Ação da bancada evangélica leva Câmara dos Deputados a extinguir subcomissão de direitos humanos criada por Jean Wyllys

17

Os parlamentares contrários à permanência do pastor Marco Feliciano (PSC-SP) à frente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) sofreram uma derrota significativa esta semana na Câmara dos Deputados.

Liderados por Jean Wyllys, o grupo havia abandonado a CDHM quando Feliciano foi eleito, e criado a subcomissão de Direitos Humanos e Minorias Culturais, como parte da Comissão de Cultura (CC).

Entretanto, o ex-presidente da Frente Parlamentar Evangélica, deputado João Campos )PSDB-GO), entrou com um pedido de extinção da subcomissão junto à direção da Casa, alegando que a existência de um grupo de trabalho para os mesmos temas da CDHM feria o regimento interno da Câmara, que proíbe a “vazão de competência”.

A decisão da presidência da Câmara dos Deputados, favorável ao deputado Campos, foi questionada pela deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), que é presidente CC. No entanto, o deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), presidente da Casa, foi enfático em sua postura, de acordo com informações da Folha de S. Paulo.


“Não houve nenhuma violação. A Comissão de Cultura criou uma Subcomissão Permanente de Direitos Humanos, conflitando com a Comissão Técnica Permanente de Diretos Humanos”, pontuou.

Para o deputado Jean Wyllys, a ação de Campos e a decisão de Alves foram um “golpe na laicidade do Estado, um ato de homofobia e um desrespeito à Comissão de Cultura”.

Ao portal G1, Wyllys entende que a extinção da subcomissão foi “preconceituosa” e caracterizou “uma violência decorrente de um fundamentalismo religioso”.

“Na história da Câmara, nunca uma presidência extinguiu uma subcomissão. Eles fizeram isso justamente numa subcomissão presidida por um deputado gay. É uma posição homofóbica. Não há amparo no regimento interno para extinguir a comissão”, disse, em tom acusatório.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

17 COMENTÁRIOS

    • JORNALISTA AFIRMA QUE: BANCADA EVANGÉLICA É A MAIS AUSENTE, INEXPRESSIVA E PROCESSADA DO CONGRESSO NACIONAL

      JORNALISTA AFIRMA QUE: BANCADA EVANGÉLICA É A MAIS AUSENTE, INEXPRESSIVA E PROCESSADA DO CONGRESSO NACIONAL

      Comentando dados divulgados pelo portal Transparência Brasil sobre a bancada evangélica no Congresso Nacional, o jornalista Joel Bento Carvalho criticou a conduta dos parlamentares religiosos: “Bancada evangélica: a mais ausente, inexpressiva e processada”

      Segundo Carvalho, “fica difícil defender a chamada bancada dita Religiosa ou Evangélica”, com a divulgação dos dados, segundo os quais, os parlamentares da Frente Parlamentar Evangélica constam dos mais faltosos e processados do Congresso Nacional.

      O jornalista afirma que muitos dos parlamentares parecem usar o cargo público apenas para promoção pessoal: “Pelo que se vê a locupletação é ampla, geral e irrestrita. Parecem ter percebido outro veio fácil de enriquecer além da religião. Aliás, não tem nada de evangélica . Evangelizar é o ato de levar o evangelho às ovelhas”.

      Referindo-se às igrejas protestantes tradicionais como exemplo, o jornalista questiona o motivo de igrejas apoiarem candidatos: “Por que essas que são igrejas seculares não entram na política? Por que só alguns Padres, alguns militantes da Opus Dei e os pastores das igrejas não alinhadas entram para a política?”, questiona.

      Joel Bento Carvalho afirma ainda que não se deve vincular fé com política: “Qualquer um pode se candidatar a cargos eletivos, mas sem usar a religião. Um religioso verdadeiro mantém distância da política: ‘Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus’. Se não for isso, é falcatrua usando a Religião ou será Deus um pulha também?”.

      Dados do Transparência Brasil indicam que:

      1) Da bancada evangélica, todos os deputados que a compõe respondem processos judiciais;
      2) 95% da referida bancada estão entre os mais faltosos;
      3) 87% da referida bancada estão entre os mais inexpressivos do DIAP;
      4) Na última década não houve um só projeto de expressão, ou capaz de mudar a realidade do país, encabeçado por um parlamentar evangélico.

      Confira abaixo a íntegra do artigo do jornalista Joel Bento de Carvalho, para o portal Luis Nassif:

      Bancada religiosa: a mais ausente, inexpressiva e processada ou será Deus um pulha também?

      Meu Pitaco: Fica difícil defender a chamada bancada dita Religiosa ou Evangélica.

      Pelo que se vê a locupletação é ampla, geral e irrestrita. Parecem ter percebido outro veio fácil de enriquecer além da religião. Aliás, não tem nada de evangélica . Evangelizar é o ato de levar o evangelho às ovelhas perdidas, coisas que só as as igrejas seguidoras de Luthero fazem.

      Por que essas que são igrejas seculares não entram na política? Por que só alguns Padres, alguns militantes da Opus Dei e os Pastores das igrejas não alinhadas entram para a política? Qualquer um pode se candidatar a cargos eletivos, mas sem usar a religião.

      Um religioso verdadeiro, mantém distância da Política: Daí a César o que é de César e a Deus o que é de Deus. Se não for isso, é falcatrua usando a Religião ou será Deus um pulha também?

      JBC

  1. JORNALISTA AFIRMA QUE: BANCADA EVANGÉLICA É A MAIS AUSENTE, INEXPRESSIVA E PROCESSADA DO CONGRESSO NACIONAL

    JORNALISTA AFIRMA QUE: BANCADA EVANGÉLICA É A MAIS AUSENTE, INEXPRESSIVA E PROCESSADA DO CONGRESSO NACIONAL

    Comentando dados divulgados pelo portal Transparência Brasil sobre a bancada evangélica no Congresso Nacional, o jornalista Joel Bento Carvalho criticou a conduta dos parlamentares religiosos: “Bancada evangélica: a mais ausente, inexpressiva e processada”

    Segundo Carvalho, “fica difícil defender a chamada bancada dita Religiosa ou Evangélica”, com a divulgação dos dados, segundo os quais, os parlamentares da Frente Parlamentar Evangélica constam dos mais faltosos e processados do Congresso Nacional.

    O jornalista afirma que muitos dos parlamentares parecem usar o cargo público apenas para promoção pessoal: “Pelo que se vê a locupletação é ampla, geral e irrestrita. Parecem ter percebido outro veio fácil de enriquecer além da religião. Aliás, não tem nada de evangélica . Evangelizar é o ato de levar o evangelho às ovelhas”.

    Referindo-se às igrejas protestantes tradicionais como exemplo, o jornalista questiona o motivo de igrejas apoiarem candidatos: “Por que essas que são igrejas seculares não entram na política? Por que só alguns Padres, alguns militantes da Opus Dei e os pastores das igrejas não alinhadas entram para a política?”, questiona.

    Joel Bento Carvalho afirma ainda que não se deve vincular fé com política: “Qualquer um pode se candidatar a cargos eletivos, mas sem usar a religião. Um religioso verdadeiro mantém distância da política: ‘Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus’. Se não for isso, é falcatrua usando a Religião ou será Deus um pulha também?”.

    Dados do Transparência Brasil indicam que:

    1) Da bancada evangélica, todos os deputados que a compõe respondem processos judiciais;
    2) 95% da referida bancada estão entre os mais faltosos;
    3) 87% da referida bancada estão entre os mais inexpressivos do DIAP;
    4) Na última década não houve um só projeto de expressão, ou capaz de mudar a realidade do país, encabeçado por um parlamentar evangélico.

    Confira abaixo a íntegra do artigo do jornalista Joel Bento de Carvalho, para o portal Luis Nassif:

    Bancada religiosa: a mais ausente, inexpressiva e processada ou será Deus um pulha também?

    Meu Pitaco: Fica difícil defender a chamada bancada dita Religiosa ou Evangélica.

    Pelo que se vê a locupletação é ampla, geral e irrestrita. Parecem ter percebido outro veio fácil de enriquecer além da religião. Aliás, não tem nada de evangélica . Evangelizar é o ato de levar o evangelho às ovelhas perdidas, coisas que só as as igrejas seguidoras de Luthero fazem.

    Por que essas que são igrejas seculares não entram na política? Por que só alguns Padres, alguns militantes da Opus Dei e os Pastores das igrejas não alinhadas entram para a política? Qualquer um pode se candidatar a cargos eletivos, mas sem usar a religião.

    Um religioso verdadeiro, mantém distância da Política: Daí a César o que é de César e a Deus o que é de Deus. Se não for isso, é falcatrua usando a Religião ou será Deus um pulha também?

    JBC

  2. Boa, isso mesmo, tem que ENFRENTAR esses comunistalhas do PSOL, PT, PCdoB, PSTU, PV, essa gentinha ordinaria ai deve ser enfrentada de todas as maneiras possiveis.

  3. Esse mané do Jean willis deve ser um coitado que tem algum trauma de infancia coitado tudo para ele é preconceito homofobia blablabla … vai se tratar cara essa mania de perseguição so um psicologo para te ajudar…E eu sei que vai ter gente que vai me chamar de preconceituoso homofobico blablablabla ….sqn

  4. essa eu li com alegria,ah ah ah ah….esse tal do jean é uma besta tudo pra ele é homofobia, a faça-me um favor e vá lamber sabão….o povo tá de saco cheio!!!!!!

    SIM A FAMÍLIA E AO CASAMENTO HOMEM E MULHER!!!

  5. Este tal Jean Wyllys, é um besta porque ele não vai com essa revolta dele lá por oriente médio que ele ir ver o que bom, ai ele vira o homem e não ficava com esse viadagem.

  6. Realmente, tática mais suja desse político, criar uma subcomissão para tratar de assuntos já tratados em outra; Gasto desnecessário de dinheiro e tempo. Minha pergunta é, será que os direitos das pessoas que não concordam com o estilo de vida gay esse cidadão seriam respeitados?

    • Desculpem correção:
      Realmente, tática mais suja desse político, criar uma subcomissão para tratar de assuntos já tratados em outra e ainda acusar de termos medo de seu estio de vida; Gasto desnecessário de dinheiro e tempo. Minha pergunta é, sem algum militante gay assumisse a CDH, será que os direitos das pessoas que não concordam com seu estilo de vida gay seria respeitado? Como seria a conduta?

      • Douglas, vamos aos fatos! Marcos Feliciano é presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias. Ele é evangélico, tudo bem, 42 milhões de brasileiros são. Não concorda com a prática homossexual, tudo bem, muita gente ñ concorda já que é a “única” coisa que a bíblia condena. Ele chama gays de aidéticos, seus sentimentos de podridão que levam a rejeição, africanos de amaldiçoados entre outras coisas, tudo bem se está na bíblia, devemos respeitar já que o pastor está simplesmente amando seu próximo e o diferente com palavras tão doces que fazem a todos nós nos sentirmos tã paro acolhidos, amados, queridos e respeitados além disso, essas palavras tão delicadas acabam atraindo a cada dia mais e mais homossexuais para conhecerem “Jesus”. Minoria não vence Maioria, diz um adorável, carismático e educado pastor chamado “Silas”, e ele está certo, minorias não precisam de defesa portanto até o título da comissão deveria mudar para “Comissão de Direitos o Humanos e Maiorias” pois o que importa é o desejo da maioria pois sabemos que todos nós que os que sempre tem seus diretos privados é o homem rico, branco e heterossexual!

        • Paz, Douglas, como vai?

          Olha, não entendi que vc quis dizer, as ironias deixaram seu texto meio confuso.

          A homossexualidade NÃO É a única coisa q as Escrituras condenam, nem é um pecado maior ou mais grave que outros, como a glutonaria, a ira, inveja etc.

          MFeliciano chama os gays de aidéticos??????? ISSO É LASTIMÁVEL!
          Aliás, isso é recente?

          Busco ser cristão praticante (mas não é fácil seguir o ´caminho estreito´), penso que religião e política NÃO deveriam se misturar.

          Acho muito importante q as pessoas possam SEPARAR as palavras equivocadas q MF disse, do resto dos evangélicos. Difiram o Neo-pentecostalismo do Pentecostalismo… Sou pentecostal, mas passo longe do q se vê nas mídias, nos pastores-celebridade golpel. Meu alvo é Cristo e Sua Palavra, e me sinto muito próximo das Igrejas mais antigas, como batistas e presbiterianos.

          OU SEJA!, creio q precisamos tirar o foco dos holofotes e nos dedicarmos e buscarmos a Simplicidade do Evangelho de Cristo.

          Bom, acabei divagando um pouco.

          Por fim, vc disse que ´´…os que sempre tem seus diretos privados é o homem rico, branco e heterossexual!´´

          ?

          É com ironia q vc diz isto, certo? Pois a maioria no Brasil NÃO É branca…

          Bom, PAZ :)

          Abs

  7. ´´Para o deputado Jean Wyllys, a ação de Campos e a decisão de Alves foram um “GOLPE na laicidade do Estado, um ato de HOMOFOBIA e um desrespeito à Comissão de Cultura”.

    :O

    DE NOVO homofobia???!
    chega!, esse circo na Câmara precisa acabar, que conversa de ´´golpe na laicidade do Estado´´, que conversa fiada…!!! A CC sim, eh q foi um DESRESPEITO aos orgãos existentes na Câmara e suas normas.

    É muito, muito importante que os CIDADÃOS que, não sendo gay, BISSEXUAL ou etc, fiquem atentos e não entrem na moda de ser simpatizante de causas alheias, que poderão trazer graves consequências à educação escolar de seus filhos, à saúde da família (olhe ao seu redor, pesquise na internet: a cultura gay em seu bojo, em sua grande maioria, em suas manifestações e passeatas é focada em prol do prazer PROMÍSCUO x FAMÍLIA. maridos enganam suas esposas tendo casos com outros homens, DSTs entram no lugar sagrado da família, destruindo a confiança mútua. O Inimigo veio roumar, matar e destruir. NÃO SE DEIXEM ENGANAR… O que a ditatura gayzista quer, é fazer do país uma casa de mãe joana, pra não usar palavra torpe mais cabível ao espírito destes grupos.

    Que Deus tenha misericórdia de nós e de nossa Nação.
    abs

DEIXE UMA RESPOSTA