Após atentado na Páscoa, pastor Abedini diz ser “mentira” que o islamismo possa ser pacífico

6

Os atentados terroristas no Paquistão no último domingo, durante a celebração da Páscoa, motivaram o pastor Saeed Abedini a denunciar a “mentira” abraçada pela mídia sobre a pacificidade da religião islâmica.

Segundo Abedini, que passou mais de três anos preso no Irã por conta de perseguição religiosa do governo local, o discurso dos líderes muçulmanos condenando o ataque é apenas uma forma de se encaixar no politicamente correto.

“Se os muçulmanos dizem ‘somos pacíficos’, isso é uma mentira. O Alcorão ensina que os muçulmanos devem lutar e matar (Jihad) incrédulos, onde quer que você possa alcançá-los, ou seja, a lei islâmica governa todas as sociedades. Em relação ao versículo do Alcorão, cristãos e judeus estão incluídos entre os que devem ser convertidos muçulmanos ou mortos em todo o mundo”, escreveu o pastor, em uma publicação em sua página no Facebook.

Segundo informações do Christian Post, Abedini afirmou que os muçulmanos que acreditam na paz e no respeito irão “se tornar uma nova religião”, pois “Estado Islâmico, al-Qaeda, Taliban e a República Islâmica do Irã estão praticando o verdadeiro Islã, destruindo igrejas e matando cristãos todos os dias”.


Para reforçar seu argumento, o pastor lembrou que muitos muçulmanos modernos se esforçam para convencer a sociedade de que a violência e o genocídio de cristãos por extremistas não é algo pregado pelo Islã: “O interessante é que, se você vai para diferentes nações muçulmanas, como os xiitas ou sunitas, eles lhe dão o mesmo comunicado”, pontuou. “Então, onde é o lugar que a religião ‘mais completa do mundo’, conhecida como Islã (como dizem os muçulmanos) em que os muçulmanos acreditam que funciona pacificamente?”, questionou.

O pastor Franklin Graham comentou o atentado na Páscoa e lembrou aos extremistas muçulmanos que chegará o dia em que eles serão julgados: “Os muçulmanos querem a sharia. Eles querem que o mundo inteiro se curve ao Islã. A Palavra de Deus nos diz que um dia ‘ao nome de Jesus se dobrará todo joelho, no Céu e na Terra e sob a terra, e toda língua confessará que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai’ (Filipenses 2: 10-11). Eu sirvo a um Salvador ressuscitado”, afirmou.

Novo ataque

O grupo terrorista Estado Islâmico abriu uma enquete online para que seus militantes e simpatizantes votem para escolher qual país será o próximo alvo de suas ações extremistas.

“Qual será a cor da Torre Eiffel nos próximos ataques?”, perguntou o grupo, segundo informações do jornal britânico Daily Mail.

O jornal, inclusive, contextualizou o fato informando que “a pergunta veio depois que a estrutura francesa icônica foi iluminada com as cores da bandeira belga, em solidariedade às vítimas dos ataques de Bruxelas”.

“O Reino Unido saiu no topo da pesquisa para o próximo alvo do Estado Islâmico, com metade dos seus apoiadores no fórum marcando a nação como sua primeira escolha para um ataque terrorista”, acrescentou o jornal.

6 COMENTÁRIOS

  1. eles ja tão condenados pro inferno,cada ataque é um demonio a mais pra torturar eles lá com o ala!
    *
    os irmãos salvos que morreram fieis terão mais alegria na eternidade com o SANTO JESUS.
    *
    ALELUIA.

  2. Que mentira essa do islamismo pacífico!
    É terrorista, racista, mentiroso, misógino e violento AB ORIGINE, “desde a origem”.
    Começa no século XVI, com o falso profeta Maomé divulgando uma “revelação’ do igualmente falso deus Allah.
    Aliás, o deus Allah já era adorado antes do “profeta” e do islã, pois era um dos muitos deuses de Meca, era o deus da lua.
    Hoje o símbolo do islamismo é a lua crescente, será coincidência?

    As leis deles vêm do livro ALCORÃO, em árabe AL QURAN, “a leitura”, que só pode ser lido (oficialmente) em árabe, só assim o fiel é considerado um verdadeiro muçulmano.
    E também do conjunto de narrativas atribuídas a Maomé, chamadas Hadith, tanto um como o outro têm força de lei nos países muçulmanos.
    É como se a Bíblia fosse nosso Código Penal e Civil, mistura de estado com religião.

    O muçulmano-otário acredita na promessa de um paraíso material, onde haverá 72 virgens de olhos negros, lindas e de busto volumoso e 20000 servos num palácio de ouro e jóias, com jardins e vinhedos, sendo essa a menor recompensa a quem se dispõe a morrer pela causa.
    Os países islâmicos são quase todos pobres ou miseráveis ou semi-bárbaros, então quem não trocaria uma vida de pobreza e privação por uma eternidade vivendo como reis?

    É isso que motiva esses líderes fanáticos a mandar seus seguidores amarrar bombas no corpo e se explodir num local cheio de “infiéis”.
    Mas olha como mentira tem perna curta…
    O líder manda homens para a morte, mas por que ele mesmo não vai?
    Morrer pelo islã não garante o paraíso, como diz o absolutamente verdadeiro Alcorão?
    Acho que nem ele acredita nessa mentira de “paraíso com virgens.

    • Alat era a Deusa da Lua.
      Estude e leia ao invés de cagar pelos dedos e vá ver se os Emirados Árabes Unidos, o Egito, o Marrocos, a Arábia Saudita, a Jordânia, a Turquia, entre outros, são iguais aos países pobres onde pastores bandidos vão buscar renda e difundir a crença de satanás. Aliás, por que satanás só dá “show” em igreja evangélica?

DEIXE UMA RESPOSTA