Vereador pede exoneração de assessora de imprensa por ela “não acreditar em Deus”

20

Na última semana, o vereador Alex Dotti (PMDB) iniciou uma polêmica na cidade de Antônio Prado (RS) por pedir a exoneração da assessora de imprensa da Câmara dos Vereadores da cidade, a jornalista Renata Helena Ghiggi, de 33 anos, por ela “não acreditar em Deus”.

Em seu pedido, feito em pronunciamento durante a primeira sessão do ano, no dia 4 de fevereiro, Dotti defendeu que a assessora da Casa fosse demitida, apresentado o fato de Renata ser ateia como o principal motivo para o pedido. O caso veio à tona no início dessa semana.

– Numa cidade onde todos nós fomos eleitos com mais de 98% dos votos, a maioria tem uma religião e acredita em Deus, eu acredito que não pega bem e acho que é muito errado pronunciar-se contra Deus. (…) Eu peço a exoneração da Assessora de Imprensa e a troca urgente, porque a Câmara de Vereadores e a cidade de Antônio Prado é uma cidade de fé – afirmou o vereador durante a sessão em que pediu a exoneração da assessora de imprensa.

De acordo com o G1, Alex Dotti afirma que decidiu se pronunciar pela demissão de Renata Ghiggi porque a população da cidade teria ficado indignada por ela ter retirado um crucifixo do plenário durante uma atividade com crianças no final do ano passado, e também devido a uma postagem feita por ela em seu perfil no Facebook, quando ela criticou um programa de TV que atribuía a Deus a sobrevivência de pessoas em um acidente.


De acordo com Renata, sua publicação na rede social motivou comentários agressivos do vereador.

– Coloquei um questionamento porque vi um apresentador dizendo que Deus salvou fulaninho do acidente, aí eu questionei por que Deus não evitou todo o acidente? Pessoas do meu círculo de amizade, católicos e gente de outra religião começaram um debate de super alto nível, pessoas com conhecimento do que estavam falando. Eis que o vereador entrou rachando na discussão, baixou o nível, ofendeu meus amigos, minha irmã que é católica, xingou alguns, mostrou os seus preconceitos – relata a assessora de imprensa, que se diz “chocada” com a manifestação e afirma que a defesa do ateísmo é um assunto pessoal.

– Quando aconteceu, fiquei chocada, pois não esperava que ele fosse levantar isso numa sessão – completou.

Diante do caso, a Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos (Atea) iniciou uma representação no Ministério Público (MP) contra o vereador por crime de discriminação religiosa. O MP ainda não se manifestou sobre a representação.

Ao se pronunciar sobre o caso, o vereador afirma que seu pedido não foi um ato de preconceito e diz ter se sentido ofendido pela postura adotada pela assessora de imprensa.

– Mantenho meu posicionamento, porque acho que ela me ofendeu e eu não ofendi em nada ela – disse.

O pedido feito pelo vereador ficou registrado na ata 729/2014. Apesar da polêmica, o pedido foi negado pela mesa diretora e o presidente da Câmara, o vereador Valdicir Viali (PTB) já anunciou que a possibilidade de exoneração está descartada.

– Não deveria nem acontecer esse tipo de situação. Briga por religião, cor de pele, no século em que nós vivemos – afirmou Viali, que foi quem indicou Renata para o cargo.

Clique aqui para ler a ata da sessão na íntegra.

Por Dan Martins, para o Gospel+


20 COMENTÁRIOS

  1. Acho q o vereador radicalizou poderia falar do amor de JESUS p ela e assim aceitar o SENHOR JESUS CRISTO COMO
    UNICO E SUFICIENTE SALVADOR

    Att,
    Claudio

  2. POIS ENTÃO SER ATEU CONTRA A MAIORIA DA POPULAÇÃO, DIREITO ALIENAVEL DELE, PODE SER O QUE QUISER, AGORA DIREITO DO POVO DA CIDADE, QUE ELEGEU SEUS POLITICOS, COM BASE EM SUAS VIDAS, E UMA DELAS SER CRISTÃO…ISTO É UMA VERDADE, VEJA SE ALGUM ATEU DECLARADO SE ELEGEU, DA MESMA FORMA QUE O DIREITO DELA DEVE SER PRESERVADO, ELA TAMBÉM COM BASE EM SUA CRENÇA QUE DEUS NÃO EXISTE, NÃO PODE E NUNCA DEVERIA TER TIRADO O QUE PARA A MAIORIA É UM SIMBOLO CRISTÃO…INTOLERANCIA DELA GEROU A REAÇÃO DO VEREADOR, O ESTADO É LAICO MAS NÃO É LAICISTA POIS É FORMADO POR POLITICOS E ELEITORES QUE CREEM EM DEUS.
    LOGO SE OS ATEUS NÃO SE ADEQUAM AS NORMAS EXIGIDAS DONDE MANTÉM SEU EMPREGO, É QUER IMPINGIR SUAS NORMAS, CONSEQUENTEMENTE DEVE ARCAR COM O PREJUIZO DE SEUS ATOS, DA MESMA FORMA SE CRISTÃO FOR SE EMPREGAR EM EMPRESA ATÉIA E QUISER IMPOR SEUS DOGMAS DEVE SER PUNIDO

  3. Esta história de que vivemos em um país laico não passa de lorota.
    Aqui, igreja católica e governo andam juntos. Recentemente o papa nomeou um cardeal brasileiro, e parecia que havíamos ganho a copa do mundo. A mídia, “concessão do governo”, se ocupou do assunto durante semanas. Na cerimônia no Vaticano, até a Dilma estava lá. A visita do Papa então… Se o estado fosse laico, eu não moraria em uma rua por nome Nossa Senhora Medianeira. Não teria uma estátua de santa Tereza na entrada de minha cidade, pois a Igreja católica diz que ela é nossa padroeira. Se fosse laico, eu não seria obrigado a fazer feriado em eventos da Igreja Católica.
    Então, vamos combinar uma coisa, o estado só é laico quando alguém não católico for procurar defender suas crenças. Aí tudo lhe é negado, em nome da uma falsa laicidade.
    Todos sabem o quanto custa para qualquer um que quiser ocupar um espaço na TV para divulga o Evangelho, enquanto isto os católicos estão sempre em evidência gratuitamente.
    Quanto ao episódio do vereador, discordo de ambos. Se por um lado ela não deve ser exonerada do cargo por ser ateia, por outro, não deveria ter retirado algo que lhe incomodava, sem permissão.
    .

  4. Realmente o vereador está errado, ele não poderia tomar a atitude que tomou pois faltou lhe sabedoria, Cristo jamais faria uma coisa dessas todo mundo é livre para seguir sua fé da maneira que quiser, só quem a julgara é Deus pois só ele tem esse direito. Quando tomamos atitudes como essa demostramos o quanto somos falhos na matéria de amarmos o nosso irmão.

  5. Em vez de evangelizar ela, ele exonerou achando que ela ja era uma perdida.gente assim como este vereador vai ser difícil de entrar pela porta estreita por causa da sua arrogância.

DEIXE UMA RESPOSTA