Menino cristão sequestrado pelo Boko Haram escapa do cativeiro e relata bastidores do grupo

1

Um menino cristão que foi capturado pelo Boko Haram e conseguiu escapar de um alojamento relatou os bastidores do grupo terrorista que pretende exterminar o cristianismo na Nigéria.

Tratado pelo codinome Henry a fim de preservar sua identidade, o menino concedeu uma entrevista ao jornalista Emmanuel Ogebe, do portal Breitbart, e deu detalhes do que viu e ouviu nas fileiras do Boko Haram.

“O Boko Haram raramente é misericordioso com meninos cristãos”, escreveu Ogebe, reproduzindo o que ouviu de Henry. De acordo com o jornalista, o menino foi capturado com uma séria e irreparável lesão na perna.

Os extremistas podem tê-lo confundido com um menino muçulmano ferido na guerra e criaram alguma simpatia por ele. Por isso, preservaram sua vida e o levaram a um de seus acampamentos, onde recebeu curativos e alimento.


Lesão na perna do menino Henry
Lesão na perna do menino Henry

Ogebe escreveu em sua reportagem que “ser soldado significa decapitação imediata”. O Boko Haram não poupa a vida dos “inimigos”: “Aos cristãos em geral é dada a chance de se converter ao islamismo antes de serem mortos. Isso não acontece com soldados [nigerianos] – cristãos ou muçulmanos”.

O jornalista afirmou ainda que Henry compartilhou algumas coisas que ouviu dos extremistas sobre o sequestro das 276 meninas estudantes. O menino afirmou que o comentário mais comum entre eles era “Nós perturbamos o mundo sequestrando essas meninas”.

Henry afirmou que o episódio foi visto como um aprendizado por parte dos terroristas: “Se soubéssemos, teríamos feito isso antes. Quando matamos um bando de colegiais em Buni Yadi e deixamos as demais meninas irem embora, elas alertaram as outras garotas para abandonarem a escola. Deveríamos tê-las levado. É o que vamos fazer a partir de agora”, diziam os militantes.

Como era tratado como um sobrevivente, Henry recebeu a oferta de se casar com qualquer uma das meninas capturadas, mas recusou. Ele também informou que o Boko Haram mantém os homens e as mulheres capturadas em espaços separados. Os militantes casados ficam em espaços afastados e privativos, chamados de Married Officers Quarters (MOQ), que pode ser traduzido como Alojamento dos Oficiais Casados.

“Uma vez que uma mulher é mandada para lá, é um caminho sem volta”, revelou Henry, que conseguiu fugir de um alojamento aproximadamente nove meses depois de ter descoberto que o Boko Haram tinha destruído sua cidade natal, que era habitada “completamente” por cristãos.

Emmanuel Ogebe frisa em seu texto que “Henry não pode deixar os terroristas saberem que aquela era sua cidade natal porque com certeza ele será morto também”.

1 COMENTÁRIO

  1. Aqui no Brasil, nós tivemos um parecido, Lampião, mas que foi morto por um bando de soldados.

    Essa figura abomina o mundo, mais ninguém dá um calaboca nesse bandido interessado no poder?

  2. Há muitas semelhanças no protestantismo e no islamismo
    No Islamismo é somente o Al Corão
    No Protestantismo é somente a Biblia
    No Islam existe a extrema direita ensinando que o Alcorão não está casado, unido a violencia enquanto que a extrema esquerda diz o oposto, que o alcorão esta sim unido ao Jihad ou guerra santa.
    No Protestantismo, encontramos extremas semelhanças entre a direita e a esquerda como no Islam. Enquanto um lado interpreta as Escrituras de uma forma, o outro invariavelmente a entende de modo contrário.
    Cada doutrina ensinada por uma seita protestante é negada por outra como foi mencionado anteriormente. Por exemplo :
    Casamento de homossexuais pode, não pode
    Ordenar pastoras, não ordenar pastoras
    O inferno existe, o inferno não existe

    Batizar crianças , não batizar as crianças

    Jesus Cristo é Deus, Jesus Cristo não é Deus

    Observar o sábado, observar o domingo e etc…
    Um verdadeiro subjetivismo religioso, e assim através é doutrina Cristã protestante,exceto no basico, que Deus existe.
    Então qual a raiz do problema? Jesus Cristo ensinou somente Uma Verdade? Ou não?
    Se tomarmos um revolver protestante e um islamico e dispararmos uma bala a parede com cada um, ao examinar os buracos de cada projetil o que veriamos? Um disseminação de opiniões pessoais, direitistas, esquerdistas, conservadoras, etc. De qualquer forma, quem seria o centro ou base de cada patrão? Pode-se nomear a pessoa?
    Não pode, Nem o Protestantismo muito menos o Islam terem nenhuma autoridade central para se tomar uma decisão definitiva a respeito da verdade de nenhuma de suas doutrinas percebidas.
    A única autoridade que o Protestantismo acredita ter esta registrada na marca disseminada do disparo, visto que cada protestante atua como seu proprio papa.
    Agora tome um revolver catolico e faça a mesma prova, quem está no centro agora?
    A resposta para a pergunta, Qual a raiz do problema? É que nem o Protestantismo e nem o Islam tem nenhuma autoridade central.
    Ambos estão ancorados a um livro que pode ser interpretado de tantas formas como há cabeças. E Martinho Lutero lamentou em uma ocasião isso ja descrito anteriormente.
    Consequentemente, ambos terminam em inacabáveis disputas, contendas, controversias internas, pleitos, frações e caos sobre o qual cabeça esta a interpretação correta de seus respectivos livros.
    Para o protestantismo, é a Torre de Babel novamente.

DEIXE UMA RESPOSTA