Condenado à prisão por pregar o evangelho, pastor inspira outros presos a se entregarem a Cristo

5

O pastor e missionário do Gospel For Asia (Evangelho para a Ásia), Ugyen Tashi, que foi condenado a três anos de prisão em 2010 por compartilhar o evangelho com pessoas em sua aldeia, comentou recentemente sobre o tempo que passou detido, e conta que mesmo preso não abandonou sua fé, e compartilhou da Palavra de Deus com seus companheiros de cela.

Tashi foi condenado pelo tribunal superior do Butão, na Ásia, e, após sua condenação ser confirmada, passou seus dias na prisão dividindo uma cela de 10 metros quadrados com cerca de outros 12 homens, em condições precárias de saúde e higiene. Porém, ele conta que, apesar da precária situação na qual passou a viver, entendeu que Deus permitiu sua prisão com uma razão, e que nesse tempo detido ele teria como missão dizer aos assassinos, viciados em drogas e ladrões com quem passou a dividir a cela sobre o amor dAquele que veio para quebrar seus grilhões da escravidão e fazê-los verdadeiramente livres.

– Nosso Senhor teve que passar por espancamento, uma humilhação desumana e, finalmente, a morte. [Meu sofrimento] era nada comparado com a dor e a agonia que nosso Senhor passou… Agradeci ao Senhor porque eram apenas por três anos – afirmou Ugyen, que contou ainda que o motivo de sua prisão logo chamou a atenção dos outros detentos.

– Eu disse a esses detentos eu era um crente e que fui levado por compartilhar sobre Jesus com as pessoas. Quando os presos ouviram falar sobre isso, se perguntaram por que eu estava sendo punido por uma coisa dessas. Eles disseram que foram presos por roubar, matar e roubar, mas meu caso era completamente diferente, e eu não merecia tudo isso – detalhou.


Porém, apesar da certeza de sua missão naquele meio, Ugyen Tashi relata que não foi fácil cumprir sua missão, e revela que teve sua saúde severamente comprometida pelas condições precárias às quais foi submetido, em um local em que mais de 10 homens se amontoavam e usavam latas para fazerem suas necessidades, visto que os guardas limitavam até mesmo suas idas ao banheiro.

Mesmo com a saúde debilitada, e com acesso aos próprios remédios restrito pelos guardas da prisão, o pastor passou seus dias orando e clamando a Deus. Eventualmente, vários desses presos começaram a se juntar a ele nas orações, e três dos seus colegas naquela cela entregaram suas vidas a Cristo.

Após ser libertado, o pastor têm falado de seu testemunho e ressalta a todos a importância de se conhecer bem a Bíblia, e até mesmo memorizar algumas passagens do Livro Sagrado, para momentos com os que passou.

– Como servos de Deus, precisamos aprender a Bíblia e memorizar versículos, tanto quanto pudermos. Temos que nos preparar com a Palavra de Deus para, em situações como a minha, podermos meditar na Palavra de Deus. Não se pode garantir que não seremos presos por nossa fé… E sem o conhecimento da Palavra de Deus, nós iriamos sucumbir ao desânimo e depressão. … Quando meditamos na Palavra de Deus, o Senhor fala conosco, Ele conduz e orienta nossas vidas – resume o pastor, que finaliza afirmando que “tudo o que eles [que vierem a ser presos] precisam saber é que o Senhor ainda está no controle, e nunca devemos perder o ânimo”.

Por Dan Martins, para o Gospel+

5 COMENTÁRIOS

  1. Como podemos dizer que somos cristãos ou seres humanos se nós colocamos o nosso próximo em celas com as condições como falado por esse pastor?

    É de dever de todos os pastores deste país ir visitar as detenções, liderar mutirões visando em conjunto com a sociedade construir mais espaços com banheiros para cada cela, conseguir bibliotecas, tv, energia solar para evitar gastos, afinal foi dos presos que Cristo lembrou pedindo atenção especial.

    Acho estranha a postura do Brasil com relação à sua população carcerária, o descaso, a humilhação, sendo constante os órgãos internacionais também efetuar severas críticas os Poder Público pátrio, que não se mexe, cabendo, repito, a nós outros a tomar a frente da humanização, sendo ciente que não basta evangelizar, sim tornar o lugar onde eles se encontram dignos de um nosso irmão, do próximo, de um filho de Deus.

  2. Lamento o que esse pastor sofreu: Mas quantas pessoas não evangélicas (membro de outras igrejas) tem sido presas e encarceradas, e onde estão os evangélicos para as defender e denunciar esses abusos? Milhares estão em prisões nesses países. E onde estão as denuncias?

DEIXE UMA RESPOSTA