Conselho de Psicologia vai recorrer ao Supremo para cassar registro profissional de Marisa Lobo

126

O Conselho Regional de Psicologia (CRP) do Paraná vai recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar reverter a decisão da Justiça do estado que anulou a cassação do registro profissional da psicóloga Marisa Lobo.

Marisa entrou no radar do CRP-PR por sua profissão pública de fé, sua defesa da família tradicional e militância a favor do direito dos homossexuais terem liberdade de buscar aconselhamento profissional psicológico sobre suas opções sexuais.

A sentença de novembro de 2014, que anulava a cassação do registro de Marisa Lobo, apontava diversas irregularidades no processo conduzido pelo CRP-PR, com a observação feita pelo juiz Federal Cláudio Roberto da Silva de que a “coincidência” da data do julgamento com a Marcha para Jesus no Paraná possuía conotações impróprias.

À época, o juiz Silva afirmou também que uma entrevista concedida pela gerente técnica do CRP-PR na véspera do julgamento violava o sigilo processual exigido pelo artigo 29 do Código de Processamento Disciplinar.


Sobre a nova batalha judicial que deverá enfrentar, Marisa Lobo disse que está preparada: “Não foi surpresa. Sabíamos que o CRP não iria aceitar a decisão, pois está claro que a intenção não é proteger a sociedade de maus profissionais e sim servir a cabeça de um profissional cristão para o ativismo LGBTT do qual o CRP pertence”, disse, em entrevista ao Guia-me.

Marisa afirma que se espelha no caso do pastor Silas Malafaia, que é psicólogo que já enfrentou cinco processos semelhantes, sempre vencendo na Justiça: “Tentaram calar Silas Malafaia não conseguiram, se voltam contra mim e eu já provei com depoimentos de pacientes, que nunca, em tempo algum no exercício de minha profissão, conduzi minhas sessões de terapia por convicções religiosas e ou de orientação sexual”, frisou.

Por fim, a psicóloga cristã diz ter fé na Justiça: “Eu creio e espero que ainda exista imparcialidade pelo menos no magistrado e que reconheçam e enxerguem o que o juiz do meu processo bem como a OAB reconheceram que meu caso é uma vergonhosa perseguição religiosa doentia”.

126 COMENTÁRIOS

  1. Não coloco a mão no fogo por marisa lobo, visto ela ter demonstrado oportunismo e ter tentado se eleger deputada federal pelo paraná nas ultimas eleições, mas essa acusação de que a fé dela extrapola a profissão não tem razão de ser. Então pq sou cristão não posso exercer alguma profissão?

    E outra… ela não é psicóloga cristã, e sim psicóloga evangélica. A acusação já erra ao citar a religião dela.

  2. Esses Conselhos deveriam serem todos extintos porque não atuam de forma benéfica a sociedade e que só tem carater financeira para os grupos que os administra, foram criados pela ditadura Militar para dar empregos aos apadrinhados dos Generais, quem devem fiscalizar e dar as credenciais aos profissionais Liberais é o Ministério do Trabalho e não outra entidade, até a OAB que é uma República pelo seu tamanho poder mais como os conselhos só tem interesse nas Verbas dos Advogados.

    • Acho que você deveria comprar uma passagem e ir viver na Síria, no Iraque, no Irã onde a visão de mundo certamente vai ao encontro da visão dessa tua religião abraâmica fundamentalista.

        • Respeitar direito e opinião alheia não significa abster-se do debate das ideias, bem como de manifestar divergência de pensamento e de visão de mundo. E quem não sabe respeitar diferentes visões são vocês, crentes fundamentalistas.

          • Ainda bem que este site é democrático. Passam por aqui crentes fanáticos, católicos intolerantes e frustados, gays fundamentalistas, ateus irados e vai por aí. Ou seja, cada um se expressa a sua maneira , mas como o Janio insiste neste papo besta que só evangélicos são os donos da verdade, é profundamente lamentável. A Marisa tem que ser respeitada em seus comentário. Parece que tudo aqui tem que ter conotação religiosa.

      • Os fanáticos do Oriente e os fanáticos daqui do Ocidentes pensam e agem iguais
        em relação à política e à sociedade.A diferença é que eles tem poder,enquanto
        os radicais extremistas daqui não apitam em nada e não mandam em nada.Só
        dando poder para conhecer os monstros em forma de gente que são.

        • Exatamente, janio, com a diferença de que aqui os fundamentalistas abraâmicos cristãos não têm poder de polícia para prender os gays e cometer outras atrocidades. Mas dê o poder a eles e novamente serão acesas as piras da Inquisição. Roma papal não muda, e suas filhas protestantes também não.

  3. “Marisa entrou no radar do CRP-PR por sua profissão pública de fé, sua defesa da família tradicional e militância a favor do direito dos homossexuais terem liberdade de buscar aconselhamento profissional psicológico sobre suas opções sexuais”.

    Por que vocês insistem tanto em dizer que a homossexualidade constitui uma “opção”?

    Por acaso é opção o ser heterossexual? Qual hétero se lembra de ter feito essa “opção”?

    Sou prova viva de que a homossexualidade NÃO É OPÇÃO. Muito pelo contrário, pois tudo o que eu mais queria, até por ser evangélico na época, era justamente não ser gay, mas heterossexual.

    Marisa Lobo é acusada por muitos de misturar sua religião com o exercício da psicologia, o que não é permitido a nenhum profissional. Já pensou, por exemplo, se tivéssemos psicologias muçulmana, xamânica, ateísta? Ou, então, direito cristão, direito budista, direito hinduísta? Resumindo, tais psicologias não existem, assim como não existe algo como “psicologia cristã”.

    Marisa não é criticada por defender a família tradicional, mas por achar que seu conceito de família nuclear (pai, mãe, filho) é o único válido e aceitável em uma sociedade plural e num país laico.

    Ademais, o Conselho Nacional de Psicologia não aceita abordagens clínicas como quer a Marisa Lobo, e o faz por diversas razões fundamentadas em psicologia, em ciência de fato. Marisa Lobo, todavia, se baseia em pseudociência e em sua limítrofe visão evangélica fundamentalista.

    Assim, os evangélicos, psicólogos ou não, que pensam que terão liberdade neste país para abrir clínicas de “tratamento” para homossexuais – o que seria mais um meio de enriquecimento de vendilhões do Evangelho – podem tirar o cavalinho da chuva, pois isto nunca acontecerá no Brasil que não se renderá à medieval e taliban cosmovisão evangélica fundamentalista dominionista.

    Imagine o caos social e emocional que adviria aos homossexuais pela inevitável pressão que passariam a sofrer de familiares, amigos, patrões e colegas de trabalho, enfim, no sentido de buscar tratamento – e tudo pago, viu leitor?! – para se “libertarem” de sua orientação sexual? Parece até que vejo pessoas me dizendo coisas como: “Sandro, agora que existe tratamento para a homossexualidade, você precisa procurar imediatamente um psicólogo evangélico para te tratar”.

    Evangélicos, cuidem dessas suas vidas de fundamentalistas que observam e julgam os grandes fatos, problemas, mistérios e enigmas do universo e do ser a partir dessas visões extremamente simplistas, míticas, mágicas, limitadas e engendradas que foram há milhares de anos por rústicos habitantes de desertos, por homens primitivos que matavam em nome de Deus para a conquista de escravos, terras, poder e riqueza e cuja cosmovisão era estreita demais se comparada a de hoje e que é respaldada pela cosmologia, entre outros saberes, e nos deixem em paz, pois não queremos nada, absolutamente nada (a não ser em casos pontuais de evangélicos gays que querem ficar em igrejas que os maltratam e expulsam) com suas igrejas de cultos e rituais confusos, barulhentos e onde, entre um grito de aleluia aqui e outro de glória ali, entre um pulo lá e um rodopio ali, entre um grito de “sai, diabo!” e outro de “tá repreendido, satanás”, entre o passar de uma sacola para ofertas e de outra para dízimos, alguém de repente tem um “revelamento”, uma “profecia”, uma ordem vinda direta Deus para a humanidade e através de um fundamentalista comedor de feijão,
    como também não queremos nada com suas doutrinas arcaicas, que não acompanham a evolução do pensamento, os estudos da alta crítica bíblica, as descobertas científicas, mas que vão buscar fundamento em velhas cópias de cópias de cópias de cópias de pergaminhos escritos há milhares de anos e que não dizem nada, absolutamente nada ao homem mais esclarecido e evoluído.

    Apesar de evangélicos interessados em mais esse filão de dinheiro – imagino cada igreja abrindo uma clínica de “tratamento”, e Malafaia inaugurando uma rede de hospitais – dizerem que esse “tratamento” será voluntário, é claro que as pressões vindas de toda a parte sobre os homoafetivos o transformarão em algo praticamente coercitivo, obrigatório, afinal, quase todos os pais desejarão que seus filhos – até para evitar o sofrimento gerado pelo preconceito e discriminação – procurem se tratar com fariseus disfarçados de psicólogos e fanatizados pela religião da intolerância.

    • Sandro

      Comentário carregado de julgamentos, altamente pejorativo, simplista e preconceituoso.

      “como também não queremos nada com suas doutrinas arcaicas, que não acompanham a evolução do pensamento, os estudos da alta crítica bíblica, as descobertas científicas, mas que vão buscar fundamento em velhas cópias de cópias de cópias de cópias de pergaminhos escritos há milhares de anos e que não dizem nada, absolutamente nada ao homem mais esclarecido e evoluído.”

      Essa parte de seu comentário que destaquei, mostra que sua “luta” por liberdade e igualdade, segue por caminhos perigosos, e por assim dizer idêntico aos mais famosos déspotas de nossa história, que rebaixam uma “calsse” e eleva outra.

      Não se esqueça de que Hitler no inicio de sua ascenção, quando o povo alemão passava por grandes dificuldades impostas pelo resto da Europa, começou a apregoar uma “superioridade” ilusória de que os alemães seriam uma “raça” pura e “superior”.

      Talvez você não tenha esse pensamento, mas alienados existem em todos os lugares, independente de sexualidade, credo ou a falta dele.

      • Puxa, Elder Lima, foi apenas um comentário crítico, até mesmo em sentido literário, ou seja, no campo das ideias. E a crítica, meu querido, é essencial à evolução do pensamento. E, creia, sou totalmente a favor da liberdade de culto, expressão e consciência e defendo o direito dos evangélicos em viver e expressar sua fé. Tudo o que prego, porém, é que a igreja evangélica evolua para novas e superiores concepções no que tange, por exemplo, à inclusão de pessoas, bem como a aceitação de fatos indiscutíveis da ciência. Longe de mim, portanto, qualquer coisa que me aproxime comparativamente e em qualquer sentido que seja dos grandes déspotas e tiranos da história. Se há alguém aqui que trás no coração e na alma as dolorosas marcas de ser tratado como um ser inferior, sou eu, Elder Lima. Portanto, longe de mim querer ser superior. Até mesmo porque, sofrendo preconceito e discriminação continuamente, eu sei a dor que é ser alijado e tratado com indiferença por pessoas que se julgam superiores. De qualquer forma, agradeço por suas palavras. Elder Lima, veja só que estranho: eu não conheço você, nunca o vi pessoalmente ou por foto, mas sinto uma simpatia tão grande por você, é como se sua alma se aproximasse da minha e eu sentisse que o conheço pessoalmente, e você me aperece sempre calmo e com bondade e compreensão. E digo isso tudo com a pureza de um irmão pelo outro, sem qualquer sombra de malícia ou segundas intenções, e não sei explicar o que é isto, mas resolvi comentar porque isso me surpreende e até me emociona. Sinceramente, abraços e tudo de bom para você e sua familia.

        • Sandro

          Tudo bem, as vezes me excedo em algumas críticas que faço, mas agora procuro me “policiar”, palavras em determinado contexto podem ser mau interpretadas, ou premeditadamente interpretadas de maneira equivocada.

          Abçs!!!!

          • Tudo bem! Gosto de seus comentários, inclusive os que chamam a atenção para algo que preciso trabalhar melhor em mim. Abçs!!!!

  4. Vamos fazer um abaixo assinado no avaaz contra esta organização criminosa (CRP) eles estão promovendo uma perseguição religiosa e isto tem que parar.
    Mande um email para o seu parlamentar pedindo esclarecimentos sobre o caso! Faça algo só não fique ai com a bunda no sofá! Falou um abraço a luta continua!

  5. Observem que, diferentemente da Marisa, o Malafaia usa, como todo bom fariseu, de estratégias cínicas e hipócritas para escapar de um processo no Conselho Regional ou Federal de Psicologia.

  6. Em 2013 , na França, aproximadamente 500 mil pessoas saíram às ruas condenando a união, o casamento gay e a adoção de crianças pelos homossexuais – A França, que dizem que é tão liberal – O que os homossexuais não querem admitir, é o CURSO NATURAL DAS COISAS – Recentemente uma mulher canadense criada por homossexual, clamou à sociedade e ao governo para que PROTEJA o casamento entre Homem e Mulher – Dawn Stefanowicz, que vive em Ontário no Canadá, contou experiências humilhantes enquanto foi criada por seu pai homossexual. Em seu site pessoal, Dawn fala como sua infância foi exposta a intercâmbios de parelhas gays, jogos nudistas, entre outros.

    Durante sua criação, a canadense diz que sofreu também falta de afirmação em sua feminilidade e conta como tudo isso feriu seu estilo de vida. Hoje ela oferece ajuda a outras pessoas que sofreram por vir também de uma família de estilo homossexual.

    Dawn, cuja mãe morreu cedo, conta que esteve exposta a um alto risco de enfermidades de transmissão sexual devido ao abuso sexual, aos comportamentos de risco de seu pai e a numerosas parelhas.

    “Desde cedo, fui exposta a conversas sexualmente explícitas, estilos de vida hedonistas, subculturas GLBT e lugares de férias gay. O sexo me parecia gratuito quando crianças. Fui exposta a manifestações de sexualidade de todo tipo inclusive sexo em casas de banho, travestismo, sodomia, pornografia, nudismo gay, lesbianismo, bissexualidade, voyeurismo e exibicionismo.”
    Com tudo isso, Dawn afirma que sofreu de depressão, tendências suicidas e compulsão sexual.

      • Mais uma evangélica fanática generalizando tudo como se nas relações homem e
        mulher tudo fosse às mil maravilhas, e não é porque existem milhões e milhões
        de crianças em todo o mundo expostas a sexo,drogas,brigas,roubos,mortes, e
        até a guerrasE essas crianças não foram feitas por dois gays.

      • È muito comodo quando aparecem casos como citados acima, afirmar que é fanatismo,visão religiosa limitrofe etc.. mas acreditar que todos os homossexuais são santos é fugir da realidade e também ´e fanatismo.

        • Dias,
          Concordo com vc, essa senhora é uma pessoa que viveu essas experiências, portanto, o seu testemunho e a sua determinação para ajudar pessoas que tb passaram por isso, é muito justa.
          Acredito que hajam homossexuais que respeitem seus filhos adotivos e não os exponham a toda essa permissividade, mas uma vez transposta essa barreira, transpor outras, fica bem mais fácil, pois consciências cauterizadas, perdem o senso e levam a libertinagem. Sair do armário, é uma coisa, despir-se da moral, da ética e do respeito, é canalhice!
          Isto vale pra todo mundo, héteros incluídos.

          • Mary, cuida da sua vida e não se imuscua na vida de pessoas que estão há milhares de kilometros e que não devem nada a você.

          • Sandro, por que se irritou comigo? Afinal citei o seu nome, ou me dirigi a vc? Não quero ser chata, mas meu comentário incluiu todo mundo, os héteros tb! Se, bem, que eu fiz uma analogia sintomática que pode ter sido a causa de sua reação, “quase”, histérica.
            Meu querido, eu estou neste site há bem mais tempo que vc, e, poderia muito bem lhe dizer: “os incomodados que se retirem!”
            Agora, já disse. Pronto.

          • Mary, estando aqui a tanto tempo você já deveria ter aprendido a absorver melhor o argumento contrário, não levar para o lado pessoal.

        • Poucas vezes li um comentário tão ingênuo neste site. Primeiro, porque o caso relatado não é de “fanatismo”, “visão religiosa limitrofe, etc”, mas de três homens tailandeses que se resolveram se casar, e estamos falando de um outro país, de outras leis e costumes, ou seja, nada com que a senhora Marisa Lobo tenha de se incomodar, se imiscuir ou meter o nariz. Segundo, que nenhum homossexual afirma ser “santo”, mas crentes fanáticos, hipócritas e cínicos o fazem a todo momento, para delírio dos humoristas e piadistas seculares.

          • Observe, dias, como você deveria ter escrito seu comentário:

            “È muito comodo, quando aparecem casos como o citado acima, afirmar, em relação ao texto de Marisa Lobo, que o que ela escreveu é fanatismo,visão religiosa limitrofe etc.”

            Do jeito que você escreveu, ipsis litteris, o sentido é outro, ou seja, fica conforme escrevi em meu comentário anterior.

  7. gostaria saber se vão caçar o diploma de jean wyllys que é jornalista e já disse varias bobozeiras um jornalista não deveria ser imparcial? E diversas outras pessoas psicólogos formados que disseram bobagens aos seus pacientes , acredito na psicologia cognitiva sim , mas e as falsas memorias implantadas nas pessoas que ao invés de ajudar atrapalha , isso tem é uma conotação politica sim , a psicologia é baseada nas ideias de Freud, mas a maioria das ideias de freud é contraditória ,gosto mesmo e da ne é uma conotação politica sim , a psicologia é baseada nas ideias de Freud, neurologia isso sim é ciência uma das crenças da psicologia ou de seus principais construtores e´que o homossexualismo e´ a falta do pai ou um pai ausente , a MARISA esta sendo sacrificada por aquilo que ela aprendeu na faculdade seria esta uma psicologia que se contradiz?

  8. Irmã Marisa Lobo que o Senhor da Gloria Jesus Cristo o Rei Eterno te de grande e grande Vitoria que o Senhor Jesus Abençoe ate e a toda a sua Familia ricamente se Deus e por nós quem podera ser contra nos, Deus e contigo querida Irmã e nos outros Crentes tambem amem e Aleluias tambem

    • “A mulher ouça a instrução em silêncio, com espírito de submissão. Não permito à mulher que ensine nem que se arrogue autoridade sobre o homem, mas permaneça em silêncio. (1º Timóteo 02:11 e12).

      “As vossas mulheres estejam caladas nas Igrejas; porque não lhes é permitido falar; mas estejam sujeitas, como também ordena a lei. E, se querem aprender alguma coisa, interroguem em casa a seus próprios maridos; porque é vergonhoso que as mulheres falem na igreja.” (1º Coríntios 14:34 e 35)

  9. Como disse em outros comentários, quando fui evangélico, eu era um crente sincero, intensa e alegremente envolvido com as atividades da igreja, realizando pregações no púlpito e fora dele, fazendo trabalhos missionários voluntários, visitando residências, asilos e pessoas enfermas, estudando com grande devoção a Bíblia, bem como alguns livros teólogicos e devocionais, entre outros serviços devocionais cristãos, até que um dia fui expulso da igreja por uma comissão inquisitorial presidida por um pastor e sob a acusação de ser um gay confesso que estava namorando um outro rapaz (achei melhor dizer a verdade do que manter uma vida dupla, como muitos crentes fazem). Fora da igreja sofri muito a solidão dos rejeitados, mas Deus me fortaleceu e comecei, então, a olhar o mundo, o universo, o homem, a religião, a espiritualidade, Deus, enfim, a partir de uma perspectiva muito mais ampla, linda, aprazível, feliz, verdadeiramente libertadora do ser; uma visão muito diferente daquela tão limitada, mesquinha, preconceituosa da igreja. Assim, a partir de muitos estudos, de leituras edificantes de incríveis de autores de grande envergadura intelectual, pude contemplar um mundo novo, algo semelhante ao que Platão descreve em sua alegoria da caverna, e hoje não sou mais – graças a Deus! – um escravo iludido do sistema religioso fundamentalista e quero, se Deus quiser e me ajudar, dedicar parte de minha vida a combater, no campo das ideias, apenas no campo das ideias, o fundamentalismo e fanatismo religioso. Por isso, pretendo escrever muitos textos, resenhas, ensaios, artigos, até mesmo livros no sentido do desmascaramento do fundamentalismo religioso e em favor da libertação dos seres humanos do pesado jugo que o fanatismo impõe, bem como no sentido de ajudar as pessoas homoafetivas vítimas de abuso psicológio religioso a superar seus traumas, bem como a ajudá-las a entender que elas são almas preciosas que têm um valor imenso, inestimável para Deus, o Deus que as ama eterna e incondicionalmente e que, tanto em relação a Ele como a Seu filho Jesus, jamais as excluirão de Sua amorosa e acolhedora presença; de Seu eterno, envolvente, protetor e carinhoso amor.

    • Sandro,
      Repetir uma mentira varias vezes pode até enganar alguns por algum tempo,porém nunca enganara à todos todo o tempo.
      Sua decepção com a Igreja com certeza foi um desastre para a sua vida , isto te causou um trauma profundo, eu não posso como cristão deixar de sentir uma certa simpatia ao teu sofrimento,todavia você busca VINGANÇA uma coisa que não vai te trazer paz ou realização! Observando os seu comentários recentemente fica dificíl não indentificar uma pessoa carregada de se mesmo um narcisista bipolar com desejo descontrolado de massacrar e insultar os que se opõem à sua causa.Sandro você é um homem criação de Deus, NÃO deixe o ódio te cegar te transformar em um bully, e lembre se que a letra mata mas o Espírito vivifica.

      • Perfeito Samuel, concordo contigo. Também tenho acompanhado e vejo como ele tem o coração bom, nobre. Mas devido essa luta diária que ele trava para que a igreja aceite algo que está longe, bem longe da vontade de Deus, ele tem se comportado com mágoas, coração raivoso. Você é especial para Deus Sandro, não deixe que satanás lhe tampe os olhos. Fica com Deus.

        • The Sun, não quero que “a igreja aceite algo que está longe, bem longe da vontade de Deus”, quero apenas que ela aceite a mim, como o ser que eu sou e não como o ser que ela gostaria que eu fosse. Se eu estiver em pecado, é Deus quem me julgará, não a igreja. É pedir muito o pedir apenas para ser aceito?

      • Samuel José,o Sandro é um homem de bem com a vida,é inteligente,culto,tem paz de
        espírito e é bem equilibrado moral e espiritualmente.O objetivo dele neste site é
        ajudar as pessoas sairem das trevas da ignorância para as luzes da verdade divina.Ele e todos os evangélicos sérios que comenta neste site prestam um grande
        serviço à sociedade.O fanatismo da qual você faz parte é uma praga de satanás
        que sempre destruiu e continua destruíndo o povo de DEUS.

      • Samuel José,

        mentiras? Que mentiras? Enganos? Que enganos? Então dizer o que se pensa, alçar a voz através da escrita expondo ideias, confrontando práticas de exclusão de pessoas da igreja, propondo novos caminhos, diferentes visões, renovados paradigmas para a igreja evangélica significa mentir, significa enganar? Desde quando?

        E, sim, a decepção com a igreja evangélica foi bem forte, dói muito e a ferida ainda não cicatrizou. E pode, sim, ter causado traumas, e, em certo sentido ainda que restrito, ter sido mesmo um desastre no rumo de minha vida, já que eu me converti com dez anos e fiz todos os planos para me desenvolver espiritualmente na igreja que eu amava, e isso causou uma ruptura na forma como eu vivia e concebia a própria existência, advindo, dessa ruptura, um estado de confusão por me sentir como um navio sem um porto para ancorar, já que, como expliquei, a minha visão de mundo era aquela mesma da igreja. Pensa que é fácil ver tudo de repente desabar? Então eu sou um sobrevivente espiritual da igreja evangélica, um sobrevivente que, não obstante ter perdido seu primeiro amor (aquela visão evangélica), encontrou outro amor (a visão que hoje tenho de Deus como um ser de amor incondicional e que me olha, me ama e me aceita mesmo eu sendo um gay que vive em união estável com outro gay).

        Portanto, não atribua a mim caráter de mentiroso, enganador. Admito até a hipótese de estar errado, pois nunca pretendi a infalibilidade, mas mentiroso e enganador não, não!

        Vingança? Se você chama de vingança o ato de reagir contra uma arbitrariedade sofrida e lutar, ainda que de forma tão pequena em face da enormidade do problema, então entenda assim. Mas não sou movido por sentimentos de maldade. E, quer saber?, ameniza a minha justa indignação e a dor de ter sido excluído o fato de falar, crítica e construtivamente (cuidando para não virar uma neurose), do que sofri, e também ajuda a outros que estejam vivendo, ou na eminência de viver, o que vivi.

        Depois você, deixando o discurso ameno, faz o papel de psiquiatra e vai estabelecer um diagnóstico a distância, ou seja, o de que sou “narcisista bipolar”. Meu caro, posso assegurar que não sou narcisista – é narcisismo o falar convictamente? -, sendo que até mesmo preciso sempre buscar fortalecer minha autoestima em face dos ataques que ela sofre em decorrência do preconceito e discriminação, sim, pois é muito difícil quando você é massacrado por todos os lados (“doente”, “aberração”, “abominação”, “endemoninhado”, “maricas”, “pervertido”, “safado”, “condenado”, etc.), você lutar para impedir que essas constantes, e muitas vezes sutis formas de agressão, penetrem no seu inconsciente e tentem, como num programa de computador programado para fazer algo, convencer a seu próprio ser de que você é, realmente, todas essas coisas ruins que falam de você, e, numa espécie de autossabotagem, você ter se si mesmo uma visão ruim, depreciativa, se sentir indigno, inferior e passar a ver até com certa simpatia autodestrutiva seus algozes. Essa é uma das lutas mais difíceis pela qual passam e passaram os excluídos, os marginalizados, os hereges sob a Inquisição, os judeus sob o nazismo, os negros sob a escravidão, os homossexuais ontem e hoje.

        E, não! Não tenho desejo nenhum de “massacrar” os que pensam diferente, até porque é justamente contra o pensamento monomaníaco que luto e lutarei cada vez mais.

        O que ocorre – admito com humildade – é que às vezes, premido por justa indignação, uso de palavras mais rudes, mais duras, mais severas e que podem, realmente, sensibilizar algumas pessoas. Isso é algo que eu preciso melhorar, sim; preciso realmente desenvolver um discurso que seja mais politicamente correto, e até mais amoroso, sem, todavia, perder a capacidade da indignação e a coragem de denunciar, denunciar assim como Jesus denunciou os fariseus usando de palavras realmente duras (“sepulcros”, “hipócritas”, “néscios”, etc.). Assim, José Samuel, não permitirei, jamais, que o ódio me cegue (até porque eu creio apenas do amor), como também jamais praticarei bullying ou outras formas de agressões contra quem quer que seja.

        Concluindo, em seu comentário você diz sentir certa simpatia, mas tudo o que desejo, e os gays de todo o mundo, não é exatamente simpatia nessa conotação de pena, de dó, mas de respeito e empatia por nossa luta por direitos civis – e, pelo menos em meu caso, também de direitos religiosos – igualitários. Espero, agora, ter sido mais claro.

      • Samuel José,

        Então dizer o que se pensa, alçar a voz através da escrita expondo ideias, confrontando práticas de exclusão de pessoas da igreja, propondo novos caminhos, diferentes visões, renovados paradigmas para a igreja evangélica significa mentir, significa enganar? Desde quando?

        E, sim, a decepção com a igreja evangélica foi bem forte, dói muito e a ferida ainda não cicatrizou. E pode, sim, ter causado traumas, e, em certo sentido ainda que restrito, ter sido mesmo um desastre no rumo de minha vida, já que eu me converti com dez anos e fiz todos os planos para me desenvolver espiritualmente na igreja que eu amava, e isso causou uma ruptura na forma como eu vivia e concebia a própria existência, advindo, dessa ruptura, um estado de confusão por me sentir como um navio sem um porto para ancorar, já que, como expliquei, a minha visão de mundo era aquela mesma da igreja. Pensa que é fácil ver tudo de repente desabar? Então eu sou um sobrevivente espiritual da igreja evangélica, um sobrevivente que, não obstante ter perdido seu primeiro amor (aquela visão evangélica), encontrou outro amor (a visão que hoje tenho de Deus como um ser de amor incondicional e que me olha, me ama e me aceita mesmo eu sendo um gay que vive em união estável com outro gay).

        Portanto, não atribua a mim caráter de mentiroso, enganador. Admito até a hipótese de estar errado, pois nunca pretendi a infalibilidade, mas mentiroso e enganador não, não!

        Vingança? Se você chama de vingança o ato de reagir contra uma arbitrariedade sofrida e lutar, ainda que de forma tão pequena em face da enormidade do problema, então entenda assim. Mas não sou movido por sentimentos de maldade. E, quer saber?, ameniza a minha justa indignação e a dor de ter sido excluído o fato de falar, crítica e construtivamente (cuidando para não virar uma neurose), do que sofri, e também ajuda a outros que estejam vivendo, ou na eminência de viver, o que vivi.

        Depois você, deixando o discurso ameno, faz o papel de psiquiatra e vai estabelecer um diagnóstico a distância, ou seja, o de que sou “narcisista bipolar”. Meu caro, posso assegurar que não sou narcisista – é narcisismo o falar convictamente? -, sendo que até mesmo preciso sempre buscar fortalecer minha autoestima em face dos ataques que ela sofre em decorrência do preconceito e discriminação, sim, pois é muito difícil quando você é massacrado por todos os lados (“doente”, “aberração”, “abominação”, “endemoninhado”, “maricas”, “pervertido”, “safado”, “condenado”, etc.), você lutar para impedir que essas constantes, e muitas vezes sutis formas de agressão, penetrem no seu inconsciente e tentem, como num programa de computador programado para fazer algo, convencer a seu próprio ser de que você é, realmente, todas essas coisas ruins que falam de você, e, numa espécie de autossabotagem, você ter se si mesmo uma visão ruim, depreciativa, se sentir indigno, inferior e passar a ver até com certa simpatia autodestrutiva seus algozes. Essa é uma das lutas mais difíceis pela qual passam e passaram os excluídos, os marginalizados, os hereges sob a Inquisição, os judeus sob Hitler, os negros sob a escravidão, os homossexuais ontem e hoje.

        E, não! Não tenho desejo nenhum de “massacrar” os que pensam diferente, até porque é justamente contra o pensamento monomaníaco que luto e lutarei cada vez mais.

        O que ocorre – admito com humildade – é que às vezes, premido por justa indignação, uso de palavras mais rudes, mais duras, mais severas e que podem, realmente, sensibilizar algumas pessoas. Isso é algo que eu preciso melhorar, sim; preciso realmente desenvolver um discurso que seja mais politicamente correto, e até mais amoroso, sem, todavia, perder a capacidade da indignação e a coragem de denunciar, denunciar assim como Jesus denunciou os fariseus usando de palavras realmente duras (“sepulcros”, “hipócritas”, “néscios”, etc.). Assim, José Samuel, não permitirei, jamais, que o ódio me cegue (até porque eu creio apenas do amor), como também jamais praticarei bullying ou outras formas de agressões contra quem quer que seja.

        Concluindo, em seu comentário você diz sentir certa simpatia, mas tudo o que desejo, e os gays de todo o mundo, não é exatamente simpatia nessa conotação de pena, de dó, mas de respeito e empatia por nossa luta por direitos civis – e, pelo menos em meu caso, também de direitos religiosos – igualitários. Espero, agora, ter sido mais claro.

      • Samuel José,

        Então dizer o que se pensa, alçar a voz através da escrita expondo ideias, confrontando práticas de exclusão de pessoas da igreja, propondo novos caminhos, diferentes visões, renovados paradigmas para a igreja evangélica significa mentir, significa enganar? Desde quando?

        E, sim, a decepção com a igreja evangélica foi bem forte, dói muito e a ferida ainda não cicatrizou. E pode, sim, ter causado traumas, e, em certo sentido ainda que restrito, ter sido mesmo um desastre no rumo de minha vida, já que eu me converti com dez anos e fiz todos os planos para me desenvolver espiritualmente na igreja que eu amava, e isso causou uma ruptura na forma como eu vivia e concebia a própria existência, advindo, dessa ruptura, um estado de confusão por me sentir como um navio sem um porto para ancorar, já que, como expliquei, a minha visão de mundo era aquela mesma da igreja. Pensa que é fácil ver tudo de repente desabar? Então eu sou um sobrevivente espiritual da igreja evangélica, um sobrevivente que, não obstante ter perdido seu primeiro amor (aquela visão evangélica), encontrou outro amor (a visão que hoje tenho de Deus como um ser de amor incondicional e que me olha, me ama e me aceita mesmo eu sendo um gay que vive em união estável com outro gay). E, não, não tenho desejos de vingança.

        Depois você, deixando o discurso ameno, faz o papel de psiquiatra e vai estabelecer um diagnóstico a distância, ou seja, o de que sou “narcisista bipolar”. Meu caro, posso assegurar que não sou narcisista e estou bem psiquicamente, sendo, todavia, que preciso sempre buscar fortalecer minha autoestima em face dos ataques que ela sofre em decorrência do preconceito e discriminação, sim, pois é muito difícil quando você é massacrado por todos os lados, com palavras altamente depreciativas, você lutar para impedir que essas constantes, e muitas vezes sutis formas de agressão, essas palavras depreciativas, penetrem no seu inconsciente e tentem, como num programa de computador, convencer a seu próprio ser de que você é, realmente, todas essas coisas ruins que falam de você, e, numa espécie de autossabotagem, você passar a ter de si mesmo uma visão ruim, depreciativa, se sentir indigno, inferior e passar a ver até com certa simpatia autodestrutiva seus algozes. Essa é uma das lutas mais difíceis pela qual passam e passaram os excluídos, os marginalizados, os hereges, os judeus, os negros, os ciganos, os homossexuais ontem e hoje.

        E, não! Não tenho desejo nenhum de “massacrar” os que pensam diferente, até porque é justamente contra o pensamento monomaníaco que luto e lutarei cada vez mais.

        O que ocorre – admito com humildade – é que às vezes, premido por justa indignação, uso de palavras mais rudes, mais duras, mais severas e que podem, realmente, sensibilizar algumas pessoas. Isso é algo que eu preciso melhorar, sim; preciso realmente desenvolver um discurso que seja mais politicamente correto, e até mais amoroso, sem, todavia, perder a capacidade da indignação e a coragem de denunciar, denunciar assim como Jesus denunciou os fariseus usando de palavras bastante duras. Assim, José Samuel, não permitirei, jamais, que o ódio me cegue (até porque eu creio apenas do amor), como também jamais praticarei bully ou outras formas de agressões contra quem quer que seja.

        Concluindo, em seu comentário você diz sentir certa simpatia, mas tudo o que desejo, e os gays de todo o mundo, não é exatamente simpatia nessa conotação de pena, de dó, mas de respeito e empatia por nossa luta por direitos civis – e, pelo menos em meu caso, também de direitos religiosos – igualitários. Espero, agora, ter sido mais claro.

      • Samuel José, escrevi um texto em resposta ao comentário em que você me chama, entre outras coisas, de “narcisista bipolar”, mas, infelizmente, o texto não foi publicado.

        Curiosamente revisei cada frase, cada palavra, fiz cortes, ajustes, mas simplesmente não passou. De qualquer forma, quero esclarecer que estou muito bem psiquicamente, que não sou esse ser intransigente que você descreve aí com todos esses exageros, que a exclusão que sofri na igreja realmente deixou marcas, feridas, traumas que estou superando; que, longe, muito longe de ser um “narcisista”, tenho de cuidar muito da minha autoestima em razão do preconceito e da discriminação, manifestados em palavras, olhares, atitudes, exercerem sempre uma forte influência no sentido de tentar provocar em mim mesmo uma diminuição do senso de dignidade e valor pessoal (não é fácil você lidar com o que as pessoas pensam sobre você apenas porque você é gay).

    • Sandro, vc fazia tudo isso na igreja…? Olha, balaão, o sumo sacerdote Caifás, os nicolaidas (aqueles que estavam no poder na igreja, só por vaidade pessoal), etc, todos esses atuavam na igreja, pregando, orando, cantando, administrando, ou seja, tendo ampla aceitação e prestígio na igreja. Mas eram réprobos. Repreensíveis, assim como vc um dia foi, e está sendo. E merecidamente foi afastado de suas funções, visto que não se arrependeu de seus pecados. Assim, nova oportunidade o Senhor te dá, pois vc está vivo, e enquanto há fólego, há oportunidade de arrependimento. Volte ao Senhor como servo!!

      • Dado,

        “tudo isso”? Ora, as coisas que referi são, quando muito, o caminhar a primeira milha, quando Cristo pede que caminhemos duas milhas. E por que você me compara com os piores exemplos que foi encontrar na Bíblia, e não com a mulher que foi pega em adultério, mas que nem por isso Jesus a condenou? Ou a Pedro, que negou o Senhor, e Jesus não o condenou? Ou a Tomé, que duvidou da palavra do Senhor e nem por isso foi excluído? Na igreja, nunca exerci poder sobre os demais e nunca cobrei um centavo que fosse para pregar as boas novas do Evangelho. Por que, então, eu seria um Balaão, que foi detido quando caminhava para amaldiçoar o povo de Deus? Por que razão eu seria Caifás, um fariseu legalista, hipócrita, cínico, cheio de ódio contra Jesus justamente porque Jesus acolhia, amava, andava e comia na companhia de publicanos, meretrizes, pecadores, enfim? Nicolaidas? Desde quando o que fiz na igreja fiz por vaidade, e não – como foi o caso – por amor à causa, ao Evangelho?

        Foi merecido o afastamento – melhor dizendo, a exclusão da igreja – que sofri por ser gay? Então pergunto: é merecida a permanência no rol de membros de todos os que pecam contra o amor e ainda assim permanecem na igreja? É merecida a permanência de vendilhões do Evangelho? De falsos curandeiros? De adúlteros em face de segundo casamento contraído quando não houve, por parte de um dos cônjuges, infidelidade conjugal? É justa a exclusão de gays e, por outro lado, a permanência de todos os hipócritas, de todos os cínicos, de todos os rudes, implacáveis, orgulhosos, pedantes, arrogantes, egoístas, ingratos, amantes do dinheiro, do luxo, do poder? É justo?

      • “A mulher ouça a instrução em silêncio, com espírito de submissão. Não permito à mulher que ensine nem que se arrogue autoridade sobre o homem, mas permaneça em silêncio. (1º Timóteo 02:11 e12).

        “As vossas mulheres estejam caladas nas Igrejas; porque não lhes é permitido falar; mas estejam sujeitas, como também ordena a lei. E, se querem aprender alguma coisa, interroguem em casa a seus próprios maridos; porque é vergonhoso que as mulheres falem na igreja.” (1º Coríntios 14:34 e 35)

    • Meu amado quero lhe relembrar q se trata d crentes fanaticos e sim d crentes q honra a palavra d DEUS.
      Deus amas gay sim, mas isso n é garantia d salvação a nenhum gay, porq ELE está condenando na biblia homem com homem pois ele ama mas tambem é justiça. Leia apocalipse 21. 8 em diante os afeminados (gay’s) a parte q lhe cabe é o lago q arde com fogo e enchofre (inferno). So os puros e limpos d coração entrarão no reino dos ceus…

    • Na minha parca opinião, o ÚNICO evangélico inteligente é Edir Macedo. Ele começou sua longa estrada para riqueza vendendo ilusão. Hoje ele vende de tudo!
      ORAR NÃO TÊM “H”, ANTA EVANGÉLICA!!!

    • ALEXANDRE MACHADO
      NÃO SERIA MELHOR UM MINUTO DE SILENCIO? SIM PORQUE ESTÁ MORTO SÓ MFALTOU ACENDER A VELA PARA ESTE DEFUNTO LARGAR MÃO DESTE SITE E PARTIR COM SEU MESTRE, SIM STARDUST FAZ ISTO SEGUIDO, QUANDO NÃO SERVEM MAIS ELE MANDA EMBORA , QUE DIGA O FELIPE O MAURO O BEREANO O NOBRE E POR AI VAI.

        • Evangélicos são quase todos egoístas,egocêntricos,presunçosos e quando
          oram pelos outros não é para DEUS abençoar o próximo,mas como eles se
          acham merecedores,oram para tirar vantagens dos outros,vencer os outros,destruir os outros e não sabem perdoar por confundirem justiça
          com vinganaça.E eles morrem envenenados querendo vinganças por parte
          de DEUS mesmo eles estando errado.OBS: Vale ressaltar que os evangélicos sérios oram para DEUS abençoar o próximo.

          • Janio,
            Eu poderia orar pelo Sandro, até pq ele demonstrou que precisa e muito, mas não sou hipócrita, vou deixar esse mal estar que ele provocou em mim passar, e, então vou orar por ele de coração aberto. Isso passa logo, não sou de guardar rancor, os mais velhos aqui no site me conhecem e sabem disso. Deus te abençoe, Janio, e não me leve a mal.

          • MARY
            PELO QUE VEJO STARDUST CONTINUA A TE FERIR, JA NÃO BASTA QUANDO TE CHAMOU DE VEIA LAZARENTA, VAI PERDOAR NOVAMENTE, LEMBRE PARA SE PERDOAR O QUE OFENDEU DEVE PEDIR PERDÃO, E STARDUST NUNCA EM SUA VAIDADE VAI SE DESCULPAR

          • Clamando,
            Senhor idoso e de cabelos brancos, ou quem sabe, já careca.
            O Stardust falou comigo após aquele barraco orquestrado por uma entidade sua, dessas que vão e vem, ninguém sabe de onde e para onde vão. Entendeu? Pois, é, na época nos acertamos e tudo ficou no passado.
            Mas, vc tb aprontou comigo, usou outro personagem e sua amiga para me incriminar de ter falado algo – QUE NÃO VOU REPETIR – e que deu muito pano pra manga, até uma investigação junto ao Cavallera, chefe do G+, e vc nunca me pediu desculpas!!!
            Tb tive entreveros com o Alexandre Machado, o qual se desculpou e me desculpou tb, e agora há respeito entre nós.
            E se for lembrar do André, lá atrás, então… Nossa, quanta história pra contar…
            Vai cantar em outra freguesia, pastor Fernando.

          • “pastor” fernando

            Toma jeito. Apesar de vc mostrar covardia e não dar o endereço de “sua igreja” (não é de Jesus, como vc mesmo disse), sei quem vc é, e claro, sei que o que vc se gaba aqui não acontece, por isso vc não dá o endereço para que todos confiram se vc diz a verdade.

            Uma dica: A “sua igreja” é tão sua mesmo, que para deixar claro, o nome fantasia dela está até com o seu nome junto na placa.

        • Mary, não ore por mim; a oração é, antes de tudo, um gesto de amor, e você não sente amor por mim, até porque feri seu orgulho espiritual. Mas não se preocupe, Deus não precisa de orações para estar com aqueles que Dele precisam, e todos nós precisamos. Todos nós.

      • Clamando, Jesus disse: “Deus não é Deus de mortos, mas de vivos; porque para ele vivem todos.” (Lc 20:38). Assim, apesar de sua declaração, eu estou vivo para Deus.

        • NÃO PARA DEUS JÁ ESTÁ MORTO EM TEUS PECADOS, A ÚNICA MANEIRA DE SER RISCADA A SENTENÇA QUE PESA SOBRE VOCE É ACEITANDO JESUS DEIXAR A PRATICA HOMOSSEXUAL E NASCER DE NOVO DA AGUA E DO ESPIRITO, DOUTRA FORMA COMO EU DISSE SÓ FALTA ACENDER A VELA, VOCE NÃO É DIFERENTE DE QUALQUER SER HUMANO, POIS TODOS PECARAM E ESTÃO DESTITUIDOS DA GLÓRIA DE DEUS.

    • Alexandre Machado,

      não se trata de mágoa, mas de um sentimento de haver sido injustiçado. Quanto às orações, pode realizar, já que se trata de um dos raríssimos gestos de evangélicos em favor dos gays.

  10. Quanto ao caso da matéria acima, é interessante observar uma psicóloga bitolada numa fé maravilhada na ocorrência do improvável, que não leva à lugar algum e nem ajuda quem quer que seja.
    Cristo, quando passou pela terra, só entrou numa igreja pra expulsar os “vendilhões” -os mesmos que hoje vendem de tudo (até gel para recuperar virgindade e livros que ensinam a “TREPAR” rezando para não pecar)-. Não enchia o saco de ninguém pregando para quem não queria ouvir e nem cobrava por seus ensinamentos. Em outras palavras: DOENTES SÃO ESSES BITOLADOS!!!

  11. Gospelmais, por que esta censurando meus comentários? O que exatamente eu escrevi que possa ser considerado impróprio? Há pouco fiz dois comentários sendo que em um deles só citei dois versículos e no outro a simples frase: “Então estar feliz significa não comentar aqui no gospelmais, Celia?”. Ora, então pessoas como o delldellphone, um crente que prega a violência contra os gays tem seus comentários publicados, mas os meus agora não podem ser publicados? Por que razão? Se não liberarem meus comentários simplesmente não participarei mais neste site e entenderei como mais uma forma de exclusão a que sou submetido por evangélicos. Peço, portanto, que a moderação reconsidere e volte a liberar meus comentários, pois sou uma pessoa do bem e apenas exerço a liberdade de expressão neste espaço.

  12. Sandro,em primeiro lugar a ingenuidade foi sua, pois eu me referi ao comentário do Daniel, que relatou as agruras fisicas e psicológicas sofridas por uma mulher que foi adotada por dois homens gays e recebeu a seguinte resposta vinda de você:” Mas um crente falacioso tentando defender sua limitrofe e intolerante visão religiosa”. sendo assim o que escrevi não foi ininteligivel e sim mal entendido por você. nesse prisma, fiz referência a “santidade” de todos os homossexuais visto que aparentemente você ainda que uma pessoa relate o que viveu, acredita piamente ser mentira, falácia religiosa etc…e cuidado com a arrogância de se achar mais intelectual que os outros por ter lido autores de grande envergadura ou frequentar uma faculdade, pois o ensino é superior e não as pessoas.

    • Infelizmente, Dias, não posso responder seu comentário, pois a moderação bloqueou minha participação. Espero, porém, que os responsáveis revejam a decisão e me concedam novamente o sagrado direito do exercício da liberdade de expressão.

      • O que eu quis dizer senhor nervosinho, é que quando as noticias envolvem homossexuais vocês minimizam ao contrário se tratando de evangélicos.Quanto as suas ofensas pessoais, não entrarei no mérito, afinal de contas cada um oferece o que tem de melhor e seu pelo jeito é ofender.

      • O que eu quis dizer senhor nervosinho, é que quando as noticias envolvem homossexuais vocês minimizam ao contrário se tratando de evangélicos.Quanto as suas ofensas pessoais, não entrarei no mérito, afinal de contas cada um oferece o que tem de melhor e o seu pelo jeito é ofender.

    • Dias, em seu comentário você outro interesse não manifestou senão o de apoiar essa política descaridosa, de enfrentamento, exclusão e condenação dos gays, uma política da qual eu próprio fui vítima, e tudo em nome de uma pretensa santidade da igreja, a igreja tão seletiva e injusta em seus julgamentos e exclusões; a igreja que historicamente sempre chega atrasada no reconhecimento de direitos humanos, a igreja que fala de amor, mas que não vive o amor.

      Ademais, não sou arrogante e muito menos me acho superior intelectualmente, pois partilho da opinião de que quanto mais se estuda, quanto mais se aprende, mas se tem que estudar, mais se tem que aprender já que as dúvidas só aumentam com a aquisição de novos conhecimentos.

      Quanto a frequentar uma faculdade, isso não significa ser superior intelectualmente, até porque grandes gênios da história da humanidade foram – e são! – autodidatas, e muitas nulidades e mediocridades fizeram não uma, mas várias faculdades. Inclusive na faculdade eu já identifiquei diversos alunos claramente analfabetos funcionais, pessoas que mal conseguem escrever um texto minimamente coeso e interessante, quanto mais fazer uma análise mais profunda e fundamentada, da mesma forma que já identifiquei pessoas que nunca passaram pelos bancos de uma universidade e, no entanto, são sábias e elaboram discursos profundos.

  13. Puxa vida, entrei em desespero aqui, mas já passou, graças a Deus. Ocorre que eu escrevi algumas respostas para pessoas que dirigiram comentários a mim, como o Alexandre Machado, o Dias, a Célia, mas nenhum dos meus comentários foram publicados, sendo todos destinados para avaliação da moderação. Só depois fui perceber, inclusive após haver suplicado muito ao gospelmais para que não me bloqueasse ou me excluísse (creio que o gospelmais não bloqueia as pessoas, pois permite ampla liberdade de expressão), que eu havia escrito errado meu próprio nome, ou seja, escrevi sansdro, e por isso os comentários não foram publicados. Assim, mais tarde – porque agora tenho de sair – responderei aos amigos comentadores que teceram críticas ao meu comentário anterior. Obrigado, gospelmais, por não excluir pesssoas do rol de debatedores deste importante site de notícias evangélicas.

  14. Samuel José,

    Então dizer o que se pensa, alçar a voz através da escrita expondo ideias, confrontando práticas de exclusão de pessoas na igreja, propondo novos caminhos, diferentes visões, renovados paradigmas para a igreja evangélica significa mentir ou enganar? Desde quando?

    E, sim, a decepção com a igreja evangélica foi bem forte, dói muito e a ferida ainda não cicatrizou. E pode, sim, ter causado traumas, e, em certo sentido ainda que restrito, ter sido mesmo um desastre no rumo de minha vida, já que eu me converti com dez anos e fiz todos os planos para me desenvolver espiritualmente na igreja que eu amava, e isso causou uma ruptura na forma como eu vivia e concebia a própria existência, advindo, dessa ruptura, um estado de confusão por me sentir como um navio sem um porto para ancorar, já que, como expliquei, a minha visão de mundo era aquela mesma da igreja. Pensa que é fácil ver tudo de repente desabar? Então eu sou um sobrevivente espiritual da igreja evangélica, um sobrevivente que, não obstante ter perdido seu primeiro amor (aquela visão evangélica), encontrou outro amor (a visão que hoje tenho de Deus como um ser de amor incondicional e que me olha, me ama e me aceita mesmo eu sendo um gay que vive em união estável com outro gay). E, não, não tenho desejos de vingança.

    Depois você, deixando o discurso ameno, faz o papel de psiquiatra e vai estabelecer um diagnóstico a distância, ou seja, o de que sou “narcisista bipolar”. Meu caro, posso assegurar que não sou narcisista e estou bem psiquicamente, sendo, todavia, que preciso sempre buscar fortalecer minha autoestima em face dos ataques que ela sofre em decorrência do preconceito e discriminação, sim, pois é muito difícil quando você é massacrado por todos os lados, com palavras altamente depreciativas, você lutar para impedir que essas constantes, e muitas vezes sutis formas de agressão, penetrem no seu inconsciente e tentem, como num programa de computador, convencer a si mesmo de que você realmente é todas essas coisas ruins que falam de você, e, numa espécie de autossabotagem, você passar a ter de si mesmo uma visão ruim, depreciativa, se sentindo indigno, inferior, desajustado e passar a ver até com certa simpatia autodestrutiva seus algozes. Essa é uma das lutas mais difíceis pela qual passam os excluídos, os marginalizados

    E, não, não quero “massacrar” os que pensam diferente. O que ocorre – admito com humildade – é que às vezes, premido por justa indignação, uso de palavras mais rudes, mais duras, mais severas e que podem, realmente, sensibilizar algumas pessoas. Isso é algo que eu preciso melhorar, sim; preciso realmente desenvolver um discurso que seja mais politicamente correto, e até mais amoroso, sem, todavia, perder a capacidade da indignação e a coragem de denunciar, denunciar assim como Jesus denunciou os fariseus usando de palavras bastante duras. Assim, José Samuel, não permitirei, jamais, que o ódio me cegue (até porque eu creio apenas do amor), como também jamais praticarei formas de agressão contra quem quer que seja.

    Concluindo, em seu comentário você diz sentir certa simpatia, mas tudo o que desejo, e os gays de todo o mundo, não é exatamente simpatia nessa conotação de pena, de dó, mas de respeito e empatia por nossa luta por direitos civis – e, pelo menos em meu caso, também de direitos religiosos – igualitários. Espero, agora, ter sido mais claro.

  15. Amado irmão Sandro, tudo oito q vc disse é verdade. Há, mesmo, muito fanatismo, mas -também – muita preocupação com a genuína Palavra e vidas (almas) que se perdem. Em nome de Jesus, reveja sua posição a respeito fas “relações homoafetivas”, olhe para Jesus que, como vc disse, nos ama e não nos lançará fora. Somos nós q “nos lançamos fora” da Sua santa presença e convívio! Certamente, Ele nos julgará e o q for “achado em falta” será lançado fora do Seu Reino! Mas, Ele, q nos criou a “SUA imagem e semelhança -homem e mulher, os criou” , certamente saberá respeitar o seu livre arbítrio de optar por estar FORA da Sua Palavra e, consequentemente, do Seu Reino,, poque EKE É SANTO!

    • Sandra, nunca optei por ser gay – algo que me constitui como ser, e não algo separado de mim, como num vício em fumar, por exemplo -, como também nunca optei por esta fora da palavra de Deus e fora da igreja. Foram os crentes que optaram por me excluir e me lançar fora da igreja.

      • Se você gosta de levar no aparelho excretor é um problema seu , agora…. deixa a mulher salvar a vida daqueles que já estão cansados de levar uma vida promiscua

        • Eu dirigi a palavra a você, wagner, para vir dar palpites sobre minha vida pessoal íntima? Cuide do seu cu, que do meu cuido eu! Além disso, não é para mim que você deve pedir isso. Marque uma audiência com os delegados do CRP, vá ter com eles convença-os de que estão errados e volte aqui para nos contar o resultado. Se quiser debater ou dialogar com educação, estou a disposição, mas se vir com grosseria e ignorância vai levar também.

          • Outra coisa, não precisa ficar preocupado que se um gay quiser virar evangélico isso não vai depender de você ou da sra. Lobo.

  16. Esses conselho de psicologia do paraná é que precisa ser cassado.
    Nunca vi tanta parcialidade em causa própria .
    Parece que é o ativismo gay quem da as cartas por lá.

  17. DEUS não permitirá que os ativistas gays do conselho de psicologia do paraná tenham exito .
    Muitas vidas estão sendo libertas das garras de satanás através da Marisa Lobo.

    • Quanto ao Conselho Regional de Psicologia, o que você conhece do mesmo para afirmar que as decisões são tomadas em virtude de ações de “militantes gays”?

      Você leu os estatutos, examinou as atas, entrevistou os membros associados?

      Em que você fundamenta suas afirmações? Em fatos, evidências, provas ou apenas na sua fertil imaginação que vê o capeta influenciando pessoas e decisões?

      Ao prentender que o CRP é um órgão manipulado por gays para, em última análise, perseguir e punir inocentes e indefesos psicólogos cristãos, você não acha que Isso soa muito mais como teoria conspiratória do que como fato, como realidade?

      Interessante, wagner, quando fui evangélico eu sempre entendi que quem salva as pessoas é Cristo, e agora você nos diz que é a sra. Marisa. A propósito, quem são essas muitas vidas as quais você se refere? Tem alguma fonte para nos indicar?

  18. Que povo chato, meu Deus do céu!
    O que vocês precisam entender é que ser homossexual não é uma escolha, um vício.
    O que vocês precisam entender é que não é porque vocês não são homossexuais e não concordam com isso que vocês podem sair julgando, criticando, pregando.
    O que vocês precisam entender é que vocês têm a obrigação de RESPEITAR independente de se tratar de orientação sexual, raça, crença, idade, classe social…
    Vocês não são Deus! Vocês não têm que julgar e pregar a salvação de ninguém!
    Deixa que Deus se encarrega disso, na hora certa. Apenas RESPEITEM os que são diferentes de vocês! E isso inclui qualquer pessoa, não apenas os homossexuais!!!!

  19. País que viola de todas as formas intencionalmente os direito a saúde,á vida,á família,pouco preocupado está com o seu povo em todas as situações,hum problema de tamanho de uma molécula,que irá gerar problemas maiores com lucros futuros exorbitantes,e os senhores ainda querem polemizar.kkkk…bobinhos ingênuos!

  20. Tem gente que não suporta ver a mudança das pessoas, querem que elas continuem nessa vida miserável do homossexualismo, não tem vontade de mudar e quer impedir as pessoas de largar essa vida, Jesus ama o pecador mas abomina o pecado, Deus quer que a gente reconheça que somos pecadores, mas tem gente que não entende e acha que tá certo, não quer mudar, e ainda põe a culpa na igreja, em Deus, nos outros.

    • Vida miserável é essa sua, que tendo tanto a fazer de caridade e amor ao próximo fica aí fazendo esse discurso de ódio, preconceito e discriminação. Saiba que a maoria dos gays que conheço são pessoas de bem com a vida, e se algum há que se sente deprimido isso acontece também entre os héteros. Procure um namorado, viva um amor, faça o bem a todos e você não encontrará mais tempo e disposição para ficar destilando ódiozinhos e preconceitos.

    • Não existe um gay diferente do outro,todos tem o mesmo sentimento e ideias de sua opção sexual,um gay do uiapó não vai ser diferente do gay do chuí,sendo assim todos tem algum defeito de fabrica que a ciência não descobriu ainda,na minha opinião eles são como algum tipo de zumbis que deseja infectar todos que venham a sua frente.

    • Os homossexuais são uma experiência da natureza que não deu certo,sendo assim são subhumanos ou aberrações,raça maldita que gosta de influenciar todos para serem como eles.
      Eles estão fora do seu habitat natural e sendo assim são predadores,predadores de bons constumes e principios.

  21. Essa charlatã, que ganhava dinheiro vendendo mentiras e provocando sofrimento, devia estar presa ! A Organização Mundial de Saúde proíbe esse “tratamento” inventado pela cabeça de alguns fanáticos religiosos.Organizações americanas que promoviam isso até fecharam e pediram desculpas por ter causado tanto sofrimento e depressão nas pessoas.

DEIXE UMA RESPOSTA