Vereadora propõe transformar celebração de culto evangélico em Patrimônio Cultural Imaterial

13

O crescimento numérico de fiéis que professam a fé evangélica fez toda a sociedade revisar a forma de enxergar os hábitos e costumes dessa parcela da população. Em Curitiba, a vereadora Carla Pimentel (PSC) apresentou projeto de lei que torna esse reconhecimento oficial.

A proposta da vereadora é que o culto evangélico seja reconhecido como Patrimônio Cultural Imaterial de Curitiba, e engloba as músicas e a liturgia do culto.

De acordo com informações do portal Bem Paraná, Carla Pimentel entende que “ao constituir sua rotina diária, as igrejas evangélicas promovem cultura através da leitura de textos bíblicos, da oratória e da socialização em seus encontros”, e acredita ser “indubitável o caráter cooperador dos cultos para a construção de efetiva cultura”.

O projeto destaca que “a prática evangélica contempla em seus cultos padrões de elevada cidadania e promove valores positivos de forma assertiva”, e ressalta ser “necessário também destacar o papel educador das escolas de música e artesanato mantidas pelas igrejas”.


A vereadora fez questão de incluir no projeto o princípio de que o culto celebrado por todas as denominações evangélicas seja reconhecido de forma igual, reconhecendo o trabalho de cunho social e cultural desenvolvido por elas. “Corroboramos que o culto evangélico agrega valores a todo o entorno social onde a igreja se localiza”, conclui Carla Pimentel.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+


13 COMENTÁRIOS

  1. esses vereadores-deputados-senadores pedem votos dos crentes nas denominações, dizendo que irão representa-los na camara municipal-assembleia-senado, e chegando lá, quando não se metem em escandalos como o do mensalão-sanguessugas, apresentam projetos ridículos e patéticos como esse…

    aonde um suposto reconhecimento vai adiantar pro crescimento do evangelho?

    E outra… mesmo que o Estado reconheça o culto evangélico, perante a população os evangélicos são massa de manobra de homens que se intitulam de Deus… esse projeto é só pra “jogar pra torcida”

    curioso que além desse projeto pouco eficaz, já foi proposto o dia do evangélico e o dia de amizade brasil-israel, todos projetos propostos por politicos da bancada evangélica…

    aonde o interesse real do evangelho está nessas coisas?

  2. QUE FALTA DE SERVIÇO DESTA POLÍTICA. O QUE ISTO VAI ALTERAR NAS FORMAÇÃO DE CRISTÃOS? ELA ESTÁ ATRÁS DE HOLOFOTES E DE AGREGAR VOTOS ELEITORAIS PARA A PRÓXIMA CAMPANHA. NÃO SEI QUAL O SALÁRIO DELA, MAS DEVE SER SUBSTANCIOSO, GRANDE DEMAIS PARA FICAR APRESENTANDO BOBAGENS.

  3. O que é que vale mais, gente ou parede?

    Bom, é mais que certo que gente, então está certa a vereadora, pois as igrejas católicas são reconhecidas, embora paredes, imagine deixar de reconhecer as ações sociais que aperfeiçoam o ser humano?

    Jorge vinicius, que peça a mesma coisa quanto a missa, mas não fique desfazendo das outras.

    • Pitágoras,

      Eu falo as coisas achando que não precisa desenhar para vocês entenderem.

      Mais aí vem LV, Bragança, e desenha ponto a ponto.

      Apague o desenho feito por ele com suas insinuações superficiais e preconceituosas.

  4. Por mais má vontade que se tenha contra a crença evangélica, é anti-intelectualismo negar-lhe o aspecto cultural. Nas definições da filosofia, sociologia e antropologia, as crenças de um povo compõem sua cultura, que é “todo aquele complexo que inclui o conhecimento, a arte, as crenças, a lei, a moral, os costumes e todos os hábitos e aptidões adquiridos pelo homem não somente em família, como também por fazer parte de uma sociedade como membro dela que é.” e o “evangelho” faz parte das crenças brasileiras. A constituição, em seu artigo 216, define o que constitui patrimônio cultural brasileiro, e a crença (inclusive a evangélica em questão) se encaixa na descrição. Portanto, querer negar o elemento cultural nas igrejas evangélicas é no mínimo, falso intelectualismo. Negar a ação social de igrejas é fruto de desconhecimento: quantas escolas foram criadas nesta nação por batistas, presbiterianos, metodistas, congregacionais, além de orfanatos, centros de recuperação de dependentes químicos, entre outros modificadores sociais. Quantos músicos populares tiveram sua iniciação nas igrejas, cantando ou tocando? (influencia evangélica na arte). Repito: por mais má vontade que se tenha não se pode negar o fator cultural nas igrejas. Apesar do que escrevi acima, não vejo como necessária e útil, (por outras razões) o projeto proposto pela vereadora. O evangelho não precisa disto!

    • O evangelho não é cultura brasileira, é judaica. Se queremos ter uma religião como cultura brasileira, devíamos recorrer aos indíginas. Mas isso é impossível, pois o cristianismo detonou com a cultura legítima e original desses povos. E os feitos atribuídos aos evangélicos, não são únicos, pois tanto o estado, como outras religiões e entidades também os fizeram. Assim, Vc. apenas defendeu sua religião e crença.

      • Pitágoras, não me decepcione com argumentos tão indignos de sua capacidade! Nós não somos um povo formado só por indígenas, somos miscigenados, portanto nossa cultura também o é. Como as ciências sociais definem, “as crenças de um povo fazem parte de sua cultura” e o povo brasileiro foi formado também por cristãos. O Evangelho nasceu sim, no rastro judaico, mas não é judaísmo, e não se pode negar o seu aspecto universal, e o fato de que foi influenciado e influenciou culturas (leio os seus comentários, e embora discorde de ideias, reconheço e respeito sua capacidade discursiva, portanto seja intelectual e historicamente honesto.). Quando mencionei os feitos de grupos evangélicos, em nenhum momento disse que eram únicos ou exclusivos, mas procurei mostrar a influencia cultural destes grupos, que é inquestionável! Claro que reconheço e respeito o trabalho social feito por outros grupos religiosos (isso dignifica o ser humano). E ai desta nação se não fossem os religiosos sérios, que atuam no social; o governo, embora tenha melhorado, não dá muita importância, sabemos disto. Bom, discordamos no campo das ideias, mas grato por ter lido e criticado minha opinião, sempre se aprende com uma boa crítica!

      • Bragança, não vejo onde meus argumentos sejam indignos, podem até ser decepcionantes e inaceitáveis para alguns,(isso é normal) mas não creio que sejam indignos (indignos sobre e para quem ?) Mas fico também satisfeito por ter recebido resposta,

  5. A finalidade das igrejas é:
    I Corintios 7:23 façais escravos de homens.
    Gênesis 15:13 disse o Senhor a Abrão: Sabe com certeza tua descendência será reduzida à escravidão,
    Gálatas 3 : 29 E, se sois de Cristo, então sois descendência de Abraão, e herdeiros conforme a promessa .
    I Samuel 8:17 Tomará o dízimo servireis de escravos.
    Amós 4:4 e de três em três dias os vossos dízimos.
    II Pedro 2 :19 prometendo-lhes liberdade, quando eles mesmos são escravos da corrupção;
    Os pastores e padres pegam os fieis em três fatores: medo, ganância e culpa.
    Os três P (políticos,padres e pastores) resume em maçonaria.
    Jeremias 6:28 todos eles andam corruptamente.
    Deuteronômio 28:29 serás oprimido e roubado todos os dias, e não haverá quem te salve.
    NAUM 2:9 Saqueai a prata, saqueai o ouro;( saqueai,roubai).
    I Corintios 15:18 Logo, também os que dormiram em Cristo estão perdidos.

    Catolicismo e protestantismo são dos reinos europeus, duas quadrilha que tem de ser combatido, mais como combater o catolicismo se os bispos são generais de exércitos.
    Malaquias 2:7 o sacerdote é o mensageiro do Senhor dos exércitos.
    II Crônicas 32:6 Então pôs oficiais de guerra sobre o povo .

DEIXE UMA RESPOSTA