Mulher é protegida por estranho enquanto orava em ataque terrorista

Annika Dean estava no Aeroporto Internacional de Fort Lauderdale-Hollywood, durante o atentado terrorista que matou cinco pessoas e feriu oito. Ela orou à Deus e um estranho protegeu seu corpo durante os disparos

0

Aconteceu no último dia 06 de janeiro, quando Annika Dean estava no aeroporto de Fort Lauderdale, no sul da Flórida, quando um ex-militar norte-americano, chamado Esteban Santiago (26) abriu fogo contra diversas pessoas na zona de recolha das bagagens, matando ao menos cinco pessoas e ferindo oito. Durante o tiroteio, Dean foi protegida por um estranho enquanto orava.

Durante os momentos de pânico, Dean era mais uma dos muitos passageiros que estavam recolhendo suas bagagens. No momento dos disparos, sua reação foi imediata como a da maioria, se jogando no chão, abaixada, mas ela começou a orar e pedir à Deus proteção, foi quando apareceu Tony Bartosiewicz, um senhor de 70 anos.

Tony estava embarcando com sua esposa em um cruzeiro, mas justamente naquela hora ele estava só, pois sua esposa estava em outra parte do aeroporto, foi quando ele se lançou sobre Dean, lhe abraçando e protegendo o seu corpo; “Ele basicamente subiu em cima de mim e sussurrou: ‘Eu vou te proteger’. Eu sabia que ele poderia ser ferido se fizesse isso, mas eu também sabia que iria sobreviver”; disse Dean em uma publicação do site Hello Christian.

Tony Bartosiewicz, de 70 anos, protegeu Dean no momento em que ela orava pedindo proteção à Deus

Dean disse estar agradecida por Deus ter usado Tony em sua proteção, lhe trazendo conforto em uma situação tão difícil; “A primeira coisa que eu disse para ele foi que eu estava muito grata e disse que ele me trouxe conforto. Aquilo era realmente reconfortante. Agradeci durante todo o dia e disse-lhe que ele foi um herói”.

As autoridades americanas não descartaram a possibilidade do atentado ter sido ocorrido por motivação terrorista. Segundo informações do G1, a imprensa americana disse que em novembro de 2016, Esteban Santiago entrou no escritório do FBI em Anchorage (Alasca), dizendo escutar vozes que o chamavam para se alistar-se no Estado Islâmico.

Após o atentado, o atirador se rendeu aos policiais e foi submetido a tratamento psiquiátrico. O caso ainda segue sob investigação.


SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA