mesmo, Mary! Esse homem com seu carisma e humildade, está trazendo de volta o orgulho de sermos cristãos. Estamos num mundo onde os valores estão invertidos e quando se vê uma pessoa com tanto amor, é logo taxado de interesseiro e usado pelo mau. Afff…

  2. Caros Irmãos, dediquei tempo a leitura de cada comentário, e como católico praticante não poderia deixar de dizer que não é um paragrafo de um texto da Bíblia que será motivo de perder minha fidelidade a Deus, chega irmãos de pegarmos um texto dentro de um contexto e usar de pretexto…
    Em momento algum vejo coerência com o que foi exposto da palavra de Deus com o fato de unirmos os Cristãos, não será pela arrogância nem pelo que acreditas que sereis salvos, depois do principal mandamento de Jesus: AMAI-VOS UNS AOS OUTROS COMO EU VOS AMEI, ninguém vai ter sua salvação por apontar o dedo ao que acredita ser errado, nem muito menos por acusar, julgar e condenar, usando as palavras de Jesus para justificar seu ódio intrinseco, pelos próprios pecados, para salvar a si mesmo em detrimento da salvação de outrem.
    Abençoa Jesus cada um que critica aos que te encontram na Eucaristia, na Confissão, no exemplo de vida dos Santos, no SIM da mulher que TU escolhestes para ser tua mãe, mas principalmente Pai amado abençoa aos que usam tuas palavras de salvação para justificar desobediências, atos impuros, enriquecimento financeiro pessoal, conversão para apagar/justificar um passado negro pois não teve a coragem de mudar sem ter uma razão que não fosse usar teu santo nome em vão.
    Abençoa senhor Jesus cada irmão CRISTÃO, que doa com caridade, serve com amor, cuida com alegria, olha com compaixão e AMA sem julgo.
    NÃO OLHEIS OS NOSSOS PECADOS, MAS A FÉ QUE ANIMA A VOSSA IGREJA (entendam Igreja como POVO tradução literal do Hebraico, Igreja: reunião de duas ou mais pessoas em comunhão com uma doutrina)

      • Não afirmo, mas desconfio, a mim, vc não engana Francisco (Apo 13.11). Mansinho como um cordeiro, falsa humildade, xiiiii.
        Humildade pra mim não é só sentar e comer no bandejão com os empregados não! É reconhecer antes de qualquer coisa o meu humilde lugar frente a supremacia de Deus.
        Vicário de Cristo? Conta outra papa. vc é nada, é coisa nenhuma.

    • Se é homem de Deus, deve ensinar o que Palavra de Deus diz: não posso aceitar essa definição, vejo nele pouca obediência á Palavra, e muito menos ensinamento dela, por mim olho para ele como um avô que devo respeitar, mas não segue para meu guia. Jesus sim é o meu guia.

  3. “Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição,” (II Tessalonicenses 2 : 3)

  4. Ultimamente os últimos papa tão pedindo perdão por tudo, é sinal que a igreja tava mais suja do que pal de galinheiro. eu ainda tou com um pé atraz em relação ao papa Francisco se a atitude dele de pedir perdão dos pecados da igreja é humildade ou não, vou esperar mais para ter um comentário mais contudente.

  5. Perdão, não é qualquer um que pede. Veja, é o papa pedindo perdão a um pastor! isso é sinonimo de humildade. não é para qualquer cristão! conhecemos a doutrina biblica, sabemos sobre a idolatria. mas tem muitos lideres evangelicos por aí que jamais pediria perdão a quem quer que seja. parabéns aos catolicos e sua liderança.

  6. Vai confiar?, eu em nunquimha da sirva, o coração o homem e desgraçadamente corrupto, e para se obter liberdade desta corrupção desgraçada ha somente um caminho mil por cento comfiavel, a saber Jesus Cristo o Senhor da Gloria Eterna, fora de disso e resto de resto e restolho e tamos conversado ponto final JESUS CRISTO TODA HONRA TODA GLORIA E TODO LOUVOR, agora homem? homem? o fraquissimo homem? bai sai fora jacare, EU CONFIO EM JESUS CRISTO O SENHOR DA GLORIA O REI DOS reis e SENHOR dos senhores, confiar em homem? bai to fora O DEUS UNICO SANTO E VERDADEIRO E MAIOR, ponto ponto e ponto final

  7. Por mim não! Divergências teológicas a parte, tenho profunda amizade, respeito e amor com pentecostais e protestantes, e nunca os ofendi. Que ele peça desculpas por ele. Então que ele seja específico e bem claro: o pedido de desculpas deve-se aos erros cometidos por homens, porque os erros são dos homens, não da Igreja. Se ele acha que a Igreja errou, isto é muito sério, vindo de um Papa. Neste caso, que faça como o antecessor: renuncie mesmo que por motivos diferentes. O Papa deve servir a Deus, não a imprensa e muito menos as divergências dogmáticas.

    Os primeiros protestantes não eram distingüidos por serem os “campeões da liberdade de opinião” como querem nos fazer crer. Eles, que clamavam pela liberdade religiosa nos países católicos, em seus territórios suspendiam rapidamente a celebração da Missa e obrigavam os cidadãos, por lei, a assistir obrigatoriamente os cultos reformados; também destruíam os templos católicos e as imagens [sagradas para nós católicos], além de assassinarem bispos, sacerdotes e religiosos; foram muito mais radicais em seus territórios do que ocorreu nos territórios católicos. Alguém que recebeu o DNA deles fez algum pedido público de desculpas ? Nunca !!

    • Mauro, Mauro.

      Os erros somente foram praticados contra os evangélicos em face da política da tua igreja.

      Meu caro, tua igreja não vai para o céu, assim como qualquer outra.

