Estudo afirma que crianças “religiosas” tem dificuldades em distinguir o que é real

19

Um estudo recém-publicado pela revista Cognitive Science, que tratou da relação entre as crianças e o ambiente religioso, concluiu que as crianças que são educadas próximas à religião têm maiores dificuldades em distinguir a realidade da ficção. As conclusões da pesquisa apontam que as crianças religiosas têm mais probabilidade de acreditar que elementos sobrenaturais podem ser reais.

O estudo teve como base um grupo de 66 crianças, sendo que metade frequentava escolas religiosas e a outra metade frequentava escola laica. Segundo o Huffington Post, essas crianças foram expostas a três tipos de histórias – religiosas, fantásticas e realistas – em um esforço para medir o quão bem eles poderiam identificar narrativas com elementos “impossíveis” como ficcionais.

Com base nesse grupo de crianças, os pesquisadores identificaram que o as crianças que iam à igreja com uma frequência maior tinham mais dificuldades para identificar elementos sobrenaturais, como animais falantes, como ficção.

Segundo os pesquisadores responsáveis pelo estudo, as crianças expostas de maneira mais constante à religiosidade confiavam em elementos da religião para justificar esse tipo de crença.


– A exposição a histórias sobre milagres faz com que crianças tenham uma receptividade mais genérica para o impossível, uma aceitação maior de que coisas podem desafiar a realidade, sem relações causais – afirmam os responsáveis pelo estudo, defendendo que estes resultados refutam as hipóteses anteriores de que as crianças nascem predispostas à fé.

19 COMENTÁRIOS

  1. Minha Igreja não prega o Papai Noel, e ai? Mas as crianças acreditam em papai noel.
    Minha Igreja não prega Fadinha com varinhas de condão, e ai? Mas as crianças acreditam em fadinha.
    Minha Igreja não prega duendes, e ai? Mas as crianças acreditam em duende.
    Se a igreja está sendo responsabilizada pela afetar a realidade das crianças, imaginem a culpa da televisão que consegue contar histórias muito mais criativas e ilustradas.
    Sei não, essa pesquisa tem um parecer tendencioso.

    • Bem, eu vou comentar a partir de experiências da minha infância.
      Eu me converti aos 10 anos de idade, numa igreja histórica e muito legal. Nessa mesma idade eu já era consumidora de livros de histórias infantis. Adorava ler, as vezes meus pais tinham que esconder leituras impróprias para minha idade, porque, senão, eu lia tudo, até jornal!
      Bem, nessa época, eu escrevi um livro infantil com histórias fantasiosas, mas nunca esquecia de dar um final feliz! Mas eu nunca confundi as fantasias das histórias com a vida real, sempre soube discernir, mesmo sendo tão nova.

      O que pode estar acontecendo com essas crianças, é atribuírem histórias, causos, lendas a alguma divindade. Aí, meus caros, até adultos fazem confusão, e, muitos tem dificuldades em distinguir a realidade da ficção!

      Por exemplo, papai noel, não é deus e não é diabo, coelhinho da páscoa, é um animal que bota ovo e fadinhas não são anjos. Tudo isso faz parte da fantasia infantil e todas as crianças sempre ouviram historinhas fantasiosas e nunca se assustaram com elas! Essas histórias são contadas há séculos e dizem, os estudiosos que contribuem para o desenvolvimento das crianças.

  2. Imagino que deva ser difícil para uma criança em formação entender como uma burra pode falar, como um morto pode ressuscitar, como uma serpente pode oferecer uma fruta a um ser humano, como podem existir unicórnio, como o sol pode parar no firmamento. Talvez seja mais fácil entender o fato de o homem ter vindo do barro, afinal, Gepeto também criou o Pinochio com restos de madeira. Mesmo assim, lá na frente, essa criança irá questionar como pode deus ter criado o homem e a mulher, se existe o hermafrodita.
    No último curso que fiz, na aula de Geologia, uma senhora evangélica de 62 anos criou o maior alvoroço, quando o professor explicou a teoria do “Bib Bang”. Claro que ela ficou reprovada, e não só em Geologia, mas também em Química e Biogeografia. Fé em excesso atrofia a mente.
    .

    • Eu sou evangélica.
      Fui criada assistindo todos os filmes da então Disney… em meio as fadas, princesas sem mãe,
      Ratos falantes, bonecos de madeira que tem vida própria e se transforma em criança e assim vai… Hoje nos meus 46anos sei perfeitamente diferenciar o real do imaginário e, creiam,sou muito feliz e antenada com o mundo violento em que vivemos.
      Essa pesquisa foi pessimamente elaborada.

    • Bom Dia! José Claudio: Você quer dizer que uma fé demasiada atrofia a mente? Pode explicar melhor? Acredito que dessa sua expressão podem derivar muitas interpretações. Pode explicar melhor?

    • Prezado Cláudio, aprenda a separar fé e fanatismo. Até porque são antagônicas do ponto de vista Bíblico, que nos exorta a conhecer e prosseguir em conhecer a Deus.
      Quanto as teorias diversas que tentam explicar a origem da vida, da alma, etc, são teorias e de fato não provam muitas coisas, até porque muitas delas não podem ser comprovadas por meio do experimento ou repetições. (ex. a Teoria da abiogênese – associação aleatória de aminoácidos só funcionaria no vácuo sem a presença do oxigênio – elemento essencial para a geração da vida).
      Não digo com isso que devam ser descartadas ou sejam inúteis. São caminhos possíveis a investigação científica nos ajudam em muitas outras buscas, inclusive nas que propõem explicar. De fato em nada invalidam a fé.
      As escrituras por sua vez, não são um tratado científico e não se apresentam como tal. São o testemunho da saberdoria divina e o seu querer para o homem – criado a sua imagem e semelhança. Considere uma coisa: como moisés escreveria no relato da criação (Gn 1-2) que Deus fez o homem a partir de estruturas genéticas, de processos químicos, etc; se não conhecia essas expressões? Quanto aos hermafroditas. Hermafroditas de fato são seres que possuem capacidade de se autofertilizar – autogestação, como as minhocas. No caso do seres humanos o que apresentam são deformações genéticas (cromossomopatias), isso quer dizer que não estão num estado de harmonia, por isso não seriam um exemplo de descrédito a narrativa bíblica.
      abç.

      • Moisés poderia não conhecer as expressões que você citou no seu comentário, mas deus deveria conhecer e passar essas informações a ele. Outro ponto importante a ser abordado na criação é o fato de os homens daquela época acreditarem, dentre outros absurdos, que a Terra era plana e era o centro do Universo. O sol girava em torno dela e poderia parar no firmamento, de acordo com a vontade de deus. Deus deveria saber que não era, afinal, ele foi o “criador” da Terra. Mesmo assim não repassou estas informações, e só foram contestadas milênios mais tarde pelos cientistas, a maioria considerada herege por desatar os cânones da bíblia.
        Quanto aos hermafroditas, citei o caso dos humanos, e é o indivíduo que nasce com dois órgãos genitais, tanto masculino quanto feminino, ao mesmo tempo. Alguns talvez possam se autofertilizar, mas este não é o cerne da discussão. A discussão gira em torno desta suposta criação à imagem e semelhança de deus. Se a criação de deus é perfeita, de onde surgiu essa criatura que, por causa de tabus religiosos, se mostra como uma aberração e tem medo de se mostrar, como acontecia (e ainda acontece) com os homosseuxuais?
        .
        .

        • Boas colocações! Quanto as expressões e termos científicos, em primeiro lugar elas foram cunhadas pelos próprios cientistas, via de regra são nomeadas por algum método utilizado ou até pelo nome do pesquisador. Deus por sua vez tem a liberdade de chamar do que quizer pois é livre e está acima das leis, que do nosso ponto de vista são utilizadas para regência das coisas existentes (física, química, bilogia, …). Há atributos do próprio Deus que não são comunicados, ou seja, não temos uma dimensão para categorizá-los: eternidade, infinitude, independência, onipresença, etc.
          Quanto a comunicação de sua vontade, sabedoria e ser, nada mais apropriado que em palavras compreensíveis a nós, no caso do pentateuco a Moisés, aos profetas de tantas outras maneiras, pela denúncia da corrupção do seu tempo, por oráculos proféticos, por parábolas, etc.
          Quanto a alegação da “perfeição da criação”, o proprio livro de gêneses, diz:
          maldita será a terra por tua causa. (…) Ela te produzirá espinhos e abrolhos, e tu comerás a erva da terra.” Gênesis 3:17-19 (parte). Desde os primeiros homens, identificados por Adão e Eva(macho e fêmea) a terra está num processo de continuo desgaste e desarmonia, por nossa própria ação, escolhas, regência, subjugo…

          • Bom, eu acho um absurdo esse deus ter derramado esta maldição sobre toda a humanidade pelo simples fato de um débil mental (criado por ele) ter aceitado um certo fruto proibido da mulher que foi enganada por uma serpente falante (isso não seria mitologia?). Mas prefiro não discutir. Afinal, em termos teológicos, sou um analfabeto e quero continuar a sê-lo. Não quero ficar louco tentando administrar e entender tantas controvérsias, lendas, fábulas e mitos. Mas, por favor, não tente fazer disso uma verdade incontestável. Diante de intelectuais e pessoas eruditas, você vai se expor ao ridículo.
            .

    • José Cláudio

      Discordo de você, você não tem fé e tem a mente mais atrofiada que muitos analfabetos religiosos que conheço.

      Você reflete bem a decadência daquilo que você mesmo considera correto. Já vi gays intelectuais e de mente aberta, muito inteligentes como Renato Russo, Cazuza e mais alguns outros. Agora, gay jumento, você é o primeiro que conheço!

      • Há um artigo disponível na Internet: “O medo causado pela inteligência”. Inteligência alheia incomoda, e eu tenho plena convicção disso, não com relação a mim, mas com relação aos outros. Tenho vários amigos intelectuais, artistas e eruditos, e todos concordam com meus pontos de vista. Esta é a diferença entre ser descendente do Homo sapiens e de Adão.
        .

        • José Cláudio

          Eu não tenho a menor dúvida de que você realmente descenda de algum homo sapien!

          A sua chamada “inteligência” não me causa medo, mas me diverte muito!

          Mas eu gostaria de dizer que: Ou os seus amigos intelectuais, artistas e eruditos estão falhando em tentar te transformar em um igual, ou, se a influência deles sobre você, te transformou nisso que você mostra ser através de site, então eu posso apenas constatar que a raça humana já chegou no limite da evolução, e agora estamos regredindo gradativamente!!

          Se é que você me entendeu!!!

  3. A pesquisa deveria concluirentãoque, essas crianças crescem menos violentas e com a alma e espírito mais construído com a bondade e mansidão com relação ao próximo. Quanto as crianças que não tem essa oportunidade, ficam predispostas ao meio violento em que vivem e não teem a quem recorrer em tempos de tristeza e angústia.

  4. Engraçado essa pesquisa hei queridos…
    pois além de tendenciosa, ela também me parece não relatar a verdade de que crianças que são criadas com princípios e valores cristãos, se tronam melhores cidadãos, melhores maridos e esposas, tem compromisso com a ética e firmes no que é correto!
    Pois hoje a televisão não trazem nada de positivo a meus filhos, certo?? por isso realmente eu os distancio dela, e não me arrependo de fazer isso, e nem por isso serão alienados do meio.

    • ABSURDO LEVAR EM CONSIDERAÇÃO UMA ESTATÍSTICA COM POUCA AMOSTRAGEM COMO ESTA, PORQUE NÃO FAZEM UMA PESQUISA COM AS NORMAS DA ABNT???

      PQ NÃO PEGAM 100 PESSOAS E FAZEM UMA PESQUISA SOBRE QUEM VAI SE ELEGER PRESIDENTE (A)???

      EXISTEM PARÂMETROS QUE DEVEM SER LEVADOS EM CONSIDERAÇÃO.

DEIXE UMA RESPOSTA