Janot faz defesa da ideologia de gênero e evangélicos reagem: “Querem doutrinar nossas crianças”

2

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, virou alvo da fúria das lideranças evangélicas e parlamentares cristãos após mobilizar a estrutura da PGR em defesa da ideologia de gênero. A reação contrária vem sendo preparada e uma reunião será marcada entre as duas partes.

Janot ordenou abertura de ações contra leis municipais que barraram o ensino da ideologia de gênero nas escolas públicas. Sete cidades já estão sendo processadas: Novo Gama (GO), Cascavel (PR), Paranaguá (PR), Blumenau (SC), Palmas (TO), Tubarão (SC) e Ipatinga (MG).

Para o procurador-geral, essas leis municipais são motivadas por princípios religiosos e estariam estimulando o sofrimento, violência, marginalização e evasão escolar de homossexuais, segundo informações do jornal Extra.

A “cruzada” de Janot, entretanto, não passou despercebida, e deputados da bancada evangélica já se manifestaram em tom de repúdio à intromissão da PGR no assunto. “É muito estranho o procurador-geral da República emitir opinião sobre motivação religiosa, afinal de contas é dever Constitucional a livre manifestação religiosa”, pontuou o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), referindo-se ao artigo 5º da Constituição.


Já Ezequiel Teixeira (PTN-RJ) considera que a atitude de Janot é autoritária, e promete protestar no plenário da Câmara: “Querem, de qualquer forma, nos enfiar goela abaixo a doutrinação de nossas crianças e adolescentes nas escolas”, disse.

De acordo com o jornalista Ernesto Neves, do Radar Online da Veja, em breve Janot “terá de lidar com a grita dos evangélicos”, já que uma visita dos deputados à sede da PGR acontecerá na próxima terça-feira, 20 de junho.

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA