Teólogo afirma que Igreja Católica precisa rever conceitos e funções: “Ou muda, ou acaba”

23

A renúncia de Bento XVI ao pontificado desencadeou uma série de especulações e manifestações de opinião sobre o futuro da Igreja Católica. O pedido do próprio Papa demissionário por uma “mudança verdadeira” trouxe fôlego aos insatisfeitos que clamam por uma denominação romana menos arcaica.

Segundo o teólogo Mário de França Miranda, que é professor da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio de Janeiro, e ex-membro da Comissão Teológica do Vaticano, a Igreja Católica precisa mudar: “Já está mudando. Ou muda ou acaba. É um momento sério da sociedade, faltam líderes. Onde estão os Churchill, De Gaulle, Adenauer? Não tem mais, está faltando líder. Na Igreja também, e os problemas são muito grandes. As religiões têm um papel muito forte no mundo de hoje, e a Igreja tem de ser uma reserva ética, apesar dos mal feitos da cúpula”, observa.

Miranda é também escritor de livros que abordam a teologia, e sob seu ponto de vista, o novo Papa deverá ser escolhido a partir de uma preocupação com o reposicionamento da Igreja Católica no mundo: “Os cardeais terão de fazer um perfil de uma pessoa que entenda o mundo e saiba enfrentar esses desafios todos. Tem de ter boa formação pastoral e intelectual, capaz de se cercar de pessoas competentes”.

Na entrevista concedida ao jornal O Globo, o teólogo lembra que o formato atual da Igreja Católica é o oposto das origens do cristianismo: “Chegou um momento em que a Igreja, só com os oficiais, padres, bispos e Papa, não aguenta mais. Esta estrutura foi uma traição à Igreja primitiva, em que todo mundo participava e tinha direitos iguais de participação. Todos são iguais, não tem homem, mulher, judeu, gentio ou escravo e senhor”, lembrando que “passou o tempo e a Igreja ficou identificada por seus bispos, padres etc. É errado, né? Todo cristão, todo católico, tem o direito de formar um grupo, com o qual a hierarquia não pode se meter. A Igreja do futuro vai ser predominantemente leiga ou então não vai aguentar”.


O sentido da Igreja em si, precisa ser resgatado, segundo Miranda, que ressalta a função primária do cristianismo: “É, há paróquias que viraram agências de fornecer sacramento, isto está condenado. Tem de ter o sentido missionário. É o que se está tentando fazer agora. Mas é lento. Quando eu fui da Comissão Teológica do Vaticano, não tinha nenhuma mulher, agora já tem quatro. Não há dúvidas de que o fim do celibato já deveria ter acontecido, Paulo VI era a favor disso”, observa, ressaltando a questão do celibato, que é apontada por muitos como um dos motivadores da existência de pedofilia dentro da Igreja Católica.

Confira abaixo, a íntegra da entrevista concedida pelo teólogo Mário de França Miranda à jornalista Helena Celestino, do jornal O Globo:

Como a Igreja vai sobreviver ?

Chegou um momento em que a Igreja, só com os oficiais, padres, bispos e Papa, não aguenta mais. Esta estrutura foi uma traição à Igreja primitiva, em que todo mundo participava e tinha direitos iguais de participação. Todos são iguais, não tem homem, mulher, judeu, gentio ou escravo e senhor. Depois a Igreja erigiu uma estrutura monárquica, um pouco copiada de Roma. Foi consequência da chegada dos príncipes, que começaram a nomear parentes para tomar conta das muitas propriedades da Igreja. Era preciso estruturar ou tudo ia ficar na mão de famílias poderosas, nobres. Para evitar isso, o laicado foi afastado do poder da Igreja – o laicado não era o povão, eram estes príncipes que estavam cada vez incomodando mais. Passou o tempo e a Igreja ficou identificada por seus bispos, padres etc. É errado, né? Todo cristão, todo católico, tem o direito de formar um grupo, com o qual a hierarquia não pode se meter. A Igreja do futuro vai ser predominantemente leiga ou então não vai aguentar.

O Grupo de diversidade católica, que reúne gays, é um exemplo do que o senhor está dizendo?

Exatamente. É um grupo de pessoas que são assim. A Igreja não pode excluir, tem de atender todo mundo. É uma maneira de a Igreja mostrar sua abertura. A consciência histórica é lenta. Teve um tempo que os missionários se perguntavam se tinham que batizar ou não os negros da África, por que não sabiam se eram animais ou gente. Muita coisa que achamos normal hoje, daqui a 50 anos será considerada intolerável. Os laicos vão obrigar a Igreja a criar um espaço de debate público, que não existe. A qualquer problema, corre-se para o bispo.

Mas as mudanças têm sido lentíssimas.

Não se mexe da noite para o dia com 1,2 bilhão de pessoas. Não se podem criar traumas, as pessoas têm mentalidades muito diversas e, como diz o Rubens César Fernandes, do Viva Rio, o importante é que a gente mantenha todo esse pessoal dentro da Arca de Noé. Os sociólogos dizem que tudo pode mudar, menos o religioso, porque o ser humano tem necessidade de segurar alguma coisa. A gente percebe que isto não tem sentido. O sagrado também é construído através de uma linguagem e de práticas.

Esta posição está afastando muita gente.

É, há paróquias que viraram agências de fornecer sacramento, isto está condenado. Tem de ter o sentido missionário. É o que se está tentando fazer agora. Mas é lento. Quando eu fui da Comissão Teológica do Vaticano, não tinha nenhuma mulher, agora já tem quatro. Não há dúvidas de que o fim do celibato já deveria ter acontecido, Paulo VI era a favor disso – mas uma coisa destas vai mudar a estrutura.

A questão da contracepção também está mais do que na hora de ser enfrentada.

São questões morais que têm se ser mudadas, mas é uma coisa lenta. No papado de Paulo VI, o cardeal de Bruxelas disse: na minha arquidiocese é permitido camisinha – ele estava com um problema seríssimo de explosão de Aids entre trabalhadores imigrados. Resolveu assumir e disse: aqui é preciso usar camisinha. O Vaticano não disse uma palavra.

A Igreja não vem conseguindo acompanhar as mudanças sociais?

São rapidíssimas. Na PUC, a mudança de uma geração para a outra se dava em 20 anos, depois passou para 10, agora com dois ou três anos, você já vê aluno do quarto ano que não consegue entender o calouro. É uma sucessão vertiginosa que não conseguimos mais acompanhar, que provoca um curto-circuito na cultura.

Quem é o mais progressista entre os candidatos a Papa?

Os cardeais terão de fazer um perfil de uma pessoa que entenda o mundo e saiba enfrentar esses desafios todos. Tem de ter boa formação pastoral e intelectual, capaz de se cercar de pessoas competentes. Tem um candidato de Honduras, que é uma pessoa muito possível de dar um bom Papa. Sabe línguas, é sensível, mora no país mais pobre da América Central: é uma pessoa que marca pela inteligência. Tem Luiz Antonio Tagle, um filipino progressista também, mas ele é muito novo. Tem 55 anos. Mas eu duvido que queiram colocar um cardeal de 50 anos, pois ele ficaria 30 anos. A turma não quer isso não. Cardeal Ravasi, encarregado da Cultura, também é muito aberto.

Resumindo: o senhor diz que a Igreja tem de mudar?

Já está mudando. Ou muda ou acaba. É um momento sério da sociedade, faltam líderes. Onde estão os Churchill, De Gaulle, Adenauer? Não tem mais, está faltando líder. Na Igreja também, e os problemas são muito grandes. As religiões têm um papel muito forte no mundo de hoje, e a Igreja tem de ser uma reserva ética, apesar dos mal feitos da cúpula.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+


23 COMENTÁRIOS

  1. É impressão ou sites gospel costumam fazer essas entrevistas sempre com teólogos da libertação (marxistas “cristãos”) como é o caso desse Mário de França Miranda? que tal uma entrevista com alguém como o padre Paulo Ricardo?

  2. Respostas ao Mario França, digamos um falso católico ligado a teologia da libertação, grupo que já foi devidamente negado pelos sagrado magistério da Igreja.

    Como a Igreja vai sobreviver?

    Eis a pergunta de nossos jornalistas iluminados. Quando o Papa Pio VI morria, em tempos de Revolução Francesa, os jornais da Europa perguntavam o mesmo. Quando Jesus Cristo foi crucificado, seus algozes se escarneciam dos Apóstolos e faziam a mesma pergunta. E, no entanto, Ele ressuscitou. A mídia secular vive preconizando o fim da Igreja… e a Igreja nunca acaba, afinal, portae inferi non praevalebunt. Mas eles não aprendem nunca, santo Deus!

    Bem, vamos às palavras do “teólogo da Puc-Rio”, Mário França. Para ele, “a Igreja, só com os oficiais, padres, bispos e Papa, não aguenta mais”. Tem alguma coisa errada aí, você pensa. Claro que tem. Está faltando os leigos. Mas é que para o nosso “teólogo” da libertação “a Igreja erigiu uma estrutura monárquica”, contrária à da Igreja primitiva, quando “todo mundo participava e tinha direitos iguais de participação”. Acontece que este conceito de Igreja primitiva é tão falso quanto uma nota de 3 reais. Basta ler um pouco das cartas de Santo Inácio de Antioquia para saber que, desde o início da pregação apostólica, havia hierarquia na Igreja, e a obediência aos bispos e presbíteros era largamente ensinada e difundida.

    O Grupo de diversidade católica, que reúne gays, é um exemplo do que o senhor está dizendo?

    A ignorância ou má-fé de Mário França não se restringe ao tempo dos primeiros cristãos… Para o nosso teólogo, “houve um tempo que os missionários se perguntavam se tinham que batizar ou não os negros da África”. Resta perguntar quando foi isso. Será que foi na época do negro – da África! Santo Agostinho? Será que foi na Idade Moderna, quando os Papas condenaram o comércio dos negros e a escravidão?

    Nossos teólogos da libertação têm uma mania quase irracional de idolatrar o laicado, em detrimento do ministério ordenado e, no entanto, sem este não há Igreja. Não só a história o confirma, acabamos de falar que a hierarquia nasce com a Igreja, queiram ou não Mário, Boff e cia, como também a doutrina que Cristo deixou a Seus Apóstolos. Ele escolheu alguns, do meio do povo, para um encargo especial: o de celebrar a Eucaristia (cf. Lc 22, 7s) e ministrar a Penitência (cf. Jo 20, 22s). Foi claro quando disse a Seus discípulos: “Quem vos ouve a mim ouve; e quem vos rejeita a mim rejeita” (Lc 10, 16); “tudo o que ligardes sobre a terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes sobre a terra será também desligado no céu” (Mt 18, 18).

    Este grupo do qual a jornalista de O Globo fala é aquele, famoso por ser contrário à doutrina moral da Igreja acerca da homossexualidade. Suas reuniões acontecem na Pontifícia Universidade Católica do Rio mesmo cientes da negativa das comunidades católicas.

    Esta posição está afastando muita gente ?

    Mais uma imprecisão da jornalista. “Esta posição está afastando muita gente”, sim, mas está afastando justamente quem não deveria sequer estar na Igreja. Ora, mas a Igreja não foi feita para acolher a todos? Sim, mas quem não quer abdicar de suas opiniões para seguir a fé da Igreja já tem uma religião a do egoísmo, não precisa vir à Igreja Católica… Esta não deve mudar para se adaptar ao mundo; são as pessoas que precisam se conformar aos ensinamentos de Cristo.

    Estas palavras não são muito bem aceitas, é verdade. Mas corromper a doutrina de Cristo para “trazer as pessoas” à Igreja é, isto sim, traição. Afinal, o que é mais importante: nossos caprichos ou a Palavra de Deus? Uma religião que deixa de ensinar a Verdade para dizer o que os outros querem ouvir está fadada à derrota, porque tira o fundamento de Cristo para colocá-lo na instável opinião pública, a mesma que sustentou a Revolução Comunista na Rússia e fez Hitler ascender ao poder.

    Mário França fala de “paróquias que viraram agências de fornecer sacramento”. E conta uma piada: “isto está condenado”. QUANTA MENTIRA. São justamente as paróquias que estimulam os fiéis a adorar Jesus Sacramentado, a rezar o Terço e buscar a Confissão aquelas que mais prosperam em nosso tempo. Ao contrário, as igrejas contaminadas por alguns padres marxistas que fazem do Cristianismo uma oportunidade para pregar o ódio de classes são justamente aquelas que fracassam, que não têm vocações, que não têm futuro nenhum.

    Sobre preservativos

    Concedamos que possa ter sido um erro de digitação. O cardeal de Bruxelas, de quem fala nosso “teólogo”, hoje é arcebispo emérito e está definitivamente afastado. Trata-se de Godfried Daneels, um dos prelados mais modernistas da Igreja atual. Ele é contra a camisinha, mas, antes, é contra a própria doutrina moral da Igreja, o que é muito mais grave. Daneels, assim como os teólogos favoráveis ao controle de natalidade, querem, mais do que lutar contra a Aids, aparecer. Talvez nunca tenha ouvido falar do exemplo de Uganda, que conseguiu vencer a doença com o método que ficou consagrado como ABC: Abstinence – Be faithful – Condom.

    +++

    Cabe informar que “O Globo” fechou a área de comentários sobre a matéria não nos concedendo o direito de resposta (comunidades carismáticas, tradicionais e ultra conservadoras) para atingir um interesse próprio, denegrir os católicos.

    +++

    Obrigado a equipe do notícias gospel por nos permitir o direito de resposta.

    Mauro Carvalho
    ENS Brasil

    • Não tem jeito mauro são os modernistas,mal presente inicialmente nas Igrejas Evangelicas tradicionais do sec XIX.Se vc já leu a quadrilogia de Hobsbawn(Era das Revoluções,Era do Capital,Dos imperios e dos Extremos),vc vê exatamente isto.Ele,autor comunista e anticlerical,condenava o atraso intelectual catolico dos papas Pio IX,Leão XIII e Pio X.Os papas “obscuros” que coibiam toda tentativa dos pioneiros teologos catolicos em adequar a Igreja aos novos tempos.

      Ao mesmo tempo, mostrou satisfação com relação a IG Luterana e Anglicana.ali ja tinhamos teologos e clero mais “sincero” e modernizado.Muitos até já admitiam que Cristo não passava de uma lenda de boas intenções.Assim nos paises de maioria protestante ficava mais facil permear os ideiais da Nova ordem Capitalista.

      quanto a este “teologo” apostata e falso catolico,vc já disse tudo.Um simples olhar na patristica.Sobretudo em Inacio de Antioquia e Irineu de Lyon é mais do que suficiente pra provar que os sucessores imediatos dos apostolos seguiam o governo monarquico e episcopal.Ou será que o AP Pedro ordenou como Bispo de Antioquia um principe,Um nobre acostumado a mandar e passar o poder pra familia….

      Vede o relativismo dele.A ICAR e o papa tem que mudar o discurso e se adaptar ao governo das novas gerações.Afinal,os novos sabem tudo e os velhos depois que se aposentam deveriam é morrer logo pra nos poupar do rombo da previdência. Assim o que Cristo ensinou a 2000 mil anos atras é passado,ja não tem mais qualquer valor e serventia.

      Se for assim sugiro celebramos logo a eucaristia com pizza e coca-cola.Quem sabe assim os jovens voltam pra Igreja e até os pentecostais deixam de nos acusar de incentivar o alcoolismo.

      Se puder leia ou releia as enciclicas de Pio X e Pio XI.Neste ultimo veja :”Quadragessimo Ano”.Ele condena formalmente o socialismo e diz que um catolico não pode ser um socialista.

      • Caro Leandro

        meu grupo enviou um protesto a PUC RJ e a arquidiocese do RJ, o mesmo Mário França me enviou uma resposta, se quiser posto aqui.

        O covarde declinou dizendo que a entrevista foi manipulada pelo O Globo.

        Paz e Bem

        • Seria bem interessante postar,pois já sabe que os secularistas e aqueles tão interessados em “provar” que Constantino “fundou” a Igreja Catolica vão se fartar com este senhor que fala a “verdade”.

          Vai achar varios artigos contra os modernistas no site da S Luis de Montfort.Não concordo com tudo que o falecido Orlando Fedeli deixou so que admiro o modo como ele fustiga estes falsos catolicos.

          Se pesquisar bem vai ter as enciclicas e procure por referencias ao falecido padre Malachias Martin.Este deixou uma biografia curiosa e alguns livros interessantes e até meio profeticos.

          • Leandro, segue a correspondência…

            MARIO DE FRANCA MIRANDA ;

            Caro senhor,
            Recebi por parte do Pe. Josafá sua queixa com relação à entrevista
            publicada no jornal O Globo de sábado passado. E bem posso
            compreendê-la. Pois dei uma entrevista bem mais longa, mais
            matizada, dentro de um horizonte mais amplo que explicasse a crise
            da atual sociedade e os desafios que cria para a Igreja.
            Infelizmente mais da metade de meu texto foi cortado, sendo
            publicado pelo editor passagens, que desligadas do contexto da
            entrevista, soaram exageradas e sensacionalistas. Já conversei sobre isto com Dom Orani, arcebispo do Rio de Janeiro, que me aconselhou escrever uma nota de protesto para o jornal que ele encaminharia para o responsável (já o fiz). Para manifestar o que penso sai nesta semana no jornal da diocese “Testemunho de Fé” um artigo meu intitulado: Igreja em crise ou em renovação? Creio que será também apresentado na internet. Já dei ontem uma entrevista para a REDE VIDA e emanhã darei outra para a mesma rede na parte dedicada a JMJ. Para conhecer o que penso realmente basta adquirir alguma de minhas obras dedicadas à Igreja ou alguns de meus artigos aparecidos nas melhores revistas teológicas do país. Estou convencido como também Bento XVI que a Igreja precisa de uma renovação de cunho espiritual (mudança de mentalidade) como de cunho institucional (na linha do Vaticano II e do documento de Aparecida). Faz anos que bato nesta tecla, pois meu contato mais próximo com o Vaticano fez-me conhecer a grandeza do então Cardeal Ratzinger por quem nunca escondi minha admiração, sabendo também através de Dom Eugênio e de outros bispos que ele apreciava meu trabalho na Comissão Teológica Internacional. Não me surpreendeu seja a sua renúncia, por ser um autêntico cristão, livre realmente, não apegado a honras e ao poder, nem suas palavras na missa de quarta-feira de cinzas denunciando a hipocrisia, a ansia de poder, bens e prestígio, entre alguns na Igreja.
            Confesso que por temperamento sou avesso a entrevistas. Recusei
            várias antes desta. Aceitei-a porque a jornalista ficou insistindo
            recomendada por um amigo meu. Ela também sentiu o “corte brutal” nas minhas palavras dadas por telefone. Mas serviu como experiência. E não fui o primeiro a passar por tal situação. Sempre ouvi no Vaticano queixas sobre deturpações por parte daa imprensa de pronunciamentos do Papa ou do Magistério. Sempre visando ao
            sensacionalismo e ao lucro daí decorrente. As pessoas que me conhecem de perto, professores, alunos, padres, amigos e frequentadores de minha missa disseram-me não me reconhecer
            na entrevista publicada. Bom sinal!
            Desculpe se me estendi demais. Hoje mais do que nunca temos que unir as forças para prosseguir na missão que Deus nos confia de levarmos adiante o seu Reino em meio a uma sociedade ecularizada e desorientada.
            Cordialmente,
            Mario de França Miranda

  3. Globalmente, o que vemos, sobretudo em países de “tradição” protestantes, é o grande crescimento da Igreja católica. Assim nos EUA o que diminui é o protestantismo, já não mais de maioria absoluta (menos de 50%), equanto que a Igreja Católica, apesar da crise, cresce 2% ao ano. São pelo menos 70 milhões de católicos, o dobro que os protestantes no Brasil. Ela é, de longe, a maior igreja, considerando-as separadamente. É seguida de longe pela igreja Batista, que possui pouco mais de 30 milhões de fiéis. Um terço dos juízes americanos são católicos. A Suprema corte america, dos 9 juízes, 6 são católicos (inclusos o único negra e uma da duas mulheres). Mais de 40% do governadores são católicos… A Igreja é considerada pelo próprio governo americano como a maior instituição privada.
    A Inglaterra, ao que tudo indica, caminha, ainda este século para a recatolização. A Alemanha é, atualmente, ainda que por pequena diferença, de maioria católica. O catolicismo cresce ainda na Holanda, países nórdicos, África do Sul, Austrálica… A França possui de 6 a 7 milhões de muçulmanos, para apenas 900.000 protestantes. No BRasil, igreja luteranas, episcopais, presbiterianas.. perdem fiéis para as pentecostais. Os presbiterianos estão no Brasil há 300 anos e não chegam a 900.000 fiéis. E por aí vai.
    Esses dados são dos institutos oficiais de pesquisas desses países.
    Em relação à pedofilia, segundo dados oficiais ela acontece em 90% dos casos em casa, com os pais. Agentes de saúde engrossam essa estatística. A quantidade de abusos sexuais entre pastores é gigantesca. Basta pesquisar os sites da justiça brasileira, com muitos casos já transitados em julgado. E muitos processos em andamento. Este site publicou alguns desses casos.
    Faltam pastores nas igrejas protestantes européias, o que mostra que o celibato ou o seu fim nem de longe resolverá esses problemas.
    Enfim, não existem solução mágicas.

  4. Esses teólogos… De um lado afirmam que seu Deus é imutável e eterno, e de outro, propõem que as igrejas ditas dele, devem mudar volta e meia. Quem essas igrejas têm intenção de seguir ? Ao seu deus dito imutável, ou às ordens do chefe de plantão ?

