Mulher dá carona a casal após culto e termina morta por não ter dinheiro para entregar

12

Uma mulher foi assassinada logo após sair de um culto evangélico e dar carona a um casal que ela havia conhecido na igreja. O crime foi cometido após a vítima não poder dar dinheiro ao casal.

A mulher, de 55 anos, foi encontrada morta em um canavial da cidade de Jardinópolis, às margens da rodovia Anhanguera, no interior de São Paulo. O casal que havia recebido a carona foi preso em flagrante e confessou o crime.

O delegado responsável pelo caso, Cesar Augusto de França, disse não ter dúvidas de que o crime foi premeditado e os indiciou por latrocínio e ocultação de cadáver.

A vítima, que atuava em causas sociais, tinha conhecido os suspeitos em uma igreja evangélica na cidade de Ribeirão Preto, vizinha a Jardinópolis, e já havia ajudado o casal antes, de acordo com informações da EPTV.


Os assassinos, Roger Max Soares, 26 anos, e Rebeca Soares da Silva, 25 anos, foi detido com o carro da vítima durante uma blitz policial na cidade, minutos após cometerem o crime. Na abordagem, os PMs pressionaram o casal e Roger decidiu confessar que tinha matado a dona do carro: “Depois de algumas indagações a respeito da procedência do veículo e do paradeiro da vítima, ele acabou confessando que havia obrigado a vítima a dirigir o veículo até um canavial, e que nesse local ele a matou, por ela ter se recusado a fornecer senhas de cartões de crédito para ele realizar saques”, explicou o tenente da PM Danilo Daltoso.

Segundo o criminoso, a iniciativa de matar a mulher tinha a ver com uma briga com vizinhos: “Ele teve um desentendimento com vizinhos, que ameaçaram ele de morte, tanto ele como a namorada. Ele tentou levantar dinheiro para comprar uma arma e matar esses vizinhos que ele tinha desafeto”, informou o tenente.

Casal confessou o crime
Casal confessou o crime

No depoimento ao delegado, Roger disse que não se arrepende do crime: “Lógico que não. Pra que eu vou me arrepender? Eu tinha que conseguir o dinheiro de uma forma rápida”, disse. Ele ainda afirmou que a namorada não ajudou a matar a vítima.

“Eu só presenciei, não sabia que ele ia cometer o ato. Tentei ajudar mas eu não podia, também fui ameaçada por ele. A única ameaça que eu sofri foi no ato, quando a gente foi na igreja, a dona ia levar a gente em casa. Ele foi cometer o ato e eu disse ‘não faz isso, Roger. Porque ela é uma pessoa muito boa’, mas ele me ameaçou também”, defendeu-se Rebeca.

Para o delegado, no entanto, Rebeca é cúmplice: “Foi conivente porque não procurou a polícia. Ele matou a mulher, foi para Ribeirão Preto e depois voltou para Jardinópolis. Ela tinha condições de denunciá-lo, não o fez porque era comparsa”, disse França.

12 COMENTÁRIOS

    • PM prende pastor condenado a 44 anos de prisão por estuprar filhas
      Prisão ocorreu em Telêmaco Borba, no Paraná, na quarta-feira (10 de setembro).
      Crime ocorreu em 2002, em São Paulo; ele era foragido da justiça.
      Um pastor evangélico acusado de estuprar as duas filhas em São Paulo foi preso em Telêmaco Borba, na região dos Campos Gerais do Paraná, no fim da tarde de quarta-feira (9). Segundo a Polícia Militar (PM), ele foi condenado a 44 anos de prisão em regime fechado por estuprar as menores de idade em 2002.
      O homem foi condenado só em maio de 2013, em Ipaussu, no interior de São Paulo. Desde então, ele seguia como foragido da justiça. Preso, o pastor relatou à polícia que mora no interior do Paraná desde 2009.
      De acordo com a PM, que cumpriu o mandado de prisão, o pastor foi encontrado na Rua Cidade Nova, no bairro Área 10, após denúncias anônimas. O homem foi levado para a cadeia pública de Telêmaco Borba e deve ser transferido para São Paulo para cumprir a pena.
      FONTE GLOBO.COM

    • Pastores suspeitos de matar Lucas Terra vão a júri popular, diz advogado
      Segundo Daniel Keller, TJ decidiu por unanimidade na manhã desta quinta (10 de setembro).
      Menino de 14 anos foi abusado sexualmente e queimado vivo em 2001.
      Os dois pastores suspeitos de participação na morte de Lucas Terra dentro da Igreja Universal do Reino de Deus, em Salvador, vão a júri popular. As informações são do advogado da família da vítima, Daniel Keller.
      Ao G1, Keller disse que o Tribunal de Justiça da Bahia determinou por unanimidade e reformou a decisão da juíza de primeira instância que havia decidido que os suspeitos não iriam a júri popular. Segundo ele, a decisão ainda cabe recurso.
      Daniel Keller ainda relatou que a família de Lucas Terra tem esperanças da condenação dos dois pastores. “Eles receberam a notícia com extrema felicidade. Eles tinham ficado muito decepcionados e agora eles conseguiram revigorar as esperanças de que os dois sejam condenados”, disse ao G1.
      Caso
      O adolescente tinha 14 anos e seis meses quando sofreu abuso sexual e foi queimado vivo no mês de março de 2001. A família não é evangélica e, segundo o pai, ele passou a ir aos cultos porque se apaixonou por uma adepta e começou a namorá-la.
      Ex-pastor, Silvio Roberto Galiza foi condenado a 18 anos de prisão, depois reduzida a 15, e cumpre em pena em regime aberto.
      Carlos Terra, pai da vítima, aponta como motivo para o crime o fato de seu filho ter flagrado os dois pastores fazendo sexo, com base no testemunho do ex-pastor Galiza, dado depois da condenação. Em novembro de 2013, a juíza Gelzi Almeida, da Vara do Júri, havia decidido que os dois pastores suspeitos de participação na morte de Lucas Terra foram impronunciados por falta de provas e, portanto, não seriam submetidos a júri popular.
      Na decisão, a juíza justificou que não haviam provas, apenas o relato de Galiza contra os pastores, além de depoimentos contraditórios de outras pessoas. A magistrada afirmou na época que os fatos narrados na denúncia não tinham qualquer prova e nem mesmo as declarações do condenado serviam para sustentá-los.
      Em complemento, Gelzi Almeida ainda afirmou que a versão revelada por Galiza era frágil, tinham falas “fantasiosas” e não se sustentava sozinha. Com base nisso, ela descartou a possibilidade dos suspeitos serem levados ao júri.
      FONTE GLOBO.COM

  1. Nem todos os evanjegues são confiáveis .,muitas vezes vão na seita para disfarçar sua ânsia por delitos., até se batizam nas águas do volume morto., aja vista que nas penitenciárias estão abarrotadas de protestantes ., entre eles estupradores e homicidas ., os bactérias dizem agora estou convertido Jesus me perdoou ai saem novamente e matam estrupam e roubam., coisas de hereges

    • Lopes,

      Não renegue seus filhos em face dos pecados deles.

      E se não bastasse não ajudar, ainda fica você dizendo que são protestantes de raízes.

      Eram todos católicos, tua igreja não os admoestou quando crianças, e os dá as costas quando presos. Dois desprezos.

      Cristo pergunta se foi visitado quando preso. Ora, é justamente sobre as almas perdidas nas cadeias em suas sagas.

    • NESSA
      É POR ISTO QUE A IGREJA SE ENTOCA ENTRE 4 PAREDES, O MEDO DE AJUDAR UM DROGADO OU PESSOAS QUE JÁ TEM HISTÓRICO DE ROUBO, MUITAS VEZES ACABA NISTO.
      MAS PROSSEGUIR É PRECISO DEVEM É TER MAIS CUIDADO.

    • VANESSA
      “Hum,hum,a pessoa vai ajudar a outra,e é isso que recebe.Meu Deus,o negócio está sinistro aqui neste planeta dominado pelo capiroto.”

      Oiiiii, querida amiga!
      E ainda temos os capirotinh0s como os da
      IURD – Inganação Unifernal dos Rios de Dinheiro.
      IURD – Impresa Ultrajante do Reino do Diabo

      Hoje não dá para confiar nem em gente que aparece no portão, pedindo alimento.
      Eu desconfio de todos, e se é à noite, eu mando passear.
      Até para o homem é perigoso, imagina para nós…
      Ninguém aparece na porta da tua casa para lhe dar alguma coisa.

  2. Estamos hein Guerra os inicio do fim dos tempos. Nos como Corpo de Cristo temos que orar muito mais por nossos irmão todos os dia 24 horas sempre com nossa armadura de guerra desperta o que dorme o noivo vem ai.
    E de cortar o coração uma atitude desta para família que fica.
    Deus possa confortar o coração desta família.
    JOÃO 20:23

  3. Dois indivíduos, Elton Dimas – antigo pastor da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) – e Nelson Tivane, ambos de 23 anos de idade, estão detidos na 6ª Esquadra da Polícia da República de Moçambique, acusados de ameaçar e roubar 20 mil meticais (dízimo) numa das igreja.
    O caso deu-se na manhã de domingo (06 de setembro/2015) no bairro São Dâmaso, em Maputo, quando eles foram à igreja para pedir bênção para o carro de Dimas.
    O pastor em serviço, Calepe Agostinho – que acabava de celebrar o culto matinal – não imaginou se tratar de uma dupla de malfeitores disfarçados de crentes, e abençoou o veículo, estacionado defronte do templo. Após o ritual, Agostinho pediu-lhes boleia e a dupla aceitou.
    Entre aquela e outra “igreja”, Dimas e Tivane estacionaram o veículo e ameaçaram o pastor com uma pistola de brinquedo,e apoderaram-se de 20 mil meticais.
    Os meliantes tiveram seus intentos frustrados quando a viatura em que se encontravam foi parada pela Polícia de Protecção que bloqueou-a e efectuou a detenção.
    Os ladroes alegam o facto pela necessidade, pois estavam desvinculados da igreja e não possuiam outra fonte de rendimento.

    notícias mmo

DEIXE UMA RESPOSTA