Em seus passos o que faria Jesus? – Famoso best seller ganha adaptação para o cinema

5

Será lançada neste ano pela BV Films a adaptação para o cinema do Best seller “Em seus passos o que faria Jesus?”. O filme, que recebe o mesmo título do livro, fez sucesso nos Estados Unidos.

No elenco há dois atores conhecidos por atuarem em seriados americanos famosos no Brasil. Um deles é John Schneider, ator dos seriados Smallville, CSI Miami e Texas Ranger. O outro é Jim Gleason, famoso por fazer Grey´s Anatomy e Brothers and Sisters.

O filme segue fielmente a história do livro sobre uma cidade que recebe a visita de um viajante. Após sua a morte o pastor de uma igreja tradicional, Henry e mais cinco pastores decidem mudar de vida, seguindo os princípios de Jesus. O filme se desenvolve nessa busca de ser parecido com Jesus e os resultados desta escolha.

“Em seus passos o que faria Jesus?” é o nono livro mais vendido da história. Na versão em inglês foram vendidos mais de 50 milhões de exemplares. Escrito em 1896 por Charles M. Sheldon o livro começou a ser publicado em capítulos pela revista cristã americana Advance. Por não ter sido registrado os direitos do livro, vários editores o publicaram, sem pagar os direitos do autor. Esse fato fez com que o livro se tornasse muito popular rapidamente.


BV Films prepara outro lançamento de outro filme evangélico

Outro filme que será lançando neste ano pela BV Films será “Para salvar uma vida”. A produção fez sucesso nos Estados Unidos e já arrecadou cerca de 2 milhões e meio de dólares. O filme também está se destacando em redes sociais, como o Facebook. Em cinco dias, a página no filme conquistou 30 mil usuários. Nos EUA, adolescente estão usando o Facebook para contar as experiências do cotidiano.

A aposta da BV Films é que o filme ajude adolescentes brasileiros a transformarem suas vidas, pois conta a história de um garoto popular de sua escola que muda sua vida e se sacrifica para ajudar as pessoas.

Você pode conferir mais lançamentos da BV Films no meio gospel internacional no site oficial da distribuidora.

Fonte: Gospel+

5 COMENTÁRIOS

  1. CURTAS

    Eu queria ver os APÓSTOLOS, MISSIONÁRIOS e BISPOS das EMPREJAS S/A eletrônicas respondendo a esta pergunta. O duro é daber que els jamsi farão tal questionamento, Jesus é coisa do passado pa eles, agora é GIZUIS e estamos quites…

    Carlos Roberto Martins de Souza

  2. PREDADORES DA FÉ

    O século XXI está sendo marcado por uma nova geração de homens interessados em “PREGAR” alguma coisa, lógico, menos o Evangélico. Estes homens, munidos de todo o aparato publicitário, têm atacado a igreja de tal forma que muitos se declaram abertamente donos de suas comunidades. Na natureza um predador é aquele que mata outros animais. Parece difícil de aceitar, mas no meio cristão há PREDADORES espalhados por toda a parte, cada um escolhendo a dedo as suas vítimas. Quando olhamos para o passado, na igreja primitiva, percebemos que algo errado está acontecendo nos nossos dias, os fundamentos do cristianismo foram abandonados, banidos de nossas igrejas, hoje o que prevalece são interesses duvidosos que comprometem o futuro da igreja de Cristo aqui na terra. Vejamos um pouco da história registrada nas Escrituras, para isto vou usar dois exemplos.

    Paulo tinha a cidade inteira de Filipos em suas mãos, poderia com muito JEITINHO, aproveitar da situação e ganhar a cidade inteira para Cristo, no entanto, criou um tumulto fora do comum e acabou sendo expulso. Paulo, na concepção evangélica contemporânea, poderia evitar um choque com a jovem adivinhadora, e com muita SUTILEZA e MALICIA SANTA, aproveitar a situação quando esta o apontava como servo do Deus altíssimo. Faltou sabedoria para ele. Resultado, depois de alguns dias, de ensino, muita oração e sofrimento, deixou só duas famílias convertidas. Que fracasso! Diriam os menos avisados.

    Um homem com tanto poder, autoridade e inteligência, não soube fazer uso da sua capacidade. Paulo poderia SUTILMENTE se associar com a jovem adivinhadora e “BOTAR PRA QUEBRAR”, aproveitando o ensejo ao ser identificado como servo do Deus altíssimo, afinal quem conosco não ajunta espalha. Isso sem falar do areópago grego, onde Paulo poderia expulsar os demônios que estavam ali promovendo a idolatria, mapear a cidade e descobrir qual a potestade em Atenas, e assim fazer acontecer, com certeza os demônios se manifestariam e seria grande a repercussão. No entanto, se resumiu a testemunhar a sua conversão e apenas pregou, e ficou por isso mesmo, poucos foram os que aceitaram a sua mensagem, a multidão dispersou-se. Tenho certeza que esta seria a atitude de muitos “PREDADORES DA FÉ” que fazem de tudo para manipular e se promover através da massa.

    Pedro deveria ser menos radical com o Simão, o “MÁGICO DE SAMARIA”. O homem, impactado pelo grande poder de Deus, já tinha abraçado a fé, e num ato de EUFORIA e MENINICE ESPIRITUAL ofereceu dinheiro para os Apóstolos. Pedro bem que poderia relevar as coisas e se APROVEITAr da popularidade de Simão para impactar ainda mais a multidão, afinal de contas Simão tinha-os consigo. Por outro lado Pedro esqueceu que no Antigo Testamento o povo de Deus, ao avançar sobre os povos inimigos, tinha direito aos despojos. Hoje, da mesma forma os “PREDADORES DA FÉ” acham que devemos fazer uso do poder de Deus e aceitar ofertas dos povos. O povo tem que entender que é dando que se recebe, dinheiro sempre é bem vindo, as arestas a gente tira de letra. Nada de querer doutrinar o povo por enquanto, o negócio é aproveitar o MOMENTO EUFÓRICO DA MASSA e fazer acontecer, o povo quer ver milagres vamos aproveitar, já que está funcionando mesmo.

    Para o pragmatismo religioso do cristianismo moderno os fins justificam os meios. Em outras palavras, se você quiser ser bem sucedido como Pastor ou pregador do Evangelho, você terá que FAZER VISTAS GROSSAS para muitas barbaridades, deixar a coisa rolar sem se importar muito com pecado, com a falta compromisso, etc. O negócio é IMPRESSIONAR e manter o povão plugado nas novidades e nas campanhas de fé e milagres. Hoje se prega pouco, se cura muito e se engana muito mais…

    Venha para a igreja, como se a freqüência a Igreja bastasse. É comum em nossos dias à focalização sobre os sem igrejas. Este proselitismo é uma das síndromes do neo-pentecostalismo, movimento que está em alta no Brasil atualmente. Não se buscam os que estão SEM JESUS, mas sim os “DESIGREJADOS”. Biblicamente, o homem precisa primeiramente de Jesus, depois ser inserido em uma igreja onde possa comungar e crescer na fé, depois ser pastoreado e discipulado.

    Lemos na Bíblia: “Estes sinais seguirão os que crêem…” – Marcos 16:17. Na atualidade os que crêem seguem os sinais. Sinais e maravilhas de acordo com a palavra é a confirmação da verdade, mas infelizmente, os “PREDADORES DA FÉ”, insistem em sinais e maravilhas e esquecem de pregar a Palavra, assim a Palavra de Deus na atualidade se resumiu em “PROMESSAS DESCONTEXTUALIZADAS” de atitudes. O conselho de Paulo a Timóteo, hoje não é bem quisto. Ele recomenda: “Que pregues a Palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreenda, exorte, com toda a longanimidade e doutrina” – II Timóteo 4:2. A pregação da palavra, segundo Paulo, consistia em exortar, repreender, corrigir, com toda longanimidade e doutrina. Todavia, vale a pena manter-se fiel à Palavra e pregá-la como ela de fato é, pura e verdadeira, independentemente dos VENDAVAIS DE DOUTRINAS ou CONCEITOS PRÉ-CONCEBIDOS por muitos que se dizem mestres e não são, são antes, sinagogas de satanás.

    Queremos crescer, mas o CRESCIMENTO é diferente do INCHAÇO, enquanto o inchaço se processa segundo a filosofia do Chico Anísio, do “VAPT-VUPT”, o crescimento por sua vez é paulatino e saudável. O crescimento numérico deve ser conseqüência do crescimento espiritual. Só alcançaremos vidas através de vida no altar. Tudo bem que a igreja primitiva, no inicio foi composta por multidões, contudo Deus não concentrou o seu poder na multidão, pelo contrario, ele os DISPERSOU entre os povos para anunciar as Boas Novas, e aí os fatos aconteceram. Hoje, concentra-se o máximo de força em multidões, virou marketing.

    No pragmatismo religioso a cobrança é grande, você tem que desempenhar, se isso não acontecer você é desqualificado e colocado para escanteio. Você tem que cativar e CULTIVAR A MASSA com todos os ARTIFÍCIOS possíveis, não importa como. Pragmatismo religioso é assim, a obra é de Deus na teoria, mas na prática o homem TEM A PRIMAZIA, ou seja, se a obra vai bem, palmas para o Pastor que é o bom, se a obra vai mal, pau no Pastor que é ruim. E Deus onde fica nesta história? No mínimo deveria ser reconhecido quando as coisas vão a contento. No pragmatismo religioso, o Pastor tem que ser “O CARA”, tem que bater escanteio, correr e fazer o gol de cabeça. É pau para toda obra, tem que orar, curar, profetizar, administrar, construir, visitar, cantar, tocar, pregar, pastorear, discipular, evangelizar, revelar e plantar bananeira no púlpito, em fim, tem que fazer e acontecer. É lamentável, mas os dias são de FOGO ESTRANHO no altar, tem que ter fogo no altar não importa a procedência. Para impactar a multidão não são poucos os que fazem uso do púlpito SIMULANDO DONS e ESPIRITUALIDADE, com rostos desfigurados e voz trêmula no intuito de comover os ouvintes. Quando era criança não entendia por que muitos PSEUDO-ESPIRITUAIS não seriam aceitos por Cristo na ocasião do julgamento citado por Jesus em Mateus: “…Profetizamos em teu nome, em teu nome expulsamos demônios, realizamos milagres em Teu nome, etc…” A resposta para todos será esta: “Nunca vos conheci. Apartai-vos de mim vós que praticais a iniqüidade!”. Cuidado irmão, dons NUNCA FORAM SINAIS DE ESPIRITUALIDADE, os espirituosos não serão reconhecidos naquele dia, apesar de hoje o serem, se biblicamente há festa nos céus quando um pecador se arrepende, hoje, no entanto, há festa e propaganda pública quando um paralítico anda, há até os que guardam muletas e cadeiras de rodas, como troféus de poder.

    Os espirituosos fazem uso dos dons para OSTENTAR ESPIRITUALIDADE, os espirituais por sua vez, são naturalmente reconhecidos sem imposição, são considerados pelo fruto do Espírito Santo em suas vidas, SEM PROPAGANDA e SEM MANIPULAÇÃO. Queremos fogo no altar de nossas vidas, para purificação de nossas almas, queremos fogo no altar de nossas vidas, para paixão ardente pelas almas, que além de estarem no pecado, são iludidas e enganadas por falsos profetas. Queremos fogo no altar de nossas vidas, para amar e adorar a Deus com fervor e devoção. Queremos fogo no altar de nossas vidas, para trabalhar com ardor na igreja de Jesus Cristo. Em fim, queremos fogo, mas fogo que proceda do altar do Pai, o mesmo que tocou em Isaias dando-lhe o sentimento de pecador, abrindo-lhe a visão para a sua realidade ao admitir que habitava em meio a uma geração de impuros lábios, e ao fim dizer: “Eis me aqui, envia-me a mim” – Isaías 6:8. É desse fogo que precisamos, é isto que não vemos hoje.

    Hoje os “CRENTINOS MUNDERNOS” estão baseando a sua crença numa fé que dá show, tem até o “SHOW DE MÁ FÉ” do tal Romildo Rodrigues Soares, e isto acontece porque eles não têm testemunho pessoal para dar, ai usam os milagres como forma de validar as suas trapaças. Lendo as cartas de João encontrei um texto intrigante, desafiador e perturbador, ele diz: “Amados, não creiais a todo espírito, mas provai se os espíritos vêm de Deus; Porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo” – I João 4:1. Aqui se encerra qualquer dúvida quanto a os falsos Profetas que andam vendendo o Evangelho por ai.

    Carlos Roberto Martins de Souza

DEIXE UMA RESPOSTA