Quase 300 igrejas sob risco de serem fechadas por ignorarem prazo para adaptação de templos

10

Quase 300 igrejas correm o risco de serem fechadas na cidade de Franca, interior de São Paulo, por falta de adequação dos templos à acessibilidade de pessoas com necessidades especiais.

O prazo vence no dia 24 de agosto, mas a pouco mais de um mês, 292 templos ainda não concluíram as obras necessárias, exigidas por lei. Dessa forma, estão correndo risco de serem interditados até que os trabalhos sejam concluídos.

O promotor de Justiça Fernando de Andrade Martins, responsável por uma investigação sobre a condição de acessibilidade dos imóveis, afirmou que há cinco anos vem tentando convencer os responsáveis pelos templos para que cumpram a lei.

“Fizemos a primeira reunião com representantes de todos os segmentos religiosos em 10 de agosto de 2011, quando foram alertados do dever de cumprimento dos requisitos de acessibilidade”, disse.


O Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA) firmou um convênio com o Ministério Público em 2012, para vistoriar os locais que precisavam passar por adaptações: “No final de 2013, tínhamos 382 imóveis periciados e apenas nove cumprindo a legislação”, revelou Martins. “Em julho de 2015, tínhamos 327 imóveis periciados e apenas 35 cumprindo a lei”, acrescentou.

Diante desse cenário, Martins convocou uma reunião, em fevereiro deste ano, estabelecendo seis meses para que as igrejas se adequassem. Mas, de acordo com o vereador pastor Otávio (PTB), a maioria dos templos continuam irregulares.

“Eu conversei com muitos pastores e colegas, e ainda existem entidades que não estão cumprindo a lei”, disse ele, que é sacerdote da Igreja Assembleia de Deus, que possui 56 templos na região, sendo oito ainda sem regularização, segundo informações do CGN.

O vereador fez um convite para cerca de 300 entidades religiosas, de todos os segmentos, para uma reunião na Câmara Municipal na próxima segunda-feira, 25 de julho: “A ideia é conscientizá-las da necessidade de adequação sob o risco de serem interditadas”, disse.

No entanto, o promotor Martins não irá à reunião, por considerá-la resultado do descaso dos líderes religiosos: “Eu fiz audiência coletiva, com explicações sobre os prazos e as consequências do seu descumprimento. Há quase cinco anos venho alertando os envolvidos, agora não vejo motivo para comparecer a esta reunião”, disse.


10 COMENTÁRIOS

  1. A Igreja-denominação necessita dar exemplo cristão, sendo sal da terra e luz do mundo, com bastante tempêro de boas atitudes e boas obras!

  2. Quisera todo o Brasil tivesse este compromisso, pois evitaríamos muitos acidentes e uma série de portas abertas como se fossem um boteco! Peço perdão a todos, mas nós precisamos agir com decência e ordem e principalmente muita, mais muita coerência!! Porque para abrir um bar se exigem tanto, mas quando vamos ver algumas igrejas, nada são exigidos. Clínicas e outros lugares, shopping, mas nas igrejas não precisa de qualificação e nem formação!

  3. Tiveram 5 anos para se adaptar e estão pouco se lixando para os deficientes físicos. Pelo menos essa omissão está preservando os deficientes de terem seus cérebros lavados e o dinheiro roubado. Se as igrejas não estão de acordo com a lei tem que fechar mesmo, qual é o problema? Onde já se viu um comércio funcionar de maneira irregular? Esqueceram de incluir na lei uma obrigação de tratamento acústico e portas antirruido para ninguém ser obrigado a escutar as pregações esgoeladas, as cantorias desafinadas e os exorcísmnos escandolosos que acontecem lá dentro. Ninguém merece ter os ouvidos violentados com tanta gritaria e fanatismo que acontecem lá dentro. A lei deveria ser mais rígida para proteger a população em volta que não tem escolha e não quer participar desses rituais.

  4. Curiosamente Franca é onde está localizada a Igreja Aliança do Calvário , do pastor Paulo Junior. cujo pastor vem fazendo pregações que está causando um grande despertar nas pessoas.
    O inimigo não escolheria Franca atoa , ele está sendo incomodado.
    Assistam as pregações do Pastor Paulo Junior no YouTube e saberão o que eu estou dizendo.

  5. Eu sou evangélico e técnico de segurança do trabalho não podemos espiritualizar as coisas.Já vimos casos de acidentes nos templos na igreja Renascer e na AD Madureira em SP ,ouve vítimas fatais.Não é o inimigo se levantando não ,são exigências que precisam ser cumpridas. PPCI(plano de prevenção de combate a incêndio) deve ser feito para que na igreja desça apenas “Fogo” do Espírito e não fogo estranho.

DEIXE UMA RESPOSTA