Pastor Luciano Subirá afirma que evangélicos não são obrigados a votar em irmãos: “Temos que ter critério”

15

A defesa da tese de que cristãos devam necessariamente votar em cristãos é feita por setores da comunidade, e combatida por outros líderes, que defendem o princípio de que o voto deve ser confiado ao candidato com as melhores propostas para a sociedade.

O pastor Luciano Subirá, líder da Comunidade Alcance em Curitiba (PR) e idealizador do Ministério Orvalho, concedeu uma entrevista recentemente e se posicionou como integrante do segundo grupo descrito acima.

“Crente é o mínimo que ele tem que ser”, afirmou o pastor sobre os candidatos evangélicos que se lançam na política, e deixando claro que apenas fazer parte de uma igreja não é suficiente para um candidato obter votos dos fiéis.

“Durante muito tempo a gente separou o ser cristão do ser cidadão, como se envolver-se com política fosse coisa do mundo e criamos uma cultura de não se misturar, pelo menos para uma grande maioria. Estou pastoreando há mais de 20 anos e nunca tinha me posicionado com a atitude de declarar apoio a algum candidato. Creio que o cristão precisa se envolver com a política, mas como líder, quando alguém sinaliza pro lado da política partidária é complicado porque pessoas do rebanho podem ter outro partido e ideologia, então sempre me guardei. Esse ano eu manifestei apoio a um candidato presidenciável porque todo mundo pergunta e eu não faria isso no púlpito, então fiz na rede social dizendo que ali não era o pastor, mas o cidadão falando. Eu fique surpreso com a reação. Eu me dei ao luxo de visitar as páginas pessoais das pessoas que criticaram e vi que eles eram de outros partidos, então eu não levei sério a consideração deles porque eles sentiram que eu estava indo contra o que eles apoiavam”, afirmou Subirá ao portal Guia-me.


O pastor também lamentou a alienação social e histórica a que muitos evangélicos se submetem: “Eu ainda me assusto com essa pobreza de mentalidade que temos em relação à cidadania, a lutar pelo que se deve, como se fossem coisas que não temos que fazer. No passado, os cristãos construíram muitas das sociedades que fizeram diferença com os valores da Palavra”, pontuou o pastor.

Subirá lembrou ainda que embora a espiritualidade seja algo inerente ao cristão, não é suficiente para um candidato evangélico merecer o voto do rebanho: “Para alguns isso é o máximo, se for crente já está bom, mas, pra mim, esse é o mínimo. Olho para candidatos que nunca fizeram nada por ninguém a vida inteira, mas de repente, tem chamado e vocação. Vejo que muita gente, quando vota em cristãos está perdendo o voto porque alguns deles não vão viver os valores cristãos lá e ainda vão difamar o Evangelho. Temos que ter critério. Além de não fantasiar, afinal se tivermos um presidente cristão, ele não vai ser um ditador cristão e criar a lei que todo mundo tem que ir ao culto, todo mundo tem que converter. Não existe isso. Parece que os cristãos imaginam que tem que ter algo que nos favoreça em detrimento dos demais, o que também não é correto. Jesus disse que Deus faz nascer o sol sobre justos e injustos. Ou seja, alguns direitos são da humanidade no geral, não importa a fé que todos tenham. O governante que estiver lá também vai defender interesses de quem pensa de outra forma”, concluiu o pastor.


15 COMENTÁRIOS

  1. Bem, o voto sempre deve ser livre, contudo os valores que temos e cremos para a convivência em nosso meio deve ser considerado e é claro o que o candidato tem a oferecer para o desenvolvimento de nossa região ou nosso país. Sempre valorizando a vida, a família e uma boa educação para se poder alcançar um bom desenvolvimento de toda a nação. Isso não passa necessariamente se é religioso ou não, contudo compromissado com os valores e o temor a Deus.

    • É melhor votar em Dilma e no PT do que muitos candidatos que dizem por ai que são pastores de ovelhas no entanto estão apenas enganando a igreja do Senhor , mas Deus não vai deixar barato esta enganação deles , simplesmente quando Jesus vier buscar a sua noiva querida eles ficarão na terra contando o dinheiro que arrecadam dos pobres dos irmãos .Não são pastores de ovelhas são mercenários.

  2. Concordo com o pastor, temos que analisar cada um, se dizer cristão não significa nada, mas ainda assim prefiro votar em alguém que acredita nos mesmos princípios que eu como cristão, não que o candidato seja necessariamente da mesma igreja que eu ou não, mas é aquela passagem; pelos frutos os conhecereis…

  3. Finalmente vou concordar com um pastor mas palavras em vão porque evangélico só vota em evangélico com pouquissimas excessões, ele pode ser corrupto, ladrão mas não adianta.

