Líder da Assembleia de Deus no Irã é libertado após cumprir pena de 1 ano de prisão por evangelizar

0

Davoud Alijani, um líder da congregação da Assembleia de Deus em Ahwaz, Irã, foi liberado da prisão após ser mantido na cadeia por ter se convertido ao cristianismo e evangelizar, o que é considerado propaganda contra a república islâmica.

A prisão do líder cristão aconteceu em 23 de dezembro de 2011, quando autoridades policiais iranianas invadiram um culto e levaram presos todos os presentes na celebração. Após interrogatório, quase todos os fiéis foram liberados, com exceção d e Davoud Alijani, o pastor Farhad Sabokrouh, sua esposa Shahnaz Jayzan e um segundo líder da congregação, Naser Zamen-Dezfuli.

Em fevereiro de 2012 os quatro foram liberados temporariamente, sob a condição de não mais realizarem cultos ou evangelismo. O pastor Farhad foi proibido de visitar os irmãos na fé em Ahwaz, e terminou se mudando para Teerã.

Segundo a Missão Portas Abertas, em outubro do mesmo ano, os quatro foram condenados a um ano de prisão, e em maio de 2013 foram convocados à corte, onde foram presos para o cumprimento da pena.


O pastor Farhad e o outro líder, Naser Zamen-Dezfuli foram liberados da prisão no dia 04 de dezembro de 2013, quando estavam próximos de completar sua sentença. A esposa do pastor, Shahnaz foi liberada quase dois meses depois, no dia 28 de janeiro de 2014.

Agora, o último cristão preso na fatídica noite do dia 23 de dezembro de 2011, ganhou a liberdade, 20 dias antes do final de sua condenação.

Falando sobre o tempo na cadeia, Alijani conta que era constantemente incentivado a negar sua fé em Jesus Cristo, e que mesmo sem tortura física, a pressão psicológica é muito forte: “A angústia mental te afeta psicologicamente, mesmo que você não tenha sido torturado. Quando minha família veio me visitar, disseram que podiam ver a angústia escrita em meu rosto. Cada vez que ficava doente, eu ia à enfermaria da prisão, cuidada por detentos, e eles só me davam analgésicos. Os guardas tentavam me fazer negar minha fé regularmente”, testemunha.

Apesar da libertação dos líderes e mesmo com a documentação em ordem, a congregação já não se reúne mais para cultuar por temer a perseguição.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA