“Casamento gay é uma realidade, concordemos ou não”, diz líder cristão

1

O principal líder da Igreja da Inglaterra, arcebispo de Canterbury Justin Welby, afirmou que o casamento gay agora é uma realidade, independentemente de os cristãos “concordarem ou não”.

A afirmação foi feita durante um sermão em que ele descartou a ideia de valores da família da era de ouro vitoriana, classificando-as como um mito, em um encontro com representantes da União das Mães (MU, na sigla em inglês) na Catedral de Winchester.

O encontro celebrava o 140º aniversário da organização, e o arcebispo elogiou o objetivo que norteia suas atividades, que é o “apoio à vida familiar”, em um “tempo de rápidas mudanças sociais”.

Dirigindo-se representantes da União das Mães (MU) de todo o mundo a um serviço especial na Catedral de Winchester para celebrar o 140º aniversário da organização, Welby elogiou o objectivo do MU de “vida familiar de apoio” em um momento de rápida mudança social.


De acordo com informações do Telegraph, Welby disse que o mito de valores vitorianos estáveis eram “apenas isso, mitologia”. O arcebispo elogiou Mary Sumner, a esposa do reitor, que em 1876 fundou a MU, o grupo baseado na Igreja Anglicana, que agora tem mais de quatro milhões de membros em 83 países.

“A vida em família na época vitoriana estava sob grande pressão, especialmente nas regiões mais pobres do país. Mary Sumner agiu por preocupação não só para a sua própria família, mas para um país em uma situação terrível em que as crianças não foram alimentadas, as mulheres estavam em risco, as famílias não eram estáveis e que a Igreja não estava fazendo muito sobre ele à exceção de pregar”, contextualizou, minimizando a importância desses valores para os tempos atuais.

Segundo o portal Christian Today, recentemente o arcebispo descobriu que seu pai – um homem com problemas com o álcool – não era seu pai biológico, e que seus pais se divorciaram quando ele era jovem.

No sermão, Welby prestou homenagem à importância da família em sua vida: “Eu sei por mim mesmo que não há nenhum lugar em que eu possa tomar minhas falhas tão seguro quanto ao redor da mesa com a família. E eu sei que ter crescido em um ambiente diferente, um tipo diferente de casa, é um dom da graça”.

Em sua reflexão, o arcebispo disse que a mudança “nem sempre é ruim”, mas ponderou que muitas instituições e igrejas foram permitidas “viver em uma cultura que ainda não começaram a entrar em acordo”, e acrescentou: “Não é menos nem mais desafiador agora ter famílias fortes no século 21 do que foi para Mary Sumner, e a necessidade da confiança em Deus é a mesma”.

Quando o casamento gay estava em discussão, o líder cristão argumentou contra na Câmara dos Lordes, mas desde então, adotou uma postura de condescendência sobre o assunto, afirmando mais recentemente que estava “consumido pelo horror” ao notar o modo como a igreja tratou os homossexuais no passado.


1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA