Mesmo sob intensa perseguição do Estado Islâmico, número de cristãos na Síria só cresce

4

A guerra civil na Síria transformou o país em um campo de perseguição aos cristãos. Até 2011, a nação era considerada uma das mais tranquilas para os seguidores de Jesus em locais onde os muçulmanos são maioria.

No entanto, os quatro anos de severas privações, mortes e ataques perpetrados pelo Estado Islâmico tem feito o número de cristãos no país subir.

A constatação foi feita pelo pastor Tom Doyle, vice-presidente para o Oriente Médio da ONG Ministério Global.

De acordo com informações do Christian Today, mais de 230 cristãos são considerados desaparecidos na Síria, enquanto outros 15 mil vivem sob risco de ataque iminente dos terroristas muçulmanos.


Para Doyle, porém, as ameaças e as mortes violentas que muitos sofreram, os cristãos no país se mantém firmes e comprometidos com a fé em Jesus, e têm, mesmo nessas condições, evangelizado pessoas que ainda não conhecem a mensagem da Bíblia.

O relato de Doyle está em um livro, onde ele reúne depoimentos de 10 missionários implantadores de igrejas no país. De acordo com o pastor, eles receberam uma oportunidade das autoridades de deixar o país em segurança, ou ficar e enfrentar o risco. Todos optaram por permanecer e ainda recrutaram outras 15 pessoas para serem treinadas e ficarem responsáveis por implantar mais igrejas, ampliando o trabalho.

“Estamos prontos para ficar, estamos dispostos a sofrer, nós estamos prontos para morrer aqui na Síria por Jesus”, disseram os missionários, segundo Doyle, que acrescenta: “Todos eles se comprometeram em comprar um pedaço de terra, para que no caso serem assassinados por terroristas, possam ser enterrados ali como mártires”.

O trabalho, dessa forma, continua a todo vapor e o pastor comemora o fato de que a equipe se mantém divulgando o Evangelho na Síria e enviando relatórios às entidades de apoio fora do país, compartilhando sobre os avanços e os testemunhos de novas conversões.

4 COMENTÁRIOS

  1. Homem confessa ter matado primo e pastor a pedido do familiar

    Uma ossada foi encontrada no município de Malta, no Sertão paraibano, nessa quarta-feira (19) depois que a Polícia Civil retomou as investigações sobre a morte de dois homens na região. Um idoso foi preso acusado de matar um pastor evangélico e o próprio primo, que teria ajudado no homicídio do religioso.

    Tudo começou quando Josevaldo Leandro, primo assassinado, desconfiou que o pastor da Igreja Assembleia de Deus, da cidade de Malta, estaria assediando a esposa dele. O homem, então, chamou o idoso, Antônio Fernandes Leandro, de 65 anos, para planejar a morte do pastor.

    Eles executaram o pastor João Miguel do Nascimento, 46 anos, dentro da própria residência enquanto a vítima dormia. A companheira do religioso viu toda a cena e disse à polícia que um homem encapuzado teria fugido com Josevaldo Leandro em uma moto. O homem encapuzado era Antônio, juntamente com o primo. Esse crime aconteceu em 2013.

    Outra suposta traição

    Como Josevaldo desconfiou de nova traição da esposa, chamou, mais uma vez, o primo para matar outro homem. Antônio, dessa vez, se negou a ajudar Josevaldo. Então, o parente ficou chantageando o cúmplice dizendo que iria contar à polícia sobre a participação dele no homicídio do pastor. Foi quando Antônio planejou a morte do primo Josevaldo.

    Ele convidou o familiar para o sítio onde mora, em novembro de 2014, e, quando Josevaldo chegou ao local, foi surpreendido por pelo idoso. Eles brigaram armados de faca e Josevaldo foi atingido no coração com um golpe e morreu na hora. O corpo da vítima foi enterrado no terreno do sítio Santo André, por Antônio.

    Desaparecimento

    Josevaldo, já morto, foi dado como desaparecido por dois anos. Nessa quarta-feira (19), o delegado Sílvio Rabelo, da Delegacia Seccional de Patos, voltou a abrir o inquérito e analisou o depoimento de uma testemunha e uma ligação feita para 197, Disque Denúncia da Secretaria da Segurança e da Defesa Social – SEDS, que apontavam Antônio como o principal suspeito do homicídio do pastor.

    Buscas pelo acusado

    A partir desta informação, os policiais da Delegacia de Homicídios de Patos descobriram que o suspeito vivia na zona rural de Malta. As diligências duraram três dias, até descobrir a casa e prender Antônio. Durante o depoimento o suspeito confessou os crimes e disse onde o corpo do primo estava enterrado.

    “Solicitamos a presença dos peritos do Instituto de Policia Cientifica – IPC e fomos até o local. Depois de uma hora de escavação encontramos a suposta ossada de Josevaldo, as roupas que ele estava usando no dia que desapareceu e o RG dele, o que confirma a materialização do crime de homicídio contra Josevaldo”, disse o delegado seccional Silvio Rabelo, responsável pelas investigações.

    Solução para dois casos

    Com a confissão de Antônio de que assassinou o pastor e o encontro da suposta ossada do primo, a polícia concluiu os dois casos. A ossada foi encaminhada para ser analisada no IPC de João Pessoa. Antônio foi autuado por homicídio e em seguida foi conduzido para o Presídio de Patos, onde vai ficar aguardando a sentença da Justiça.

    Com informações da Secom-PB

DEIXE UMA RESPOSTA