Jackson Follmann da Chapecoense canta Raridade de Anderson Freire em coletiva

Ex goleiro da Chapecó, Jackson Follmann emocionou durante coletiva ao cantar a música Raridade de Anderson Freire. Ele foi o último sobrevivente a ter alta e revelou o desejo de seguir trabalhando na equipe chapecoense.

0

Último sobrevivente da tragédia com o avião que levava o time da chapecoense, Jackson Follmann recebeu alta do hospital na manhã dessa terça feira após 50 dias em tratamento, onde precisou amputar parte da perna direita. O goleiro emocionou ao dar entrevista em uma coletiva, quando cantou a música raridade de Anderson Freire e falou sobre sua expectativa para o futuro.

Follmann que esteve entre a vida e a morte, vai precisar passar por uma adaptação na utilização de uma prótese que vai lhe dar condições de caminhar. Esse processo deve durar entre quatro e seis meses, segundo informações do Diário Catarinense. Durante a entrevista, porém, Follmann se mostrou otimista e decidiu cantar, assista:

Assine o Canal

Questionado sobre a recuperação, Follmann disse que não é o momento de baixar a cabeça, estando muito preparado para enfrentar a nova fase de sua vida, agora, sem poder exercer a função de goleiro na chapecoense. Quando questionado sobre o futuro, porém, Follmann disse querer continuar trabalhando no time de Chapecó, considerando esse um momento de aprendizado em sua vida:


“Ainda não imagino minha função, mas quero ser grande junto com a Chapecoense.  Até então o que eu sabia fazer era jogar futebol, agora vou buscar me aprimorar. Vou procurar coisas grandes dentro do clube. Agora é um momento de aprendizado e é isso que eu vou buscar”, disse na coletiva.

Leia também: Evangélico, jogador que sobreviveu a acidente confidenciou a amigo desejo de pregar o Evangelho

Assim como o zagueiro Neto, outro sobrevivente do time chapecoense que também chamou atenção por testemunhar sua fé e até o desejo de anunciar o evangelho, Follmann demonstra como a confiança em Deus pode lhe dar força para enfrentar as dificuldades, independente dos resultados; “Agora é tocar a vida sempre com o sorriso no rosto. Com certeza há coisas grandes previstas para mim”, disse no final da coletiva.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA