Eduardo Cunha diz que jamais colocará a legalização do aborto em votação: “Nem que a vaca tussa”

60

O deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, afirmou que durante seu mandato à frente da instituição nenhum projeto favorável ao aborto será colocado em discussão.

“Aborto eu não vou pautar [para votação] nem que a vaca tussa”, disse Cunha durante entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo.

Integrante da bancada evangélica, Cunha reiterou sua posição considerada “conservadora” pela mídia, e disse que somente “por cima do meu cadáver” os projetos que preveem a descriminalização do aborto e a regulação da mídia serão votados na Câmara.

“O último projeto de aborto eu derrubei na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Regulação econômica de mídia já existe. Você não pode ter mais de cinco geradoras de televisão. No aborto, sou radical”, pontuou.


O projeto de regulação da mídia é uma das bandeiras do Partido dos Trabalhadores (PT) e é considerado uma forma de censura prévia às empresas de comunicação do Brasil, que perderiam parte da liberdade de imprensa.

A ideia de que existam sanções, multas ou cassação da concessão pública – nos casos de emissoras de rádio e TV – para empresas que atuem de forma contrária ao pretendido regulamento, é vista como um retrocesso social e democrático.

Homossexuais

Eduardo Cunha afirmou ainda que os projetos defendidos pelos ativistas gays são polêmicos e não representam a visão da maioria, apesar do grande espaço que ocupam na mídia e de seu poder de mobilização entre os militantes.

“Isso é mais discurso. Para pautar um projeto, ele tem que ter apoio suficiente. Não tenho que ser bonzinho. Eles querem que isso seja a agenda do país, mas não é. Não tem um projeto deles na pauta para ir a votação. Tenho que me preocupar com o que a sociedade está pedindo e não é isso”, concluiu.


60 COMENTÁRIOS

    • Acredito que ele falou isso porque não há qualquer interesse sério em mandar um projeto desses para o plenário. Ninguém, a não ser um louco, pode ser a favor do aborto. Os que defendem o direito de abortar – eu sou totalmente contra o aborto, só não sou contra aquele em que a vida da mãe corre risco, mas, confesso, não gosto muito de falar desse assunto porque acho que é tema para as mulheres pautarem e deliberarem, afinal são elas, e não nós, os sacudos, as que trazem o feto no ventre – o defendem observando-se certos limites como o tempo de gravidez.

      Quanto aos evangélicos alienados, homofóbicos e dominionistas que acham que o atual presidente vai instituir no Brasil um califado pentecostal, podem ir tirando o cavalinho da chuva que esse dia nunca chegará, pois sua religião de intolerância, confusão, curandeirismo, comércio do Evangelho, obscurantismo, para citar apenas algumas características, não demora muitos anos e começará a afundar, assim como afundou o titanic, pois essas formas de religiões fundamentalistas e obscurantistas, estão fadadas ao desaparecimento em face da desilusão do povo com esses cultos, o avanço e progresso da ciência e a cada vez maior educação universitária da população.

  1. ““Isso é mais discurso. Para pautar um projeto, ele tem que ter apoio suficiente. Não tenho que ser bonzinho. Eles querem que isso seja a agenda do país, mas não é. Não tem um projeto deles na pauta para ir a votação. Tenho que me preocupar com o que a sociedade está pedindo e não é isso”

    Perfeito, mas ainda prefiro aguardar um pouco mais antes de tecer qualquer avaliação.

    • Zambujeiro
      ” Não tenho que ser bonzinho.”
      Tú não seria nem se quisesse. Afinal, bondade não é de tua natureza.
      A tua natureza é outra e boa parte dos que postam por aqui já se deram
      de conta.

      “Perfeito, mas ainda prefiro aguardar um pouco mais antes de tecer qualquer avaliação.”
      Tú é psicólogo? Ou outro profissional de área com capacidade para realizar análises quanto ao comportamento alheio? Sabemos que não.
      Então não seja hipócrita e faça uma sobre tua própria vida.

      “Mateus 7
      …4 E como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? 5 Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho, e então poderás ver com clareza para tirar o cisco do olho de teu irmão.”

      • E ainda:
        Aranhas tecem teias, Bicho da seda tece casulos. Mas serpentes não tecem nada.
        Serpentes destilam veneno. É onde tú se enquadra bem. Verme ignorante.
        Serpentes por serem asquerosas, não conseguem congregar. Vão e abrem um pardieiro de fundo de quintal, para ditarem as próprias normas. Não se sujeitam a autoridade levantada por Deus. Só criam problemas e não conseguem, ainda que queiram, conquistar a confiança de seus irmãos. E olhe só quem se enquadra nessa condição, por ter um espirito rebelde igual a ti. Alexandre ” O latoeiro”. Agora, já que tú gostas de fazer análises, te forneço este parâmetro para que vejas como te enquadras nele:

        DEMAS e ALEXANDRE, o Latoeiro

        Segundo a Bíblia Sagrada, Demas e Alexandre o Latoeiro foram Obreiros do Apostolo Paulo, por volta do ano 60 do Século I. Nessa época, Demas teria sido um Obreiro de valor, pois se dedicava à obra de Deus, tendo sido até elogiado pelo Apóstolo Paulo (Colossenses cap. 4, vers. 14 – Filemon cap. 1, vers. 24). Mas, conforme todos nós sabemos, as perseguições para quem é da fé são muitas e não foi diferente com os Obreiros Demas e Alexandre.

        Após se passarem aproximadamente 06 ou 07 anos de Ministério, Demas caiu fora da Obra e abandonou o seu Ministério. A história relata que, durante o Governo do Imperador Nero, as perseguições foram enormes contra os cristãos e por isso, Demas e Alexandre, o Latoeiro, desanimaram e saíram da Obra do Senhor.

        Observe que, na segunda Carta que Paulo escreveu à Timóteo, já por volta dos anos 66 ou 67 D.C, ele relatou que Demas o abandonou e saiu da Obra (2ª Timóteo cap. 4, vers. 10).

        Já Alexandre, o latoeiro, foi pior que Demas! Apesar de também ter saído da Obra, ele passou a perseguir o Apóstolo Paulo, chegando a ponto de interferir na sua sentença em Roma, causando-lhe muitos males (2ª Timóteo, cap. 4, vers. 14). Mesmo assim, Paulo orou por ele e entregou o caso nas Mãos de Deus, pedindo justiça.

        Nesse período, o Apóstolo Paulo se encontrava preso e sendo julgado em Roma e foi severamente prejudicado por esse ex-obreiro chamado Alexandre. Tinha esse apelido de Latoeiro, porque como é do conhecimento de todos, latoeiro é uma espécie de artesão, que trabalha com metais, cobres, etc.

        Ele se tornou um inimigo da Obra de Cristo, um verdadeiro empecilho. Qual líder (Pastor) que já não tenha sofrido com algum “Alexandre da vida”, que causa tantos males?

        Quantos Obreiros ou evangelistas que conhecemos, que hoje estão parados, sem forças, sem ânimo e na maioria das vezes, fracassados espiritualmente? Então vigiemos e oremos para que Deus nos dê forças para continuarmos firmes neste Ministério e jamais nos deixe cair na fé.

        ” citação alheia”

        Viste só? . Quanto a mim? Congrego no mesmo ministério, desde criança. Me sujeitando a palavra e aturando ” ratos, patifes e facínoras”, esperando pelo dia em que o Eterno peneire sua obra, e que o cisco, a palha, o joio sejam queimados. Mas ainda há tempo para ti, te arrependa, peça perdão ao teu pastor, encare a disciplina e o o REI DA ETERNIDADE te salvará.

        • Como você é incapaz de produzir um conteúdo que preste recorreu ao blog do Eudes Borges para escrever sobre Demas e o Alexandre Latoeiro.

          Se conhecesse as escrituras não precisaria recorrer a terceiros para tal.

          Mas enfim, a descrição do Alexandre Latoeiro é exatamente a sua, por isso, mantenho o apelido carinhoso.

          • Zambujeiro

            Eu disse: citação alheia . Ou tu é cego.
            O único apostata, membro da sinagoga de satanás por aqui é vc
            logo o apelido carinhoso lhe cai muito bem.
            latoeiro, que era a profissão do rebelde, zambujeiro bravo ou falsa oliveira, e ainda jaguara , cachorro sem pedigree. Logo em sendo o alimento somente para os filhos, compreendo que vc se dê por satisfeito apenas com o palcebo.kkk
            A proposito: te dei uma ordem para fazer uma atividade extracurricular já fez? Caso não, ponha-se a caminho imediatamente e para de chafurdar os irmãos sinceros que vem aqui para confraternizar. Caso não tenha capacidade para se comportar entre o grupo vá se disciplinar. Pode ser lá no teu chiqueirinho de fundo de quintal. Vá na paz.

      • Latoeiro,

        1º Quem disse ” Não tenho que ser bonzinho.” não foi eu, antes, a pessoa citada na matéria, Deputado Eduardo Cunha, talvez você não saiba para que servem as aspas, não lhe culpo, afinal você é professor de história (kkkk) e não de Língua Portuguesa.

        2º Você diz:
        “Tú é psicólogo? Ou outro profissional de área com capacidade para realizar análises quanto ao comportamento alheio?”

        Não sou psicólogo, mas para entender que você tem problemas mentais graves eu nem precisaria sê-lo. Quanto à analise de comportamento alheio, é ÓBVIO, que eu analiso e se você fizesse o mesmo não seria enganado pelos genocidas comunistas.

      • Latoeiro,

        1º Quem disse ” Não tenho que ser bonzinho.” não foi eu, antes, a pessoa citada na matéria, Dep ut ado Eduardo Cunha, talvez você não saiba para que servem as aspas, não lhe culpo, afinal você é professor de história (kkkk) e não de Língua Portuguesa.

        2º Você diz:
        “Tú é psicólogo? Ou outro profissional de área com capacidade para realizar análises quanto ao comportamento alheio?”

        Não sou psicólogo, mas para entender que você tem problemas mentais graves eu nem precisaria sê-lo. Quanto à analise de comportamento alheio, é ÓBVIO, que eu analiso e se você fizesse o mesmo não seria enganado pelos genocidas comunistas.

        • Os únicos genocidas do planeta são teus maridos capitalistas que fazem incursões ao oriente médio para lhes roubar os recursos.
          Vosso pai é Adam Smith, o maior de todos os ladrões, após ele vem Malthus , pstor anglicano, responsável pelo salário miserável e criador de condições favoráveis para o proselitismo religioso e um discurso conformista. Durante a era destes ladrões a unica voz a se opor foi o papa Leão Xlll ao publicar a encíclica rerum novarum.
          Aqui vai um trecho dela, belzebu.

          2. Em todo o caso, estamos persuadidos, e todos concordam nisto, de que é necessário, com medidas prontas e eficazes, vir em auxílio dos homens das classes inferiores, atendendo a que eles estão, pela maior parte, numa situação de infortúnio e de miséria imerecida. O século passado destruiu, sem as substituir por coisa alguma, as corporações antigas, que eram para eles uma protecção; os princípios e o sentimento religioso desapareceram das leis e das instituições públicas, e assim, pouco a pouco, os trabalhadores, isolados e sem defesa, têm-se visto, com o decorrer do tempo, entregues à mercê de senhores desumanos e à cobiça duma concorrência desenfreada. A usura voraz veio agravar ainda mais o mal. Condenada muitas vezes pelo julgamento da Igreja, não tem deixado de ser praticada sob outra forma por homens ávidos de ganância, e de insaciável ambição. A tudo isto deve acrescentar-se o monopólio do trabalho e dos papéis de crédito, que se tornaram o quinhão dum pequeno número de ricos e de opulentos, que impõem assim um jugo quase servil à imensa multidão dos proletários.

          E depois disso é que surgiram os sindicatos, seu rato.

          • Caro Latoeiro,

            Muito bom você citar o Papa Leão XIII, você sabe o que ele achava acerca do Socialismo? Provavelmente não…rs…fraquinho você…rs Vou colocar aqui algumas frases de Leão XIII acerca deste maldito sistema que você defende, mostrando claramente que o fato de ele fazer uma defesa dos menos favorecidos no contexto da época não é e nunca foi aval para implantação deste regime nefasto chamado Socialismo.

            Lá vai, nobre professor de história…rs

            LEÃO XIII:

            “Não ajudar o socialismo – 34. Tomai ademais sumo cuidado para que os filhos da Igreja Católica não dêem seu nome nem façam favor nenhum a essa detestável seita” (Quod Apostolici Muneris, no. 34).

            “Porque enquanto os socialistas, apresentando o direito de propriedade como invenção humana contrária a igualdade natural entre os homens; enquanto, proclamando a comunidade de bens, declaram que não pode tratar-se com paciência a pobreza e que impunemente se pode violar a propriedade e os direitos dos ricos, a Igreja reconhece muito mais sabia e utilmente que a desigualdade existe entre os homens, naturalmente dissemelhantes pelas forças do corpo e do espírito, e que essa desigualdade existe até na posse dos bens. 29. Ordena, ademais, que o direito de propriedade e de domínio, procedente da própria natureza, se mantenha intacto e inviolado nas mãos de quem o possui, porque sabe que o roubo e a rapina foram condenados pela lei natural de Deus” (Quod Apostolici Muneris, – Encíclica contra as seitas socialistas, no. 28/29).

            “Entretanto, embora os socialistas, abusando do próprio Evangelho para enganar mais facilmente os incautos, costumem torcer seu ditame, contudo, há tão grande diferença entre seus perversos dogmas e a puríssima doutrina de Cristo, que não poderia ser maior” (Quod Apostolici Muneris, 14).

            “25. Daquela heresia (protestantismo) nasceu no século passado o filosofismo, o chamado direito novo, a soberania popular, e recentemente uma licença, incipiente e ignara, que muitos qualificam apenas de liberdade; tudo isso trouxe essas pragas que não longe exercem seus estragos, que se chamam comunismo, socialismo e nihilismo, tremendos monstros da sociedade civil” (Diuturnum, Encíclica sobre a origem do poder- n° 25).

            “A Igreja, pregando aos homens que eles são todos filhos do mesmo Pai celeste, reconhece como uma condição providencial da sociedade humana a distinção das classes; por esta razão Ela ensina que apenas o respeito recíproco dos direitos e deveres, e a caridade mútua darão o segredo do justo equilíbrio, do bem estar honesto, da verdadeira paz e prosperidade dos povos. (…) “Mais uma vez Nós o declaramos: o remédio para esses males [da sociedade] não será jamais a igualdade subversiva das ordens sociais” ( Alocução de 24/01/1903 ao Patriarcado e à Nobreza Romana).

            ” Importa, por conseqüência que nada lhe seja à democracia cristã mais sagrado do que a justiça que prescreve a manutenção integral do direito de propriedade e de posse; que defenda a distinção de classes que sem contradição são próprias de um Estado bem constituído”. ( Leão XIII, Graves de Communi Re n° 4).

            “A sociedade humana, tal qual Deus a estabeleceu, é formada de elementos desiguais, como desiguais são os membros do corpo humano; torná-los todos iguais é impossível: resultaria disso a própria destruição da sociedade humana.”

            “A igualdade dos diversos membros sociais consiste somente no fato de todos os homens terem a sua origem em Deus Criador; foram resgatados por Jesus Cristo e devem, segundo a regra exata dos seus méritos, serem julgados por Deus e por Ele recompensados ou punidos.”

            “Disso resulta que, segundo a ordem estabelecida por Deus, deve haver na sociedade príncipes e vassalos, patrões e proletários, ricos e pobres, sábios e ignorantes, nobres e plebeus, os quais todos, unidos por um laço comum de amor, se ajudam mutuamente para alcançarem o seu fim último no Céu e o seu bem-estar moral e material na terra.” (extraída da Encíclica Quod Apostolici Muneris)

    • É mesmo? E por isso um tema não deve ser votado no Congresso que, aliás, existe justamente para votar leis? Se é assim, então que se dissolva o Congresso e se decida tudo por pesquisa de opinião. Quero ver restar um só culto fundamentalista mercadejador do Evangelho e curandeirista quando a maioria esmagadora de católicos opiniar, por exemplo, qual deve ser a religião oficial do Brasil. Volta pra escola, seu sem noção, e vai aprender o que significa democracia e o que significa tirania de maioria!

  2. esta de parabems nosso deputado eduardo cunha com seu posicionamento sobre a legalisaçao do aborto bom seria se ele fosse firme tambem nao favoravel a legalisaçao do casamento gay porque nsso pais tem a fama de ser o pais da liberdade e por causa disso os governantes estao perdendo o controle da falta de moral e boms costumes do nsso povo legalisaçao do aborto e casamento gay e uma aberraçao da naturesa tudo bem cada um swabe o que quer fais parte da liberdade de expreçao e faser o que qiser mais niguem e obrigado a assistir essa vergonha seria bom se isso fosse no pais da indonesia aonde a tolerança e zero nos tivemos nosso conterrano que estava acostumado com democracia brasileira foi faser la na indonesia se ferrou manda essa turma pra la

    • regis,

      A postura dele é justamente uma postura democrática, pois, vai pautar aquilo que é de interesse da sociedade e não de meia dúzia de grupos ditos minoritários.

      • Mais uma vez você esta enganado, Marcos Oliveira, pois qualquer projeto de lei que reúna as condições para ir a plenário, irá. Ele pode até obstaculizar, mas não poderá impedir o tempo todo, até porque há a pressão do Congresso. Outra tolice sua – e dos demais pedantes e mal informados como você – é supor que esse senhor que responde inúmeros processos na Justiça, inclusive no Supremo Tribunal Federal, terá poderes de rei absolutista para mandar e desamandar. Você não entende nada de política, muito menos de como funciona os bastidores do Congresso Nacional.

        • Ei, ei, alto lá.

          Eu em nenhum lugar defendi o Eduardo Cunha e nem o vejo como meu representante, inclusive não me sinto representado por nenhum político, só para começar.

          Só achei acertada a atitude de pautar o que a sociedade quer e não o que meia duzia deseja. E novamente, quem pauta os projetos que devem ser discutido é o Presidente da Câmara e ponto final.

          Aí você me vem com essa pérola:

          “Você não entende nada de política, muito menos de como funciona os bastidores do Congresso Nacional.”

          Me parece que quem não entende não sou eu.

          • Não seja cínico, Marcos Oliveira! Tenha caráter e pelo menos assuma seu obscurantismo e fundamentalismo religioso que deseja o fim do estado laico! Pensa que engana quem com essa conversinha, cidadão?

          • Novamente,

            Não me meça pela sua régua, quem faz discurso em causa própria aqui é você e não eu, se há uma coisa que eu defendo aqui é a verdade independente de qualquer coisa, já pra você a verdade é relativa e só é válida quando lhe beneficía. Então, o cínico aqui não sou eu.

            Não me acuse de algo que eu nunca fiz. Há milhares de postagens minhas aqui, procure uma por uma e cole aqui alguma em que eu tenha sugerido tal coisa.

      • Elder Lima, a sua máscara de bom moço acaba de cair! Meu Deus, como você conseguiu a proeza de atuar contra si mesmo ao se contradizer em uma única frase, ou seja, como pôde falar em democracia, e, ao mesmo tempo, mandar o descontente – democracia pressupõe a existência e o direito de expressão do descontente! – cair fora? E se você ainda não sabe, cidadão, democracia não é só o direito de maioria, pois isto se chama Tirania da maioria; democracia é respeitar também o direito de minoria. Observe, a propósito, esta perfeita definição: “A democracia não é apenas a lei da maioria, é a lei da maioria respeitando o direito das minorias.” (Clement Attlee)

        Em tempo: definição de Tirania da maioria:

        “Tirania da maioria, Tirania das massas ou ditadura da maioria é um termo utilizado em discussões acerca de democracias com decisões por maioria absoluta, para descrever cenários em que os interesses de minorias são consistentemente obstaculizados por uma maioria eleitoral, constituindo uma opressão comparável à das tiranias.1 Os casos mais comuns são as discriminações contra grupos étnicos, raciais, religiosos, homossexuais, entre outros. A expressão “tolerância repressiva” também costuma ser associada à tirania da maioria.

        Em Ciência política, é a rotulação dada aos sistemas políticos nos quais a maioria dita as regras, sem apelo por justiça ou equidade. Seu principal problema é o desrespeito às minorias e opiniões discordantes, requisitos considerados essenciais para a Democracia.

        Uma das formas mais comuns de se evitar a tirania por parte de parcelas majoritárias de uma sociedade é criar cláusulas constitucionais, utilizar sistemas eleitorais elaborados com a preocupação de evitá-la e criar estatutos que protejam determinado grupo minoritário, bem como a separação dos poderes.

        Terminologia

        O termo usado na Grécia Clássica e na Grécia Helenística para a opressão popular foi oclocracia. A primeira referência a este conceito deve-se a Sócrates, num dos seus diálogos na obra Górgias, que foi escrito por Platão. O conceito de “Tirania da Maioria” de Sócrates (e Platão) foi depois repescado por outros autores, mantendo o significado original.

        A expressão “tirania da maioria” foi usada por John Adams em 1788,3 ganhando proeminência depois de aparecer em 1835, em Democracy in America, de Alexis de Tocqueville, quando foi título de uma seção.4 O termo foi popularizado por John Stuart Mill, quando citou Tocqueville, em On Liberty (1859). O Federalist Papers refere-se a um conceito amplo, como em Federalist 10, primeiramente publicado em 1787, que chama de “a força superior de uma maioria interessada e arrogante.”

        Lord Acton também utiliza o termo, dizendo:

        The one pervading evil of democracy is the tyranny of the majority, or rather of that party, not always the majority, that succeeds, by force or fraud, in carrying elections.
        —The History of Freedom in Antiquity”

        Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre (termo pesquisado “Tirania de Maioria”

        • Sandro

          Me diga quando eu me declarei um bom moço?

          Apesar do conteúdo carregado de sarcasmo, me diga o que está incorreto?

          em um outro comentário você me chamou de “desonesto intelectual”, e o que você está sendo agora?

          Ora, se pesquisas mostram, e você sabe disso, que a grande maioria do povo brasileiro É CONTRA O ABORTO, por que cargas d’água esse assunto deve ser discutido, já que não é do interesse da nação?

          Camarada, é um raciocínio muito simples: Se de 20 pessoas, 19 pensam de uma forma, e apenas 1 pensa diferente, o que você acha que prevalece?

          Sandro, uma coisa tenho que reconhecer em você; você sabe usar muito bem o jogo de palavras quando se trata de colocar determinada situação a seu favor.

          Não retiro uma vírgula do que eu disse; se o indivíduo é favorável ao aborto, que vá a um país onde essa prática seja “legal”.
          Além do mais, não são vocês mesmo que dizem: “O país não é uma teocracia, então que se mudem para os países africanos onde existe a ditadura evangélica”?

          Talvez você nunca tenha dito isso, mas muitos dos seus partidários de opinião, repetem essa ladainha a toda hora!

  3. Redação Pragmatismo
    Redação Pragmatismo
    Editor(a)
    Compartilhar
    41 mil
    245
    BOLSA FAMÍLIA04/FEB/2015 ÀS 15:00
    48
    COMENTÁRIOSContra o Bolsa Família, a favor do Bolsa Madame
    A elite que odeia e combate o Bolsa Família é a mesma que não consegue ficar longe das tetas do estado

    mulheres eduardo cunha bolsa família
    Ana Helena Tavares, QTMD? (Quem tem medo da democracia?)
    Um grupo de mulheres de deputados reúne-se num chá oferecido por uma delas. O convidado de honra é Eduardo Cunha. No cardápio, um pedido para que volte um benefício que garante às madames passagens de graça para acompanhar os maridos.
    O que isso diz sobre a sociedade brasileira? Machismo em alto grau partindo de mulheres. Hipocrisia de uma elite carcomida que combate políticas públicas para os mais pobres, mas não se acanha em usar e abusar das mordomias do Estado.
    A uma ex-catadora de papelão, que se tornou presidente da Petrobrás, não é permitido roubar. Se roubou ou não pouco importa. Não é com isso que as madames bem-nascidas estão preocupadas. Ela simplesmente não pode roubar. Os maridos iluminados podem.
    Num mundo em que todos comam, onde todas as classes, cores e credos sejam julgados da mesma maneira, como madame poderá ser madame? Como aeroportos poderão ter o vazio sepulcral dos lugares reservados a privilegiados?
    É dolorosamente atual a frase de Raymundo Faoro: “Eles querem um país de 20 milhões de habitantes e uma democracia sem povo”. E como dói constatar que, depois de tantas lutas por direitos iguais, elas também querem isso.
    Não são todas, é claro, para alívio da nação, mas a composição do Congresso que toma posse neste domingo, 1º de fevereiro de 2015, não deixa dúvidas quanto ao caráter conservador, machista, preconceituoso, da maior parte da sociedade brasileira.
    O dinheiro pode ser livre – para quem convém que seja livre. Seres humanos têm que viver presos. Presos à moral alheia, presos a dogmas. E, aqueles que “não deram certo”, presos a grades. Quiçá, mortos.
    Num país de senzalas inconfessas, não é de se espantar que distintas senhoras não se contentem em viver à custa de homens. Querem mamar nas tetas do erário. Não lhes envergonha em nada receber o “bolsa-madame”. Faz parte da nossa tradição secular.
    Se forem vistas por aí em alguma passeata contra a roubalheira na Petrobras e contra o bolsa família, dirão que estão lutando para salvar o Brasil. E serão capa da maior revista semanal, como já foi o “caçador de marajás”. A honestidade dos que dizem lutar contra a corrupção me comove.

  4. Povo evangélico em sua maioria burro e gado de manobra.
    Elegeram homem que vai perpetuar e legalizar o financiamento de campanha o qual é financiamento privado (pelas mega empresas e bancos) de campanha o qual é o amago da corrupção no país.Vocês estão fazendo a vontade do diabo o seu pai.
    Cunha vence 1ª batalha e abre caminho para financiamento eleitoral privado
    Presidente instala a Comissão Especial da “PEC Vaccarezza”, que torna constitucional o financiamento privado das campanhas. PT, PCdoB, PSOL e PV foram contra

    compartilhar: Facebook Google+ Twitter

    postado em 03/02/2015 21:42 / atualizado em 03/02/2015 23:45
    Andre Shalders /Correio Braziliense
    A Câmara dos Deputados decidiu nesta terça (3/2) pela criação da comissão especial que analisará a PEC 352 de 2013, sobre a reforma política. Conhecida como “PEC Vacarezza”, a proposta é criticada por inserir na Constituição o financiamento de campanhas eleitorais por empresas privadas. PT, PSOL, PV e PCdoB, que não concordam com a proposta, fizeram uma série de manobras regimentais para impedir a votação da matéria, que foi apresentada pelo ex-deputado Cândido Vacarezza (PT-SP). Os integrantes da nova comissão ainda serão definidos. “É o passo inicial da reforma política”, disse Cunha após a votação, que durou até as 23h.

    O presidente disse ainda que o objetivo é que a reforma esteja valendo já nas próximas eleições municipais. “Nós estamos precisando dar um rumo. Se nós não tivermos uma matéria que possa ser sancionada até 30 de setembro, não valerá para as eleições de 2016. Então, nós vamos fingir de novo. E aí, quando chegar 2016, o eleitor vai descobrir que será igual a 2014”, disse ele.

    “O presidente Eduardo Cunha disse explicitamente, durante a reunião de líderes mais cedo, que o objetivo é acelerar a votação desse projeto antes que o Supremo decida pela inconstitucionalidade do financiamento privado”, disse o deputado Alessandro Molon (PT-RJ). A referência é a uma Ação Direta de Inconstitucionalidade apresentada pela OAB. Seis ministros do STF já se manifestaram pela inconstitucionalidade do financiamento empresarial. O julgamento está suspenso por um pedido de vistas do ministro Gilmar Mendes.

  5. Povo evangélico em sua maioria gado de manobra.
    Elegeram homem que vai perpetuar e legalizar o financiamento de campanha o qual é financiamento privado (pelas mega empresas e bancos) de campanha o qual é o amago da corrupção no país.Vocês estão fazendo a vontade do diabo o seu pai.

    A favor do financiamento privado de campanha

    O carioca foi um dos principais adversários do projeto do Marco Civil da Internet na casa. Acusado de ser o porta-voz das empresas de telecomunicações, Cunha foi contra a neutralidade da rede, que proíbe as empresas da manipular as informações de dados que passa pelos seus cabos.

    Outro ponto em que Cunha entra em rota de colisão com o PT é na reforma política. Ele criou uma comissão especial para analisar a Proposta de Emenda Constitucional 352/13 que trata de assuntos como o fim da reeleição para cargos no executivo, fim do voto obrigatório e um sistema de financiamento misto de campanha, com doações privadas e públicas.

    Durante a campanha eleitoral, a presidenta Dilma Rousseff declarou que apoia o Plebiscito pela Constituinte Exclusiva da Reforma do sistema político brasileiro. Ano passado quase 8 milhões de pessoas votaram no plebiscito nacional e 97% disseram ser a favor da reforma política via Constituinte exclusiva.

      • Não seja desonesto intelectual, Elder Lima! Onde foi que ele falou qualquer coisa a respeito de aborto? É triste dizer, mas vocês, evangélicos, são claramente mal informados e tristemente pedantes. Isto é fato!

        • Sandro

          “Desonesto intelectual” gostei da definição! rsrsrs!!!!

          Ok, eu posso até estar sendo um “Desonesto intelectual”, mas prefiro assim ao ser um “embromador intelectual”, e é exatamente isso que você está sendo! E uso essa expressão por que o respeito, e não quero lhe chamar de hipócrita.

          As pessoas procuram várias maneiras ou caminhos, pra defender posturas ou atitudes antiéticas. Como é o caso do “digníssimo” André!

  6. Povo evangélico em sua maioria gado de manobra.
    Elegeram homem que vai perpetuar e legalizar o financiamento de campanha o qual é financiamento privado (pelas mega empresas e bancos) de campanha o qual é o amago da corrupção no país.Vocês estão fazendo a vontade do diabo o seu pai.
    Vocês são usados por Mamon, Eduardo Cunha representa o o poder financeiro ou o seja o próprio diabo.

    Vitória de Eduardo Cunha é coroamento de sistema político apodrecido

    As vísceras do sistema político brasileiro estão expostas com a eleição do deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para a presidência da Câmara dos Deputados.

    Reconhecido como operador dos interesses das grandes empresas no Congresso Nacional, o deputado carioca é um dos parlamentares que mais arrecada recursos para campanhas eleitorais.

    Cunha não escamoteia o tipo de relação que constrói com bancos, empreiteiras, mineradoras, operadoras de planos de saúde, agronegócio, empresas de telefonia e do ramo de bebidas. “Há afinidade nas propostas”, explica.

    O comitê de Eduardo Cunha arrecadou R$ 6,8 milhões para a eleição do ano passado. Os gastos de campanha ficaram em R$ 6,4 milhões. Ou seja, sobrou dinheiro (leia mais aqui)

    “Este ano não tive dificuldade para captar. Até sobrou dinheiro na minha campanha”, admitiu Cunha. “Na maioria das vezes são as empresas que me procuram. Até porque tenho a mesma visão delas”.

    A máscara caiu. A eleição de Cunha é o fim da hipocrisia no Congresso. Esse negócio de representante do povo é coisa do passado. A verdade nua e crua é que esse sistema político foi sequestrado pelas grandes corporações e levou seu maior símbolo à presidência da Câmara.

    O odor de um sistema político podre exala ao folhear as páginas da Folha de S. Paulo. A institucionalidade que sustenta esse modelo de fazer política chegou a um paradoxo.

    Vamos às notícias:

    1- PMDB vai questionar na Justiça criação de partidos

    Depois da eleição, Cunha manifestou que o PMDB vai questionar na Justiça a criação de novos partidos, que são formados para burlar a legislação, que restringe a mudança dos parlamentares entre as legendas existentes, sob ameaça de perda do mandato.

    O desvio da infidelidade partidária teve como consequência um remendo patrocinado pelo STF na interpretação da legislação eleitoral, que deixou buracos e demanda um novo remendo nesse emaranhado institucional. Os parlamentares estão se lixando para os partidos e negociam essas mudanças justamente para barganhar seus votos em troca de cargos e emendas.

    2- Apoio no Congresso será condição para obter cargos, diz Mercadante

    Derrotado com o desfecho da disputa para a presidência da Câmara, o governo trabalha para reconstruir a base parlamentar. Depois de lotear o ministério entre os diversos partidos, os cargos de 2º escalão são a bola da vez.

    O preço da governabilidade é a distribuição de cargos. Ou seja, o Congresso não funciona a partir da discussão de projetos à luz dos interesses da sociedade, mas da “satisfação” dos parlamentares com cargos. Esse artifício tem nome: chantagem. E o governo é refém desse procedimento para viabilizar a governabilidade.

    O loteamento desses postos, que fazem interface do Estado com empresas privadas, cria as condições para o desvio de recursos para fins pessoais e eleitorais.

    3- Ives Gandra Da Silva Martins: A hipótese de culpa para o impeachment

    A Folha publica um artigo do renomado jurista nas hostes conservadoras Ives Gandra Da Silva Martins, professor emérito da Universidade Mackenzie, que defende a fundamentação jurídica para um pedido de impeachment da presidenta Dilma.

    O tutor da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército e da Escola Superior de Guerra apresenta uma interpretação da Constituição que abre margem para imputar culpa a Dilma por omissão, imperícia, negligência e imprudência no esquema de corrupção na Petrobras.

    Martins registra também que o julgamento de um impeachment pelo Congresso é mais político que jurídico, dando como exemplo o caso do presidente Fernando Collor, que foi afastado, mas absolvido pela suprema corte.

    As vísceras da política institucional estão à mostra. Depois da eleição de um parlamentar considerado um lobista das grandes empresas para a presidência da Câmara, a edição desta terça-feira da Folha desvela que esse sistema político é caracterizado pela infidelidade partidária e pelo loteamento de cargos do Estado para garantir a governabilidade.

    No entanto, a saída para a crise que o jornal ensaia está na seção de artigos, com a discussão sobre a viabilidade jurídica para o impeachment da presidenta. A salvação para os agentes e cúmplices desse sistema político é jogar a responsabilidade da sua crise terminal no colo de Dilma.

    Restará às forças democráticas mobilizar a sociedade diante de um quadro de crise institucional em torno de uma profunda reforma política, que será possível apenas com uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político.

    A eleição de Cunha representa um escudo para o atual sistema político. Confiar ao Congresso a legitimidade de fazer uma profunda reforma política pode ter um desfecho bastante diferente do desejado por aqueles que querem sinceramente purificar o jogo institucional no país.

    Igor Felippe
    No Escrevinhador

    Os bastidores da festa de comemoração de Eduardo Cunha (PMDB-RJ)

    Imagem ilustrativa
    Festa de comemoração pela vitória de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para a Presidência da Câmara teve impropérios contra Dilma e comentário sobre impeachment. Família do parlamentar deixou festa preparada em mansão no Lago Sul

    A vitória deveria parecer surpresa e a festa de comemoração, como se tivesse sido organizada de última hora. Mas a presença de manobristas, seguranças e jovens promoters uniformizadas na porta da mansão no Lago Sul de Brasília denunciavam que família e assessores de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) já haviam deixado tudo pronto para receber o novo presidente da Câmara domingo à noite, logo depois de concluída a eleição.

    Entre o tablado e o toldo, mesas iluminadas com velas, garçons circulando com uísque, champanhe e vinho e dois bufês com massa e risoto de camarão. Mas o cardápio principal era o de ‘pérolas’ e impropérios contra a presidente Dilma Rousseff, seu staff e o PT.

    “Ela vai ter de arrumar um bom articulador político, porque não gosta disso (de política)”, disse um deputado do PMDB. “Eduardo amenizou no discurso a questão das sequelas. Mas Dilma tem que fazer a parte dela”, completou esse parlamentar, em referência à ameaça feita pelo então candidato por causa da interferência do Palácio do Planalto na campanha em favor do derrotado Arlindo Chinaglia (PT-SP).

    O público da festa era majoritariamente de membros do baixo clero. O Pastor Everaldo (PSC), ex-candidato à Presidência da República, conversava discretamente sentado em uma mesa próxima à de Cunha e sua família.

    Já o também ex-candidato à Presidência Levy Fidelix (PRTB) soltava pérolas para quem quisesse ouvir. “A vida de Dilma vai ser um inferno. Vai vir impeachment”, disse, apesar de Cunha se dizer, horas antes, contrário à saída da presidente. “Ela vai ser ‘impeachada’ e quem vai assumir é o Temer, em nove meses”, profetizava.

    Fidelix também não poupou o PT do B, que ficou de fora do bloco de apoio de Cunha, apesar do acordo de apoio feito entre os partidos nanicos. “O PT do B é traidor”.

    Peemedebistas como o deputado Danilo Forte (CE) aproveitavam para fazer campanha pela liderança do partido. Cunha ficou à mesa com a família, mas não deixou de circular entre os seus convidados. Na fila do bufê, comentavam que o novo presidente precisou ir ao banheiro para falar ao telefone com privacidade. Conversou com o vice-presidente Michel Temer.

    No salão, uma banda tocava hits internacionais. Alguns convidados se afastaram um pouco para contemplar cacatuas e tucanos em gaiolas nos jardins da mansão do empresário Venâncio Júnior, de uma família de empreiteiros de Brasília.

    Curiosos, convidados atravessavam o jardim e davam uma olhada em outra festa repleta de jovens que acontecia à margem da piscina. Ao saber do evento, um deputado disse que não poderia ir até lá e explicou seus motivos: “Menina novinha não gosta de deputado velho. Gosta de dinheiro de deputado velho. E eu não tenho (dinheiro)”, afirmou.

    Já era madrugada e Cunha continuou na festa. Nesta segunda-feira, 2, já estava a postos no Supremo Tribunal Federal (STF) para encontrar o ministro Ricardo Lewandowski na abertura do início do ano judiciário. Nesta tarde, dá início às atividades no Congresso, que amanheceu com uma pilha de lixo que incluía cavaletes, banners e faixas da campanha que chegou ao fim.

    • Sim este Senhor, é a favor da continuação de que as empresas continuem a financiar os partidos e os sujos políticos, e desta forma continua a corrupção e favoritismo ou seja os políticos continuaram a trabalhar para os bancos e empresas e não pra você eleitor.
      Os evangélicos colocaram um demônio no poder o homem, foi o que mais recebeu recursos de campanha de bancos e grandes empresas entre os deputados.
      E é para os bancos e grandes corporações, que ele vai trabalhar.
      Cunha disse ser contra o fim do financiamento privado de campanha ou seja, as empresas e bancos vão continuar mandando neste país.e s políticos se tornando milionários coma propinas.
      Povo b u r r o.

    • Não só pode como fez. Talvez você poderia utilizar a expressão “Não deveria”, mas aí é sua opinião.

      O congresso deve representar sim toda a sociedade mas a agenda deve ser a dos anseios da maioria da população e não dos guetos organizados que representam minorias em troca de benefícios financeiros e patrocínios governamentais.

        • Sandro,

          Talvez você esteja desconectado do tópico e do artigo que trata acerca do que o Presidente da Câmara irá colocar como PAUTA DE VOTAÇÃO, e sim, quem estabelece o que vai ou não ser votado é ELE.

      • Assim escreveu o Marcos Oliveira: ”

        O congresso deve representar sim toda a sociedade mas a agenda deve ser a dos anseios da maioria da população e não dos guetos organizados que representam minorias em troca de benefícios financeiros e patrocínios governamentais.”

        Entretanto, sr. Marcos Oliveira, o que vossa senhoria escreveu aplica-se com extraordinária fidelidade aos guetos evangélicos organizados para, inclusive, obter favores, benefícios e patrocinios governamentais, entre os quais aqueles relacionados a Receita Federal.

        Vossa senhoria quis desferir um tiro, mas eis que os mesmo saiu pela culatra.

        • Caro Sandro,

          Apesar das longas discussões me é certo que você ainda não conseguiu absorver o meu entendimento acerca das coisas.

          Quando e onde eu defendi que parlamentares devam defender “causas evangélicas”? Onde você me viu comemorando a ascenção de algum “representante evangélico” no congresso por este fato?

          Não me confunda.

          Em relação à isenção de impostos para as igrejas, eu sou a favor, pois, o que a maioria das igrejas (independente se evangélica, católica ou espírita) fazem no âmbito social não se compara ao que o Estado faz. Porém, sou a favor de que isto seja medido e fiscalizado, ou seja, o que seria devido em impostos deveria ser comprovado em ações sociais. Se no mês a igreja deveria pagar R$ 1 Milhão em impostos ela fica isenta desde que comprove que gastou o montante em obras sociais.

          • Não me meça pela sua régua, quem faz discurso em causa própria aqui é você e não eu, se há uma coisa que eu defendo aqui é a verdade independente de qualquer coisa, já pra você a verdade é relativa e só é válida quando lhe beneficía. Então, o cínico aqui não sou eu.

  7. Com o empenho dele de apoiar o bilionário projeto do perdão de multas para as operadoras de saúde, para a infelicidade e morte dos brasileiros, fica explicado financiamento recebido para a sua eleição. Otarios não são os nordestinos, que dependem da bolsa-família, são os cariocas que votaram nesse político marginal

  8. Eu sou contra o aborto, pois sou a favor da proteção a vida, inclusive a vida dos animais.

    Agora, no caso em questão, o deputado esta sendo muito criticado por achar que tem poderes para decidir o que será ou não apreciado na Câmara, afinal estamos em um governo democratico e com três poderes (Legislativo, Executivo, Judiciário) e não em um califado evangélico onde um homem decide o que o parlmamento vota ou não.

  9. Eu sou contra o aborto, pois sou a favor da proteção a vida, inclusive a vida dos animais.

    Agora, no caso em questão, ele esta sendo muito criticado por achar que tem poderes para decidir o que será ou não apreciado na Câmara, afinal estamos em um governo democratico e com três poderes (Legislativo, Executivo, Judiciário) e não em um califado evangélico onde um homem decide o que o parlmamento vota ou não.

    • “ele esta sendo muito criticado por ACHAR que tem poderes para decidir o que será ou não apreciado na Câmara”

      ACHAR não, ele tem poder pra isso, pois, é uma atribuição do Presidente da Câmara definir as pautas.

        • Sandro,

          Você é que precisa se informar melhor:

          O Presidente é o representante da Câmara dos Deputados quando ela se pronuncia coletivamente e o supervisor dos seus trabalhos e da sua ordem. O cargo é privativo de brasileiro nato. Sua principal competência é DEFINIR A PAUTA DE PROPOSIÇÕES A SEREM DELIBERADAS PELO PLENÁRIO. Entre outras atribuições, o Presidente da Câmara dos Deputados substitui o Presidente da República e integra o Conselho da República e o Conselho de Defesa Nacional.

          Fonte: http : // www2. camara.leg.br/a-camara/conheca/como-funciona

        • Sandro,

          Você é que precisa se informar melhor:

          O Presidente é o representante da Câmara dos Deputados quando ela se pronuncia coletivamente e o supervisor dos seus trabalhos e da sua ordem. O cargo é privativo de brasileiro nato. Sua principal competência é DEFINIR A PAUTA DE PROPOSIÇÕES A SEREM DELIBERADAS PELO PLENÁRIO. Entre outras atribuições, o Presidente da Câmara dos Deputados substitui o Presidente da República e integra o Conselho da República e o Conselho de Defesa Nacional.

          Fonte: http : // www 2. camara .leg.br/ a-camara/conheca/como-funciona

        • Sandro,

          Você é que precisa se informar melhor:

          O Presidente é o representante da Câmara dos Depu tados quando ela se pronuncia coletivamente e o supervisor dos seus trabalhos e da sua ordem. O cargo é privativo de brasileiro nato. Sua principal competência é DEFINIR A PAUTA DE PROPOSIÇÕES A SEREM DELIBERADAS PELO PLENÁRIO. Entre outras atribuições, o Presidente da Câmara dos Deputados substitui o Presidente da República e integra o Conselho da República e o Conselho de Defesa Nacional.

          Fonte: http : // www 2. camara .leg.br/ a-camara/conheca/como-funciona

        • Sandro,

          Você é que precisa se informar melhor:

          O Presidente é o representante da Câmara dos Depu tados quando ela se pronuncia coletivamente e o supervisor dos seus trabalhos e da sua ordem. O cargo é privativo de brasileiro nato. Sua principal competência é DEFINIR A PAUTA DE PROPOSIÇÕES A SEREM DELIBERADAS PELO PLENÁRIO. Entre outras atribuições, o Presidente da Câmara dos Depu tados substitui o Presidente da República e integra o Conselho da República e o Conselho de Defesa Nacional.

          Fonte: http : // www 2. camara .leg.br/ a-camara/conheca/como-funciona

  10. Povo evangélico em sua maioria gado de manobra.
    Elegeram homem que vai perpetuar e legalizar o financiamento de campanha o qual é financiamento privado (pelas mega empresas e bancos) de campanha o qual é o amago da corrupção no país.Vocês estão fazendo a vontade do diabo o seu pai.
    Cunha vence 1ª batalha e abre caminho para financiamento eleitoral privado
    Presidente instala a Comissão Especial da “PEC Vaccarezza”, que torna constitucional o financiamento privado das campanhas. PT, PCdoB, PSOL e PV foram contra

    Andre Shalders /Correio Braziliense
    A Câmara dos Deputados decidiu nesta terça (3/2) pela criação da comissão especial que analisará a PEC 352 de 2013, sobre a reforma política. Conhecida como “PEC Vacarezza”, a proposta é criticada por inserir na Constituição o financiamento de campanhas eleitorais por empresas privadas. PT, PSOL, PV e PCdoB, que não concordam com a proposta, fizeram uma série de manobras regimentais para impedir a votação da matéria, que foi apresentada pelo ex-deputado Cândido Vacarezza (PT-SP). Os integrantes da nova comissão ainda serão definidos. “É o passo inicial da reforma política”, disse Cunha após a votação, que durou até as 23h.

  11. O plano de Cunha, é desviar a atenção, ele ´´e o principal apoiador do financiamento de campanha pelas grandes empreiteiras, este homem vai sabotar a reforma política e perpetuar o comando do BRASIL pelos bancos e grandes empreiteiras as quais molham as mãos dos políticos nojentos.
    E o povo fundamentalista seá responsabilizado por mais décadas de miséria e roubalheira.

    Cara, esse moralista das empreiteiras, bancos e shoppings que tirar o principal foco das discussões na câmara: a reforma política. Enquanto ele persegue gays, a plutocracia (em resumo, governo dos ricos) se instala através do financiamento privado de campanhas eleitoras por grandes empresas. O Cunha foi um dos que mais recebeu dinheiro de empresas, por isso vai governar para elas!

DEIXE UMA RESPOSTA