  5. Eu acho que isso devia acabar mesmo e deixar só as protestantes o papa devia se converter também e sermos um povo que se preocupa com a santidade e assim teriamos menos assasinatos, homicidios, homossexualismo, roubo, furto. Uma igreja que se dizem ter mais dr dois mil anos de fato não seja a igreja é nos deveria acabar mesmo

  6. Leandro, segue o combinado.

    Ps. O Pe Josafá citado abaixo é o reitor da PUC.

    Caro senhor,
    Recebi por parte do Pe. Josafá sua queixa com relação à entrevista publicada no jornal O Globo de sábado passado. E bem posso compreendê-la. Pois dei uma entrevista bem mais longa, mais matizada, dentro de um horizonte mais amplo que explicasse a crise da atual sociedade e os desafios que cria para a Igreja. Infelizmente mais da metade de meu texto foi cortado, sendo publicado pelo editor passagens, que desligadas do contexto da entrevista, soaram exageradas e sensacionalistas. Já conversei sobre isto com Dom Orani, arcebispo do Rio de Janeiro, que me aconselhou escrever uma nota de protesto para o jornal que ele encaminharia para o responsável (já o fiz). Para manifestar o que penso sai nesta semana no jornal da diocese “Testemunho de Fé” um artigo meu intitulado: Igreja em crise ou em renovação? Creio que será também apresentado na internet. Já dei ontem uma entrevista para a REDE VIDA e emanhã darei outra para a mesma rede na parte dedicada a JMJ. Para conhecer o que penso realmente basta adquirir alguma de minhas obras dedicadas à Igreja ou alguns de meus artigos aparecidos nas melhores revistas teológicas do país. Ou então entrar no meu blog: mariofranca.teo.br
    Estou convencido como também Bento XVI que a Igreja precisa de uma renovação de cunho espiritual (mudança de mentalidade) como de cunho institucional (na linha do Vaticano II e do documento de Aparecida). Faz anos que bato nesta tecla, pois meu contato mais próximo com o Vaticano fez-me conhecer a grandeza do então Cardeal Ratzinger por quem nunca escondi minha admiração, sabendo também através de Dom Eugênio e de outros bispos que ele apreciava meu trabalho na Comissão Teológica Internacional. Não me surpreendeu seja a sua renúncia, por ser um autêntico cristão, livre realmente, não apegado a honras e ao poder, nem suas palavras na missa de quarta-feira de cinzas denunciando a hipocrisia, a ansia de poder, bens e prestígio, entre alguns na Igreja.
    Confesso que por temperamento sou avesso a entrevistas. Recusei várias antes desta. Aceitei-a porque a jornalista ficou insistindo recomendada por um amigo meu. Ela também sentiu o “corte brutal” nas minhas palavras das por telefone. Mas serviu como experiência. E não fui o primeiro a passar por tal situação. Sempre ouvi no Vaticano queixas sobre deturpações por parte daa imprensa de pronunciamentos do Papa ou do Magistério. Sempre visando ao sensacionalismo e ao lucro daí decorrente. As pessoas que me conhecem de perto, professores, alunos, padres, amigos e frequentadores de minha missa disseram-me não me reconhecer na entrevista publicada. Bom sinal!
    Desculpe se me estendi demais. Hoje mais do que nunca temos que unir as forças para prosseguir na missão que Deus nos confia de levarmos adiante o seu Reino em meio a uma sociedade ecularizada e desorientada.
    Cordialmente,
    Mario de França Miranda

  7. A IGREJA CATÓLICA precisa “voltar” ao lugar onde nunca esteve: Representante da Cristo! O Imperador Constantino, após transformar a IGREJA dos APÓSTOLOS em igreja CATÓLICA e misturar o evangelho genuíno pregado ate então com os ensinamentos herdados do paganismo romano; ali a IGREJA DE CRISTO deixou de existir. Depois o evangelho foi resgatado às duras penas. Também outros pregadores não católicos estão deturpando o SANTO evangelho; bom, mas isso é assunto para outra oportunidade.

    • Quando e em que data o imperador fez isto Senhor dionizio…
      Me mostre transcrito e citado o doc,o monumento,a lei onde isntitui esta igreja e nomeia papas.O evangelho resgatado por quem….
      Lutero….
      Curioso um homem que retirou livros da Biblia cristã e nun ca teve que fazer nenhuma escavação arqueologica pra descobrir os originais da Biblia.Foi por acaso pela ICAR que temos a teologia inclusiva de gays e lesbicas….
      Foi o papa que criou a teologia da prosperidade,
      foram os catolicos a duvidar e negar a Santissima Trindade….
      Ou a recriar o divorcio por motivos banais…

    • Nenhum documentos romano ( anais romanos) onde todo grande evento científico, histórico, artístico, fatos pessoais e memórias relataram qualquer menção sobre a criação da Igreja Católica entre os séculos IV e V.

      “Havemos por bem anular por completo todas as retrições contidas em decretos anteriores, acerca dos cristãos – restrições odiosas e indignas de nossa clemência – e de dar total liberdade aos que quiserem praticar a religião cristã”. Era Papa Melcíades, que se tornou São Melcíades, o 32º Papa, tendo Pedro como o 1º. Assim não há que se falar que Constantino é o fundador da Igreja de Cristo, ele apenas deu liberdade aos cristãos, acabando com dois séculos e meio de perseguição e martírio.

  8. Ainda que as Escrituras tenham sidas muito adulteradas, ainda sim é a palavra de Deus; tem se mostrada fiel naquilo que diz. A Igreja Católica tá com seus dias contados. Desde o início ela foi a prostituta babilônia, o seu amante, deus sol Apolo, sempre esteve na cúria romana inspirando os seus mensageiros, papa, bispos, padres com essa frase em Latim: E pluribus Unum; Apartir de muitos – Um. Essa é a verdade verdadeira da Igreja Católica; muitos deuses com muitos nomes mas um só é deus(Apolo) na Igreja Católica desde que ela nasceu lá pelo 4° século com rei, e o anjo do abismo, Abandom, e Apoliom. Ele é que é o oitavo rei, e o último papa, que deve ser o Peter Turkson de Gana, é na verdade o precursor do anticristo. O que tá escrito, tá escrito, e ninguém pode mudar isso.

    • Ah ta depois de 500 anos falando que todo novo papa é o anticristo agora vcs acertam.Sera mesmo Sergio….
      So se for pelo cansaço.Peter tuKson cuidado.Podem te acusar de racismo.

      Falar que o prox papa será o oitavo rei so mostra o quanto vcs desconhecem Historia.Desde o sec VIII que todo papa é reconhecido como rei Dos Estados Pontificios e somente entre 1870 e 1922 é que ficamos com papa sem Estado de Fato.Como entre este periodo todo tivemos mais de 100 papas,nunca que o prox sera apenas o oitavo.

      Em 2005 falavam que era bento XVI o anticristo,em 1978 o foram João Paulo I e João Paulo II.Mas que tedio.Vcs deviam procurar a anticristo no meio destes pastores que vendem um Cristo que aceita tudo.

    • Sergio Marcio

      o alcaide que veio decretar o fim da Igreja de dois mil anos e a extinção do cristãos católicos, o enviado do Cordeiro de Deus antecipando o fim dos tempos.

      Amem

  9. Queria deixar uma colocaçao aqui… O teologo disse: “Ou muda ou acaba” Sabem quando a igreja catolica vai melhorar? nunca!! sabem por que? porque nao ha santidade nao ha transparencia nas coisas que la fazem pois a igreja nao tem o habito de ler a Biblia pois se tivessem com certeza nao cultuariam imagens de escultura coisas tais que Deus abomina, quer ver para crer? catolicos sem os ofenderem abra a tua Biblia mesmo a Biblia do catolico em Exodo cap. 20 versiculo 03 em diante e veras porque digo estas coisas. que a paz de Cristo que exede todo o entendimento vos abençoe.

  10. levi varela disse: 23 de fevereiro de 2013 ás 8:15 am
    Entendo que a vida do papa está em perigo, pois se tornou igual ao seu conterrâneo Lutero, o grande romano que sairá do túmulo(sentido simbólico da profecia), daí que as Nações Unidas aja com pressa e tire imediatamente de dentro do vaticano, afinal trata-se de um senhor de idade avançada, fraco, enfrentando sozinho todas as espécies de inimigos, ele corre risco de vida.
    É séria a coisa. Há reportagens dando conta que apesar de ter uma insônia que perdura há tempo, não quer tomar remédio.
    Alemanha, EUA, outros mais, mais que depressa vão em busca desse senhor, tirem-no de lá imediatamente. Vai ser imolado até morrer como já fizeram em 1978, 1981, 2005.
    Que nesse momento todos saiam em busca e forneçam proteção aos que agem em nome do que é correto, do que direito. São escândalos e mais escândalos, e ele sozinho e vivendo com os autores, os acusados.
    Rápido, uma intervenção, seja pra trazê-lo a um lugar distante dos que ele está acusando, seja conduzindo força especial para dar proteção especial 24h.
    A vida dele não vale um fio de cabelo se permanecer lá, há necessidade urgente de interferência. Este site tem uma responsabilidade de, apreciando tudo que ficou acima apresentado, bem assim o que esse senhor de idade está vivendo(limpeza ética convivendo com o inimigo), a obrigação de trazer as discussões.
    A história prega que seu conterrâneo precisou de refúgio nos principados alemães.
    Rápido, o exagerar na precauções é menos dolorosos do que a omissão quando alertado.
    Responder Comentar

  11. Muito falam mal da igreja católica quando na verdade nao sabem nada da mesma, muitos pastores dentro das suas igrejas protestantes deixam o evangelho e falam da igreja católica . Isto mostra o quão a igreja tem verdadeiro poder do espírito santo, o que os irão lá tratar se fundam igreja sem princípio nem fim, sem objetivo, sem organização ,confiando apenas recolher dizemos para o seu auto sustento e comprar viaturas para fins pessoais. A acção do papa nao está fora da linha mais sim é um ensinamento para muita gente que está no poder que vendo se incapaz de ainda continuar a desempenhar as suas funções com zelo, insistem. Bem haja o papa e bem haja a igreja católica.

  12. Sera que o senhor lê a bíblia mais que quem? Sem te ofender sera que esse capítulo e versiculo és capaz de vir mes mostrar na própria bíblia? Sera que Deus quando falou das imagens estava a proibir a arte? Quem te disse que a igreja está a adorar imagens e a própria bíblia diz para adorar a Deus e ama-lo sobre todas as coisas ( achas que a igreja nunca achou essa frase bíblica ? Apartir da edição da bíblia ate aos seus Dias achas és único que leu isso? So para tu saberes o movimento protestante é um dos grandes avanços alcançados pela igreja católica por o importante nessa vida é levar a boa nova para todos os povos e isso está acontecendo pese ainda ser de maneira diferentes mas que desagua no seguinte. DEUS NOS AMA QUE DE TAL MANEIRA NOS ENVIOU SEU FILHO JESUS CRISTO ,SAlVADOR DO MUNDO. O que nao sabe meu senhor pergunta antes que se coloque no lugar de conhecedor da palavra. Ok? É so tu vezeres que por cada dia nascem igrejas e igrejas mas usam a mesma bíblia. Nenhuma interpretação está errada pois nos racciocinamos de maneiras diferentes.

  13. Com todo respeito ao Teólogo, gostaria de comentar:

    Seria Deus incoerente? Todos concordamos que não, certo? Partindo desta premissa a Igreja não mudará (obviamente nas questões de fé) e tão pouco acabará. Pois Ela foi fundada por Jesus Cristo, que é o mesmo ontem, hoje e sempre, e O mesmo disse que “…as portas do inferno não prevalecerão contra Ela…”.
    Estou mais que convencido que quem precisa mudar sou eu!
    Que a paz esteja com todos nós!

  14. Não.A Igreja Católica nunca vai acabar.Ela deverá seguir as mesmas tendências das igrejas evangélicas como fim da idolatria,fim de celibato, e mais tolerância à aceitação de problemas que podem serem mudados com a aceitação somente na trindade.
    Se a Igreja Católica mudar pelo menos estes rumos, haverá maior êxodo das Igrejas Evangélicas e de outras para a Católica.Visto que na Igreja Católica ainda não há a obrigação da cobrança dos dez porcentos do que ganha.
    As pessoas preferem sair da Católica para a Evangélica por que não aguentam mais ver a idolatria,adoração de santos e rezas e a grande hipocrisia de ministros e obstáculos,por isto elas preferem pagar mais caro do que conviver com erros e atrasos.
    As pessoas devem contribuir de coração e ajudar mais e conviver mais nas igrejas.
    Dez por cento do que ganha para mim já é indústria do proveito.

    • A Noiva de Jesus não muda. Jamais. Seu noivo é o mesmo ontem, hoje e eternamente. Ele não se adapta aos tempos modernos e nem se molda aos caprichos do homem. A porta é estreita e por isto poucos podem entrar por ela. Este “teólogo” deve meter o saco na viola, abir uma igreja protestante e promover toda a sorte de novidades para atrair público. O senhor está a procura de adoradores e não de números ou estatísticas.

DEIXE UMA RESPOSTA