Padre teria denunciado garoto de programa à polícia por não realizar programa combinado

12

Na última semana um padre da cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, procurou a polícia relatando ter sido vítima de um estelionato. Ederson da Rosa Pereira, de 34 anos, é padre da Paróquia Santa Catarina e foi atrás da polícia para denunciar um garoto de programa ao qual pagou R$ 800 por um programa que acabou não se realizando.

De acordo com o Diário de Santa Maria a policial militar que registrou a ocorrência conta que foi procurada pelo religioso na Estação Rodoviária de Santa Maria e que ele inicialmente relatou que teria sido vítima de um falso vendedor de produtos de informática.

Ele afirmou que teria feita a compra de produtos de informática de um vendedor que veio de Caxias do Sul para fazer a entrega, no valor de R$ 600. Segundo seu relato inicial, ele teria ido buscar a encomenda na rodoviária ao meio-dia, teria pago o valor ao vendedor e dado uma carona ao vendedor até o Centro e que, depois de realizar o pagamento, o jovem teria dito que ia entregar mais produtos para outros clientes e teria sumido sem entregar os supostos equipamentos.

Pereira afirmou ainda à polícia que, ao voltar à rodoviária à procura do vendedor, foi informado que ele tinha trocado a passagem para Porto Alegre e iria embarcar às 14h30min. De acordo com a ocorrência policial, o padre teria visto o suposto vendedor enquanto conversava com a policial, que abordou o rapaz e conduziu os dois para a delegacia.


Porém, ao prestar depoimento na delegacia, o padre acabou revelando que o rapaz, na verdade, era um garoto de programa que ele teria conhecido pela internet. Ele informou que contratou o jovem para um programa e que pagou a ele um total de R$ 800, que incluiria a passagem dele até a cidade e o programa.

O padre afirma que pediu o dinheiro de volta ao rapaz, mas que ele não aceitou devolver o valor, por ter se deslocado até a cidade.

O assessor da arquidiocese de Santa Maria, padre Silvio Weber, afirma que Pereira nega o caso veementemente. O advogado Clândio da Rosa Teixeira informou ao Diário de
Santa Maria que foi procurado pelo religioso para tratar de um caso sobre estelionato, mas nega a versão registrada no boletim de ocorrência.

Ao negar a versão registrada no boletim de ocorrência de que o padre teria contratado os serviços do garoto de programa, Teixeira afirma que seu cliente estava nervoso e assinou o documento sem ler.

Segundo ele, o padre acionou a polícia por ter sido vítima de estelionato na compra de produtos de informática e que, ao ser conduzido por uma policial militar à Delegacia de Polícia de Pronto-Atendimento (DPPA) descobriu, por ela, que o vendedor era também garoto de programa e que havia ido até a cidade para entregar os produtos de informática e realizar o serviço de prostituição, contratado por outra pessoa.

12 COMENTÁRIOS

  1. Quem compra produtos de informática de um desconhecido, para buscar na rodoviária, e ainda da uma carona para o vendedor até o centro da cidade?
    Por outro lado, mesmo que o padre tivesse pago um “trabalhador sexual”, é estranho pensar que ele iria se expor numa delegacia e ainda assinar o boletim de ocorrência.

  2. Este padre deveria ir ao progama do celso russomano e denunciar o descumprimento de serviço.falando serio, se fizer uma pesquisa entre os gogoboys a maioria vai responder que ja pegou um padre pelo menos uma vez na vida, outra coisa, a maioria dos padres são viciados en saites pornográficos e quando não tão dando o biscoito eles ficam namorando na internet.o papa deveria logo liberar eles se casarem e constituí familia.

  3. Padreco sem vergonha hein?

    Este é o clero católico e o povo defende com unhas e dentes.
    Se isso acontecesse com um pastor a midia iria destacar, mas como e catolico
    e lá tudo pode, a midia defende..

    E o povo sendo enganadooo

    • Engraçado que quando o mesmo ocorre no meio protestante aparece um bando de acéfalos dizendo que não pode generalizar, e citando um monte de versículos..

      ai quando acontece nas Igrejas diferentes das suas, ai a generalilzação é para toda Igreja…

      hipocrisia protestante .. A GENTE VE POR AQUI…

        • é assim que se é Cristão Luciano…

          O Cristão deve ser honesto…

          não pode ser hipócrita…

          a história ainda está envolta em névoas..

          mas concordo que o fato é muito suspeito.. muito mesmo..

          se de fato é como parece ser, é mais um que caiu, a exemplo de tantos outros religiosos…

          não o defendo.. ele que se explique…

          mas como bem sabemos… QUASE TODA GENERALIZAÇÃO É BURRA.

          • Com certeza.quando João Batista disse que o machado está posto a raiz, ele não distinguiu ninguem e sim ele se dirigiu aos pecadores, principalmente aqueles que conhecem a palavra de deus e não se arrependem dos seus pecados.

      • Então você acha o “GENERALIZAR” é um privilégio só seu?

        Não generalizo, mas postei para que os católicos sintam na pele como é ter sua igreja comparada com atitudes de pastores como edir macedo e valdemiro santiago.

        Aprendeu alguma lição?

        • Não há lição alguma a aprender com a sua “comparação”, principalmente porque vc está novamente “generalizando”…

          a “minha Igreja” não tem esse tipo de atitude de generalizar todos os protestantes baseando-se nos Pa$$$$tores que vc citou…

          mas reconheço que muitos que se dizem “católicos” fazem isso..

          por isso digo que QUASE TODA GENERALIZAÇÃO É BURRA.

  4. Uma vergonha, não é? Bem, a grande maioria dos padres sabem que não ‘podem manter relações sexuais’ durante a sua permanência na igreja, porém, muitos entram nesse maio para relacionar-se homossexualmente sem chamar atenção dos fieis. Antigamente eles cometiam esses ‘crimes’ durante toda sua vida e não eram descobertos, denunciados pelas ‘vítimas’. Mas hoje, nesse mundo globalizado, as notícias correm mais abertamente e rápida. e eles terminam ‘caindo’ e se transformando em vítimas da opinião pública. Hipócritas! Mateus 23:27,28,33

DEIXE UMA RESPOSTA