  4. Em evangelismo.blog.br, você poderá conferir um estudo esclarecedor, mostrando pelas Escrituras Sagradas que não é possível que um homem seja pastor e político ao mesmo tempo. Acesse o estudo “Pastor ou Político?”

    Além disso, a Lei 9.504/97 proíbe a propaganda eleitoral nos templos religiosos. A desobediência ao Art. 37 dessa lei pode resultar em multa.

  5. Em evangelismo.blog.br, você poderá conferir um estudo esclarecedor, mostrando pelas Escrituras Sagradas que não é possível que um homem seja pastor e político ao mesmo tempo. Acesse o estudo “Pastor ou Político?”

    Além disso, a Lei 9.504/97 proíbe a propaganda eleitoral nos templos religiosos. A desobediência ao Art. 37 dessa lei pode resultar em multa!

  6. Sou cristã e não vou votar na Marina. Acho importante a Presidenta dar continuidade aos projetos. O brasileiro, hoje, tem melhores condições de vida do que há 15 anos. Não sei porquê tanto pessimismo em relação à gestão Dilma. Duvido que alguém esteja em situação pior que nos governos anteriores. Até mesmo em relação à corrupção, estamos vendo os culpados sendo punidos, sendo em prisão domiciliar ou não! Se você contrata uma empregada doméstica e sai pra trabalhar, só colocando uma câmera para monitorar o que ela faz! A presidenta coloca pessoas para assumirem cargos, mas se fazem coisas erradas, as polícias tem “carta branca” pra agir e punir. Acorda, povo!!!

  7. Luciano Subira, ai se Malafaias e Macedos por ai tivessem um décimo do seu carácter pois conhecimento bíblico eles até tem pena, que a muito tempos foram seduzidos pelo poder.
    Que bom que a igreja brasileira ainda tenha gente como o Senhor.
    Graça a Paz.

  8. Este parte do discursos do Pastor Luciano é excelente, Marina a qual espero que ganhe esta eleição, por ser uma mulher honesta, não vai favorecer a igreja evangélica em detrimento, dos umbandistas, buditas etc.
    E muito menos ir contra os direitos humanos das minorias (LBGT, negros,ciganos etc.) a qual a ONU e os países mais prósperos deste planeta estão de acordo.
    Na verdade não temos o direito de tirar o livre arbitrio destas pessoas, muito menos suprimi-las dos diretos civis por terem outra orientação sexual, já que existe até igrejas evangélicas que os apoiam como as inclusivas, não podemos tirar vantagem por sermos maioria, pois este não é um preceito democrático, onde o correto é a maioria garantir que as minorias possuem os mesmos direitos que a maioria não o contrário como Silas e Bolsanaro almejam, ai saímos de uma democracia para um governo populista e autoritário, onde mas maiores esmagão as minorias como acontece nas ditaduras.
    segue texto de Luciano.

    Parece que os cristãos imaginam que tem que ter algo que nos favoreça em detrimento dos demais, o que também não é correto. Jesus disse que Deus faz nascer o sol sobre justos e injustos. Ou seja, alguns direitos são da humanidade no geral, não importa a fé que todos tenham. O governante que estiver lá também vai defender interesses de quem pensa de outra forma”, concluiu o pastor.

  9. Não somente ter critério para escolha de candidatos,mas também para escolha do seu líder espiritual,onde esse líder possa tem caráter e não ceder a corrupção do dinheiro público,(dízimos e ofertas)para que seja um espelho espiritual para suas ovelhas e para a sociedade.Pois as pessoas do mundo nos observam como líder e assim pelo bom caráter essas pessoas possam vir a Cristo.

  10. evangélico, na sua maioria, é doutrinado. não tem vontade própria. são criaturas simples, e o pastor é um semi-deus. votam só em quem ele mandar, e os fatos não deixam ninguém mentir. vão transformar o brasil numa republiqueta teocrática, nos moldes do irã, Iraque, estado islâmico. um perigo para qualquer nação. só espero que as próximas gerações sejam mais ente aberta e realistas, e não caiam nessa fria. a bancada evangélica, a propósito, é a mais faltosa, a mais inoperante e a mais processada do congresso no stf, segundo o portal da transparência brasil.

  11. evangélico, na sua maioria, é doutrinado. não tem vontade própria. são criaturas simples, e o pastor é um semi-deus. votam só em quem ele mandar, e os fatos não deixam ninguém mentir. vão transformar o brasil numa republiqueta teocrática, nos moldes do irã, Iraque, estado islâmico. um perigo para qualquer nação. só espero que as próximas gerações sejam mais ente aberta e realistas, e não caiam nessa fria. a bancada evangélica, a propósito, é a mais faltosa, a mais inoperante e a mais processada do congresso no stf, segundo o portal da transparência brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA