Imagem com representação de Jesus sem barba e de cabelos curtos é descoberta na Espanha

5

Arqueólogos dizem ter encontrado uma das primeiras imagens que já foi feita sobre Jesus Cristo. Diferentemente das representações mais comuns, Jesus aparece ostentando uma barba aparada e com cabelos curtos em uma placa antiga de vidro descoberta no sul da Espanha.

A equipe encontrou numerosos fragmentos de vidro durante uma escavação de três anos na antiga cidade em ruínas de Castulo, e em julho deste ano desenterrou alguns pedaços maiores, com desenhos que chamavam a atenção.

Quando colocados juntos, os cacos formaram uma placa que data do século IV d. C., com uma gravura de Cristo em uma toga em estilo romano, perfeitamente preparada. Os pesquisadores identificaram como uma patena, uma placa para a realização do pão para a comunhão.

Eles reuniram mais de 80% da placa, que mede 22 centímetros (cerca de oito polegadas e meia) de diâmetro, e a colocaram em exposição este mês em um museu no sudeste da cidade espanhola de Linares.


O líder da escavação, Marcelo Castro, elogiou a descoberta como “um documento arqueológico excepcional”. Três figuras com áureas estão gravadas na peça, com o próprio Cristo no meio, segurando uma cruz e uma Bíblia, ladeado por dois homens que se especula serem representações dos apóstolos Pedro e Paulo.

Especialistas dizem que a falta de barba e cabelo encaracolado curto na gravura de Cristo são características muito raras em descrições históricas dele. Castro disse que a peça trata-se de uma relíquia de um período inicial e chave na história da igreja, logo após o imperador romano Constantino ter abraçado o cristianismo.

Anteriormente a esse período, cristãos tinham cultuado e divulgado Jesus em segredo e produzido algumas imagens sacras, por medo de perseguição dos romanos. O estilo romano da patena era “presente nos primeiros momentos” do cristianismo pós-Constantino, mas teria sido “descartado mais tarde em favor de outras formas de representar Cristo”, explicou Castro à agência France Presse.

A equipe de arqueólogos acredita que o prato foi feito no distrito de vitrais de Ostia da Roma antiga. Outros raros exemplos da arte cristã primitiva semelhantes podem ser encontradas nos museus do Louvre, em Paris, e de Arte de Toledo, em Ohio (EUA), disse o arqueólogo.

5 COMENTÁRIOS

  1. Vem aquela pergunta, “não farás imagens E ídolos” ou “Não farás imagens DE ídolos”?

    Seguindo a primeira visão, tudo que são imagens e ídolos que representam deidades, em todos os casos, deve ser destruído, independente da cultura de onde vem, ou valor que agrega.
    – Qualquer imagem de qualquer natureza e ídolos.
    desde fotos à imagens de toda espécie de função. O dinheiro é por alguns tido como do demônio, será pelas imagens de animais e de homens?

    Na segunda visão, tudo que é imagem com intenção de substituir, por acima ou elevar à essência de divino, tal qual que comanda a criação, governa as Leis do universo, deve ser destruído.

    -Toda imagem que tenha função idolátrica exceto as que se anulam dessa função.
    Imagens de animais de notas de reais ninguém rasga, imagens de homens em notas de dólares ninguém rasga.

    • Nem vale questionar a cultura que representou Jesus assim… no Japão Jesus tem olhos puxados, mas sabemos que ele não foi japonês, foi uma adaptação cultural não para o mundo, mas para um povo, como forma de eles vislumbravam, pois onde viviam só havia gente assim. Valores de povo para povo em nada afetam a fé, a não ser que toquem na essência da fé, onde a Verdade sempre foi e sempre será imutável.

      • RUBEM
        Já o representaram também como papaai noel e de tantas outras maneiras coelhinho da pascoa, mula sem cabeça, IMPORTA E SIM A VERDADE DEVE SER PRESERVADA, POIS ELA DA SUSTENTAÇÃO PARA NOSSA FÉ.

        • Coitados dos japoneses. Vão naufragar na barca do inferno por acharem Cristo fisicamente de outra forma? Acho que Deus não se importa com detalhes banais, e sim se sua vontade é respeitada.

DEIXE UMA RESPOSTA