Geraldo Alckmin sanciona criação do Dia da Mulher Cristã Evangélica em São Paulo

0

Em São Paulo, a mulher evangélica ganhou um dia para chamar de seu: 28 de março. A data foi instituída pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), como um gesto para reconhecer a importância da dedicação que essa parcela da sociedade exerce cotidianamente, em suas ações sociais e cuidados coma família.

O projeto que criou o Dia da Mulher Cristã Evangélica é de autoria do deputado estadual Adilson Rossi (PSB), que justificou a iniciativa afirmando que “as mulheres cristãs tem um papel muito importante na família, na Igreja e na sociedade, e temos que valorizar”.

De acordo com Rossi, se “no começo do século XX, a mulher era ainda considerada, muitas vezes, como intelectualmente inferior, como incapaz de assumir responsabilidades cívicas, devendo, por isso estar sujeita á tutela familiar do homem”, atualmente, “a influência da mulher em todas as esferas da sociedade tem aumentado”, e aponta: “Podemos constatar esse fato através da presença das mulheres em muitos lugares onde até há bem poucos anos era impensável”.

A sanção do governador Geraldo Alckmin ao projeto foi noticiado a contragosto por veículos da grande mídia, já que é uma homenagem às mulheres – tema que atualmente movimenta as redações de portais de internet, jornais, revistas e emissoras de TV -, mas se refere especificamente às evangélicas, setor da sociedade que é retratado, com frequência, como retrógrado e inconveniente por sua recusa ao pós-modernismo.


A revista Veja SP, por exemplo, comparou a aprovação do projeto do Dia da Mulher Cristã Evangélica com a tentativa de criação do Dia de Combate à Cristofobia, na Câmara Municipal de São Paulo, por iniciativa do vereador Eduardo Tuma (PSDB). O projeto chegou a ser aprovado, mas foi vetado pelo prefeito Fernando Haddad (PT).

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA