Fake News: relato de pastor devorado por crocodilos ao tentar andar sobre a água é falso

0

O relato repercutido pela grande mídia de um pastor que teria tentado andar sobre as águas para provar sua fé é falso.

Portais de imprensa respeitados, de vários países, repercutiram a suposta morte de um pastor que, para provar sua fé aos fiéis, teria decidido andar sobre as águas de um rio e como resultado, acabou morto por crocodilos.

No entanto, o portal norte-americano Charisma News, voltado ao público evangélico, fez uma investigação sobre o assunto e descobriu que trata-se de um hoax, uma notícia falsa criada com informações vagas para se tornar viral nas redes sociais.

Segundo esse boato, o pastor Jonathan Mthethwa, um zimbabuano, líder da igreja “Saints of the Last Day” (“Santos dos Últimos Dias”, em tradução livre) teria decidido andar sobre o rio Mpumalanga, desconsiderando o fato de o local ser infestado de crocodilos. Nos relatos – compartilhados no Brasil por portais como O Globo e iG – só teriam restado as sandálias.


“Os crocodilos terminaram com ele em alguns minutos. Tudo o que restou dele foi um par de sandálias e sua cueca flutuando acima da água”, teria dito um diácono chamado Nkosi.

Fake news

O hoax se espalhou apontando como fonte o portal Zibabwe Herald, mas uma busca na página não localiza a notícia. Informações colhidas pelo Charisma News apontam que não existe uma igreja com o nome noticiado no Zimbábue, nem um pastor chamado Jonathan Mthethwa.

Uma fake news semelhante, mas com detalhes diferentes, foi repercutida em 2014 pela imprensa de todo o mundo. Nela, o pastor que teria morrido ao tentar andar sobre as águas seria Franck Kabele, de 35 anos.

Após apurações, descobriu-se que a fonte era o portal Daily Record, que havia publicado a estória em 2006 e deletado em 2007. Seis anos depois, o boato foi republicado como verdade pelo site europeu de celebridades MJ Celebrity Magazine.

O portal Mashable também descartou o boato do pastor devorado por crocodilos, pois o hoax havia surgido em 2016, com uma repaginada em fevereiro deste ano com a inclusão dos crocodilos na história por um site semelhante ao portal “Sensacionalista”, que inventa notícias absurdas usando a premissa de fazer piadas.

Grande mídia repercutiu a notícia falsa

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA