Pesquisadores afirmam que evangelho apócrifo de Judas não foi falsificado; Análises químicas determinaram que o livro foi escrito no ano 280 D.C.

3

O Evangelho apócrifo de Judas, descoberto na década de 1970 e tema de polêmicas no meio cristão por apresentar uma visão diferente sobre o discípulo que é tratado como traidor nos demais evangelhos, teve a data original de sua escrita descoberta por pesquisadores.

Nesta segunda-feira, 08 de abril, a Sociedade Química dos Estados Unidos foi palco do anúncio dos resultados da análise química feita no documento. Para determinar a data, os pesquisadores compararam o documento com escritos egípcios antigos, de pelo menos 1.700 anos.

Através de processos como radiocarbono, análise microscópica e de produtos químicos, foi possível determinar que o documento foi escrito por volta do ano 280 D.C., provando assim que o Evangelho de Judas não teria sido falsificado recentemente, como sugeriam alguns pesquisadores.

Porém, a descoberta da data original em que o livro apócrifo foi escrito, não significa que seu conteúdo seja verídico. No texto há a sugestão de que Jesus teria pedido a Judas que o entregasse aos soldados romanos, pois sua morte seria o meio para libertar seu espírito de seu corpo.


O Evangelho de Judas está escrito na língua copta, que era usada no Egito Antigo, e atualmente, está exposto no Museu Copta, em Cairo, segundo informações do G1.

A pesquisa descobriu ainda que a tinta usada para escrever o texto foi colocada no papel quando ele ainda era novo e ainda não havia sido enrolado, como se fazia com os pergaminhos, pois o papel passou pelo processo natural de envelhecimento já com a tinta nele.

Segundo o cientista Joseph Barabe, que detalhou os resultados alcançados com as análises, a tinta encontrada no Evangelho de Judas tem características semelhantes às das tintas usadas em contratos de casamento e de terras do Egito do século 3 d.C.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

3 COMENTÁRIOS

  1. Em Ap 22, 18-19: “ Eu, a todo aquele que ouve as palavras da profecia deste livro, testifico: Se alguém lhes fizer qualquer acréscimo, Deus lhe acrescentará os flagelos escritos neste livro; e se alguém tirar qualquer cousa das palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte da árvore da vida, da cidade santa das cousas que se acham escritas neste livro”.

    • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk ficou numa geladeira e bebeu muito formou.
      essas pessoas tem cada imaginação para distorcer a Palavra de Deus.

  2. Esses evangelhos apócrifos, foram escritos por gnósticos, fantasiando em cima da história de Jesus, até para tentarem manter os seguidores desse “movimento”, logo, na realidade eles maisservem, apenas para se observar o contexto histórico, e não a veracidade de seus conteúdos.

    Para os que alegam que a Bíblia foi adulterada, existem por volta de 5 mil cópias, todas datadas após 100 ou 150 anos da morte de Jesus, em uma época onde as pessoas tinham uma memória bem mais desenvolvida do que nos dias de hoje, logo, tempo muito pequeno entre os acontecimentos e as cópias escritas, sendo impossível acontecer uma adulteração, ainda mais em todas as cópias encontradas. Se Roma tivesse adulteradoa mesma, teria ascendido Maria eou incluido a doutrina do purgatório explicitamente, o que não vemos nos textos. Na realidade quemusa dessa tática para tirar a credibilidade da mesma, precisa fazer isso porque se acreditar que o que está contido nas escrituras, a pessoa sabendo dos seus pecados, enão querendo deixa-los de maneira nenhuma, não conseguiria em paz, criando assim uma “paz” artificial para si. Espero que a Verdadeira Verdade os liberte antes que as vossas vidas terminem, e com ela a oportunidade dada por Deus para serem recebidas como filhos através de Seus Filho Jesus !

DEIXE UMA RESPOSTA