      Então não fique tentando inocentar tua igreja em desfavor de seres humanos, pois estes possuem alma, portanto tendo o que perder(a salvação), já a tua igreja, esta não possui nem alma e nem espírito e nem corpo, nada a pagar a perder ou a ganhar.

    • Levi, sei que o assunto lhe interessa muito. Já esperava a sua réplica.

      Citaremos apenas alguns exemplos (já que [quase] todas as fontes pesquisadas apenas se referem à inquisição católica e nenhuma a [inquisição] protestante):

      – Registre-se o massacre dos monges da Abadia de São Bernardo de Brémen, no séc. XVI: os monges foram assassinados ou desfolados, atirando-lhes sal na carne viva, sendo a seguir pendurados no campanário por bandos protestantes.

      – Seis monges cartuxos e o bispo de Rochester, na Inglaterra protestante, foram enforcados em 1535.

      – Henrique VIII mandou queimar milhares de católicos e anabatistas no séc. XVI (mas foi sua filha católica, Maria, que acabou recebendo o título de “Maria, a sanguinária”!).

      – João Servet, o descobridor da circulação do sangue, foi queimado em Genebra, por ordem de Calvino (porém, é comum se recordar apenas do “caso Galileu”, o qual NÃO foi justiçado!).

      – Quando Henrique VIII iniciou a perseguição protestante contra os católicos, existiam mais de 1.000 (mil) monges dominicanos na Irlanda, dos quais apenas 02 (DOIS) sobreviveram à perseguição.

      – Na época da imperadora protestante Isabel, cerca de 800 (oitocentos) católicos eram assassinados por ano.

      – O historiador protestante Henry Hallam afirma: “A tortura e a execução dos jesuítas no reinado de Isabel Tudor foram caracterizadas pela selvageria e o dano [físico]”.

      – Um ato do Parlamento inglês decretou, em 1652, que: “Cada sacerdote romano deve ser pendurado, decapitado e esquartejado; a seguir, deve ser queimado e sua cabeça exposta em um poste em local público”.

      – Na Alemanha luterana, os anabatistas eram cozidos em sacos e atirados nos rios.

      – Na Escócia presbiteriana de John Fox, durante um período de seis anos, foram queimadas mais de 1.000 (mil) mulheres acusadas de feitiçaria.

      – Nas cidades conquistadas pelo “Protestantismo”, os católicos tinham que abandoná-las, deixando nelas todas as suas posses ou então converter-se ao Protestantismo; se fossem descobertos celebrando a Missa, eram apenados com a morte.

      É um mito a afirmação de que a prática da tortura foi uma arma católica na Inquisição. Janssen, um escritor desse período, cita uma testemunha que afirma:

      “O teólogo protestante Meyfart descreve a tortura que ele mesmo presenciou: ‘Um espanhol e um italiano foram os que sofreram esta bestialidade e brutalidade. Nos países católicos não se condena um assassino, um incestuoso ou um adúltero a mais de uma hora de tortura. Porém, na Alemanha [protestante] a tortura é mantida por um dia e uma noite inteira; às vezes, até por dois dias (…); outras vezes, até por quatro dias e, após isto, é novamente iniciada (…) Esta é uma história exata e horrível, que não pude presenciar sem também me estremecer”.

      O mesmo Janssem nos fornece este outro dado:

      “Em Augsburgo, na Alemanha, no ano 1528, cerca de 170 anabatistas de ambos os sexos foram aprisionados por ordem do Poder Público. Muitos deles foram queimados vivos; outros foram marcados com ferro em brasa nas bochechas ou suas línguas foram cortadas. [Ainda] em Augsburgo, no dia 18 de janeiro de 1537, o Conselho Municipal publicou um decreto em que se proibia o culto católico e se estabelecia o prazo de 8 dias para que os católicos abandonassem a cidade; ao término desse prazo, soldados passaram a perseguir os que não aceitaram a nova fé. Igrejas e mosteiros foram profanados, derrubando-lhes as imagens e os altares; o patrimônio artístico-cultural foi saqueado, queimado e destruído”.

      Frankfurt, também na Alemanha, emitiu uma lei semelhante e a total suspensão do culto católico foi estendida a todos os estados alemães (e depois se tacha a Igreja Católica de intransigente!).

      – Em 1530, em seus “Comentários ao Salmo 80”, Lutero aconselhava aos governantes que aplicassem a pena de morte a todos os hereges.

      – No distrito de Thorgau (Suiça), um missionário zwingliano, liderando um bando protestante, saqueou, massacrou e destruiu o mosteiro local, inclusive a sua biblioteca e o acervo artístico-cultural.

      – Erasmo [de Roterdan] ficou aterrorizado ao ver fiéis piedosos excitados por seus pregadores protestantes: “[Eles] saem da igreja como possessos [do demônio], com a ira e a raiva pintadas no rosto, como guerreiros animados por um general”. O mesmo Erasmo comenta em uma carta que escreveu para Pirkheimer: “Os ferreiros e operários arrancaram as pinturas das igrejas e lançaram insultos contra as imagens dos santos e até mesmo contra o crucifixo (…) Não restou nenhuma imagem nas igrejas nem nos mosteiros (…) Tudo o que podia ser queimado foi lançado ao fogo e o restante foi reduzido a cacos. Nada se salvou”.

      Assim, o Protestantismo destruiu parte do patrimônio cultural europeu, que era protegido e aumentado pelos monges e fiéis católicos.

      – Na Zurique protestante, foi ordenada a retirada de todas as imagens religiosas, relíquias e enfeites das igrejas; até mesmo os órgãos foram supressos. A catedral ficou vazia como continua até hoje. Os católicos foram proibidos de ocupar cargos públicos; a assistência à Missa era castigada com uma multa na primeira vez e com penas mais severas nas reincidências.

      – Em Leifein, no dia 4 de abril de 1525, 3.000 camponeses liderados por um ex-sacerdote [católico] tomaram a cidade, saquearam a igreja, assassinaram os católicos e realizaram sacrilégios sobre o altar, profanando os sacramentos de uma forma inenarrável.

      – Um fato que pareceria nunca ter ocorrido – se não tivesse sido tão bem documentado – foi o “Saque de Roma”. Até mesmo muitos católicos não sabem que tal fato aconteceu. O que foi o Saque de Roma?

      O Saque de Roma foi um dos episódios mais sangrentos do Renascimento. No dia 6 de maio de 1527, os membros das legiões luteranas do exército imperial de Carlos V promoveram um levante e tomaram de assalto a cidade de Roma. Cerca de 18.000 lansquenetes foram lançadas durante semanas contra a pior das repressões, ocasionando um rio de sangue costumeiramente “esquecido” pelos historiadores, que não lhe prestam a devida atenção. Um texto veneziano [contemporâneo] afirma sobre este saque que: “o inferno não é nada quando comparado com a visão da Roma atual”. Os soldados luteranos nomearam Lutero “papa de Roma”.

      Eis mais alguns fatos [desse episódio] que a história de alguns “eruditos” se omite covardemente:

      – Todos os doentes do Hospital do Espírito Santo foram massacrados em seus leitos.

      – Dos 55.000 habitantes de Roma, sobreviveram apenas 19.000.

      – O resgate foi da ordem de 10 milhões de ducados (uma soma astronômica naquela época).

      – Os palácios foram destruídos por tiros de canhões com os seus habitantes dentro.

      – Os crânios dos Apóstolos São João e Santo André serviram para os jogos [esportivos] das tropas.

      – O rio [Tibre] carregou centenas de cadáveres de religiosas, leigas e crianças violentadas (muitas com lanças incrustadas em seu sexo).

      – As igrejas, inclusive a Basílica de São Pedro, foram convertidas em estábulos e missas profanas com prostitutas divertiam a soldadesca.

      – Gregóribo afirma a respeito: “Alguns soldados embriagados colocaram ornamentos sacerdotais em um asno e obrigaram a um sacerdote a conferir-lhe a comunhão. O pobre sacerdote engoliu a forma e seus algozes o mataram mediante terríveis tormentos”.

      – Conta o Pe. Mexia: “Depois disso, sem diferenciar o sagrado e o profano, toda a cidade foi roubada e saqueada, inexistindo qualquer casa ou templo que não foi roubado ou algum homem que não foi preso e solto apenas após o resgate”.

      – Erasmo de Roterdan escreve sobre este episódio: “Roma não era apenas a fortaleza da religião cristã, a sustentadora dos espíritos nobres e o mais sereno refúgio das musas; era também a mãe de todos os povos. Isto porque, para muitos, Roma era a mais querida, a mais doce, a mais benfeitora do que até seus próprios países. Na verdade, o saque de Roma não foi apenas a queda desta cidade, mas também de todo o mundo”.

      Ninguém fala deste horror brevemente expresso nas linhas acima. Mas basta consultar qualquer livro honesto e transparente sobre a história documentada. O mundo se cala – como se cala ainda perante o assassinato silencioso de milhares de católicos por fundamentalistas muçulmanos, hindus, sikis etc, não excluindo os [assassinatos] ocasionados pelo totalitarismo de [Fidel] Castro, o genocídio de Pol-Pot e a pérfida perseguição [das autoridades da] China.

      É [realmente] elegante falar mal da Igreja de dois mil anos de história humana, como se apenas os católicos fossem os geradores das notícias escandalosas, algumas vezes verdadeiras, mas outras vezes simplesmente inexistentes…

      • Vejamos agora a opinião dos “Grandes Reformadores Protestantes” sobre o emprego da violência:

        [Iniciemos, observando que] uma das bases da Reforma Protestante – a [doutrina das] indulgências – foi mal interpretada pelos reformadores ou pelo povo que não tinha formação religiosa (basta fazer um estudo sincero e imparcial).

        No ano de 1518, o Santo Padre o Papa Leão X emitiu uma Bula Pontifícia em que esclarecia [a doutrina das] indulgências e o seu uso. Nesta [bula] eram rejeitados muitos dos méritos que atribuíam [às indulgências]. As indulgências NÃO perdoavam os pecados nem as culpas, mas apenas as penitências terrenas que a Igreja (não um governante secular) havia imposto. Quanto a livrar as almas do Purgatório, o poder do Papa se limitava às oraçães em que suplicava a Deus que aplicasse à alma de certo defunto o excedente dos méritos de Cristo e dos Santos (“A Reforma na Alemanha”, Will Durant).

        De nada adiantou [tal bula], pois a Reforma seguiu o seu curso. A maneira de pensar dos Reformadores foi extremamente violenta e, muitas vezes, uma [verdadeira] apologia ao crime.

        Com efeito, em 1520, vemos Lutero escrever em sua “Epitome”:

        “Se Roma assim crê e ensina, conforme os papas e cardeais, francamente declaro que o verdadeiro anticristo encontra-se entronizado no templo de Deus e governa em Roma (a empurpurada Babilônia), sendo a Cúria a sinagoga de Satanás (…) Se a fúria dos romanistas não cessar, não restará outro remédio senão os imperadores, reis e príncipes reunidos com forças e armas atacarem a essa praga mundial, resolvendo o assunto não mais com palavras, mas com a espada (…) Se castigamos os ladrões com a forca, os assaltantes com a espada, OS HEREGES COM A FOGUEIRA, por que não atacamos com armas, com maior razão, a esses mestres da perdição, a esses cardeais, a esses papas, a todo esse ápice da Sodoma romana, que tem perpetuamente corrompido a Igreja de Deus, lavando assim as nossas mãos em seu sangue?”

        Em um folheto intitulado “Contra a Falsamente Chamada Ordem Espiritual do Papa e dos Bispos”, de julho de 1522, disse:

        “Seria melhor que se assassinassem todos os bispos e se arrasassem todas as fundações e claustros para que não se destruísse uma só alma, para não falar já de todas as almas perdidas para salvar os seus indignos fraudadores e idólatras. Que utilidade tem os que assim vivem na luxúria, alimentando-se com o suor e o sangue dos demais?”

        Em seu folheto “Contra a Horda dos Camponeses que Roubam e Assassinam”, Lutero dizia aos príncipes:

        “Empunhai rapidamente a espada, pois um príncipe ou senhor deve lembrar neste caso que é ministro de Deus e servidor da Sua ira (Romanos 13) e que recebeu a espada para empregá-la contra tais homens (…) Se pode castigar e não o faz – mesmo que o castigo consista em tirar a vida e derramar sangue – é culpável de todos os assassinatos e todo o mal que esses homens cometerem”.

        Em julho de 1525, Lutero escrevia em sua “Carta Aberta sobre o Livro contra os Camponeses”:

        “Se acreditam que esta resposta é demasiadamente dura e que seu único fim e fazer-vos calar pela violência, respondo que isto é verdade. Um rebelde não merece ser contestado pela razão porque não a aceita. Aquele que não quer escutar a Palavra de Deus, que lhe fala com bondade, deve ouvir o algoz quando este chega com o seu machado (…) Não quero ouvir nem saber nada sobre misericórdia”.

        Sobre os judeus, assim dizia em suas famosas “Cartas sobre a Mesa”:

        “Quem puder que atire-lhes enxofre e alcatrão; se alguém puder lançá-los no fogo do inferno, tanto que melhor (…) E isto deve ser feito em honra de Nosso Senhor e do Cristianismo. Sejam suas casas despedaçadas e destruídas (…) Sejam-lhes confiscados seus livros de orações e talmudes, bem como toda a sua Bíblia. Proíba-se seus rabinos de ensinar, sob pena de morte, de agora em diante. E se tudo isso for pouco, que sejam expulsos do país como cães raivosos”.

        E a Igreja Católica é que é acusada de antisemitismo, classificando-se de “frouxas” as palavras de perdão do Papa [João Paulo II] em 2002… Algum representante da igreja luterana já pediu perdão aos judeus?

        Willibald Pirkheimer afirmou, em 1529, sobre a Reforma:

        “Não nego que no princípio todas as atitudes de Lutero não pareciam ser vãs, pois a nenhum homem comprazia todos aqueles erros e imposturas que foram graduamente acumulados no Cristianismo. Por isso eu esperava, junto com outros, que era possível aplicar algum remédio a tão grandes males; porém, fui cruelmente enganado, pois antes que se extirpassem os erros anteriores foram introduzidos muitos outros, mais intoleráveis que, comparados com os outros, faziam estes parecer jogos de crianças (…) As coisas chegaram a tal ponto que os defensores papistas parecem virtuosos quando comparados com os evangélicos (…) Lutero, com sua língua despudorada e incontrolável, deve ter enlouquecido ou ser inspirado por algum espírito maligno”.

        [Passemos agora para o] pensamento e a obra de outros pais da Reforma. Calvino também não foi um exemplo de caridade, como vemos em [sua Carta ao Duque de Somerset, protetor da Inglaterra durante a minoridade de Eduardo VI]:

        “Pessoas que persistem nas superstições do anticristo romano (…) devem ser reprimidas pela espada [que lhe foi confiada]”.

        Em 1547, James Gruet se atreveu a publicar uma nota criticando Calvino e foi preso, torturado no potro duas vezes por dia durante um mês e, finalmente, sentenciado à morte por blasfêmia; seus pés foram pregados a uma estaca e sua cabeça foi cortada.

        Os irmãos Comparet, em 1555, foram acusados de libertinagem e executados e esquartejados; seus restos mortais foram exibidos em diferentes partes de Genebra.

        Melanchton, o teólogo da Reforma [luterana], aceitou ser o presidente da inquisição protestante que perseguiu os anabatistas. Como justificativa, disse: “Por que precisamos ter mais piedade com essas pessoas do que Deus?”, convencido de que os anabatistas arderiam [no fogo] do inferno…

        A inquisição luterana foi implantada com sede na Saxônia, com Melanchton como presidente. No final de 1530, apresentou um documento em que defendia o direito de repressão à espada contra os anabatistas; e Lutero acrescentou de próprio punho uma nota em que dizia: “Isto é de meu agrado”.

        Zwínglio, em 1525, começou a perseguir os anabatistas de Zurique. As penas iam desde o afogamento no lago ou em rios até a fogueira.

        John Knox, pai do presbiteranismo, mandou queimar na fogueira cerca de 1.000 mulheres acusadas de bruxaria na Escócia.

        Acerca da Reforma [Protestante], disse Rosseau:

        “A Reforma foi intolerante desde o seu berço e os seus autores são contados entre os grandes repressores da Humanidade”.

        Em sua obra “Filosofia Positiva”, escreveu:

        “A intolerância do Protestantismo certamente não foi menor do que a do Catolicismo e, com certeza, mais reprovável”.

        A violência não foi exercida apenas contra os católicos; na verdade, os reformadores foram enormemente violentos entre eles mesmos, como percebemos nas opiniões que emitiram entre si:

        – Lutero diz: “Ecolampaio, Calvino e outros hereges semelhantes possuem demônios sobre demônios, têm corações corrompidos e bocas mentirosas”.

        – Por ocasião da morte de Zwínglio (1531), Lutero afirmou: “Que bom que Zwínglio morreu em campo de batalha! A que classe de triunfo e a que bem Deus conduziu os seus negócios!”, e também: “Zwínglio está morto e condenado por ser ladrão, rebelde e levar outros a seguir os seus erros”.

        – Zwínglio não ficou atrás e dizia acerca de Lutero: “O demônio apoderou-se de Lutero de tal modo que até nos faz crer que o possui por completo. Quando é visto entre os seus seguidores, parece realmente que uma legião [de demônios] o possui”.

        [A inquisição evangélica] suspendeu sistematicamente o Catolicismo nas áreas protestantes.

        – Em Zurique, na Suiça, o comparecimento aos sermões católicos implicava em penas e castigos físicos. Mesmo fora do perímetro da cidade, era proibido aos sacerdotes celebrar a Missa e, sob a ordem de “severas penas”, era proibido ao povo possuir imagens e quadros religiosos em suas casas.

        – Ainda em Zurique, a Missa foi prescrita em 1525. A isto, seguiu-se a queima dos mosteiros e a destruição em massa dos templos [católicos]. Os bispos de Constança, Basiléia, Lausana e Genebra foram obrigados a abandonar suas cidades e o território. Um observador contemporâneo, Willian Farel, escreveu: “Ao sermão de João Calvino na antiga igreja de São Pedro seguiu-se desordens em que se destruíram imagens, quadros e tesouros antigos das igrejas” (ou seja: novamente uma parte do patrimônio histórico-cultural da Europa foi destruído, desta vez por instigação direta ou indireta de João Calvino).

        – Strasburgo, 1529: o Conselho da Cidade ordenou a destruição dos altares, imagens e cruzes, além das igrejas e conventos. O mesmo ocorreu em Franckfurt. Na convenção de Hamburgo, em abril de 1535, os concílios dos povos de Lubeck, Brémen, Hamburgo, Luneburgo, Stralsund, Rostock e Wismar decidiram pelo enforcamento dos anabatistas e açoitamento dos católicos e zwinglianos.

        – Na Escócia, John Knox, pai do presbiterianismo, proibiu a Missa sob pena de confisco de bens e açoites públicos. Ocorrendo a reincidência, a pena capital era aplicada ao infrator.

        Poderíamos continuar falando, pois há muito material a respeito, porém, cremos que bastam estes exemplos para demonstrar que a Reforma Protestante não foi pacifista, nem foram os reformadores vítimas inocentes. A intolerância e a violência foram parte integrante de suas vidas.

        • Caro Mauro, boa tarde!

          Perseguições, intolerancias e violências ocorreram dos dois lados no “renascimento religioso” ocorrido na Europa do século XVI e XVI. Também antes do século XVI a Igreja Católica defendeu sua crença dizimando os “hereges” cátaros e valdenses. Dentro do protestantismo, idéias contrárias ao luteranismo (anabatismo, puritanismo, batistas, anglicanos,…) também foram punidas com a expulsão ou morte dos “hereges”! . O próprio Calvino assistiu o suplício do católico Servet e não fez nada para encurtar sua morte (Servet não foi queimado vivo mas “assado” vivo por horas a fio, A história diz que a madeira utilizada estava úmida e demorou a pegar fogo totalmente). Alias, o próprio Servet, um teólogo católico, estava fugindo da inquisição católica que também o perseguia por suas idéias diferentes da teologia oficial.
          Eu chamo a isso de “espírito da época”! Foi uma época violenta em que mesmo os homens religiosos eram violentos.
          Se eram católicos os conquistadores que dizimaram as populações indígenas da América Latina, eram protestantes os desbravadores do oeste americano que dizimaram os peles-vermelhas…
          Assim sendo, concordo com você de que ambos os lados devem pedir perdão, mesmo porque as denominações (quer católicas, quer protestantes ou evangélicas) são constituídas de homens falhos.

          • Concordo com o que disse o Danilo, que temos que pedir perdão uns aos outros e confessarmos nossas culpas e orarmos uns pelos outros, porque nosso adversário não dorme e vive rugindo como leão ao nosso redor, lembremos irmãos a nossa luta não é contra a carne e o sangue mas contra as potestades do ar.

        • Mauro,

          Lutero rebelou-se contra a católica igreja, a partir de 1.517, e não queria dividi-la, apenas corrigi-la, mas grossa como papel de enrolar prego, tua igreja partiu para a ignorância.

          O povo católico estava tão chateado com ela que ao vê mais uma atitude grosseira, simplesmente começou a combatê-la.

          Deus do céu, todos as datas que você citou acima são muito próximas da data em que começou a reforma em si mesmo, digamos a materialização de um pensamento contrário contra os desandes da igreja católica.

          Que igreja amada é essa que de um momento para o outro, milhares e milhares de pessoas (que sequer sabiam em exato o que Lutero defendia) passam a fazer parte das fileiras adversárias combatendo firmemente a tua igreja?

          Todos que você citou, pode ter como certo, tinham pouco ou quase nada do espírito de Lutero, sim católico, pois perseguição e morte eram coisas da tua igreja, estas institucionalizadas pela santa inquisição 250 anos antes, onde vinham mantando católicos, padres, insurgentes, uma polícia do mal dentro da igreja.

          Esse povo todo citado por você fez na mesma moeda o que a católica vinha fazendo com os mais diversos grupos católico, leigos, rebeldes há 250 anos, tortura de primeira, lembrando a você que vinte e cinco antes de Lutero se opor ao catolicismo, tua igreja determinou a conversão obrigatória ao catolicismo de todos os judeus, tua igreja via um bom papa, cento e cinquenta anos antes, mandou matar todos de uma cidade e quando indagados sobre os católicos virem a ser separados da carnificina, disse que Deus separaria as almas dos católicos da dos cártaros quando chegassem no céu, tua igreja mandou para guerra a 4000 km crianças, nessa guerra contra os árabes, milhares de cristãos foram mortos.

          Você é bom da cabeça, meu caro? Repeite os historiadores e seu papa, pois um homem santo, esse deve ser designado santo antes de morrer, urgente, dada a sua respeitabilidade para com os povos, sua humildade, sabendo você que Cristo não veio criar igreja belicosa aqui e muito menos insufladora do mal.

          Não tente comparar os verdadeiros cristãos, que se encontram em qualquer grupo religioso, com os católicos de vocês que patrocinaram essa carnificina do diabo no mundo todo durante séculos, peça perdão a Deus pelos pecados graves e gravíssimo deles, e tente corrigir seus erros como está o papa agora. Converta-se num novo homem, num pacificador.

          • respeitar os historiadores Levi??/

            quais???

            vc não postou nenhuma fonte dessas afirmações.. fala em “milhares” de morte ..kkk vejo que sequer analisou o que disse…

            mas vamos ser diretos..

            as fontes Levi…

            só vi vc fazer parametros em datas para fazer suas afirmações e dizer que o Mauro desrespeita os historiadores…

            cite um que de base para sua afirmação… uma unica obra Levi.. como respeitar um historiador que não conhecemos suas obras???

          • Reinaldo,

            Minha fonte é o teu chefe máximo, o santo padre francisco, pois ele esta pedindo perdão pelos que os católicos fizerem contra os evangélicos, faltando agora pedir perdão à humanidade como um todo, haja vista que os JPII e Bento já pediram a outros seguimentos, como os judeus.

            Ligue para o papa e pergunte em que livros ele leu sobre perseguição católica contra o mundo.

            Se você não anuir com seu líder, eu mesmo vou à Roma carregando seu nome para excomungar.

            Pobre papa, veja os adeptos que vai ter que enfrentar!!!

          • kkkk

            sempre com essa desculpinha né Levi kkkkk

            se vc fala de trechos da história que só vc conhece, vc deve nos fornecer a fonte para que possamos avaliar Levi…

            lembrando que site da internet que não sejam “fidedignos” não valem.. videos do youtube também acredito que não tem muito valor..

            bom se vc pudesse fornecer o nome de um livro de história que de respaldo para esse seu novo ensino que não encontramos por ai..

          • Reinaldo,

            Já que é mentira, então explique o motivo de tantos povos, em tantos países, numa época que não havia rádio e nem tv, mas que se juntaram em menos de cinco anos e fizeram uma limpeza na católica, embora, convindo alertar, usando as mesmas armas que ela sempre usou, a força e a matança.

          • O meu treslocado amigo Levi…

            eu não disse que era mentira.. só disse que essa “estoria” contada por vc não é conhecida por nós…

            só te pedi uma referencia fidedigna para podermos comprovar isso ai uai. kkkkk

            vc chegar aqui e dizer que a Igreja matou milhares em um local que só existiam centenas (é só exemplo tá!!!) é fácil Levi…

            mas para que possamos verificar essa informação, é necessário que exista uma fonte fidedigna..

            vc postar um blog protestante como fonte não conta, pois o blog também teria que postar a fonte… kkk

            fazer acusações é bem facil.. o diabo adora isso Levi…

            mas veja meu tresloucado amigo…

            como eu disse..

            não falei que é MENTIRA.. só pedi a fonte… pois para mim, informação histórica sem fonte é “estorinha da carochinha”..

          • Reinaldo,

            Em nível popular estória é lenda, é coisa sem vértices na verdade, cumprindo lembrar que os dicionários pátrios não trazem essa distinção de história e estória.

            Aí que dizer que pra mim que eu não estou mentindo dizendo que o que falei é estória? Rapazinho esperto você, ou não é?

            A verdade é uma só, onde eu li seu papa também leu, e ele pediu perdão pelo que tua SANTA IGREJA fez. Escreva pra ele e peça a bibliografia usada por ele para chegar a essa conclusão de que a igreja perseguiu e massacrou protestantes. Deixe eu dizer, o Cristo que sigo é bem claro quanto a pecado: tem que confessar, se arrepender e pedir perdão a todos que ofendeu, sendo que a ausência de qualquer dessas etapas não geram a misericórdia, você é que se decide. Se bem que não tem resultado algum você fazer o acima proclamado, não carregas contigo a responsabilidade da igreja, não passa de nada dentro dela, diferente do papa, o que sabe tudo que ela fez, e que ele a representa.

            E ele pediu perdão, acabou-se: nós perdoamos e acabou-se também, agora falta você e outros parecidos com você se ajeitarem, se não vão entrar no inferno roxo, preto, cinza, por continuarem mentido e tentando esconder a verdade.

            O papa vai para o céu, você não, a não ser que mude e passe a ter o discurso dele, culpa mia, culpa mia, perdão Deus pela as ações praticadas pela igreja usando almas frágeis.

  8. caro amigo Mauro e demais, eu creio que vcs não compreenderam, mais o papa não referiu especificadamente a vcs, se não foi vcs quem maltrataram os evangélicos, e mais, se vcs não sabe a igreja que ele referiu não foi o templo, mais sim todos aqueles cristãos que forma a igreja, e igreja para Cristo somos nós

  9. Lembre a salvação e individual, cabe a Deus julgar, somos cristãos, que conhece a palavra , sabe e não devemos julgar por que somos evangélicos, somos todos irmãos, oro sempre pra haver união, pois Deus e criador dos cerus e da terra…

  10. Acredito que o Papa pediu perdão as igrejas pentecostais que foram perseguidas durante a primeira guerra e segunda guerra mundial.
    Logo essas igrejas pentecostais na Europa e na Itália são oriundas da igreja metodista , batista
    ou presbiteriana. São igrejas que já buscam esforços de diálogo também nas sociedades bíblicas.

    Diferente dos troncos neopentecostais e sincréticos criadas recentemente e com teologia da prosperidade.

  11. Sou um ex-católico, hoje sou um cristão. Troquei meu terço pela Bíblia, troquei as imagens de escultura, frias e sem vida, por Jesus Cristo, vivo e ressuscitado. Troquei as velas pela luz eterna do Espírito Santo. Conheci a verdade e a verdade me libertou (João 8.32). Porquanto há um só DEUS e um só mediador entre DEUS e os homens, Cristo Jesus homem (1 Timóteo 2.5). Respondeu-lhe Jesus: eu sou o caminho, e a verdade e a vida; e ninguém vem ao Pai senão por mim(João 14.6). Congregai-vos e vinde, chegai-vos todos juntos vós que escapastes das nações enganadas, pois nada sabem os que conduzem em procissões suas imagens de esculturas de madeira, pois eles rogam a um deus morto incapaz de salvar (Isaías 45.20)

    • seu comentário me faz rir kkk. Você é um ex-católico e hoje é Cristão? Então os apóstolos não eram cristãos… Santo Agostinho não era cristão, Lutero, não era cristão, Henrique VIII não era cristão, João Calvino não era Cristão… Faça me o favor, você que fica ouvindo tudo o que os seus pastores falam e acha isso que está certo, vive no engano pois, não tem nada válido! O próprio Lutero fundador de sua seita, provou divisão entre os cristão, enquanto Jesus em João 17 pede para a unidade de todos os que o seguem! Na sua concepção Jesus não cumpriu a promessa de guardar a igreja e vivemos 1500 até o próprio Lutero descobrir as chaves do paraíso. Lutero era padre, ele simplesmente fez sua interpretação, no que ele achava que estava certo, que chamamos de livre exame das Sagradas Escrituras, só a verdadeira Igreja de Jesus Cristo tem o poder para mudar pois Cristo disse: Tú es Pedro (Cefas = Pedra) e sobre esta pedra eu edificarei a minha igreja… E te darei as chaves do Reino dos Céus, e tudo o que você ligar na terra eu ligarei nos céus e tudo o que o que desligares na terra eu desligarei no céu!

  12. Cuidado com esses lobos devoradores com aparecia de ovelhas,ele deveria prova o seu arrependimento e aproveitar para abandona a sua idolatria,duvido se ele tem coragem de publica um documentário proibido cultos aos mortos e imagens de esculturas.Pois esta escrito no livro sagrado á bíblia lá fala que os mortos não sabem de coisa algumas, e o seu amor e seu ódio, e a sua memória esta entregue ao esquecimento ate o dia do Juízo.

    • Então eu te pergunto: E Moisés e Elias que apareceram do lado de Jesus na transfiguração no monte Tabor? E Jesus também disse ao ladrão, São Dimas: Eis que hoje mesmo estarás comigo no paraíso! Então o Senhor mentiu em tudo isso, e estas coisas não passaram de alegorias no seu entendimento, não é? Jesus também disse: Aquele que vive em mim, eu vivo nele, e mesmo que morra, VIVERÁ!

  13. O problema é que os evangélicos acreditam no que está escrito na Bíblia Sagrada. Na que eu li diz que Maria teve outros filhos além de Jesus; cita os nomes dos seus irmãos e diz que ele teve também irmãs. Nela( na bíblia que eu li) diz que Maria era serva e não senhora. Nela(bíblia), Jesus não enfatiza Maria como corredentora ou mediadora ou medianeira; não há incentivo a ararmos a Maria ou a qualquer “santo”, fazendo-lhes pedidos ou súplicas. Pelo contrário, todas as vezes que alguém começava a querer exaltar Maria, Jesus cortava logo. Por exemplo, quando disseram a Jesus: tua mãe e teus irmão estão lá fora, Jesus falou: quem é minha mãe ou meus irmãos? e estendendo a mão para os seus discípulos disse: eis aqui minha mãe e meus irmãos, pois qualquer quer fizer a vontade do meu Pai que estar nos céus, este é meu irmão, irmã e mãe.(Mateus 12.46-50) Quando disseram: bem aventurado o ventre que te deu a luz e os seus em que mamaste, ele disse: antes mais bem aventurados os que ouvem a Deus e lhe obedecem.(Lc 11.27,28) Aí ficam fora a doutrina da sempre virgem Maria; da conceição de Maria; da Maria Imaculada e tantas outras. E tantas outras doutrinas que eu não consegui localizar na bíblia. Será que tá escrito diferente na bíblia protestante? Será que só tem essas doutrinas na bíblia católica? Será que os católicos leem as suas bíblias? Será que eles acreditam no que está escrito na bíblia? Ou será que eles tem uma fonte mais confiável que a bíblia, em que eles baseiam a sua fé.
    Portanto fica muito difícil essa união tão sonhada por líderes católicos recentes, inclusive esse último George Ber??

    • Caro Jó Luís, em primeiro lugar, a bíblia nunca afirma ser a única autoridade de fé e prática! Nós como católicos, aceitamos a Sagrada Tradição e o Sagrado Magistério como forma de incremento da fé pois, o mesmo Jesus deixou os apóstolos para que eles propagassem o evangelho a toda a criatura! Como você não deve conhecer Santo Agostinho, Santo Inácio de Antioquia, São Policarpo de Esmirna, São Clemente Romano, entre outros Padres da Igreja eles afirmam: Dirigimos à todos os fiéis da Santa igreja Católica! Ou seja, antes dos senhores Lutero e Calvino e outros, só existia a Santa Madre Igreja Católica, e estes mesmos Padres, que ajudaram a edificá-la viveram próximos dos apóstolos, conheceram os apóstolos e foram seus seguidores! Foram santos, assim como o apóstolo Paulo foi santo a exemplo de Jesus Cristo! Se você ler a sua Bíblia, irá encontrar que Paulo, manda que obedeça as tradições transmitidas por ele às igrejas particulares, ou seja, as atuais dioceses! Também você sabe como surgiu a Bíblia que você carrega debaixo do braço? Se a lê, agradeça aos bispos da Igreja Católica que a compilaram no I Concílio de Nicéia, ou seja a Igreja surgiu primeiro, para depois surgir a Sagrada Escritura e como disse Sua Santidade Bento XVI: Não existe Bíblia sem Igreja pois, o cânon da mesma (quem decidiu que fosse usada os textos que estão lá) foi a Igreja Católica que fez! Outra coisa que te pergunto… Jesus disse: Estarei convosco até o fim dos séculos! Se na sua concepção a Igreja errou, então o Mestre não cumpriu o que prometeu! Não é?

  14. Isso chama-se: ECUMENISMO, que a igreja de Jesus Cristo, possa despertar-se para tais acontecimentos. É a Igreja católica dando as últimas “cartadas”, cuidado povo de Deus!!

  15. No livro de Romanos C 10 V 9 Deus nos diz claramente a condição de sermos salvos. Quanto ao fato de estarmos todos juntos para sermos recebidos pelo espírito santo hoje seria impossível, pois nem todos seguem os preceitos pelos quais estaríamos nessas condições. O perdão é pessoal, portanto, não devemos pedir perdão pelos outros e sim quando erramos para com nossos irmãos.A bíblia diz que nem todos que dizem Senhor, Senhor, estrará no reino dos céus.

  16. coitados dos evangélico. De tanto que souberam protestar, perderam discernimento a ponto de até protestarem actos divinos. o protestante só aprendeu mesmo protestar. De tanto protestarem, ficaram cedos protestantes, coitados!

    • Contudo, quando prego o evangelho, não posso me orgulhar, pois me é imposta a necessidade de pregar. Ai de mim se não pregar o evangelho!
      O apostolo Paulo esse sim era um protestante coisa que muito sabe só se realmente ler a bíblia e ele protestava protestava e protesta sem para.
      Mas tem muito que nem conhecer o que é ser Cristão e ficam dando opinião vaga.

  17. Besta é quem abre a boca pra discutir doutrina!!, já passou da hora de ir fazer o ide e pregai pois o fim cada vez mais se aproxima olha ja destruiram tudo

  18. PARA EVANGÉLICOS E CATÓLICOS:

    Uma vez, Jesus foi acusado pelos Fariseus de expulsar demônios usando o poder de Belzebu (um demônio de alta patente). Em outras palavras, chamaram Jesus de demônio. Jesus respondeu explicando que se demônios ajudassem a expulsar demônios, seriam um reino dividido, e todo reino dividido será assolado e não subsistirá (Lucas, capítulo 11).

    Hoje, 2 mil anos depois, o Papa Francisco visita uma igreja evangélica e vem pedir perdão pelas muitas vezes que nós, pentecostais, fomos perseguidos por católicos, inclusive sendo chamados de demônios. E como nós respondemos??? Chamando o Papa Francisco de demônio!!!

    O que deveria estar em pauta aqui não é a doutrina ou a história das igrejas cristãs. Católicos e Evangélicos têm doutrinas diferentes! Vocês não sabiam disto? E é lógico que tem uma longa trajetória de conflitos. Mas educação, civilidade, cordialidade, respeito ao semelhante e mansidão deveriam ser qualidades de todos, principalmente de cristãos!!!

    O Papa vem como homem, pastor da Igreja Católica, pedir perdão, falar de paz, ombro a ombro, como igual, e não se dizendo “pastor da igreja mãe”, como dizia o papa anterior. Esta é uma atitude de paz. Receber quem vem em paz com pedras não é cristão.

    Sou cristão, evangélico, pentecostal. Fico feliz por ver este dia. Mas fico triste por ver as reações. Dos dois lados.

  19. O seu comentário me faz rir kkk. Você é um ex-católico e hoje é Cristão? Então os apóstolos não eram cristãos… Santo Agostinho não era cristão, Lutero, não era cristão, Henrique VIII não era cristão, João Calvino não era Cristão… Faça me o favor, você que fica ouvindo tudo o que os seus pastores falam e acha isso que está certo, vive no engano pois, não tem nada válido! O próprio Lutero fundador de sua seita, provou divisão entre os cristão, enquanto Jesus em João 17 pede para a unidade de todos os que o seguem! Na sua concepção Jesus não cumpriu a promessa de guardar a igreja e vivemos 1500 até o próprio Lutero descobrir as chaves do paraíso. Lutero era padre, ele simplesmente fez sua interpretação, no que ele achava que estava certo, que chamamos de livre exame das Sagradas Escrituras, só a verdadeira Igreja de Jesus Cristo tem o poder para mudar pois Cristo disse: Tú es Pedro (Cefas = Pedra) e sobre esta pedra eu edificarei a minha igreja… E te darei as chaves do Reino dos Céus, e tudo o que você ligar na terra eu ligarei nos céus e tudo o que o que desligares na terra eu desligarei no céu!

DEIXE UMA RESPOSTA